UM COMENTÁRIO APROFUNDADO DA LIÇÃO, PARA FAZER A DIFERENÇA!

Nossa intenção é possibilitar um aprofundamento, tópico a tópico, do conteúdo das lições da EBD, para você aprofundar sua fé e fazer a diferença.

Classe Virtual:

Sente o coração compungido em contribuir com o nosso Ministério? Faça isso de forma simples, pelo PIX: 69381925291 – Mande-me o comprovante, quero agradecer-lhe e orar por você (83) 9 8730-1186 (WhatsApp)

20 de outubro de 2019

(ADULTOS) Lição 4: A DEGENERAÇÃO DA LIDERANÇA SACERDOTAL


ANO 10|Nr 1.344|2019
LIÇÕES BÍBLICAS CPAD ADULTOS - 4º Trimestre de 2019
Título: O Governo divino em mãos humanas - Comentário das lições: Osiel Gomes
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
L I Ç Ã O  4
27 DE OUTUBRO DE 2019
A DEGENERAÇÃO DA LIDERANÇA SACERDOTAL
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
TEXTO ÁUREO
“E disse-lhes: Por que fazeis tais coisas? Porque ouço de todo este povo os vossos malefícios.” (1 Sm 2.23)
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
VERDADE PRÁTICA
Evitemos o pecado a todo custo, pois a sua prática leva-nos ao mais baixo nível espiritual e moral.
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
1 Samuel 2.22-25; 3.10-14
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
INTRODUÇÃO
||O tema desta lição é a degeneração da liderança sacerdotal da casa de Eli. Veremos que os filhos deste não corresponderam aos propósitos divinos, e enveredaram pelo caminho do pecado, o que os fez deturpar as características do sacerdócio (Lv 21.6,7). Assim, Deus agiu de modo punitivo para com os filhos de Eli, pois eles, tendo conhecimento das leis divinas, não andaram por elas, mas degeneraram-se, abandonando as virtudes do verdadeiro sacerdócio. Quando Deus escolhe alguém para executar uma missão, deve este alguém observar rigorosamente a vontade divina||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 4, 27 Outubro, 2019]
- Nesta lição, sobressaem diversos apontamentos espirituais, mas um em especial chamará nossa atenção: o exemplo de Eli nos leva a pensar sobre a responsabilidade espiritual que os pais devem exercer sobre os filhos. Paulo em 1Timóteo 5.8 escreve: “Se alguém não cuida de seus parentes, e especialmente dos da sua própria família, negou a fé e é pior que um descrente”.  Bom estudo e crescimento maduro na fé cristã!
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
I – A DEGENERAÇÃO DOS FILHOS DE ELI
||1. Quando não valorizamos o que Deus nos deu. Segundo o relato bíblico, Eli era avançado em idade; tinha 98 anos (1 Sm 4.15). Seus dois filhos, Hofni e Fineias, por seu turno, também não valorizaram a posição que Deus lhes dera; degeneraram-se, transformando a Casa do Pai em lugar de imoralidades sexuais (1 Sm 2.22). Entretanto, devemos ponderar um ponto sobre o sacerdote Eli. Não se tem menção de abusos cometidos por ele; seu principal erro foi não corrigir os pecados de seus filhos; ele já não tinha autoridade sobre estes. Foi um pecado por omissão e complacência. Logo, o Senhor não demoraria em derramar a sua ira sobre a Casa de Eli (1 Sm 3.12) ||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 4, 27 Outubro, 2019]
- Fazia parto do comportamento depravado dos filhos de Eli manter relações sexuais com mulheres que ministravam no tabernáculo (Êx 38.81). Esse tipo de prostituição religiosa era comum entre os vizinhos de Israel, os cananeus. Este comportamento dos filhos de Eli não pode ser colocado na conta do velho sacerdote. Veja que em 1 Sm 2.25, Eli exorta seus filhos: ‘Deus lhe será o árbitro’ - O que Eli estava querendo dizer para seus filhos era que, se Deus certamente castigaria quem pecasse contra outro homem, muito mais castigaria aqueles que pecassem contra ele. Mesmo exortado, os filhos de Eli tinham persistiram no caminho do mal, e Deus já havia determinado castigá-los. Esse endurecimento judicial divino, o resultado de uma recusa desafiadora em arrepender-se no passado, era a razão de Hofni e Fineias se recusarem a dar atenção às advertências de Eli. Quando o SENHOR fala com Samuel, repete o mesmo que havia dito através do profeta no capítulo 2.27-36. A repetição para Samuel do oráculo contra Eli confirmou a palavra falada pelo homem de Deus.

