UM COMENTÁRIO APROFUNDADO DA LIÇÃO, PARA FAZER A DIFERENÇA!

Nossa intenção é possibilitar um aprofundamento, tópico a tópico, do conteúdo das lições da EBD, para você aprofundar sua fé e fazer a diferença.

Classe Virtual:

Sente o coração compungido em contribuir com o nosso Ministério? Faça isso de forma simples, pelo PIX: 69381925291 – Mande-me o comprovante, quero agradecer-lhe e orar por você (83) 9 8730-1186 (WhatsApp)

19 de novembro de 2019

(ADULTOS) Lição 8: O EXÍLIO DE DAVI


ANO 10|Nr 1.350|2019
LIÇÕES BÍBLICAS CPAD ADULTOS - 4º Trimestre de 2019
Título: O Governo divino em mãos humanas - Comentário das lições: Osiel Gomes
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
L I Ç Ã O  8
24 DE NOVEMBRO DE 2019
O EXÍLIO DE DAVI
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
TEXTO ÁUREO
“Então, Davi se retirou dali e se escapou para a caverna de Adulão; e ouviram-no seus irmãos e toda a casa de seu pai e desceram ali para ele. E ajuntou-se a ele todo homem que se achava em aperto, e todo homem endividado, e todo homem de espírito desgostoso, e ele se fez chefe deles; e eram com ele uns quatrocentos homens” (1Sm 22.1,2).
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
VERDADE PRÁTICA
Dos muitos conflitos que vivenciamos aprendemos lições preciosas para a nossa vida espiritual e formação de nosso caráter, segundo o modelo Cristo.
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
1 Samuel 22.1-5
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
INTRODUÇÃO
||Nem sempre as vivências marcadas por situações traumáticas podem ser vistas como negativas. Por vezes, elas servem para tirar as cascas das aparências, a infantilidade, o esquecimento de nós mesmos, a fim de levar-nos à essência real da vida. O exílio fala de expatriação forçada ou livre, isolamento social, solidão. A conotação nem sempre é pejorativa, pois, nas Escrituras Sagradas, o exílio recebeu conotações positivas e negativas. O exílio pode ser o lugar onde nosso caráter será testado, onde nossa própria identidade será descoberta, onde nossa lucidez mental e espiritual terá a sua aurora (Pv 4.18). A caverna de Adulão não será apenas o exílio de Davi, mas, sim, o lugar que moldará o seu caráter, preparando-o para uma missão maior: a liderança de Israel||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 8, 24 Novembro, 2019]
- “A caverna é uma espécie de gruta na rocha que servia de abrigo e de refugio para animais, peregrinos e forasteiros que recorrem para se protegerem de perigos e descansarem de suas árduas, fatigantes e exaustivas jornadas. E em tempos de guerra serviam de lugares de refúgio (Jz 6.2). na caminhada da vida às vezes recorremos a algumas cavernas, quando nos sentimos: esgotados e sufocados com as lutas diárias; quando somos: perseguidos e ameaçados pelos inimigos; e em fim, quando nos encontramos: inseguros, abatidos, debilitados, deprimidos, desanimados e amedrontados. Procuramos a caverna em busca de refugio e refrigério. Depois da aliança com Jônatas, ciente que Saul queria matá-lo por inveja, Davi sai em busca de um lugar para se esconder” (CAVERNA DE ADULÃO). “A palavra Adulão tem dois significados: 1. justiça do povo; 2. refúgio, esconderijo. Essas não são duas maravilhosas alusões à cruz do Calvário e à futura história de Israel? Será feita justiça a Israel, e isso no dia da Grande Tribulação quando o povo judeu se refugiará no Senhor e quando seus olhos virem Aquele a quem haviam rejeitado. A salvação de Israel passa pelo Calvário (Adulão)! Mas também a nós, que cremos em Jesus Cristo, foi concedida ali a justiça que tem validade diante de Deus. Fomos justificados pelo sangue do Cordeiro (Rm 3.25-26). E na cruz igualmente encontramos refúgio. “O Deus eterno é a tua habitação” (Dt 33.27).” (chamada). Bom estudo e crescimento maduro na fé cristã!
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
I – AS CARACTERÍSTICAS DO EXÍLIO DE DAVI
||1. A caverna de Adulão. Lugares, pessoas, situações — tudo serve para o nosso crescimento social e espiritual. Davi deixa o território e vai para uma região que conhecia muito bem: a caverna de Adulão. O nome Adulão quer dizer refúgio; era assim denominado por causa de uma cidade em suas proximidades. Situada na Sefelá, a planície de Judá, distando de Jerusalém aproximadamente 26 km ao sudoeste e 20 km ao sudeste de Gate. No período dos patriarcas tinha sido uma cidade cananeia (Gn 38.1) e, na época das batalhas de Josué, quando da ocupação da terra, ela foi capturada (Js 12.15). Houve fatos importantes na caverna de Adulão. Ali, ela foi fortificada por Roboão (2Cr 11.7); depois do cativeiro foi reocupada pelos filhos de Judá (Ne 11.30) e sua existência foi comprovada nos dias do profeta Miqueias (1.15). Hoje ela é chamada de Aid-el-Ma||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 8, 24 Novembro, 2019]
- A caverna de Adulão ficava nos arredores da cidade de mesmo nome, a oeste do pé da montanha de Judá (Js 15.3.3), cerca 27 km a sudoeste de Jerusalém e 16 km sudeste de Gate, vale de Elá, entre Jerimote e Socó, próximo ao local da épica batalha entre Davi e Golias. O nome ‘Adulão’ significa ‘lugar fechado’, ‘refúgio’ ou ‘justiça do povo’. “Adulão é uma cidade mencionada na Bíblia. Ela foi uma das cidades reais dos Cananeus (Josué 12:15; 15:35). Ela permaneceu próxima à estrada a qual posteriormente tornou-se a Estrada romana no Vale de Elá, a cena da vitória memorável de David sobre Golias (1 Samuel 17:2) e não distante de Gate. Foi uma das cidades que Roboão fortificou contra o Egito (2 Crônicas 11:7). Miqueias a chamou de "a glória de Israel" (Miqueias 1:15). Foi em uma de suas cavernas que Davi se refugiou quando estava fugindo do rei Saul (1 Samuel 22:1).” (Wikipédia)

