Data/Hora Atualizada

Classe Virtual:

30 de outubro de 2017

Lição 6: (Adultos) A Abrangência Universal da Salvação



LIÇÕES BÍBLICAS CPAD ADULTOS
4º Trimestre de 2017
Título: A Obra da Salvação: Jesus Cristo é o Caminho, a Verdade e a Vida
Comentarista: Pr. Claiton Ivan Pommerening
Material de apoio gratuito aos professores e alunos de escola dominical que utilizam as revistas da CPAD


Lição 6
5 de Novembro de 2017

A Abrangência Universal da Salvação

Texto Áureo

Verdade Prática
“Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele” (Jo 3.17).

A salvação em Jesus Cristo é de abrangência universal, pois os que o aceitarem, em todo tempo e lugar, serão salvos pela graça de Deus.
.
Leitura Diária
Segunda Gl 5.1: Cristo nos libertou da escravidão do pecado
Terça Hb 9.28: Cristo ofereceu-se para, de uma única vez, tirar o pecado do mundo
Quarta 2Co 5.20: Somos embaixadores da parte de Cristo nesta Nova Aliança

Quinta Fp 3.20,21: Cristo transformará o nosso corpo de humilhação conforme seu Corpo glorioso
Sexta Hb 10.16-18: Cristo perdoa todos nossos pecados
Sábado Rm 8.1,2: Não há mais condenação para os que estão em Cristo Jesus

Leitura Bíblica em Classe
João 3.16-18; 1 Timóteo 2.5,6.
João 3
16 Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
17 Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.
18 Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.

1 Timóteo 2
5 Porque há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem,
6 o qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos, para servir de testemunho a seu tempo.






HINOS SUGERIDOS: 220, 287 e 305 da Harpa Cristã

Objetivo Geral
Mostrar que a salvação em Jesus Cristo é de abrangência universal.

Objetivos Específicos
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

    I. Explicar o que é a obra expiatória de Cristo;
    II. Discutir a respeito do alcance da obra expiatória de Cristo;
    III. Apontar que Cristo oferece salvação a todos.


COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
A salvação em Cristo alcança a todos (Jo 3.16). É tão eficaz que foi completada de uma vez por todas pelo “Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo 1.29). Somente por intermédio de um Cordeiro tão perfeito, de um sacrifício tão completo e de um Deus tão amoroso se poderia realizar essa obra de maneira a raiar a luz para os que estavam em trevas (Mt 4.16). [Comentário: Nesta lição iremos pensar sobre os pontos de vista teológicos quanto à abrangência da salvação – se ela é destinada apenas aos eleitos ou se ela está disponível à todos os homens. Deus ama à todos os homens, indistintamente ou Ele ama aos que O amam? O que as Escrituras querem dizer quando afirmam que Deus deseja que todos se salvem mediante a fé no sacrifício do seu Filho Unigênito? È importante defendermos nosso ponto de vista teológico quanto à Soteriologia, mas defender do que? Então, julgo importante analisarmos também o que o outro sistema soteriológico afirma, até para não incorrermos no erro de afirmar algo que ele não diz. Assim, vamos pensar maduramente a fé cristã?]
Como complemento no preparo de seu plano de aula, sugiro a leitura destes 3 artigos:
12 - 3
PONTO CENTRAL
A salvação em Jesus Cristo é de abrangência universal.