||2. Fazendo uma troca. Os filhos de Eli trocaram o Senhor pelos prazeres da vida – o apóstolo Paulo menciona os que são mais amigos dos prazeres do mundo do que de Deus (2 Tm 3.4). Para freá-los, pois o que faziam era por demais escandaloso, foi preciso uma ação do próprio Deus (1 Sm 2.25; 4.10.11). Não barganhe a posição que o Pai lhe concedeu; valorize o seu ministério, glorificando o Altíssimo e cumprindo a sua vontade. Os que se mantiverem fiéis serão grandemente honrados por Ele junto ao trono divino (Mt 25.21)||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 4, 27 Outubro, 2019]
- Em cumprimento a 2.34; 3.12, os filhos de Eli morreram juntos.
A situação era tão grave que a história dos filhos de Eli começa da seguinte maneira: “Eram, porém, os filhos de Eli filhos de Belial; não conheciam ao Senhor." (1 Samuel 2:12). O que significa a expressão “filhos de Belial? É o seguinte. Havia um personagem na mitologia canaanita que se chamava Belial e ele era o principal adversário do povo de Deus na terra. Alguns estudos identificam Belial como o demônio da arrogância e da loucura e no Novo Testamento Belial é o oposto da luz e do próprio Jesus. Dizer que alguém é filho de Belial é o mesmo que dizer que ele é filho do diabo, do maligno, que se opõe a Deus e aos Seus servos, pois é desta maneira que os filhos de Eli são identificados. O pecado de Hofni e Finéias começava na hora que o povo trazia seus sacrifícios para serem queimados no altar, porque a regra era clara a respeito do que cabia a eles (levitas) das ofertas queimadas no altar, veja: “Este, pois, será o direito dos sacerdotes, a receber do povo, dos que oferecerem sacrifício, seja boi ou gado miúdo; que darão ao sacerdote a espádua e as queixadas e o bucho." (Deuteronômio 18:3).” (SOMBRADOONIPOTENTE)

||3. As consequências para quem peca contra Deus. Quando o homem comete um crime contra outro homem, aqui na Terra, há os tribunais humanos para julgá-lo, como Paulo nos lembra em Timóteo (1 Tm 1.9). Entretanto, para os pecados dos filhos de Eli, não haveria tribunal humano, pois eles pecaram direta e deliberadamente contra Deus. Como eles não se arrependeram, o juízo divino era inevitável. A ira de Deus se acenderia contra eles. Os que estão à frente do rebanho do Senhor devem ser exemplo em tudo. É preciso ser íntegro no ensino, incorruptível, reverente, digno e santo (Tt 2.7). Devemos ser conscientes de que Deus não tolera o pecado, principalmente, aos que ensinam e estão em posição de liderança (Tg 3.1)||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 4, 27 Outubro, 2019]
- O povo começou a desprezar as ofertas ao Senhor, retraíram suas mãos de ofertar com generosidade, isso porque sabiam que estas ofertas seriam desviadas pelos fraudulentos filhos de Eli; Esta foi apenas uma das consequências do pecado destes filhos de Belial. Seu mau exemplo atingiu o povo, mas não ficou só nisso, veja: “Era, porém, Eli já muito velho, e ouvia tudo quanto seus filhos faziam a todo o Israel, e de como se deitavam com as mulheres que em bandos se ajuntavam à porta da tenda da congregação” (1Sm 2.22). É um exemplo claro de que a responsabilidade dos líderes na igreja deve ser padrão para os demais, como Paulo exorta Tito: “Torna-te, pessoalmente, padrão de boas obras” (Tt 207a). Tito tinha a obrigação especial de exemplificar as qualidades morais e espirituais sobre as quais deveria admoestar os outros (1Co 4.16; 11.1; Fp 3.17; 2Ts 3.8-9; 1Tm 4.12; Hb 13.7). Em Tiago 3.1, Paulo adverte os Mestres, pessoas que se dedicam ao ensino ou à pregação por nomeação oficial (Lc 4.16-27; jo 3.10; At 13.14-15; 1Co 12.28; Ef 4.11). Estes estão sob ‘maior juízo’. A palavra traduzida por ‘juízo’ normalmente expressa um veredicto negativo no Novo Testamento e, aqui, se refere a um juízo futuro:
1) para o falso mestre que é incrédulo, na segunda vinda de Cristo (Jd 14-15) e
2) para o cristão ao ser recompensado diante de Cristo (1Co 4.3-5).
- Isso não significa desalentar os verdadeiros mestres, mas advertir ao futuro mestre sobre a seriedade da função (Ez 3.17-18; 33.7-9; At 20.26-27; Hb 1 3.1 7).

 ▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
II - A SENTENÇA DO JUÍZO DE DEUS
||1. A experiência profética de Samuel. Numa época em que era bem raro ouvir a voz de Deus, Samuel ouviu clara e reverentemente o Altíssimo (1 Sm 3.10). Nessa experiência, o jovem profeta recebeu uma séria e urgente comunicação divina: uma mensagem contra a casa de Eli, o seu mestre. Tal experiência mostra que Deus não faz acepção de pessoas, ou seja, não se importa com a idade de alguém quando a questão é fazer a vontade divina (1 Sm 3.15-18)||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 4, 27 Outubro, 2019]
- De fato pode-se constatar que o SENHOR se manifestava a Samuel desde sua juventude. No texto de 1Sm 3, a partir do verso 10, Samuel recebe uma revelação divina acerca da destruição da casa de Eli. O verso 15 diz que Samuel temia relatar a visão a Eli. Enquanto Samuel crescia, tornava-se evidente que o Senhor era com ele. Assim todo o povo entendeu que Samuel havia sido comissionado como profeta do Senhor (1Sm 3.1-21). Não demorou muito, a visão revelada a Samuel se cumpre, a casa de Eli foi entregue à destruição, e a Arca da Aliança tomada pelos filisteus. A família de Eli aparentemente era culpada do pecado da insolência. Para esse pecado de rebeldia não havia expiação e a pena de morte podia ser aplicada imediatamente (Nm 15.30-31). A presença do Senhor estava com Samuel, do mesmo modo que mais tarde estaria com Davi (16.18;18.12). A presença do Senhor confirmava a escolha de um homem para o seu ministério, e nenhuma de todas as suas palavras deixou cair em terra. Tudo o que Samuel disse com a autorização divina tornou-se realidade. Esse cumprimento da palavra de Samuel comprovou que ele era de fato um verdadeiro profeta de Deus (Dt 18.21-22). Após um intervalo de tempo, Samuel aparece na narrativa bíblica conclamando o povo ao arrependimento e a rededicação da verdadeira adoração em Israel abolindo a idolatria.

||2. Sentença pronunciada. Eli recebera uma sentença por meio de um profeta desconhecido: Deus iria punir os seus filhos (1 Sm 2.31). Prontamente, Eli aceitou a sentença que vinha da parte de Deus. Agora era a vez do menino Samuel. Ele não poderia mudar a mensagem, pois o que Deus lhe havia entregue estava na mesma direção do que entregara ao profeta desconhecido. Sim, Deus havia sentenciado a casa de Eli: viria morte e destruição sobre ela (1 Sm 3.12). Esta sentença seria executada por intermédio da invasão dos filisteus à terra do povo de Deus. Ali, além de muita matança, houve a captura da Arca da Aliança, símbolo da presença divina no meio do povo. Os filhos de Eli foram mortos. E, ao saber disso, e principalmente de que a Arca havia sido levada, Eli caiu e quebrou o pescoço; de imediato, sua nora entrou em trabalho de parto. Logo após, deu o nome ao seu filho, “Icabode”, a glória de Israel se foi, a fim de marcar a tragédia que se abateu contra aquela casa (1 Sm 4.18-22). Em seguida, ela morreu||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 4, 27 Outubro, 2019]
- A repetição para Samuel do oráculo contra Eli confirmou a palavra falada pelo homem de Deus. A partir do período de juizes até o final do reinado de Davi, os filisteus ("povos do mar") eram presença inimiga constante em Israel. Eles eram imigrantes não semitas (Gn 10:14; 1Cr 1.12; Jr 47.4-5; Am 9.7) que se estabeleceram ao longo das regiões litorâneas da parte sul de Canaã, tendo o seu poderio organizado em cinco cidades principais: Asdode, Asquelom, Ecrom, Cate e Gaza (ISm 6.17; Jz 3.13). A introdução dos filisteus na narrativa cria uma relação entre o juizado de Samuel e o juizado que Sansão não foi capaz de concluir (jz 13-16). A derrota de Israel diante dos filisteus indicava claramente que Deus não estava com eles (Nm 14.42; Dt 1.42). Em vez de pedir uma orientação ao Senhor, eles seguiram tentando resolver a questão a seu modo. Interessante que o povo estava sem o verdadeiro conhecimento sobre quem era o SENHOR, pensavam na Arca da Aliança como uma espécie de amuleto, que poderiam manipular Deus a fim de obterem a vitória. Israel foi derrotado e a arca caiu nas mãos dos filisteus. A ideia de que possuir a arca de Deus era equivalente a ter controle sobre Deus tanto por parte de Israel como por parte dos filisteus deve ser contrastada com o poder e a providência de Deus no restante da narrativa. Hofni e Fineias, mortos. Em cumprimento a 2.34; 3.12, os filhos de Eli morreram juntos. Ao receber a notícia da derrota e da tomada da arca pelos filisteus, Eli morre. Havia ele julgado a Israel quarenta anos, no decorrer desse tempo Eli cumpriu as funções de sacerdote e juiz em Israel. A esposa de Fineias deu ao seu filho o nome de Icabô, que significa “Onde está a glória?" ou "sem glória", principalmente em razão da perca da arca, o símbolo da presença de Deus. Para os hebreus, "glória" era usada com frequência para referir-se à presença de Deus; portanto, o texto significa "Onde está Deus?" O termo "foi-se" sugere a ideia de que foi levada para o exílio. Logo, para o povo de Israel, a captura da arca era um símbolo do exílio de Deus. Embora fosse essa a mentalidade de Israel, a narrativa do texto irá revelar que Deus estava presente, mesmo enquanto disciplinava o seu povo.