||2. Os exilados da caverna de Adulão. Muitos se dirigiam para ali, a fim de fazer companhia a Davi. Primeiramente, seus irmãos e toda a casa de seu pai, posto que estavam ameaçados pelo rei Saul, devido à ligação com Davi. Outros que foram à procura de Davi na caverna eram os homens que se encontravam em dificuldades. Como Davi conseguiu firmar sua liderança nessas condições? Na verdade, não foi apenas uma ação sua; todos os que se juntaram a ele estavam ansiosos por uma existência mais favorável. Davi treinou esse grupo, aparentemente sem sucesso; obteve êxito, pois todos ali buscavam uma vida melhor, tinham os mesmos ideais e, sendo assim, mantiveram-se fiéis a Davi, fazendo de tudo pelo seu líder (2Sm 23.8-39). Os cristãos, como soldados reunidos por Cristo, devem lutar com os mesmos objetivos, não tendo cada um sua própria prioridade, mas a de Cristo (Fp 2.4,21). Se esse for o espírito, Deus dará o sucesso e o crescimento da obra||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 8, 24 Novembro, 2019]
- A família de Davi logo sentiu o peso da ira de Saul contra o herói proeminente de sua raça e temendo o destino que muitas vezes atingia famílias inteiras pelas falhas de um dos membros mais ilustres, fugiram de suas casas e se juntaram a Davi e ao pequeno exército de ‘foras da lei’. No exílio, Davi deu início à sua guarda de elite composta por um grupo de valentes, em 1 Cr 11.11 aparece "trezentos", antes rejeitados, sob a liderança de Davi, tornaram-se valorosos guerreiros e foram os guerreiros mais corajosos e soldados mais extraordinários de Davi. Seus nomes estão listados em 2Sm 23.8 e aparece também em 1 Cr 11.11 -41, com algumas variações. De acordo com 1 Cr 11.10, esses homens ajudaram Davi a se tornar rei. A relação desses homens é apresentada em três grupos: primeiro, "os três" (vs. 8-12); segundo, dois mais honrados que "os trinta", mas não relacionados aos "três’' (vs. 18-23); terceiro, "os trinta" que, na verdade, são 32 (vs. 24-39). Essa relação foi aumentada em 16 nomes em 1Cr 11.41-47.

