Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

25 de março de 2018

Lição 1: O que é Ética Cristã


LIÇÕES BÍBLICAS CPAD - ADULTOS
2º Trimestre de 2018
Título: Valores cristãos — Enfrentando as questões morais de nosso tempo
Comentarista: Douglas Baptista

Lição 1
1º de Abril de 2018
O que é Ética Cristã

Texto Áureo

Verdade Prática
“Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam” (1Co 10.23).

As Escrituras Sagradas ensinam o que convêm à virtude do bem-viver cristão em sociedade.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
1 Coríntios 10.1-13.
Almeida Corrigida e Revisada Fiel
Nova Versão Internacional
King James Atualizada

1 Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem, e todos passaram pelo mar.
Porque não quero, irmãos, que vocês ignorem o fato de que todos os nossos antepassados estiveram sob a nuvem e todos passaram pelo mar.
Portanto, irmãos, não quero que ignoreis que nossos antepassados estiveram todos debaixo da nuvem e todos passaram pelo mar.
2 E todos foram batizados em Moisés, na nuvem e no mar,
Em Moisés, todos eles foram batizados na nuvem e no mar.
Em Moisés, todos eles foram batizados na nuvem e no mar.
3 E todos comeram de uma mesma comida espiritual,
Todos comeram do mesmo alimento espiritual
Todos comeram do mesmo alimento espiritual,
4 E beberam todos de uma mesma bebida espiritual, porque bebiam da pedra espiritual que os seguia; e a pedra era Cristo.
e beberam da mesma bebida espiritual; pois bebiam da rocha espiritual que os acompanhava, e essa rocha era Cristo.
e todos beberam da mesma bebida espiritual, porque tinham a sede saciada pela rocha espiritual que os acompanhava, e essa rocha era Cristo.
5 Mas Deus não se agradou da maior parte deles, pelo que foram prostrados no deserto.
Contudo, Deus não se agradou da maioria deles; por isso os seus corpos ficaram espalhados no deserto.
Entretanto, Deus não se agradou da maioria deles; e, por isso, seus corpos ficaram espalhados pelo chão do deserto.
6 E essas coisas foram-nos feitas em figura, para que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram.
Essas coisas ocorreram como exemplos para nós, para que não cobicemos coisas más, como eles fizeram.
Esses fatos ocorreram como exemplo para nós, a fim de que não cobicemos o que é ruim, como eles fizeram.
7 Não vos façais, pois, idólatras, como alguns deles; conforme está escrito: O povo assentou-se a comer e a beber, e levantou-se para folgar.
Não sejam idólatras, como alguns deles foram, conforme está escrito: "O povo se assentou para comer e beber, e levantou-se para se entregar à farra".
Não vos torneis idólatras, como alguns deles foram, conforme está escrito: “O povo se assentou para comer e beber, e levantou-se para se entregar à orgia.
8 E não nos prostituamos, como alguns deles fizeram e caíram num dia vinte e três mil.
Não pratiquemos imoralidade, como alguns deles fizeram — e num só dia morreram vinte e três mil.
Não nos entreguemos à imoralidade, como alguns deles assim agiram – e num só dia morreram cerca de vinte e três mil.
9 E não tentemos a Cristo, como alguns deles também tentaram, e pereceram pelas serpentes.
Não devemos pôr o Senhor à prova, como alguns deles fizeram — e foram mortos por serpentes.
Não devemos pôr à prova a paciência de Cristo, como alguns deles fizeram, e por isso foram mortos pelas serpentes.
10 E não murmureis, como também alguns deles murmuraram, e pereceram pelo destruidor.
E não se queixem, como alguns deles se queixaram — e foram mortos pelo anjo destruidor.
E não vos entregueis à murmuração, como alguns deles resmungaram e foram mortos pelo destruidor.
11 Ora, tudo isto lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos.
Essas coisas aconteceram a eles como exemplos e foram escritas como advertência para nós, sobre quem tem chegado o fim dos tempos.
Tudo isso lhes aconteceu como exemplo, e foi escrito como advertência para nós sobre quem o final dos tempos já chegou!
12 Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe que não caia.
Assim, aquele que julga estar firme, cuide-se para que não caia!
Assim, aquele que julga estar firme, cuide-se para que não caia.
13 Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis; antes, com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar.
Não sobreveio a vocês tentação que não fosse comum aos homens. E Deus é fiel; ele não permitirá que vocês sejam tentados além do que podem suportar. Mas, quando forem tentados, ele lhes providenciará um escape, para que o possam suportar.
Não vos sobreveio tentação que não fosse comum aos seres humanos. Mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além do que podeis resistir. Pelo contrário, juntamente com a tentação, proverá um livramento para que a possais suportar.


