UM COMENTÁRIO APROFUNDADO DA LIÇÃO, PARA FAZER A DIFERENÇA!

Nossa intenção é possibilitar um aprofundamento, tópico a tópico, do conteúdo das lições da EBD, para você aprofundar sua fé e fazer a diferença.

Classe Virtual:

Sente o coração compungido em contribuir com o nosso Ministério? Faça isso de forma simples, pelo PIX: 69381925291 – Mande-me o comprovante, quero agradecer-lhe e orar por você (83) 9 8730-1186 (WhatsApp)

12 de novembro de 2019

(JOVENS) Lição 7: A CONVERSÃO DE SAULO


ANO 10|Nr 1.349|2019
LIÇÕES BÍBLICAS CPAD JOVENS - 4º Trimestre de 2019
Título: Poder, Cura e Salvação - Comentarista: Henrique Pesch
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
L I Ç Ã O  7
17 DE NOVEMBRO DE 2019
A CONVERSÃO DE SAULO
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
TEXTO DO DIA
“E, caindo em terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues?”  (At 9.4)
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
SÍNTESE
A conversão de Saulo foi um dos acontecimentos mais importantes da história do Cristianismo, pois ele foi o vaso escolhido para levar o Evangelho aos gentios.
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
TEXTO BÍBLICO
Atos 3.1-16.
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
INTRODUÇÃO
||Encontramos, registrado no capítulo nove do livro de Atos, a conversão daquele que seria o grande apóstolo dos gentios. Uma conversão, na qual o próprio Senhor encontra Saulo no caminho para onde ele estava indo prender os crentes. Esse encontro marcante com o Filho de Deus fez com que Saulo caísse ao chão. Saulo caiu na presença de Jesus Cristo e ali começou um processo de transformação em sua vida||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 4º Trimestre 2019. Lição 7, 17 Novembro, 2019]
- Passado cerca de um ano desde o martírio de Estêvão, aquele jovem que segurava as vestes dos que apedrejavam o primeiro mártir cristão é alcançado pela graça salvadora. Evidencia-se na narrativa o grande poder de Jesus e a sua imensa graça. Foi de onde menos se esperava que o nosso general foi buscar um capitão para Seu exército, nas fileiras do Inimigo, transformando-o pelo poder sobrenatural do Espírito Santo, lapidando-o e preparando-o para ser o apóstolo dos gentios. Saulo se tornou o homem mais conhecido como representante da fé cristã, além de ser aquele que deu forma à nova religião, sistematizando seus dogmas e pressupostos de fé – escreveu treze cartas do Novo Testamento, sendo o primeiro ‘teólogo’ da igreja e por isso mesmo é chamado por alguns de segundo fundador. ‘Saulo’ (Shaul) era seu nome aramaico, em homenagem ao primeiro rei de Israel, e como era conhecido na comunidade judaica em Jerusalém, ‘Paulo’ (Paulus), que significa "pequeno".é a forma romana de seu nome – é importante que se diga que não houve uma mudança de nome na conversão. Nascido na cidade de Tarso, na Cilícia, também era cidadão romano, direito herdado de seu pai (At 22.28), e foi educado preliminarmente em casa, sendo seu pai o tutor. De família judaica piedosa, circuncidado no oitavo dia, israelita da tribo de Benjamim, hebreu nascido de hebreus. Aos seis anos, como era costume dos judeus, Paulo foi à escola da sinagoga para ser educado na Torá e no hebraico. Jovem, é enviado a Jerusalém para ser educado sob a tutoria de Gamaliel (At 22.3). Atos 26.10 aponta para um Saulo membro do Sinédrio, fariseu zeloso e perseguidor fanático da igreja nascente. Bom estudo e crescimento maduro na fé cristã!
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
I – UM ENCONTRO INESPERADO NO CAMINHO
||1. Um Saulo ameaçador. Vemos neste episódio o Saulo que anteriormente havia consentindo na morte de Estêvão (At 8.1) e que respirava ameaças de morte contra os discípulos do Senhor (At 9.1). Saulo castigava os crentes e obrigava-os a blasfemar. Ele dedicava a sua vida à perseguição dos crentes. Era um hálito de ódio e brutalidade. A fama das crueldades de Saulo percorreu as cidades e o transformou em um monstro para a comunidade cristã. E para dar mais eficácia ao alcance de sua repressão, obtém das autoridades religiosas autorização para perseguir os crentes de cidades fora da Judeia||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 4º Trimestre 2019. Lição 7, 17 Novembro, 2019]
- Tudo que sabemos dele encontramos em Atos, nas suas epístolas e em 2 Pedro 3.15. Em Atos 8 encontramos os acontecimentos logo após a morte de Estêvão. Saulo havia consentido com a morte dele, o que se evidencia com a expressão “Saulo consentia em sua morte” significava que dera o seu voto no Sinédrio para a execução de Estêvão. No versículo 3 desse mesmo capítulo vemos a ferocidade do perseguidor “Saulo, porém, assolava a igreja, entrando pelas casas; e, arrastando homens e mulheres, encerrava-os no cárcere.” “Alguns comentaristas nos explicam que o verbo “assolava”, em grego, nesse versículo pode ser traduzido como destruição e não tem paralelos no Novo Testamento. No Antigo Testamento, o equivalente usado descreve a destruição que um animal selvagem podia causar a uma planta ou a outro ser. Ele realmente era algoz e tinha um sentimento de ódio no coração em relação aos cristãos. Em suas próprias palavras, em Atos 26.11, ele diz que estava demasiadamente enfurecido”. (ultimato). Os versículos 1 a 19 de Atos 9 registram os fatos externos de sua conversão. A passagem de Fp 3.1-14 relata a sua conversão espiritual interior. Antes de sua conversão, é mencionado três vezes (At 7.58; 8.1,3) como inimigo implacável da Igreja. A sua perseguição era tão feroz que procurava os discípulos até em suas casas, arrastando impiedosamente até as mulheres, encerrando-os no cárcere. Diz o versículo 1: "E Saulo, respirando ainda ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor". Isso o revela como um animal devastador, feroz e indomável. Ele mesmo declarou: “E, havendo recebido autorização dos principais dos sacerdotes, encerrei muitos dos santos nas prisões; e quando os matavam eu dava o meu voto contra eles” (At 26.10). Não se contentando em atuar na área sob domínio do Sinédrio, Saulo vai até o sumo sacerdote e pede recomendações para conseguir apoio das sinagogas de Damasco para perseguir cristãos fora de Jerusalém.