||3.  desgraça da família de Eli. A desgraça sobre a casa de Eli veio como uma grande avalanche. Seus filhos, Hofni e Fineias, bem como a sua nora, morreram. Além disso, 85 sacerdotes pereceram. No reinado de Salomão, Abiatar (um sacerdote da linhagem de Eli) foi expulso e, a partir daí, a casa de Eli passou a ser preterida (1 Rs 1.7,8; 2.27,35). As predições do profeta desconhecido e de Samuel se cumpriram na totalidade, ainda que levassem aproximadamente 130 anos para seu desfecho. Isso nos mostra que o pecado contra Deus tem a sua sentença, o seu juízo. O Novo Testamento corrobora tal assertiva. Veja o caso da igreja em Tiatira (Ap 2.23). A Bíblia revela que o salário do pecado é a morte (Rm 6.23).||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 4, 27 Outubro, 2019]
- Abiatar foi um dos dois sumo sacerdotes que serviam simultaneamente durante o reinado de Davi (2Sm 8.17), cuja influência Adonias buscou. Abiatar foi sacerdote de Davi junto com Zadoque (2Sm 15.24,35; 19.11). Abiatar traçava sua linhagem de Eli (1Rs 2.27) até Itamar (1Cr 24.3). Com a remoção dc Abiatar (1Rs 2.26-27), a maldição de Deus sobre Eli foi concluída (1Sm 2.33).
- Romanos 6.23 descreve duas certezas inexoráveis:
 1) a morte espiritual é o salário para toda pessoa que é escrava do pecado; e
 2) a vida eterna é um dom gratuito dado por Deus aos pecadores indignos que creem no seu filho (cf. Ef 2.8-9)
Lemos em 1Timóteo 5.8: “Se alguém não cuida de seus parentes, e especialmente dos da sua própria família, negou a fé e é pior que um descrente”. Muitos são os textos bíblicos que nos alertam para o cuidado que devemos dispensar aos da nossa família. Para os líderes espirituais, o cuidado e a espiritualidade no lar fazem parte de um bom perfil para o exercício do ministério (1Tm 3; Tt 1). E exemplo de Eli nos leva a pensar sobre a responsabilidade espiritual que os pais devem exercer sobre os filhos. Em nossos dias muitos pais cristãos estão negligenciando ou delegando a terceiros a formação religiosa dos filhos. Cristãos dedicados e bem intencionados no exercício ministerial, mas que estão correndo o risco de serem reprovados por Deus quanto à responsabilidade dentro de casa. Olham apenas para os de fora!” (BATISTAFLUMINENSE)
▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪
III - AS CONSEQUÊNCIAS DO PECADO
||1. O preço do pecado. O pecado sempre traz consequências. A Bíblia revela alguns exemplos sobre isso: (1) a expulsão de Adão e Eva do Paraíso, a morte física e espiritual (Gn 3.1-7,23; Rm 5.12); (2) Acã e sua família perderam a vida (Js 7.24,25); (3) Ananias e Safira foram mortos (At 5.1-11). Como vimos, as consequências do pecado são trágicas. Eli tinha conhecimento do pecado de seus filhos, mas sua covardia era visível. Por causa de sua omissão e da irreverência de seus filhos, sua família foi tirada do sacerdócio. É bom lembrar que Eli não era somente pai, mas principalmente, sacerdote. Por isso, cabia-lhe a responsabilidade paternal e judicial; nisso ele falhou. A Palavra de Deus nos mostra que, se os filhos não forem bem encaminhados, no caminho do Senhor (Pv 29.15), se tornarão uma vergonha aos seus pais e, se persistirem no erro, sofrerão consequências gravíssimas. Portanto, além de orarmos por nossos filhos, precisamos conduzi-los à comunhão com Deus (Dt 6.4-9), para, enfim, dizermos: “eu e a minha casa serviremos ao SENHOR” (Js 24.15).||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 4, 27 Outubro, 2019]
- Eli, cujo nome significa ‘Deus é exaltado’, primeiro sumo sacerdote da linhagem de Itamar, o filho mais novo de Arão; foi sumo sacerdote em Siló, o 14° juiz sobre Israel. Seus dois filhos, Hofni e Finéias eram ímpios, adúlteros, desobedientes e irresponsáveis. Eli não conseguiu impedir que seus filhos blasfemassem contra o Senhor. Eles tornaram-se culpados de imoralidade e sacrilégio. Interessante é que Eli foi o grande mentor do profeta Samuel (1Sm 2.11), que ainda menino foi chamado por Deus para proferir a condenação da casa de Eli, que seria retirado do oficio sumo sacerdotal (1Sm 3.11-14). O comentarista vê a falha de Eli no fato de não julgar os filhos, mas na verdade, encontramos Eli exortando os dois impenitentes em 1 Sm 2.25; O que Eli estava querendo dizer para seus filhos era que, se Deus certamente castigaria quem pecasse contra outro homem, muito mais castigaria aqueles que pecassem contra ele. Os dois cresceram vendo o pai oficiar e julgar, sabiam que um dia seriam eles a desempenhar esse papel, só que o mais importante eles desconheciam, o caráter de Deus e suas exigências Os filhos de Eli não tinham qualquer experiência pessoal ou comunhão com o Senhor, eram filhos de Belial (1Sm 2.12) e por isso foram reprovados. O Pr Augustus Nicodemus Lopes fez a seguinte declaração: “Nada é mais importante para a formação de famílias e igrejas fortes que a criação adequadados filhos. Como é importante que saibamos criar os filhos na disciplina e admoestação do Senhor!” (Lopes. Augustus Nicodemus. A Bíblia e sua família. Editora Cultura Cristã. São Paulo, 2007)