Comentário
   INTRODUÇÃO

Estudar ética é muito importante para o aperfeiçoamento dos nossos relacionamentos e conduta na sociedade. Entretanto, neste trimestre, veremos que a Ética Cristã difere da secular. Enquanto esta se fundamenta em valores materialistas e relativistas, aquela tem como eixo a Palavra de Deus, a revelação divina imutável. Assim, como vivemos em uma época onde os conceitos pós-modernos relativizam as doutrinas cristãs, é relevante identificarmos os principais fundamentos da Ética Cristã a fim de aperfeiçoar nossa vida de comunhão com Deus e testemunho cristão à sociedade (Mt 5.13,14). (LB CPAD, 2º Trim 2018, Lição 1, 1º Abr 18)

Todos nós tomamos diariamente dezenas de decisões. Fazemos escolhas, optamos, resolvemos e determinamos aquilo que tem a ver com nossa vida individual, a vida da empresa e de nossos semelhantes. Ninguém faz isso no vácuo. Antigamente pensava-se que era possível pronunciar-se sobre um determinado assunto de forma inteiramente objetiva, isto é, isenta de quaisquer pré-concepções ou pré-convicções. Hoje, sabe-se que nem mesmo na área das chamadas ciências exatas é possível fazer pesquisa sem sermos influenciados pelo que somos, cremos, desejamos, objetivamos e vivemos. As decisões que tomamos são invariavelmente influenciadas pelo horizonte do nosso próprio mundo individual e social. Ao elegermos uma determinada solução em detrimento de outra, o fazemos baseados num padrão, num conjunto de valores do que acreditamos ser certo ou errado. É isso que chamamos de ética. A nossa palavra "ética" vem do grego eqikh, que significa um hábito, costume ou rito. Com o tempo, passou a designar qualquer conjunto de princípios ideais da conduta humana, as normas a que devem ajustar-se as relações entre os diversos membros de uma sociedade. Ética é o conjunto de valores ou padrão pelo qual uma pessoa entende o que seja certo ou errado e toma decisões.(LOPES. Augustus Nicodemus; Fundamentos da Ética Cristã. Disponível em: Claudemir Pedroso. Acesso em: 24 mar, 2018)
Segundo o Dicionário Aurélio Buarque de Holanda, Ética é "o estudo dos juízos de apreciação que se referem à conduta humana susceptível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal, seja relativamente à determinada sociedade, seja de modo absoluto”. Há diversas visões filosóficas da ética, entretanto, a ética cristã baseia-se na Palavra de Deus para determinar quais ações humanas são legítimas e quais são ilegítimas. É por esta razão que afirmamos que ela é nossa regra de fé e prática. A ética cristã não depende da situação, dos meios ou dos fins (Sl 119.105). O homem natural é capaz de produzir ética, mesmo caído e ‘morto’ espiritualmente. Deus restringe a maldade humana e capacita-o à uma retidão moral, à uma conduta séria e comprometida com causas morais, ao ponto de causar admiração. Abraham Kuyper, teólogo holandês do século passado, afirma que assim como o homem domestica os animais, e prende ou controla seres selvagens, assim também Deus limita a maldade dos homens, extraindo até mesmo o bem do mal, para que se preserve a criação, entendido neste conceito não somente as coisas naturais, mas também toda a criação intelectual que também vem Dele. Contudo, a ética humana vem ‘manchada’ pelos atos e fatos caídos, pois é produzida por um coração à parte de Deus e contrária à Sua Palavra.
Este trimestre nos dará condições de discutirmos assuntos do momento e nos dará ferramentas para respondermos ‘qual a razão da nossa fé’ (Jd 3). Mais do que uma simples lista de “faça” ou “não faça”, a Bíblia nos dá instruções detalhadas de como um Cristão deve viver. A Bíblia é tudo que precisamos para saber como viver a vida Cristã. No entanto, a Bíblia não se dirige diretamente a exatamente todas as situações que vamos ter que encarar em nossas vidas. Como então ela é suficiente? Em situações assim é que temos que aplicar a Ética Cristã. Convido-o a pensarmos maduramente a fé cristã!