I. O QUE É A OBRA EXPIATÓRIA DE CRISTO?

1. A necessidade de expiação. Com o termo “expiação”, nos referimos ao ato de remir uma pessoa de um crime ou falta cometida. Foi isso que aconteceu conosco por intermédio da obra expiatória de Cristo. Esta se tornou necessária porque o pecado atingiu a humanidade e a criação, de modo que o ser humano não consegue resolver esse problema por si mesmo. Nesse contexto, a obra expiatória de Cristo se expressa por meio do padecimento de cruz para aniquilar o poder do pecado sobre o ser humano (Rm 5.20,21). Foi na cruz do Calvário o lugar em que se deu o sacrifício expiatório de Cristo, substituindo o pecador pelo justo Cordeiro de Deus que pagou em nosso lugar e, para sempre, a dívida do nosso pecado (Is 53). Esse ato é a suprema expressão do amor do Pai, por meio de Jesus Cristo, o seu Filho, para com todos os homens (Jo 3.16). [Comentário: A palavra expiação ocorre poucas vezes na Bíblia, mas o conceito da expiação constitui o assunto principal do Antigo e do Novo Testamento. Palavras mais conhecidas como reconciliação, propiciatório, sangue, remissão de pecados e perdão estão diretamente relacionadas com esse tema. O que precisamos entender é: ‘Por Que Há a Necessidade da Expiação?’ - Deus fez o homem à sua imagem e, como Criador, tem o maior direito de estipular o procedimento correto para a sua criação, e isso ele fez na forma de leis destinadas para o nosso bem (Dt 10.13). O pior que podemos fazer é violar a lei de Deus. A isso chamamos pecado ou transgressão da lei (1Jo 3.4). Os primeiros seres humanos transgrediram e a culpa deles evidenciou-se pela tentativa de se esconderem de Deus. A justiça exigia uma pena pelo pecado. A pena era a morte, a separação de Deus, manifestada pelo afastamento deles do jardim do Éden (Gn 3.8, 24). O pecado continua até hoje, desde aquele primeiro momento ali. Paulo resumiu a história e as conseqüências do pecado em Romanos 5.12: "Assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram". Se morremos em nossos pecados, não podemos ir para onde Cristo está (Jo 8.21, 24). Vemos, então, que a necessidade suprema de todo homem é ter os pecados expiados, para que receba o perdão dos pecados!1. Nenhum estudo da expiação pode ser devidamente desenvolvido sem reconhecer em primeiro lugar o livre e soberano amor de Deus. Esta perspectiva se encontra no texto mais conhecido da Bíblia: “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16). Temos aqui uma revelação fundamental de Deus e, portanto, do pensamento humano. Além disso não podemos e nem devemos aventurar-nos ir.2]
1. HEADRICK, Lynn D.; ‘A Expiação’, Disponível em: https://www.estudosdabiblia.net/a13_17.htm. Acesso em 29 de outubro de 2017.
2. MURRAY John; ‘A Necessidade da Expiação’. Disponível em http://www.monergismo.com/textos/expiacao/expiacao_necessidade_murray.htm. Acesso em 29 de outubro de 2017.

27 de outubro de 2017

Lição 5: A Obra Salvífica de Jesus Cristo


LIÇÕES BÍBLICAS CPAD ADULTOS
4º Trimestre de 2017
Título: A Obra da Salvação: Jesus Cristo é o Caminho, a Verdade e a Vida
Comentarista: Pr. Claiton Ivan Pommerening
Material de apoio gratuito aos professores e alunos de escola dominical que utilizam as revistas da CPAD


Lição 5
29 de Outubro de 2017

A Obra Salvífica de Jesus Cristo

Texto Áureo

Verdade Prática
"E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito." (Jo 19.30)

A obra salvífica de Cristo nos deu o privilégio de achegarmo-nos a Deus sem culpa e chamá-lo de "Pai".
.
Leitura Diária
Segunda - Mt 27.29,30: Um evento de humilhação em nosso favor
Terça - Mt 27.39,40: Blasfemado por nossa causa
Quarta - Lc 23.34: O perdão imerecido, Jesus ofereceu na cruz

Quinta - Ef 2.13,14: Pelo sangue de Cristo nos aproximamos de Deus
Sexta - Rm 3.24: Fomos justificados mediante a obra salvífica de Cristo
Sábado - Gl 2.18-20: Fomos crucificados com Cristo: vivamos uma vida santa

Leitura Bíblica em Classe
João 19.23-30
23 Tendo, pois, os soldados crucificado a Jesus, tomaram as suas vestes, e fizeram quatro partes, para cada soldado uma parte; e também a túnica. A túnica, porém, tecida toda de alto a baixo, não tinha costura.
24 Disseram, pois, uns aos outros: Não a rasguemos, mas lancemos sortes sobre ela, para ver de quem será. Para que se cumprisse a Escritura que diz: Repartiram entre si as minhas vestes, E sobre a minha vestidura lançaram sortes. Os soldados, pois, fizeram estas coisas.
25 E junto à cruz de Jesus estava sua mãe, e a irmã de sua mãe, Maria mulher de Clopas, e Maria Madalena.