||2. Perseguindo Jesus. No caminho para a cidade de Damasco, Saulo foi surpreendido por um resplendor de luz do céu que fez com que ele caísse por terra. E Jesus pergunta-lhe: “Saulo, Saulo, por que me persegues?” (At 9.4). No entanto, Saulo parecia não estar perseguindo Jesus, mas os cristãos que estavam em Damasco. Aqui encontramos uma profunda ligação entre Cristo e a Igreja, pois a perseguição de Saulo aos cristãos era uma perseguição à pessoa de Jesus Cristo. Perseguir a Igreja é perseguir o próprio Jesus. É motivo de consolo para nós saber que Jesus toma para si todas as nossas dores, injustiças e sofrimentos. Depois de sua conversão, o Saulo que foi transformado em Paulo vai falar aos crentes de Efésios que Cristo ama tanto sua Igreja que se entregou por ela (Ef 5.25). Isso nos mostra que devemos tratar a Igreja do Senhor com respeito e honra por ser a noiva escolhida, purificada e protegida de nosso Senhor Jesus, que um dia virá buscá-la (Ap 19.7)||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 4º Trimestre 2019. Lição 7, 17 Novembro, 2019]
- Existe uma união inseparável entre Cristo e os seus seguidores. A perseguição de Saulo representava um ataque direto a Cristo (Mt 18.5-6). “Roma havia concedido aos judeus o direito de extradição dos criminosos fugitivos de Jerusalém. Até onde podemos ver em Atos, ser cristão naqueles dias era não só um crime religioso, mas também civil. Saulo considerava os seguidores de Cristo subversivos. Por isso, conseguiu cartas dos "principais dos sacerdotes" (26.10) e do "sumo sacerdote" (22.5), as quais o investiu de autoridade para prender os discípulos do Senhor Jesus”. (apazdosenhor).
Saulo esperava segurar os seguidores de Jesus em Jerusalém, a fim de destruí-los ali (8:3). Mas alguns tinham escapado da sua rede, fugindo para Damasco, onde várias sinagogas serviam uma grande colônia judaica. Determinado a perseguir esses discípulos fugitivos em cidades estranhas, Saulo elaborou uma trama para liquidá-los e persuadiu o sumo sacerdote a sancioná-la (9:1b-2). Então, esse inquisidor auto-nomeado deixou Jerusalém armado com a autorização escrita às sinagogas de Damasco para que, caso achasse alguns que eram do Caminho (uma descrição muito interessante dos seguidores de Jesus, que vamos considerar mais parte), assim homens como mulheres os levassem presos para Jerusalém (v. 2). Em linguagem moderna, o sumo-sacerdote lhe concedeu uma ordem de extradição.” (monergismo)
||3. Mudança de planos. Saulo tinha um plano traçado e cartas do sumo sacerdote, dando-lhe a permissão de ir às sinagogas de Damasco. Nesta cidade, seu objetivo era de que se encontrasse alguns da “seita” dos cristãos, levá-los-ia presos à Jerusalém. No entanto, no versículo três, diz que subitamente o cercou um resplendor de luz do céu. Da escuridão do ódio, Saulo é envolvido pela luz do céu. Da postura soberba, ao chão. De alguém que só ouvia a respeito da aprovação dos seus atos, o Senhor dos senhores questiona suas atitudes. De valente a tremulo e atônito, ele pergunta: “Senhor, que queres que faça” (v. 6). Onde está aquele Saulo com seu plano autoritário e violento? Um encontro com Jesus faz mudar o mais vil pecador||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 4º Trimestre 2019. Lição 7, 17 Novembro, 2019]
- Foi a caminho para praticar mais um de seus atos perseguidores que Saulo encontrou Jesus de forma singular e definitiva. Quase no fim de sua viagem de 240 km, ele viu e ouviu o Senhor Jesus ressurreto. Posteriormente, esse fato foi muito importante para conferir autoridade apostólica a Paulo. A pergunta feita ao perseguidor lhe mostrou quanto o Senhor prezava, amava e era unido com a Sua igreja. Ele não perguntou por que Paulo perseguia a igreja, mas sim porque O perseguia. Seguindo ele viagem, quase chegando em Damasco, de subito viu-se cercado de um resplendor de luz do céu; caindo por terra, uma voz que lhe disse: “Saulo, Saulo, por que me persegues?”. Saulo não sabia quem estava falando com ele. Então, ouviu o Senhor responder: “Eu sou Jesus, a quem tu persegues” (At 9.5). Os homens que viajavam com ele quedaram-se emudecidos, ouvindo, na verdade, a voz, mas não vendo ninguém. Foi uma experiência tão gloriosa que ele ficou cegado (v. 8,9) e caiu por terra (v. 4), “prostrado aos pés de seu conquistador”. Saulo levantou-se da terra e, abrindo os olhos, não via coisa alguma; e, guiando-o pela mão, conduziram-no a Damasco. E esteve três dias sem ver, e não comeu nem bebeu. (At 9.3-9).