||2. Os males da falta de repreensão. Provérbios 15.10 diz que aquele que aborrece a repreensão morrerá. De acordo com o hebraico, a palavra repreensão (heb. towkachath) quer dizer correção, censura, punição, castigo. Nesse sentido, o próprio Deus aplica a sua repreensão: “Porque o SENHOR repreende aquele a quem ama, assim como o pai, ao filho a quem quer bem” (Pv 3.12). Por não atentar para ela, a casa de Eli padeceu. Muitos já não acreditam no juízo de Deus. Ele é justiça! Ele é Santo!||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 4, 27 Outubro, 2019]
- De fato, não podemos dizer que ele foi totalmente negligente, ainda que tenha falhado ao achar que as coisas se ajeitariam automaticamente. Eli errou em não comunicar aos seus filhos as verdades espirituais que conhecia. Ainda que haja o registro de que Hofini e Fineias eram ímpios, filhos de Belial, e assim filhos que não ouvem os conselhos dos pais, não há como isentar Eli de culpa.
||3. Pecados voluntários e deliberados não têm perdão. O apóstolo João disse que há pecados pelos quais não se deve orar (1 Jo 5.16). Esse tipo de pecado gera morte. Nesse caso, é impossível que a pessoa se renove para o arrependimento. Entretanto, a Bíblia revela que o que confessa o pecado e o deixa, alcança misericórdia. Mas não houve misericórdia para os filhos de Eli, pois eles não se humilharam, não se quebrantaram na presença de Deus. Eles pecaram voluntária e deliberadamente; zombaram do Senhor. Como seguidores de Jesus Cristo, tenhamos temor e tremor. O pecado voluntário e deliberado leva à morte eterna (Hb 10.26).||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 4, 27 Outubro, 2019]
A Bíblia de Estudo McArthur comentando o texto de 1 Jo 5.16-17, afirma: “João ilustra a oração segundo a vontade de Deus com o exemplo específico do pecado que leva à morte. Poderia tratar-se de um pecado premeditado ou não confessado que leva o Senhor a decidir pôr fim à vida de um cristão. Não se trata de um pecado em particular, como a homossexualidade ou a mentira, mas qualquer pecado pode pôr um fim à tolerância de Deus. Não se arrepender do pecado nem abandoná-lo, no final, levará à morte física como um juízo de Deus (At 5.1-11; IC o 5.5; 11.30). Nenhuma oração intercessória será eficaz em favor daqueles que cometeram um pecado tão deliberado e arbitrário; ou seja, a disciplina de Deus com a morte física é inevitável nesses casos, uma vez que Deus procura preservar a pureza de sua igreja. O contraste entre as frases “há pecado para morte" e "há pecado não para a morte" significa que o escritor faz distinção entre pecados que podem levar à morte física e outros pecados. Isso não implica identificar um determinado tipo de pecado, mortal ou não, mas dizer que nem todos os pecados são julgados por Deus da mesma maneira.” (Bíblia de Estudo McArthur, SBB. Pág 1764)
