UM COMENTÁRIO APROFUNDADO DA LIÇÃO, PARA FAZER A DIFERENÇA!

Nossa intenção é possibilitar um aprofundamento, tópico a tópico, do conteúdo das lições da EBD, para você aprofundar sua fé e fazer a diferença.

Classe Virtual:

Sente o coração compungido em contribuir com o nosso Ministério? Faça isso de forma simples, pelo PIX: 69381925291 – Mande-me o comprovante, quero agradecer-lhe e orar por você (83) 9 8730-1186 (WhatsApp)

23 de dezembro de 2019

(ADULTOS) Lição 13: A VELHICE DE DAVI

ANO 10 | Nr 1.358 | 2019
LIÇÕES BÍBLICAS CPAD ADULTOS - 3º Trimestre de 2019
Título: O Governo divino em mãos humanas - Comentário das lições: Osiel Gomes
PLANO DE AULA MONTADO POR:

LIÇÃO 13
29 DE DEZEMBRO DE 2019
A VELHICE DE DAVI

TEXTO ÁUREO
“Ainda que a minha casa não seja tal para com Deus, contudo estabeleceu comigo um concerto eterno, que em tudo será ordenado e guardado. Pois toda a minha salvação e todo o meu prazer estão nele, apesar de que ainda não o faz brotar” (2 Sm 23.5).

VERDADE PRÁTICA
A verdadeira essência da vida não consiste em viver muito ou pouco, mas sim em viver cada momento com Deus e para Deus.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
2 Samuel 23.1-7

INTRODUÇÃO
||Nada há nada de pejorativo na palavra velhice. Ela não fala apenas de idade avançada, mas também de maturidade, experiência. Por isso, o hebraico (seybah) a define como cabelos grisalhos, cabeça encanecida. Nas Escrituras, a velhice é vista como fonte de bênçãos: “Na velhice darão ainda frutos, serão cheios de seiva e de verdor” (Sl 92.14). A velhice pode ser boa ou ruim − isso dependerá da forma como vivemos cada fase de nossa vida; temamos a Deus e sejamos sábios (Ec 12.1). Os últimos momentos da vida de Davi, já na velhice, foram conturbados, conforme descrito em 1 Reis, mas, pela sua peregrinação e comunhão com Deus, ele finda sua missão com uma grandiosa ação de graças ao Senhor, que o chamara desde a meninice||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 13, 29 Dezembro, 2019]
- Nossos dias neste mundo, que na maioria das pessoas não chegam a mais de setenta ou oitenta anos, são poucos em relação à eternidade. Devemos orar por uma sábia compreensão da brevidade da nossa vida, para termos diante de Deus um coração sábio no emprego de cada dia que Ele nos concede. Considerando que esta vida é uma preparação para a outra, devemos entender o que Deus deseja realizar para si mesmo, para nossa família e para o próximo, através do nosso serviço fiel. Quando terminar aqui o nosso tempo, e chegarmos ao céu, será avaliado como foi (ou deixou de ser) a nossa dedicação a Deus. Com isto em vista, devemos orar pedindo um coração sábio e um santo temor de Deus, e o seu favor em nossa vida e em nosso trabalho para Ele. Lembremos de que somos propriedade de Deus, por isso, empreguemos nossa vida para servi-Lo desde cedo. Vamos concluir mais um trimestre?