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
II – A VISITA DE ANANIAS
||1. Um homem piedoso. Em Damasco, havia um discípulo chamado Ananias, um homem piedoso conforme a lei, tendo bom testemunho de todos os judeus que moravam ali (At 22.12). Quando o Senhor lhe aparece numa visão chamando seu nome, ele prontamente responde: “Eis-me aqui, Senhor!” (At 9.10). Então o Senhor ordenou que Ananias fosse a um determinado endereço. O comentarista bíblico Faucett afirma “que é extraordinário o fato de Ananias, a quem Saulo teria detido para ser encarcerado e morto, ter sido o instrumento para restaurar-lhe luz e vida”||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 4º Trimestre 2019. Lição 7, 17 Novembro, 2019]
- Ananias era um dos líderes da igreja de Damasco e por isso, um dos alvos de Saulo (At 22.12). “A recepção de Paulo na igreja foi um pouco diferente. Ele jejuou, orou e esperou por três dias antes que obtivesse alguma explicação para tudo aquilo que aconteceu com ele. Essa atitude de Paulo mostra sua rápida transformação. Claro que, como fariseu, orava e jejuava, mas agora era diferente. Esperou calmamente que o Senhor lhe enviasse uma resposta e, enquanto isso, apenas jejuou e orou. Como diz Stott, “o rugido do leão foi transformado em balido de cordeiro”. Seu relacionamento com Deus foi transformado” (ultimato).
||2. A desconfiança de Ananias. Embora Ananias tenha prontamente se colocado à disposição do Senhor, isso não evitou sua desconfiança em relação a real mudança de Saulo. Ele estava bem informado a respeito de Saulo e de todos os males que ele havia feito entre os crentes, especialmente contra aqueles que haviam fugido de Jerusalém para outras cidades. Sua avaliação era humana, pois não sabia que ele era um escolhido de Deus e que já estava sendo transformado naquele que seria o grande apóstolo dos gentios. Ananias não estava fugindo de sua missão, mas apenas sendo cauteloso, pois se tratava do temido e terrível Saulo. Muitas vezes agimos como Ananias, pois fazemos uma avaliação meramente humana e desconfiamos de pessoas que estão sendo profundamente trabalhadas e transformadas pelo Senhor. Se Deus mandar você cuidar de determinadas pessoas, por mais problemáticas que possam ser, tenha a certeza de que Ele irá com você e seu plano será uma bênção||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 4º Trimestre 2019. Lição 7, 17 Novembro, 2019]
- Era uma reação perfeitamente normal a qualquer ser humano. Tendo conhecimento da devastação que Saulo fizera em Jerusalém, após o martírio de Estêvão, e sabedor que ele estava investido da autoridade, concedida pelo Sinédrio, para açoitar e aprisionar os discípulos, era mesmo para ficar temeroso. Ananias, porém, ainda não sabia que a graça de DEUS havia alvejado o indomável perseguidor, e o tal seria uma vaso escolhido para os propósitos divinos.
- “Enquanto Paulo esperava jejuando e orando, o Senhor tinha um diálogo muito interessante com Ananias, um membro mais velho da igreja de Jesus naquele lugar. Ao receber a ordem de orar por Saulo, Ananias respondeu ao Senhor que Saulo era um homem muito perigoso e demonstrou certo medo a Deus. Mas a resposta do So­berano foi reveladora. Ananias recebeu a revelação de que Saulo se tornaria apóstolo aos gentios e aos seus reis, como de fato foi. O próprio livro de Atos nos mostra isso. Além de ser o apóstolo dos incircuncisos (Rm 11.13; Gl 2.2, 7-8; Ef 3.8), foi teste­munha perante o governador Felix e sua esposa, Drusila (At 24.24), o rei Herodes Agripa II, além de comparecer perante César. Após essa palavra, Ananias se encheu de coragem e foi ao encontro do novo convertido. Em Ananias, Saulo encontrou uma resposta para seu problema de cegueira, recebeu oração, ficou cheio do Espírito Santo, foi batizado e, finalmente, se alimentou. Ananias foi o primeiro a reconhecer o perseguidor como cristão e quando foi orar por ele o chamou de “Saulo, meu irmão”” (ultimato).