   TÓPICO l - O CONCEITO DE ÉTICA CRISTÃ

1. Definição Geral. A palavra “ética” possui origem no vocábulo grego ethos, que significa “costumes” ou “hábitos”. No latim, o termo usado se corresponde a mos (moral), no sentido de “normas” ou “regras”. Devido à proximidade linguística desses termos, muitas vezes eles são usados como sinônimos. Contudo, devemos defini-los separadamente. (LB CPAD, 2º Trim 2018, Lição 1, 1º Abr 18)

19 de março de 2018

Lição 12: Exortações Finais na Grande Maratona da Fé



1º Trimestre de 2018
 Título: A supremacia da Cristo — Fé, esperança e ânimo na Carta aos Hebreus
Comentarista: José Gonçalves


Lição 12
25 de Março de 2018
Exortações Finais na Grande Maratona da Fé

Texto Áureo

Verdade Prática
“Portanto, nós também, pois, que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia e corramos, com paciência, a carreira que nos está proposta” (Hb 12.1).

Assim como um atleta, o cristão corre a grande maratona da fé.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Hebreus 12.1-8; 13.15-18.
Almeida Corrigida e Revisada Fiel
Nova Versão Internacional
King James Atualizada

1 Portanto, nós também, pois, que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia e corramos, com paciência, a carreira que nos está proposta,
Portanto, também nós, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, livremo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve, e corramos com perseverança a corrida que nos é proposta,
Portanto, também nós, considerando que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, desembaracemo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve, e corramos com perseverança a corrida que nos está proposta,
2 olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus.
tendo os olhos fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé. Ele, pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha, e assentou-se à direita do trono de Deus.
olhando fixamente para o Autor e Consumador da fé: Jesus, o qual, por causa do júbilo que lhe fora proposto, suportou a cruz, desprezando a vergonha, e assentou-se à direita do trono de Deus.
3 Considerai, pois, aquele que suportou tais contradições dos pecadores contra si mesmo, para que não enfraqueçais, desfalecendo em vossos ânimos.
Pensem bem naquele que suportou tal oposição dos pecadores contra si mesmo, para que vocês não se cansem nem se desanimem.
Refleti profundamente sobre Aquele que suportou tamanha oposição dos pecadores contra sua própria pessoa, para que não vos fatigueis, tampouco desanimeis. As provas revelam o amor do Pai
4 Ainda não resististes até ao sangue, combatendo contra o pecado.
Na luta contra o pecado, vocês ainda não resistiram até o ponto de derramar o próprio sangue.
Ora, na guerra contra o pecado ainda não tendes resistido até o extremo de derramar o próprio sangue.
5 E já vos esquecestes da exortação que argumenta convosco como filhos: Filho meu, não desprezes a correção do Senhor e não desmaies quando, por ele, fores repreendido;
Vocês se esqueceram da palavra de ânimo que ele lhes dirige como a filhos: "Meu filho, não despreze a disciplina do Senhor, nem se magoe com a sua repreensão,
E estais esquecidos da Palavra de encorajamento que Ele vos dirige como a filhos: “Meu filho, não desprezeis a disciplina do Senhor, nem desanimeis quando por Ele sois repreendido,
6 porque o Senhor corrige o que ama e açoita a qualquer que recebe por filho.
pois o Senhor disciplina a quem ama, e castiga todo aquele a quem aceita como filho".
pois o Senhor disciplina a quem ama, e educa todo aquele a quem recebe como filho”.
7 Se suportais a correção, Deus vos trata como filhos; porque que filho há a quem o pai não corrija?
Suportem as dificuldades, recebendo-as como disciplina; Deus os trata como filhos. Pois, qual o filho que não é disciplinado por seu pai?
Suportai as dificuldades, aceitando-as como disciplina; Deus vos trata como filhos. Ora, qual o filho que não passa pela correção do seu pai?
8 Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois, então, bastardos e não filhos.
Se vocês não são disciplinados, e a disciplina é para todos os filhos, então vocês não são filhos legítimos, mas sim ilegítimos.
Mas, se estais sem orientação, da qual todos se têm tornado participantes, então não sois filhos legítimos, mas bastardos.
Hebreus 13.15-18
15 Portanto, ofereçamos sempre, por ele, a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome.
Por meio de Jesus, portanto, ofereçamos continuamente a Deus um sacrifício de louvor, que é fruto de lábios que confessam o seu nome.
Sendo assim, por intermédio dele, ofereçamos continuamente a Deus um sacrifício de louvor, que é o fruto de lábios que confessam o seu Nome.
16 E não vos esqueçais da beneficência e comunicação, porque, com tais sacrifícios, Deus se agrada.
Não se esqueçam de fazer o bem e de repartir com os outros o que vocês têm, pois de tais sacrifícios Deus se agrada.
De igual modo, não negligencieis a contínua prática do bem e a mútua cooperação; pois é desses sacrifícios que Deus muito se alegra.
17 Obedecei a vossos pastores e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossa alma, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil.
Obedeçam aos seus líderes e submetam-se à autoridade deles. Eles cuidam de vocês como quem deve prestar contas. Obedeçam-lhes, para que o trabalho deles seja uma alegria e não um peso, pois isso não seria proveitoso para vocês.
Sede obedientes aos vossos líderes espirituais e submissos à autoridade que exercem. Pois eles zelam por vós como quem deve prestar contas de seus atos; para que ministrem com alegria e não murmurando, porquanto desta maneira tal ministério não seria proveitoso para vós outros.
18 Orai por nós, porque confiamos que temos boa consciência, como aqueles que em tudo querem portar-se honestamente.
Orem por nós. Estamos certos de que temos consciência limpa, e desejamos viver de maneira honrosa em tudo.
Orai por nós, pois temos certeza de caminhar com a consciência limpa, e desejamos viver de modo honrado em relação a todas as áreas da vida.