I – UMA VISÃO GERAL SOBRE A VELHICE
||1. Concepções antigas e modernas. Há 2.500 anos, o filósofo egípcio Ptah-hotep descreveu a velhice como o maior infortúnio que pode atingir o ser humano. O poeta inglês William Shakespeare não via a velhice com bons olhos, antes, relatou que os anos crepusculares trazem uma segunda infância e simples esquecimentos. O tom da concepção moderna sobre a velhice é desgastante, ao afirmar que os velhos são ressentidos com os jovens, pois são pessoas cansadas, fora de moda e severas. Entretanto, o respeito por cada fase da vida é ordenado por Deus. Ninguém pode desprezar o outro por ser adolescente, jovem ou idoso. Tem-se veiculado nos meios de comunicação o descaso com que muitos tratam os mais velhos; sem dúvida, isso se deve ao esfriamento do amor e ao aumento do pecado, gerando ingratidão e desrespeito (Mt 24.12). Por isso, a igreja deve manter programas especiais para os idosos, pois essa prática revela o amor de Deus ao próximo||.[Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 13, 29 Dezembro, 2019]
- Esta é uma fase da vida em que todos estão destinados a passar e pode ter vários significados e simbolismos para diferentes sociedades. Sociedades mais antigas, como as orientais, consideram o idoso o chefe de família, aquele que assume todas as responsabilidades, aquele que é o exemplo para os demais; são tratados com veneração e respeito por entender que são responsáveis por grande parte da cultura e do conhecimento. Em nossa cultura temos absorvido um entendimento totalmente contrário, uma inversão de valores, em vez da sabedoria, julgamos o homem pela sua capacidade de produção - muito mais próxima do jovem, e acabamos relegando nossos idosos ao ostracismo, são tratados com desrespeito e deixados de lado como alguém que já usufruiu seu tempo e deve agora apenas aguardar o final de sua vida. Contudo, a velhice é muito subjetiva e complexa, pois além de ser uma etapa natural pela qual todas as pessoas vão passar, ela não é o final e sim o começo de mais uma etapa da vida. Esta fase da vida é chamada de terceira idade e se caracteriza pela queda de força e degeneração do organismo, ou seja, ao longo da vida têm-se várias fases e é com elas que você cresce e amadurece.
- “Nas sociedades primitivas, os velhos eram objetos de veneração. Os jovens a eles recorriam em busca de seus conselhos, eram respeitados e lhes confiavam negócios. Na antiga China, o filósofo Confúcio pregava que todos os elementos de uma família deveriam obedecer os mais velhos. Em geral, as sociedades da antigüidade, consideravam o estado de velhice dignificante e adotavam como sábio aquele que atingia essa etapa. Passou s ser importante o papel de ancião, época terminal da vida, que aos que nela ingressavam era reservado um papel de intensa atuação nos destinos políticos dos grupos sociais e na tomada de decisões importantes. No século XVIII, o idoso era tido como patrimônio e não encargo (tribunapr – Acesso em: 21, Dezembro 2019)
- “Segundo a Organização Mundial de Saúde - OMS, a terceira idade começa entre 60 e 65 anos; para os cientistas, ela começa aos 65; para outros a aposentadoria deve ser o referencial para determinar o inicio da terceira idade. A fixação do inicio desta fase da vida não tem nenhum fundamento cientifico. Serve, apenas, para orientar as pesquisas cientificas e para a elaboração da política governamental nas áreas da saúde e social. Toda dificuldade advém do fato de que as pessoas são muito diferentes entre si. A questão da idade é mais uma questão psíquica. É possível encontrar alguém com 80 anos com uma cabeça melhor e uma disposição física superior a de outra com 50 anos, ou menos; velhos que ainda sonham, que ainda possuem metas para serem alcançadas, que não se sentem realizados - velhos com ideais ainda vivos. Em nossas Igrejas temos muitos exemplos desta natureza. Obreiros que já ultrapassaram a barreira dos oitenta e que podem fazer suas as palavras de Calebe: “...e agora eis que já hoje sou da idade de oitenta e cinco anos. E ainda hoje estou tão forte como no dia em que Moisés me enviou; qual a minha força então era, tal é agora a minha força, para a guerra, e para sair e para entrar”(Js 14:10-11). A velhice chega quando sepultamos nossos sonhos.” (retrospectivasbiblicas)
||2. Concepção bíblica. A Bíblia descreve a velhice como algo natural e dadivoso. O homem que mais viveu na terra foi Matusalém, chegando à idade de 969 anos (Gn 5.27). Mas há muitos outros que chegaram à velhice com menos idade e diversos problemas, como Isaque, que não enxergava mais (Gn 27.1), Barzilai, que afirmou que, devido à idade, já não se interessava mais por finas iguarias (2 Sm 19.34,35). A Bíblia relata, porém, dois homens de idade avançada que não foram atingidos pelos sintomas e problemas na velhice. O primeiro é Moisés; em Deuteronômio 34.7 é dito que seus olhos nunca escureceram nem ele perdeu o vigor. Em seguida, Calebe, com a idade de 84 anos, falou a Josué que Deus lhe tinha conservado até ali, e ele ainda viria a conquistar as terras que lhe foram destinadas (Js 14.10-14). A velhice virá para todos os mortais, mas o importante é ter Deus na vida, pois, dessa forma, poderá ser encarada com naturalidade, longe de qualquer estereótipo||.[Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 13, 29 Dezembro, 2019]
- A sociedade hebraica possuía os anciãos como uma classe social na pirâmide social. Líderes consagrados por Deus para auxiliarem Moisés e administrarem os territórios conquistados em Canaã, entre outras importantes funções, em razão da sabedoria que procede de uma idade avançada. Em Números 11.16-26, setenta deles receberam um derramamento sobrenatural do Espírito Santo, a fim de se integrarem na direção do numeroso povo que saiu do Egito.
- “No Antigo Testamento há várias palavras para definir o termo "ancião", "velho", ou "velhice", alguns com matizes teológicos, outros nem tanto. Por conseguinte, pretendo destacar um vocábulo hebraico (zāqēn) e outro aramaico ('ătîd), muito embora façamos referências a outros termos. Cabe aqui, portanto, uma breve distinção: os anciãos como classe e como um estado de maturidade. Zāqēn aparece em inúmeras passagens (Gn 43.27; Lv 19.32; Is 3.2,5) e, figuradamente, algumas vezes é chamada de cãs (Gn 21.7; 42.38; 1 Sm 12.2; Pv 16.31). A estes anciãos justos e tementes a Deus, a Sagrada Escritura promete longevidade feliz e frutífera”. (cpadnews – Acesso: 21, Dezembro 2019)