||3. O plano de Deus para Saulo. Saulo tinha um plano, mas Deus tinha outro. O plano de Saulo era ir a Damasco prender os crentes, mas o de Deus era que ele fosse libertar pessoas das garras do Diabo. Seu plano era usar de violência, mas o de Deus era que ele fosse o autor de uma das mais belas descrições de amor e de como precisamos viver em amor (1 Co 13). O plano de Saulo era viver na sua soberba religiosa, fazendo os outros sofrerem, mas o de Deus era que ele se tornasse servo de Cristo e viesse a sofrer pelo Evangelho (Rm 1.1; Tt 1.1). O plano de Deus para Saulo era que ele levasse o Evangelho aos gentios, reis e filhos de Israel (v. 15). É maravilhoso saber que Deus se interessa, de forma individual por cada pessoa. O Senhor tem uma missão específica para cada um e precisamos sempre buscar sua vontade para as nossas vidas (Rm 12.2)||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 4º Trimestre 2019. Lição 7, 17 Novembro, 2019]
- Atos 9.15 nos revela que Saulo já era uma escolha de Deus para a obra do Reino “instrumento escolhido” - literalmente "um vaso de eleição". É importante que se diga que houve perfeita continuidade entre a salvação e o serviço de Paulo. Que mudança de planos! Deus o escolheu para proclamar sua graça a todos os homens (Cl 1.1; 1Tm 2.7; 2Tm 1.11); Paulo usou essa expressão quatro vezes (Rm 9.21,23; 2Co 4.7; 2Tm 2.21). perante os gentios e reis, bem como perante os filhos de Israel. Paulo começou o seu ministério pregando aos judeus (At 13.14; 14.1; 17.1,10; 18.4; 19.8), mas a sua missão principal foi junto aos gentios (Rm 11.13; 15.16). Deus também o chamou para ministrar a reis, tais como Agripa (At 25.23—26.32) e possivelmente César (At 25.10-12; 2Tm 4.16-17).
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
III - UM NOVO TEMPO DE DEUS PARA SAULO
||1. A acolhida de Ananias. Após Deus ter assegurado a Ananias de que Saulo era um vaso escolhido para uma missão, o perseguido foi até ao ex-perseguidor e, entrando na casa onde este estava, impôs sobre ele as mãos e diz: “Irmão Saulo” (v.17).  Tal afirmação demonstra que Ananias já havia reconhecido a Saulo como um crente. De inimigo a irmão em Cristo. Que nunca venhamos a menosprezar o valor de ser um “irmão” ou “irmã” em Cristo. Ananias acolheu Saulo impondo-lhe as mãos, orando para que recuperasse  a visão e fosse cheio do Espírito do Santo||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 4º Trimestre 2019. Lição 7, 17 Novembro, 2019]
- “Saulo tinha uma nova referência para com Deus. Ananias, instruído a ir e ministrar ao novo convertido, foi informado de que ele estava orando (v. 11). Três dias haviam passado desde o seu encontro com o Senhor ressurreto, durante os quais nada comeu nem bebeu (v. 9). Supõe-se, então, que passou aqueles dias em jejum e oração, ou seja, abstendo-se de alimentos a fim de dedicar-se à oração. Não que ele não tivesse jejuado ou orado antes. Como o fariseu da parábola de Jesus, ele deve ter subido ao tempo para orar e, como ele, pode ter clamado “jejuo duas vezes por semana”. Mas agora, através de Jesus e de Sua cruz, Saulo fôra reconciliado com Deus e, conseqüentemente, gozava de um novo acesso direto ao Pai, desde que o Espírito havia testificado com o seu espírito de que ele era filho de Deus. Qual era o conteúdo de suas orações? Podemos supor que ele orou pelo perdão de todos os seus pecados, especialmente o de ser auto-suficiente e o de perseguir cruelmente Jesus e seus seguidores; pediu sabedoria para discernir o que Deus queria que ele fizesse agora; e poder para exercer o ministério que recebesse, qualquer que fosse. Sem dúvida alguma, suas orações também incluíam adoração, ao derramar sua alma em louvor, por Deus ter sido misericordioso com ele. A mesma boca, que havia respirado ameaças de morte contra os discípulos do Senhor (v. 1), agora respirava louvores e preces a Deus. “O rugido do leão foi transformado no balido de um cordeiro”.” (A Conversão de Paulo Comentário sobre Atos 9:1-25 por John R. W. Stott)