||3. O simbolismo da caverna de Adulão. Foi ali que os dons de Davi como líder foram postos em prática. Ele treinou e preparou 400 homens para lutar no dia a dia, e não demorou para que esse número subisse a 600. Isto quer dizer que todos quantos vinham ter com ele não eram rejeitados. Davi é o modelo de líder que recebe homens angustiados pela vida, para torná-los capazes para o serviço. A grande lição de Davi para esses homens é que os que desejassem reinar com ele deveriam aprender a sofrer com ele, visando sempre o Reino de Deus. No simbolismo espiritual, podemos comparar Davi a Cristo. Nosso Senhor se dirigiu aos miseráveis, aos cansados, aos oprimidos, aos amargurados, aos publicanos e aos pecadores, e todos foram transformados pelo seu poder e passaram a fazer parte do seu reino (Mt 11.28,29; Lc 15.1; Mt 22.9,10). Assim, quem deseja reinar com Cristo precisa também sofrer com Ele (2Tm 2.12)||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 8, 24 Novembro, 2019]
- Davi recorreu à caverna de Adulão para se proteger das constantes perseguições, ameaças e afrontas do rejeitado Saul, sem o Espírito Santo agora sofria de pura inveja da graça e unção que Deus derramara sobre a vida de Davi, e procurava a todo custo tirar sua vida e de sua família. Davi conseguiu se esconder na caverna de Adulão, para não ser encontrado por Saul e seu exército. Na caverna, Davi que se vê rodeado por quatrocentos homens com toda sorte de problemas. Davi estava ali naquela caverna por causa da perseguição do ex ungido Saul, e ali foi um lugar de tratamento de Deus na vida de Davi. Na caverna Davi procurou refúgio e segurança – Deus é o nosso refugio e segurança (Sl 46.1). Deus é o nosso esconderijo (Sl 91.1). Às vezes é preciso se recuar em Deus para continuar vivendo.
- O trabalho em equipe é um princípio básico da liderança eficaz, inclusive na causa do Senhor. Se quisermos ser bem-sucedidos na obra de Deus não devemos esquecer esse princípio. O modelo de liderança utilizado por Davi em nada fica a desejar se comparado às modernas tendências em liderança da nossa sociedade globalizada. O modelo davidico de liderança é aquele centralizado no caráter. As técnicas mudam, mas os princípios do caráter não.
Quando Jesus pediu em sua oração sacerdotal que os discípulos fossem um (Jo 17.11), quebrou um dos maiores dissidentes fomentadores de disputa nas equipes, não fugindo a essa regra os seus discípulos por quem Ele até orava nesse sentido (Mt 20.24). Não é de admirarmos que sua oração intercessória abrangesse todos os cristãos que surgissem dali para frente: [...] (Jo 17.20-23). Jesus, que é presciente, sabia da máxima que impera na sociedade atual: 'Viver é fácil, difícil é conviver'. O que mais impede uma equipe de funcionar eficazmente e com eficiência é o individualismo e partidarismo"”(CARVALHO, César Moisés. Marketing para a Escola Dominical. RJ: CPAD, 2009, p.184-5).

 ▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
II - DAVI E O AMOR COM OS PAIS
||1. Protegendo seus pais. Davi não é conhecido apenas como um grande líder, mas também como um bom filho. Ele teve todo um cuidado especial para com os seus pais. Foi até Moabe, porque sabia que eles precisavam de um lugar seguro para habitar e, desse modo, estava se afastando dos territórios de Saul. Há um propósito especial em Davi procurar Moabe. Diversos escritores afirmam que isso se deve aos laços familiares através de Rute, que era a avó moabita de Jessé, pai de Davi. A inclusão de Mispa deve-se ao fato de ser esta a cidade real de Moabe; sua citação está restrita aqui e o seu significado é “torre de vigília”; deixando seus pais em segurança, uma expressão grandiosa sai dos lábios de Davi: “Até que saiba o que Deus há de fazer de mim”. Davi ama a Deus, tinha grande amor e carinho pelo seus pais, e não se descuidava de seus companheiros de luta. Os filhos, principalmente durante a velhice dos pais, devem honrá-los em tudo, a despeito das lutas e crises que estiverem enfrentando (Sl 127.3). Davi não chegou ao trono apenas porque sabia cuidar dos outros, nem porque era um bom guerreiro, mas, também, porque era um bom filho||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 8, 24 Novembro, 2019]
- Mispa significa "torre de vigia", ou "lugar de observação". Localizada numa das alturas do planalto a leste do mar Morto, esse local não pode ser identificado com exatidão, ao seu rei. Esse regente era provavelmente um inimigo mútuo do rei Saul. Davi tinha sangue moabita de sua bisavó Rute e, portanto, buscou refúgio para seu pai e sua mãe em Moabe (Rt 1.4-18; 4.13-22). Davi evidentemente buscava hospitalidade entre seus parentes em Moabe. Jesse, seu pai, era o neto de Rute. A distância do sul de Judá, onde os fugitivos estavam vagando não era grande. O rei de Moabe, sendo um dos inimigos de Saul, seria o melhor lugar para abrigar uma pessoa de quem ele poderia pelo menos esperar amizade, se não serviços consideráveis.
- Os filhos são uma bênção da parte de Deus (Sl 127.3). Essa palavra (bênção) faz alusão à promessa que Deus fez a Abraão de tornar sua descendência como o pó da terra e as estrelas dos céus (Gn 13.16; 15.5). “A Constituição Federal consagra o princípio da dignidade da pessoa humana, que deve nortear, inclusive, as relações familiares. A família, de fato, é o núcleo da sociedade e é a responsável pelo desenvolvimento do indivíduo. A entidade familiar não tem somente o papel reprodutivo, mas também é fonte de afeto e solidariedade, atributos que ultrapassam os meros laços sanguíneos. A regra constitucional prevista no art. 229 é objetiva: estabelece que assim como os pais têm o dever de cuidar dos filhos enquanto menores, os filhos maiores devem amparar os pais na sua velhice.” (lex.com).
- Em Efésios 6.1-3, Paulo orienta aos filhos: “obedecei... no Senhor” (Veja Cl 3.20). No lar, o filho deve, de bom grado, estar debaixo da autoridade de seus pais em submissão obediente a eles como agentes do Senhor colocados sobre ele, e obedecer a seus pais como se estivesse obedecendo ao próprio Senhor. A razão aqui é, simplesmente, que esse foi o modo planejado e exigido por Deus (Os 14.9) Enquanto o versículo 1 fala a respeito da ação, os versículos 2 e 3 fala a respeito da atitude, pois Paulo lida com o motivo por detrás da ação. Quando Deus entregou a sua lei nos Dez Mandamentos, a primeira lei que orientava os relacionamentos humanos foi essa (Êx 20.12; Dt 5.16). É o único mandamento dentre os dez que se refere à família porque esse princípio por si só assegura o cumprimento da família (Êx 21.15,17; Lv 20.9; Mt 15.3-6). Provérbios afirma esse princípio (Pv 1.8; 3.1; 4.1-4; 7.1-3; 10.1; 17.21; 19.13,26; 28.24). Embora a submissão aos pais deva ser, primeiramente, por amor ao Senhor, ele, graciosamente, acrescentou uma promessa de bênção especial para aqueles que obedecem a esse mandamento.
||2. A recompensa bíblica para os filhos obedientes. Desde o Antigo Testamento, a ênfase é que Deus abençoa sempre os filhos obedientes, pois é o primeiro mandamento com promessa (Êx 20.12; Dt 5.16). Esse ensino foi ministrado por Paulo (Ef 6.2,3). Nosso Senhor manifestou-se contra os filhos que não cuidavam dos seus pais (Mt 15.5-7). Tais filhos simulada e mentirosamente dedicavam a Deus todos os seus bens, para não honrarem nem sustentarem os seus pais, quebrando, assim, o mandamento. Os filhos devem aprender a serem gratos aos seus pais em tudo, dando-lhes honra, dignidade e cuidados materiais. Isso é mandamento de Deus||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 8, 24 Novembro, 2019]
- “A Bíblia tem muito a dizer sobre como cuidar de pais idosos e outros membros da família que não são capazes de cuidar de si. A igreja cristã primitiva agia como a agência de serviços sociais para os outros crentes. Eles cuidavam dos pobres, dos doentes, das viúvas e dos órfãos que não tinham mais ninguém para cuidar deles. Os cristãos que tinham parentes passando por necessidade tinham a responsabilidade de atender a essas necessidades. Infelizmente, cuidar de nossos pais em sua velhice não é mais uma obrigação que muitos de nós estão dispostos a aceitar. Os idosos podem ser vistos como fardos em vez de bênçãos. Às vezes, quando os nossos próprios pais precisam de ajuda, somos rápidos para esquecer os sacrifícios que fizeram por nós. Em vez de abrir a porta de nossas casas para recebê-los - sempre que seguro e viável - podemos colocá-los em comunidades de aposentados ou lares de idosos, por vezes contra a sua vontade. Talvez não valorizemos a sabedoria que adquiriram em suas longas vidas, e podemos ignorar os seus conselhos como "ultrapassados". Quando honramos e cuidamos dos nossos pais, estamos servindo a Deus também. A Bíblia diz: "Honra as viúvas verdadeiramente viúvas. Mas, se alguma viúva tem filhos ou netos, que estes aprendam primeiro a exercer piedade para com a própria casa e a recompensar a seus progenitores; pois isto é aceitável diante de Deus. Ora, se alguém não tem cuidado dos seus e especialmente dos da própria casa, tem negado a fé e é pior do que o descrente" (1 Timóteo 5:3-4, 8). Nem todos os idosos precisam ou querem ajuda constante na casa dos seus filhos. Eles podem preferir viver em uma comunidade com outras pessoas da sua idade, ou talvez sejam capazes de total independência. Independentemente das circunstâncias, ainda temos obrigações para com nossos pais. Se estão em necessidade de assistência financeira, devemos ajudá-los. Se estão doentes, devemos cuidar deles. Se precisam de um lugar para ficar, devemos oferecer a nossa casa. Se precisam de ajuda com a casa e/ou trabalho no jardim, devemos nos prontificar para ajudar. E se estão sob os cuidados de uma casa de repouso, é preciso avaliar as condições de vida para garantir que nossos pais estão recebendo os cuidados de forma correta e amorosa. Nunca devemos permitir que os cuidados do mundo ofusquem as coisas mais importantes – servir a Deus através de servir às pessoas, especialmente as das nossas próprias famílias. A Bíblia diz: "Honra a teu pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa), para que te vá bem, e sejas de longa vida sobre a terra" (Efésios 6:2-3).” (gotquestions)

▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
III - MORRENDO POR DAVI
||1. A inconsistência de Saul. Saul não teve nenhuma caverna para forjar sua vida, não lidou com situações conflitantes, tinha apenas aparência de líder, mas não era um homem segundo o coração de Deus. Os homens que estavam com Saul, ainda que não vivessem as mesmas condições dos que estavam com Davi, não se sentiam tranquilos, pois ele suspeitava da lealdade de todos, inclusive a de seu filho. Saul orgulhava-se de ter dado honras à tribo de Benjamim, presentes e posições na liderança; algo que Davi, filho de Jessé, jamais faria. Saul não sabia que lealdade não se compra com presentes, dinheiro, mas nasce naturalmente pela sinceridade, verdade e caráter de um líder genuíno. Só os líderes inseguros fazem cobranças exageradas, dão presentes em troca de lealdade, se inquietam com os que podem “representar risco” à sua posição. Quando os líderes são verdadeiramente chamados por Deus é maravilhoso que as pessoas os honrem e os considerem como homens de Deus. O escritor aos hebreus fala da necessidade de se considerar os líderes (Hb 13.7)||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 8, 24 Novembro, 2019]
- Davi significa “amado e respeitado por Deus”, enquanto Saul significa “pedido a Deus”. Ambos eram de boa aparência e foram ungidos pelo profeta Samuel, ambos reinaram quarenta anos. Suas semelhanças, porém, terminam aí. Davi foi um rei escolhido por Deus e não pelos homens, enquanto Saul foi pedido pelos homens, fora da prioridade de Deus. Muitas foram as diferenças entre esses dois reis, esses dois líderes. Eles tomaram caminhos diferentes, fizeram coisas diferentes, viveram de forma diferente, colheram resultados diferentes e morreram de forma diferente. Porém, a diferença primordial entre eles não consiste em experiências e ou vivências, mas em obediência! Saul era persistente na desobediência, enquanto Davi tinha um coração obediente. Saul escolhia o que obedecer das ordens de Deus.
- Em Hebreus 13.7, além da lista dos fiéis do capítulo 11, o escritor faz os hebreus se lembrarem de seus próprios líderes fiéis dentro da igreja.