II - PROBLEMAS NA VELHICE DE DAVI
||1. A velhice de Davi. 1 Reis 1.1-4 descreve alguns problemas que atingiram Davi na velhice. Ali, se esclarece que a velhice não poupa ninguém. Por causa dos grandes sofrimentos, das lutas que marcaram sua vida e das causas naturais, com aproximadamente setenta anos, as forças e a saúde de Davi já tinham definhados. Seu corpo não conseguia manter-se aquecido. Davi é o exemplo de como começa o declínio da vida, conforme expõe Eclesiastes 12.1-7. Portanto, aproveitemos bem a adolescência e a juventude na presença de Deus; consagremos nossas forças e todo o nosso vigor ao Senhor Jesus Cristo||.[Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 13, 29 Dezembro, 2019]
- A narrativa de 1Rs 1.1-4, Davi contava com 70 anos (25m 5.4-.1). Com a idade avançada, problemas circulatórios passaram a atormentar o rei Davi, de modo que ele não conseguia manter-se aquecido. O gabinete real propôs a solução de que uma jovem virgem cuidasse dele, no que hoje poderíamos chamar de enfermeira; o cuidado dele consistira em aquecer o velho rei à noite com o calor do seu corpo, Abisague lhe prestou esses serviços. Pode parecer estranho para nós hoje, mas isso estava de acordo com os costumes médicos daquele tempo; tanto o historiador Flávio Josefo quanto o médico grego Galeno registraram essa prática. É interessante ainda notar que, embora Davi não a tenha possuído, ela foi considerada como sendo uma das suas esposas, como vemos mais tarde.
- Em Eclesiastes 12.1-7, Salomão aconselha: “Lembra-te do teu Criador... maus dias”. Lembre-se de que você é propriedade de Deus, por isso, empregue sua vida para servi-Lo desde o início de seus anos e não no final, quando a capacidade de servir se torna bastante limitada. Salomão usa á imagem do envelhecimento, acrescentando elementos de uma casa em decadência, da natureza e de um cortejo fúnebre a fim de intensificar a ênfase daquilo que ele escreveu no capítulo 11.7-12.1. A juventude é normalmente o período da luz da alvorada, e a velhice, o período da penumbra melancólica. Esse retrato melancólico da velhice não nega a verdade de que essa estação da vida pode ser uma bênção para o servo fiel (Pv 16.31), mas relembra ao jovem que ele não conseguirá desfrutar da bênção de uma velhice piedosa e de uma vida dedicada à obra de Deus se não se lembrar de seu Criador enquanto ainda é jovem (v. 1).
||2. Enfrentando mais um filho rebelde. Em 1 Reis 1.15, novamente o texto reforça a velhice de Davi. Estando ele doente e sem forças, Adonias aproveita-se desse instante para declarar-se rei; ele tem quase os mesmos traços de Absalão − é formoso de aparência e exalta a si mesmo, dizendo: “Eu reinarei”. Apresenta-se ao público com características da realeza: com carros, cavaleiros e pessoas que corriam adiante dele. Ao contrário de Absalão, que sofria oposição de seu pai, Adonias sabia que não haveria qualquer entrave para o seu plano, pois fora criado sem qualquer disciplina. Daí a expressão: “Nunca seu pai o tinha contrariado”. Adonias representa aqueles que querem ser líderes segundo sua própria vontade, que exaltam a si mesmos, desprezando a vontade de Deus. Essa postura vai lhe custar a vida||.[Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 13, 29 Dezembro, 2019]
- Quero nesse subtópico retornar à Lição 10: O Pecado do Homem Segundo o Coração de Deus, no Tópico III – O Adultério e o Homicídio de Davi, subtópico 4. A tentativa de Davi para evitar as suspeitas do seu pecado, onde o comentarista escreve: “Era uma mulher ambiciosa, cheia de planos”; Na verdade, a revolta de Adonias foi derrotada por Natã, que conhecia a vontade do Senhor (2Sm 7.12; 1Cr 22.9) e agiu com rapidez, fazendo com que Bate-Seba fosse até Davi antes para relatar o que estava acontecendo, e a quem depois ele seguiria (v. 23). Aproveitando-se da velhice de Davi, Adonias tenta usurpar o trono para si, trono que deveria ser de Salomão por direito; Natã e Bate-Seba logo avisam o rei Davi sobre isso e o reinado de Salomão foi anunciado diante do povo.