||2. Abrem-se os olhos de Saulo.  Após Ananias ter imposto as mãos sobre Saulo e feito o que o Senhor lhe havia mandado fazer, imediatamente lhe caíram dos olhos como que umas escamas (At 9.18). Podemos ver que Saulo foi liberto de uma cegueira física temporária e de uma cegueira espiritual que há muito tempo o afetava. Ambas as curas foram milagres, porém a segunda foi um milagre ainda maior que o primeiro. É como aquele paralítico que foi descido pelos seus amigos até Jesus, e o Mestre disse-lhe que os seus pecados estavam perdoados. Para Jesus, a salvação da alma está em primeiro lugar (Mt 9.6). Somente o Senhor pode nos fazer compreender as coisas espirituais (1 Co 2.14). Na Carta aos Efésios, o próprio Paulo escreverá que agradecia a Deus por ele ter iluminado os olhos do seu entendimento (Ef 1.18)||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 4º Trimestre 2019. Lição 7, 17 Novembro, 2019]
- Para Paulo, fechar os olhos ao ser ferido pela luz brilhante, seria uma ação reflexa instintiva. Ao abri-los depois, ainda continuou sem ver; isto, por si só, não seria desnatural, mas o modo de a cura mais tarde ser dada sugere que era provavelmente sobrenatural. Na sua fraqueza, Paulo precisou ser guiado pelos seus companheiros, e assim chegou a Damasco. Ali, jejuou durante três dias, sem dúvida ainda vencido pelo choque, e provavelmente como penitência à medida em que percebia ainda mais a enormidade das suas ações.