Comentário
   INTRODUÇÃO

Os dois capítulos finais da Carta aos Hebreus constituem-se como um dos mais fortes apelos exortativos de toda a epístola. A exortação, que começa no capítulo 12, é que cada um corra a “maratona da fé” que está proposta. A palavra grega agon traduzida como “carreira” tem o sentido de luta, conflito, esforço e corrida. No capítulo 11 o autor havia falado das promessas de Deus como o alvo a ser alcançado, agora ele coloca o cristão dentro da maratona da fé, correndo rumo a essa meta. Como toda corrida, é preciso fazer os preparativos necessários. E isso tem uma razão de ser — toda corrida, especialmente a maratona, demanda algum tipo de esforço e sofrimento. O sofrimento aparece como algo intrínseco da corrida, já que ela exige uma vida disciplinada. Todavia, nada disso deve servir de desmotivação, já que estamos numa pista onde outros, bem antes de nós, também já trilharam. (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 12, 25 Mar 18)

Chegamos ao final deste primeiro trimestre, este é o momento de realizarmos uma revisão geral do tema abordado ao longo do trimestre para uma melhor fixação. A vida cristã implica trabalho árduo. Requer que deixemos de lado tudo o que representa perigo para nosso relacionamento com Deus, correr com paciência e fazer frente ao pecado no poder do Espírito Santo. Para viver com eficiência esta vida, devemos fixar nossos olhos em Cristo. Os olhos são o espelho da alma (Mt 6.22; Lc 11.34) e precisamos dominá-los (Jó 31.1; Sl 119.37; Mt 5.28) e não apenas dominá-los, mas fixá-los naquele que sofreu o opróbrio da cruz - o morrer crucificado era a morte mais ignominiosa e cruel que se podia imaginar (Hb 2.10; 5.8-9). Muitos crentes vivem como se estivessem numa corda bamba, apartam o olhar da cruz ensangüentada e passam a fixar os olhos em si mesmos ou contemplam as circunstâncias que os rodeiam. Devemos correr para participar da carreira de Cristo, não na nossa, e sempre devemos fixar nosso olhar nEle, afinal, esta "tão grande nuvem de testemunhas", composta de pessoas que se mencionaram no capítulo 11, nos servem de estímulo por sua fidelidade. Não lutamos sozinhos nem somos os primeiros a militar com os problemas que confrontamos. Outros já batalharam as mesma lutas, prosseguiram na carreira e ganharam os louros da vitória; seu testemunho nos anima também a correr com a certeza da vitória, dado este legado tão inspirador!
Quando enfrentamos dificuldades e desalento, é muito fácil perder a perspectiva global. Mas não estamos sozinhos; há ajuda. Muitos conseguiram vencer ao longo da vida e em forma constante e em circunstâncias muito mais difíceis das que estamos experimentando. O sofrimento é o campo de adestramento para alcançar a maturidade cristã. Desenvolve nossa paciência e converte em agradável nossa vitória final. Vamos pensar maduramente a fé cristã?

   TÓPICO l - A CORRIDA PROPOSTA

1. O exemplo dos antigos. Muito embora o autor fale sobre o futuro, ele o faz com um olhar no passado. A “grande nuvem de testemunhas” (Hb 12.1) é uma referência aos heróis da fé aos quais ele se referira no capítulo 11. Aqueles homens e mulheres de Deus do mundo antigo também entraram na corrida. Eles correram, e correram tão bem, que por essa razão tinham agora suas vidas como exemplos. Suas vidas e exemplos devem servir de motivação a todo que se propõe a entrar na corrida. (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 12, 25 Mar 18)