||3. Constituindo Salomão como rei. Já no seu leito de morte, doente e velho, Davi teve de atuar firmemente para constituir Salomão como rei. Ele chama Zadoque, Natã e Benaia, e passa-lhes as necessárias instruções, seguindo os costumes da separação de um rei: a unção e o anúncio público. A ordem de Davi era que Salomão fosse colocado em sua mula, sobre a qual somente o rei andava; ele foi escoltado até Giom, em direção ao vale de Cedrom. A unção foi feita por Zadoque com o óleo do tabernáculo, perante todo o povo. A cerimônia feita para a coroação de Salomão recebia a ratificação divina. Somente a partir disso é que Salomão poderia assumir o trono||.[Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 13, 29 Dezembro, 2019]
- O fato de Salomão viajar montado na mula real de Davi mostrava a Israel que era ele o escolhido por Davi para ser o seu sucessor (2Sm 13.29). É possível que a cerimônia de unção do Salomão tenha sido ouvida sem ser vista pela comitiva de Adonias. Saul e Davi tinham sido ungidos por Samuel, sacerdote e profeta do Senhor (ISm 10.1; 16.13); Salomão também seria reconhecido por um profeta e sacerdote. A participação do profeta Natã deu à coroação a prova da bênção do Senhor. Ao longo de todo o livro de Reis, Deus identificou os seus reis escolhidos por meio dos profetas (1Rs 11.37; 15.28-29; 16.12; 2Rs 9.3). A ordem para “tocareis a trombeta” sinalizava uma audiência pública na qual o povo reconhecia oficialmente a nova posição de Salomão como co-regente e sucessor de Davi.