26 Ora Jesus, vendo ali sua mãe, e que o discípulo a quem ele amava estava presente, disse a sua mãe: Mulher, eis aí o teu filho.
27 Depois disse ao discípulo: Eis aí tua mãe. E desde aquela hora o discípulo a recebeu em sua casa.
28 Depois, sabendo Jesus que já todas as coisas estavam terminadas, para que a Escritura se cumprisse, disse: Tenho sede.
29 Estava, pois, ali um vaso cheio de vinagre. E encheram de vinagre uma esponja, e, pondo-a num hissope, lha chegaram à boca.
30 E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.

HINOS SUGERIDOS: 45,196, 533 da Harpa Cristã

Objetivo Geral
Explicar que a obra salvífica de Cristo nos deu o privilégio de achegarmo-nos a Deus sem culpa e chamá-lo de Pai.

Objetivos Específicos
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
I - Apresentar o significado do sacrifício de Cristo;
II- Explicar como se deu a nossa reconciliação com Deus;
III- Discutir a respeito da redenção eterna.


COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
A obra salvífica de Cristo custou um alto preço ao nosso Senhor - seu próprio sangue derramado na cruz. Sua obra nos garante a salvação porque foi uma oferta completa, perfeita e definitiva. Por causa dessa entrega de amor, temos a garantia da vida eterna e, antecipadamente, podemos desfrutar, neste mundo, dos benefícios dessa salvação. [Comentário:Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus” (1Co 6.20). Nesta lição falaremos sobre o preço que foi pago pela nossa salvação, o sacrifício de Cristo, quando tomou sobre si a maldição da lei como pagamento pelos nossos pecados. Como escreve Paulo: Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores (Rm 5.8) - O bom Pastor deu a sua vida pelas ovelhas (Jo 10.15). Jesus morreu para nos conduzir a Deus (1Pe 3.18). O seu sangue derramado nos purifica de todo pecado (1Jo 1.7). A salvação é oferecida gratuitamente para nós os crentes, não teríamos como pagar o preço que ela exigia, não estava em oferta, custou o mais alto preço de todos possíveis ou imagináveis, preço infinito (1Pe 1.18-19).] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

PONTO CENTRAL
A obra salvífica de Jesus Cristo foi única e perfeita.

l - O SACRIFÍCIO DE JESUS

1. O sacrifício completo. Cristo é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (Jo 1.29), pois nenhum outro sacrifício, tanto o de animais no Antigo Testamento quanto o de seres humanos na história das nações pagãs, com vistas a alcançar a salvação do homem, teve o êxito de apagar os pecados do passado, do presente e do futuro (Hb 10.1). Somente o sacrifício de Cristo foi completo nesse sentido (Hb 9.26; 10.10), a ponto de anular uma aliança antiga para inaugurar um novo tempo de relacionamento com Deus, estabelecendo uma aliança nova, superior e perfeita (Hb 8.6,7,13). Assim, o sistema de sacrifícios de animais e o arcabouço da Lei serviram como um guia para nos conduzir a Cristo (Gl 3.24). [Comentário: Quando Jesus é chamado de Cordeiro de Deus em João 1.29 e 36, é uma referência ao fato de que Ele é o sacrifício perfeito e definitivo pelo pecado. Para podermos compreender quem Cristo era e o que Ele fez, precisamos começar no Velho Testamento, onde encontramos as profecias sobre a vinda de Cristo como “expiação do pecado” (Isaías 53.10). Na verdade, o sistema de sacrifícios estabelecido por Deus no Velho Testamento preparou o terreno para a vinda de Jesus Cristo – o perfeito sacrifício que Deus providenciou como expiação pelos pecados de Seu povo (Romanos 8.3; Hebreus 10)1.]
1. ‘O que significa que Jesus é o Cordeiro de Deus?’; Dispnível em: https://www.gotquestions.org/Portugues/Jesus-Cordeiro-Deus.html. Acesso em 23 de outubro de 2017.