||3. Fortalecido no físico e no espírito. O Senhor tem interesse em nos capacitar a fim de que sejamos usados na propagação do Evangelho. Além de perdoar os nossos pecados Ele deseja que tenhamos saúde espiritual, emocional e física para podermos exercer nossa missão com mais eficácia. Depois ter seus olhos abertos, Saulo se levantou, foi batizado e cheio do Espírito Santo. Saulo então se alimenta e se sente-fortalecido, pois precisamos cuidar do templo do Espírito Santo (1 Co 6.19). Paulo ficou com os discípulos na cidade de Damasco por alguns dias antes de começar seu ministério. É na comunhão com nossos irmãos que encontramos força, encorajamento e compaixão para cumprirmos o nosso chamado||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 4º Trimestre 2019. Lição 7, 17 Novembro, 2019]
- O Espírito Santo já tinha sido ativo na vida de Paulo convencendo-o do pecado (Jo 16.9), convencendo-o do senhorio de Cristo (1Co 12.3), transformando-o (Tt 3.5) e habitando nele permanentemente (1Co 12.1.3). Então, ele foi enchido com o Espírito e capacitado para o serviço (At 2.4,14; 4.8,31; 6.5,8; Ef 5.18). Saulo recebeu o Espírito sem a presença de nenhum apóstolo porque ele era judeu (a inclusão de judeus na igreja já havia sido estabelecida no Pentecostes) e porque ele veio a ser um apóstolo por direito próprio, pois Cristo o havia escolhido pessoalmente e comissionado pra o serviço (Rm 1.1). Não existe conversão genuína em que não haja mudanças de comportamento e de relacionamento para com Deus, com a igreja e com o mundo. Ensinemos essa verdade tão importante e tão ausente nas pregações evangélicas de hoje.

 ▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
CONCLUSÃO
||É maravilhoso ver a forma como Deus transformou um homem, que era opositor dos cristãos, em um de seus maiores defensores. Somente Deus tem esse poder e ainda hoje Ele continua salvando pessoas. Ele perdoa, lava no sangue de Jesus e oferece um novo caminho para nossas vidas. Valorize sua experiência com Jesus Cristo como um presente precioso de sua vida||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 4º Trimestre 2019. Lição 7, 17 Novembro, 2019]
- A conversão de Saulo de Tarso, o vulto que se tomou como o universalmente conhecido apóstolo Paulo, é um dos eventos da mais alta importância na história da Igreja, e assim, do mundo. Julga-se, com razão, importante sua conversão pelo fato desse evento ser narrado três vezes em Atos dos apóstolos: A primeira vez, como escrito por Lucas para nós, Cap. 9. A segunda vez, como contada pelo apóstolo Paulo ao grande concurso de judeus na cidade de Jerusalém, Cap. 22. A terceira vez, como narrada pelo apóstolo perante as autoridades romanas, (Espada Cortante 2 - Orlando S. Boyer - CPAD - Rio de Janeiro – RJ, Cap. 26).
.
Pb Francisco Barbosa