||4. As palavras de Davi a Salomão e sua morte. Davi tem consciência de que vai morrer. É isso o que se constata em 1 Reis 2.1-4. Nessa hora, brotam dos seus lábios profundas palavras com as quais aconselha seu filho. Davi diz para Salomão andar em santidade e, nela, conduzir o rebanho de Deus, Israel. O rei tinha consciência plena de que uma vida de santidade só era possível pela observância e obediência completa à Palavra de Deus, conforme Moisés revelara. Tanto Salomão quanto o povo tinham a responsabilidade de andarem nos caminhos do Senhor, por causa das verdades divinas transmitidas, o que significava: atentar para os estatutos do Senhor (Êx 30.21); guardar os mandamentos divinos (Êx 20.1-17); atentar para os decretos ou juízos do Senhor (Êx 21.1)||.[Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 13, 29 Dezembro, 2019]
- Os líderes normalmente exortavam seus sucessores; por exemplo, Moisés (Dt 31.7-8), Josué (Js 23.1-6) e Samuel (1Sm 12.1-25). Assim, também Davi fez uma exortação final a Salomão no momento em que pressentia sua partida, fato narrado assim: “Eu vou pelo caminho de todos os mortais”-expressão usada para descrever a morte (Js 2.3.14; Gn 3.19). Interessante como Davi inicia suas últimas palavras de orientação a Salomão com a qual prepará-lo para as tarefas difíceis e as batalhas em seu futuro: “Coragem, pois, e sê homem!“ – um homem de Deus precisa ter coragem e demonstrar virtudes tais como integridade, força de caráter, determinação, justiça e retidão. Nessa conversa, Davi admoestou Salomão a obedecer à lei mosaica para que seu reinado fosse bem-sucedido. Ele declarou que a obediência do rei à lei de Moisés era condição necessária para o cumprimento da promessa divina. O livro de Reis demonstra que nenhum dos descendentes de Davi permaneceu fiel à lei de Deus; nenhum deles satisfez as condições para o cumprimento da promessa divina. Portanto, as palavras de Davi fornecem a base para explicar o exílio. Assim, o último e supremo rei de Israel surgiria mais tarde, num tempo não determinado.

III - AS PALAVRAS FINAIS DE DAVI EM SUA VELHICE
||1. O reconhecimento da ação do Deus de Jacó. As palavras finais de Davi em 2 Samuel 23.1-7 são de louvor a Deus. Primeiramente ele expressa sua gratidão a Deus por ter-lhe favorecido em tudo; e menciona que foi levantado em altura pelo Deus de Jacó: “Disse o Deus de Israel, a Rocha de Israel a mim me falou: Haverá um justo que domine sobre os homens, que domine no temor de Deus“ (v.3). Davi tinha consciência de que todas as suas conquistas não eram humanas e que, ele mesmo, não era divino, como pensavam os reis de outras nações ao próprio respeito; mas seu crescimento veio do Deus de Israel. Reconhecer nossa fragilidade é o caminho para Deus usar-nos sem nunca pensarmos ser alguma coisa (Sl 82.7). No Novo Testamento, Paulo era usado por Deus, mas tinha consciência de sua humanidade (At 14.15)||.[Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 13, 29 Dezembro, 2019]
- No final de sua vida, Davi olhou para trás com fé nas promessas de Deus, e para frente com esperança no cumprimento da vinda de um futuro "rei", o "ungido". Esse é o legado literário final para Israel, e não o seu discurso final (1Rs 2.1-10). É interessante notar que, no texto de 2Sm 23.1 “Palavras de Davi”, ou como aparece em algumas versões: "Assim diz Davi", percebe-se que Davi tinha a idéia de que os salmos que havia escrito com a orientação do Espírito Santo eram a própria Palavra de Deus! Assim ele sabia que não era divino, como era a mentalidade comum em seus dias de pensar nos reis como representantes de uma determinada divindade, ou mesmo a própria divindade, no entanto, ele sabia que era instrumento nas mãos de Deus! O Santo Espírito de Deus é o instrumento divino de revelação e inspiração. Davi tinha consciência de que o rei ideal deveria exercer a sua autoridade com justiça, em completa submissão à soberania divina. Esse rei é como os raios do sol pela manhã e a chuva que traz vida e nutre a terra. Esse rei ideal foi identificado no Antigo Testamento como o futuro Messias (Is 9.6-7).