17 de outubro de 2017

Lição 4: (Jovens) O cristão diante da pobreza e da desigualdade social

LIÇÕES BÍBLICAS CPAD
JOVENS
4º Trimestre de 2017
Título: Seguidores de Cristo — Testemunhando numa Sociedade em ruínas
Comentarista: Valmir Nascimento
Material de apoio gratuito aos professores e alunos de escola dominical que utilizam as revistas da CPAD

Lição 4: O cristão diante da pobreza e da desigualdade social
Data: 22 de Outubro de 2017

TEXTO DO DIA
“O que oprime ao pobre insulta àquele que o criou, mas o que se compadece do necessitado honra-o” (Pv 14.31).

SÍNTESE
Diante da desigualdade e da marginalização social, a ação solidária da Igreja testifica a relevância da fé cristã diante dos homens e dá credibilidade à pregação do evangelho.

AGENDA DE LEITURA
SEGUNDA 1Jo 3.7: O justo pratica a justiça
TERÇA Pv 31.20: Abre a mão ao pobre
QUARTA Pv 22.22: Não roube ao pobre
QUINTA 2Co 8.9: Cristo se fez pobre por amor de nós
SEXTA Sl 128.2: Comerás do teu trabalho
SÁBADO Am 5.11: Denúncia profética

OBJETIVOS
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
  • Conscientizar da importância de cuidar do pobre;
  • Entender a relação entre justiça social e profetismo bíblico;
  • Conhecer os princípios bíblicos sobre economia e desigualdade social.

TEXTO BÍBLICO
Tiago 5.1-6.
1 Eia, pois, agora vós, ricos, chorai e pranteai por vossas misérias, que sobre vós hão de vir.
2 As vossas riquezas estão apodrecidas, e as vossas vestes estão comidas da traça.
3 O vosso ouro e a vossa prata se enferrujaram; e a sua ferrugem dará testemunho contra vós e comerá como fogo a vossa carne. Entesourastes para os últimos dias.
4 Eis que o salário dos trabalhadores que ceifaram as vossas terras e que por vós foi diminuído clama; e os clamores dos que ceifaram entraram nos ouvidos do Senhor dos Exércitos.
5 Deliciosamente, vivestes sobre a terra, e vos deleitastes, e cevastes o vosso coração, como num dia de matança.
6 Condenastes e matastes o justo; ele não vos resistiu.

COMENTÁRIO DA LIÇÃO
INTRODUÇÃO
A desigualdade social e a pobreza são problemas sociais presentes em praticamente todos os países do mundo, mas principalmente nas nações em desenvolvimento do Sul Global, incluindo o Brasil. Aqui, milhares de famílias vivem em condição de miséria, cuja renda é insuficiente para suprir as necessidades básicas. Não há como viver indiferente a esta realidade calamitosa! Diante disso, a presente lição demonstrará a importância da participação cristã nas obras sociais, como expressão de amor e misericórdia, e como os princípios bíblicos podem contribuir para a formação de uma sociedade livre, justa e produtiva. [Comentário: Qual a origem da desigualdade social e da pobreza? Estes fatos são consequência da má distribuição da riqueza. Segundo Orson Camargo, Graduado em Sociologia e Política pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo – FESPSP e Mestre em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, “A desigualdade social e a pobreza são problemas sociais que afetam a maioria dos países na atualidade. A pobreza existe em todos os países, pobres ou ricos, mas a desigualdade social é um fenômeno que ocorre principalmente em países não desenvolvidos. O conceito de desigualdade social é um guarda-chuva que compreende diversos tipos de desigualdades, desde desigualdade de oportunidade, resultado, etc., até desigualdade de escolaridade, de renda, de gênero, etc. De modo geral, a desigualdade econômica – a mais conhecida – é chamada imprecisamente de desigualdade social, dada pela distribuição desigual de renda. No Brasil, a desigualdade social tem sido um cartão de visita para o mundo, pois é um dos países mais desiguais. Segundo dados da ONU, em 2005 o Brasil era a 8º nação mais desigual do mundo. O índice Gini, que mede a desigualdade de renda, divulgou em 2009 que a do Brasil caiu de 0,58 para 0,52 (quanto mais próximo de 1, maior a desigualdade), porém esta ainda é gritante1 Como cristãos não podemos deixar de dar uma resposta à questão da desigualdade social que esmaga os pobres. Uma resposta consistente e a partir de um viés bíblico. O abismo que separa pobres e ricos de forma tão extrema tem como causa a ausência da justiça entre a humanidade. Não é por menos que a Bíblia está repleta de textos que abordam de forma enfática esta temática. São mais de três mil referências sobre justiça e pobreza em sua maioria com um tom de denúncia e indignação da parte de Deus2. Boa Aula!] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?
1. CAMARGO, Orson."Desigualdade social"; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/sociologia/classes-sociais.htm. Acesso em 06 de outubro de 2017.
2. AURÉLIO Marcos. “A desigualdade social e o deus da justiça”. Disponível em http://www.teologiaevida.com.br/2016/07/a-desigualdade-social-e-o-deus-da.html. Acesso em 06 de outubro de 2017.