||2. O preço de proteger Davi. Saul convocou Aimeleque e seus sacerdotes para que se apresentassem em Gibeá. Não houve da parte de Aimeleque reação nervosa; ele se declara limpo, pois tinha consciência de que apenas ajudara Davi por tê-lo em grande consideração e por saber que era um soldado da confiança de Saul, aliás, da família real, genro do rei. Apesar dessa declaração sincera, Saul considerou-a um ato de traição, pois Aimeleque havia ajudado Davi, não informando ao rei os seus movimentos. Assim, ele e seus companheiros deveriam morrer. Houve uma recusa dos soldados em atacar os sacerdotes, os ungidos de Deus. Foi alguém de fora, um edomita chamado Doegue, que cometeu esse crime brutal. Observe o disparate de Saul: Deus ordenou que ele matasse os amalequitas e não o fez; mas agora extermina prontamente a família de sacerdotes, sem piedade alguma. Apenas um filho de Aimeleque, Abiatar, sobreviveu, salvou o éfode santo e foi ter com Davi (1Sm 23.6). A amizade entre Davi e Abiatar foi duradoura, ao longo de todo o seu reinado (1Rs 2.26,27), pois a família de Abiatar morreu para proteger Davi||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 8, 24 Novembro, 2019]
- Nessa audiência, Saul insistiu falsamente que Aimeleque havia feito um pacto com seu inimigo Davi. Aimeleque respondeu defendendo o caráter de Davi como leal a Saul. É importante aqui relembrarmos a maldição à casa de Eli (1Sm 2.31), a morte de Aimeleque e seus filhos cumpre essa maldição, com a exceção de Abiatar, o único sobrevivente da Chacina em Nobe, onde Doegue, criado de Saul, matou 85 sacerdotes. Abiatar foi um Sumo Sacerdote de Israel, exilado por Salomão (o único caso histórico da deposição de um sumo sacerdote) e banido para sua casa em Anatote, por ter favorecido, depois da morte de Davi, as pretensões de Adonias ao trono de Israel (1Rs 2.26-29). Embora Saul tivesse condenado Aimeleque e os sacerdotes à morte, seus servos tinham suficiente sabedoria para não levantarem suas armas contra os sacerdotes do Senhor, cabendo a Doegue esse papel assassino. “Também a Nobe, cidade destes sacerdotes, passou a fio de espada: homens, e mulheres, e meninos, e crianças de peito, e bois, e jumentos, e ovelhas” (1Sm 22.19). O que Saul fracassou em fazer com justiça aos amalequitas (15.3,8-9), ele fez injustamente com os cidadãos de Nobe.
||3. A sina de Doegue. Alguns estudiosos acreditam que o Salmo 52 foi pronunciado por Davi predizendo o destino de Doegue. Davi inicia o salmo mostrando que o ímpio ama a malícia e despreza a bondade de Deus. O caráter do ímpio é descrito pelo salmista assim: a) sua língua intenta o mal (Pv 10.31); b) traça enganos (Jó 15.35); c) despreza o bem e ama o mal (Jr 9.4-5); d) não é reto no seu falar. Tudo indica que o destinatário do salmista Davi é uma pessoa prepotente, arrogante; sua língua era usada como arma para revelar o que estava dentro do seu coração perverso. Por vezes, o ímpio se mostra perante as pessoas deste mundo com o espírito de grandeza, soberba; busca sempre ser reconhecido e se apresenta como poderoso; suas obras são perversas. O salmista deixa claro que Deus punirá esse ímpio arrogante. Note que isso será feito de modo poderoso e pode ser visto pela presença dos seguintes verbos bíblicos: destruir, arrancar, arrebatar, desarraigar. O ímpio pecador será varrido da face da terra||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 8, 24 Novembro, 2019]
- O salmo 52 é uma lição poética sobre a futilidade do mal, o triunfo final do justo e o controle soberano de Deus sobre os acontecimentos morais da História. O fato na vida de Davi que o motivou a escrever esse salmo está registrado em 1Sm 21—22. Logo no versículo1, ‘homem poderoso’, é uma referência a Doegue, chefe dos pastores, que contou a Saul que os sacerdotes de Nobe haviam ajudado Davi enquanto ele era um fugitivo (1Sm 22.9,18-19).

▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪

CONCLUSÃO
||Deus usa instrumentos falhos para fazer a sua obra nesta terra, como disse Paulo em 1 Coríntios 1.28: “E Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são para aniquilar as que são”. Antes, porém, esses instrumentos devem ser trabalhados, forjados pelo auxílio do Espírito Santo, a fim de que sejam vasos de honra no trabalho do Senhor||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 8, 24 Novembro, 2019]
- Não podemos esquecer que as cavernas, assim como os vales e desertos da vida não são permanentes e sim temporários. Portanto, saiba que por mais pedregosos que seja os vales, por mais extensos que seja os desertos, e por mais sombrios que seja as cavernas, são apenas lugares de passagens, não são e jamais será o estado definitivo de nossas vidas, mas sim momentos de aprendizados, amadurecimento e crescimento para a gloria de Deus!
Pb Francisco Barbosa