||2. O Davi inspirado. Davi esclarece que as palavras que pronunciará têm sua fonte em Deus. Ele deixa claro, nos versículos 3 e 4, que brevemente o governador ideal chegará. Ele irá atuar com justiça, andará no temor do Senhor e trará grandes bênçãos ao povo. O rei diz assim porque tinha consciência de que havia falhado. Mesmo diante de suas falhas, Davi sabia que Deus tinha estabelecido com ele um concerto, de modo que esse justo rei irá sair de sua própria casa (Is 55.3; Jr 33.15.16; At 13.34). Referia-se Ele, profeticamente, à chegada do Messias – Jesus Cristo. Em 1 Reis 2.10, o autor sagrado registra a morte de Davi, o grande rei de Israel. Ele dormiu com os seus pais para acordar na eternidade com Deus. Ele estaria para sempre com o Senhor||.[Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 13, 29 Dezembro, 2019]
- O Texto de 2Sm 23.3-4 é o registro do discurso direto de Deus, não é o discurso de Davi, embora pronunciadas pelos lábios do velho rei, era inspirada pelo Espírito Santo, traçando o ideário de rei submisso à soberania divina, profecia referente ao Messias (Is 9.6-7).
A morte de Davi é relatada em um curto versículo. Existe um tom de tristeza aqui, pois ele havia sido um grande homem de Deus. Quando o seu primeiro filho com Bate-Seba morreu, Davi havia dito: "Eu irei a ele, porém ele não voltará para mim". Ele agora havia ido. Mas voltará para o seu reino milenar, com o SENHOR (Jr 30.9, Ez 34.23-24, 37:24-25, Os 3.5)” (R David Jones)
A morte de um homem é um dos principais eventos de sua vida. É uma ocasião solene, quando a vida da pessoa passa em revista, quando se extrai o significado dos poucos anos da sua vida. As experiências perto da morte informam-nos que o Ser Luminoso sujeita a pessoa a uma completa revista. Assim ela chega a entender todo o sentido de sua vida, o que não deveria ter feito, o que deixou de fazer, o que fez de bom, enfim, a média do valor dessa vida. Dois grandes fatores na vida são o conhecimento e o cumprimento da lei do amor. Esses dois fatores são muito mais importantes que os feitos dos guerreiros ou que o bom governo de um rei. Davi faleceu com setenta anos (II Sm 5:4) e foi sepultado em Jerusalém ou Sião, a cidade de Davi (I Rs 2:10,11). Aos turistas, hoje em dia, mostra-se o suposto túmulo de Davi, localizado na colina sul da moderna Jerusalém, comumente chamada monte Sião. Porém, o local não pode ser identificado com a localização real do túmulo de Davi, o qual, definidamente, ficava dentro das muralhas da cidade. Essa falsa localização vem sendo promovida desde a época das cruzadas.” (ebdareiabranca)
CONCLUSÃO
||A Bíblia fala dos atos heróicos de Davi, mas não esconde seus erros e deslizes. Mas o pastorzinho de Belém, como o homem segundo o coração de Deus, soube como retornar ao que o ungira como rei de Israel. Seus salmos relatam a comunhão profunda e íntima que ele mantinha com o Senhor. E, dessa forma, o amado rei finda sua vida, enaltecendo o Deus de Jacó|| [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 13, 29 Dezembro, 2019]
- Interessante que, as Escrituras reservam um texto tão curto para tratar a morte desse importante rei em Israel. Melancolicamente o rei Davi passa o trono a seu filho Salomão, em seu leito de morte, chamou seu filho diante dele para dar-lhe seu cargo. A vida de Davi demonstra que as escolhas erradas resultam em consequências desastrosas. Os erros desse mavioso rei de Israel decorreram do seu descuido espiritual. No entanto, apesar das falhas espirituais, , Deus demonstrou sua graça e amor, restaurando-o e perdoando-o, e fazendo-o um ancestral do Messias Jesus.
Agora que você aprendeu sobre Davi e Bate-Seba e sobre as consequências trágicas de suas escolhas, avalie sua vida verificando em quais áreas você tem pecado contra o Senhor. Confesse cada um dos seus erros e dispondo-se a abandoná-los. Lembre-se de que é indispensável você manter vigilância para que suas escolhas sejam sempre feitas segundo a instrução da Palavra de Deus. E não se esqueça de sempre render louvores ao Senhor pelo perdão que ele concede a você, bem como, por sua infinita graça que é revelada na continuidade de suas bênçãos em sua vida, apesar de seus erros.” (ultimato)
Pb Francisco Barbosa