- Hebreus 10.26–39 “Esta passagem de advertência lida com o pecado da apostasia, uma queda intencional ou uma deserção. Os apóstatas são aqueles que se movem em direção a Cristo, ouvem e compreendem Seu evangelho, e estão à beira de salvar a crença, mas depois se rebelam e se afastam. Esta advertência contra a apostasia é um dos mais sérios avisos em toda a Escritura. Nem todos os hebreus responderiam ao gentil convite dos vv. 19-25. Alguns já estavam além da resposta” (BIBLIOTECABIBLICA)
Matthew Henry comentando 10.26-31, escreve: “As exortações contra a apostasia e a favor da perseverança são enfatizadas por muitas razões de peso. O pecado aqui mencionado é a falha total e definitiva em que os homens desprezam e rejeitam, com vontade e resolução total e firme, a Cristo, o único Salvador; desprezam e resistem ao Espírito, o único Santificador; e desprezam e renunciam ao evangelho, o único caminho para a salvação, e as palavras de vida eterna. Desta destruição Deus dá, ainda na terra, um aviso prévio temível para as consciências de alguns pecadores, que perdem a esperança de serem capazes de suportá-la ou de fugir dela. Pois, que castigo pode ser mais doloroso que morrer sem misericórdia? Respondemos: morrer por misericórdia, pela misericórdia e a graça que eles desprezaram. Quão temível é o caso quando não só a justiça de Deus, senão a sua graça e misericórdia, abusadas, clamam vingança! tudo isso não significa no mais mínimo que fiquem excluídas da misericórdia as almas que se lamentam pelo pecado, ou que lhes seja negado o benefício do sacrifício de Cristo a alguém disposto a aceitar estas bênçãos. Cristo não lançará fora o que acudir a Ele” (BIBLIOTECABIBLICA)

▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪▫▪

CONCLUSÃO
||O pecado tem o seu salário. O pecado tem as suas consequências. Por isso, se andarmos segundo a Palavra de Deus, se formos fiéis aos seus mandamentos e se procedermos com sinceridade e verdade, Deus nos confirmará em sua presença.||. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 4º Trimestre 2019. Lição 4, 27 Outubro, 2019]
- Eli perdeu o que ele tinha de mais importante: a aprovação de Deus e sua família. Vimos em nosso estudo de hoje que uma vida que tinha tudo para dar certo terminou de forma trágica. Aquilo que fazemos dentro de nosso lar está diretamente ligado à forma como Deus e as pessoas nos olharão. Uma pessoa que falha com os da sua própria família, deixando de honrar a quem merece honra, pouco conseguirá do lado de fora. Uma pessoa que não se preocupa com a qualidade espiritual dos que estão dentro de sua própria casa terá a sua credibilidade na igreja abalada.Se Deus cobrará de nós as almas que estão distantes, quanto mais as que estão dentro de nossas casas.
Pb Francisco Barbosa