I. A ASCENSÃO ECONÔMICA E O CUIDADO COM O POBRE

16 de outubro de 2017

Lição 4: (Adultos) Salvação - O Amor e a Misericórdia de Deus


LIÇÕES BÍBLICAS CPAD ADULTOS
4º Trimestre de 2017
Título: A Obra da Salvação: Jesus Cristo é o Caminho, a Verdade e a Vida
Comentarista: Pr. Claiton Ivan Pommerening
Material de apoio gratuito aos professores e alunos de escola dominical que utilizam as revistas da CPAD


Lição 4
22 de Outubro de 2017

Salvação - O Amor e a Misericórdia de Deus

Texto Áureo

Verdade Prática
'Vós que, em outro tempo, não éreis povo, mas, agora, sois povo de Deus; que não tínheis alcançado misericórdia, mas, agora, alcançastes misericórdia."(1Pe 2.10)

A partir de seu amor misericordioso, aprouve a Deus enviar seu Filho para morrer em lugar da humanidade.
.
Leitura Diária
Segunda Jo 3.16: O amor e a misericórdia de Deus
Terça Lm 3.22,23: A nossa existência é fruto da misericórdia divina
Quarta 1Jo 3.16: Cristo deu a sua vida por nós, assim, devemos oferecer a nossa em favor dos nossos irmãos

Quinta Rm 5.5-8: Cristo morreu em nosso lugar
Sexta Ef 2.4,5: A grande benignidade de Deus por intermédio de Cristo
Sábado Jo 1.10-12: O projeto redentor de Jesus, o Filho de Deus

Leitura Bíblica em Classe
1 João 4.13-19
13 Nisto conhecemos que estamos nele, e ele em nós, pois que nos deu do seu Espírito.
14 E vimos, e testificamos que o Pai enviou seu Filho para Salvador do mundo.
15 Qualquer que confessar que Jesus é o Filho de Deus, Deus está nele, e ele em Deus.
16 E nós conhecemos, e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele.

17 Nisto é perfeito o amor para conosco, para que no dia do juízo tenhamos confiança; porque, qual ele é, somos nós também neste mundo.
18 No amor não há temor, antes o perfeito amor lança fora o temor; porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em amor.
19 Nós o amamos a ele porque ele nos amou primeiro.

HINOS SUGERIDOS: 27,310,411 da Harpa Cristã

Objetivo Geral
Mostrar que a salvação é resultado do amor misericordioso de Deus.

Objetivos Específicos
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
I -   Apresentar o maravilhoso amor de Deus;
II-   Explicar a misericórdia de Deus no plano da salvação;
II – Analisar o amor, a bondade e a compaixão na vida do salvo.


COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
A salvação é obra do imenso amor de Deus e de sua maravilhosa misericórdia. Essa obra só foi possível porque o Pai amou tanto a humanidade a ponto de dar o seu próprio Filho para morrer no lugar dela. Assim, por intermédio de sua misericórdia, Deus concedeu perdão ao pecador, fazendo deste seu filho por adoção, dando-lhe vida em abundância. [Comentário: Como sugere o título da lição, iremos refletir acerca de dois atributos divinos, o amor e a misericórdia, agindo em favor do homem caído, a fim de lhe proporcionar salvação. Em teologia chamamos este estudo de soteriologia. O termo soteriologia vem do vocábulo grego 'soteria' e significa salvação, libertação de um perigo iminente, livramento do poder da maldição do pecado, restituição do homem à plena comunhão com Deus. Pelo texto de Efésios 2.8 ficamos sabendo que esta salvação só pode ser obtida pela graça, ou seja, é um dom gratuito e imerecido que o pecador recebe. Deus, não o homem, é a fonte dessa transformação (Ef 2.1,8). Como disse Isaías: “Desde a planta do pé até a cabeça não há nele coisa sã, senão feridas, e inchaços, e chagas podres não espremidas, nem ligadas, nem amolecidas com óleo” (Is 1.6) e o Senhor Jesus, em Mateus: “... porém, ouvindo, disse-lhes: Não necessitam de médico os sãos, mas, sim, os doentes” (Mt 9.12), entendemos que a Salvação implica em efetuar <<levar a efeito, realizar; efetivar, cumprir>> com sucesso a plena libertação de alguém ou de alguma coisa, de perigo iminente. O grande amor e dom gratuito de Deus, a Sua rica graça e misericórdia abundante, são a causa do renascimento. O grande poder de Deus - o poder que ressuscitou Cristo dentre os mortos – é demonstrado na regeneração e conversão de pecadores (Ef 1.19-20).] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

PONTO CENTRAL
Jesus Cristo veio ao mundo na plenitude dos tempos para salvar a humanidade.

I - O MARAVILHOSO AMOR DE DEUS

1. Deus é amor. Se é difícil dimensionar o amor da mãe pelos filhos, imagine o amor de Deus, que é mais profundo e incomensurável (Is 49.15)! Nesse sentido, Deus usou o profeta Oseias para demonstrar o verdadeiro amor pelo seu povo, ainda que os israelitas se apresentassem indiferentes a esse amor (Os 11.1-4). Ora, amar reflete a natureza do próprio Deus, pois Ele é amor (1Jo 4.8,16). Sendo o Pai a própria essência do amor, nós, seus filhos, somos apenas dotados por Ele com a capacidade de amar (1Jo 4.19). Assim, a maior demonstração do amor de Deus pelo mundo foi quando Ele; entregou vicariamente o seu amado Filho (Rm 5.8; 2 Co 5.14; Gl 2.20). Logo, o objeto desse amor vai muito além da Criação, pois tem, na humanidade, seu valor monumental (Jo 3.16). [Comentário: No site ‘gotquestions.org’ encontramos a seguinte definição para o significado do amor de Deus: “Deus é amor: o que isto significa? Primeiramente vamos observar como a Palavra de Deus, a Bíblia, descreve “amor”, e então veremos algumas maneiras de como isto se aplica a Deus. “O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca falha...” (I Coríntios 13:4-8a). Esta é a descrição de Deus para o amor. Isto é como Ele é, e os cristãos devem fazer disto sua meta (mesmo que sempre em processo). A maior expressão do amor de Deus é a nós comunicada em João 3.16 e Romanos 5.8: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê (em Jesus Cristo) não pereça, mas tenha a vida eterna.” “Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.” Nestes versos podemos ver que o maior desejo de Deus é que nos juntemos a Ele em Seu lar eterno, o céu. Ele tornou isto possível pagando o preço por nossos pecados. Ele nos ama por sua própria escolha, um ato de Sua própria vontade. “Está comovido em mim o meu coração, as minhas compaixões a uma se acendem” (Oséias 11:8b). O amor perdoa. “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (I João 1:9).” 1 . No contexto do Livro do Profeta Oséias este amor de Deus é demonstrado através de uma grande alegoria: o Profeta Oséias é ordenado por Deus a buscar e casar com uma prostituta e ter filhos com ela (Os 1.2). Oséias é traído por esta mulher e outra vez Deus mandar o Profeta se reconciliar com ela (Os 3.1). Essa alegoria revela o amor de Deus por Israel - Deus sempre buscando e perdoando só pelo fato de amar. Um amor incondicional e incomparável.]
1. Deus é amor: o que isto significa?. Disponível em: <https://www.gotquestions.org/Portugues/Deus-e-amor.html>. Acesso em: 05 out. 2017.