UM COMENTÁRIO APROFUNDADO DA LIÇÃO, PARA FAZER A DIFERENÇA!

Nossa intenção é possibilitar um aprofundamento, tópico a tópico, do conteúdo das lições da EBD, para você aprofundar sua fé e fazer a diferença.

Classe Virtual:

Sente o coração compungido em contribuir com o nosso Ministério? Faça isso de forma simples, pelo PIX: 69381925291 – Mande-me o comprovante, quero agradecer-lhe e orar por você (83) 9 8730-1186 (WhatsApp)

23 de maio de 2019

(JOVENS) Lição 8: RELACIONAMENTO SEXUAL SEGUNDO A PERSPECTIVA CRISTÃ


REVISTA JOVENS 2° TRIMESTRE 2019
Título: Cobiça e orgulho — Combatendo o desejo da carne, o desejo dos olhos e a soberba da vida
Comentarista: Natalino das Neves
- L I Ç Ã O  8 -
26 de MAIO de 2019

RELACIONAMENTO SEXUAL SEGUNDO A PERSPECTIVA CRISTÃ

TEXTO DO DIA
“Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade.” (Pv 5.18)

SÍNTESE
O relacionamento sexual é para o casamento monogâmico, hetero e indissolúvel.

TEXTO BÍBLICO
Provérbios 5.15-19:
15 Bebe a água da tua cisterna e das correntes do teu poço.
16 Derramar-se-iam por fora as tuas fontes, e pelas ruas, os ribeiros de águas?
17 Sejam para ti só e não para os estranhos contigo.
18 Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade,
19 como cerva amorosa e gazela graciosa; saciem-te os seus seios em todo o tempo; e pelo seu amor sê atraído perpetuamente.

1 Coríntios 7.1-5:
1 Ora, quanto às coisas que me escrevestes, bom seria que o homem não tocasse em mulher;
2 mas, por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido.
3 O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher, ao marido.
4 A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também, da mesma maneira, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher.
5  Não vos defraudeis um ao outro, senão por consentimento mútuo, por algum tempo, para vos aplicardes à oração; e, depois, ajuntai-vos outra vez, para que Satanás vos não tente pela vossa incontinência.

COMENTÁRIO DA LIÇÃO
INTRODUÇÃO
Alguns livros bíblicos quase não foram inclusos no cânon sagrado devido à temática sexual. Felizmente eles foram incluídos e hoje servem como orientação para casados e solteiros que desejam viver de modo que agrade a Deus. Na lição de hoje estudaremos a respeito de um destes textos. Veremos também a resposta do apóstolo aos questionamentos da igreja de Corinto sobre o casamento e a castidade.” [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 2º Trimestre 2019. Lição 8, 26 Maio, 2019]
- A lição de hoje traz um tema importante e urgente, no entanto, não soluciona os grandes questionamentos e conflitos de nossa juventude. Diante do enunciado nos subtópicos, tentarei discorrer sobre os textos citados e, estes não trazem uma ‘solução’ aos ‘tormentos’ causados pelo ‘abrasamento’ da juventude. “Quando falamos sobre sexo antes do casamento, toques, masturbação e pornografia, a pergunta principal que muitos fazem é: “Isso é pecado?”. Creio que esse questionamento é bastante comum, embora uma resposta convincente seja negligenciada geração após geração. “Digo, porém, aos solteiros e às viúvas, que lhes é bom se ficarem como eu; mas, se não podem conter-se, casem-se. Porque é melhor casar do que abrasar-se” (1 Co 7:8,9). O raciocínio de Paulo é bem simples. Ele está argumentando sobre a possibilidade de solteiros e viúvas abraçarem o celibato – o não-casamento. Em meio ao seu ensino, ele deixa um conselho curto e importantíssimo sobre desejo sexual. Mesmo que ele ansiasse que estas pessoas não casassem, ele sabia que alguns iriam sentir fortes desejos, correndo o risco de alguém não conseguir “conter-se”. O que essas pessoas deveriam fazer? Que atitudes aqueles que não têm força para conter sua sexualidade devem tomar? Masturbação para aliviar? Pornografia para relaxar um pouco? Dá uns “pega” na namorada? Nada disso. Paulo só apresenta duas escolhas para os que não conseguem vencer seu desejo: ou casa, ou se “abrasa” – o que outras traduções põem como “arder de desejo”. O texto é bem claro, embora não o leiamos com a atenção devida na maioria das vezes. Você, jovem, tem desejos sexuais incontroláveis? Você se sente um poço de luxúria e está a ponto de explodir de vontade? Deus só te permite fazer duas escolhas: ou continuar assim ou se casar – suprindo todo o seu desejo do modo que Ele ensinou.” – That said, let's think maturely the Christian faith!

I - O RELACIONAMENTO SEXUAL NO CASAMENTO
1. A dificuldade na canonização de textos bíblicos que tratam de relacionamento sexual. Na época da canonização dos livros do Antigo Testamento, alguns textos e livros foram questionados e por pouco não ficaram fora do cânon bíblico por tratarem do relacionamento sexual entre o homem e a mulher, no casamento. O mais famoso é o caso da literatura do Cântico dos Cânticos, permeada por referências de amor, bastante difundido nos meios intelectuais cristãos e que teria inspirado a arte e a literatura medieval. O texto bíblico escolhido para a lição de hoje é mal interpretado por alguns estudiosos bíblicos que preferem espiritualizar o texto a considerar o que ele realmente se propõe, o relacionamento amoroso entre um homem e uma mulher no casamento. Muitos ícones da teologia cristã espiritualizaram os textos que tratavam do relacionamento sexual no casamento afirmando se tratar do relacionamento com o divino. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 2º Trimestre 2019. Lição 8, 26 Maio, 2019]
- De início, é importante que se diga que foi o bispo Atanásio, no ano 367, quando impôs o termo canôn (“vara”; “regra”) para designar os livros inspirados reconhecidos pela Igreja. No caso do livro em apreço, todos os 117 versículos são reconhecidos pelos judeus como parte de seus escritos sagrados. Juntamente com Rute, Ester, Eclesiastes e Lamentações, ele pertence ao Megilote dos livros do Antigo Testamento, ou "cinco rolos". Os judeus liam esse cântico na Páscoa, chamando-o de "o Santo dos Santos". Surpreendentemente, Deus não é mencionado de modo explícito, exceto, possivelmente, em 8.6. Não há destaque para nenhum tema teológico. Em contraste com os dois extremos distorcidos da abstinência ascética e da luxúria pervertida fora do casamento, o antigo cântico de amor de Salomão exalta a pureza do afeto e do romance conjugal. O cântico faz um paralelo e reforça outras porções da Escritura que retratam a plano de Deus para o casamento, incluindo a beleza e a santidade da intimidade sexual entre marido e mulher O Cântico se coloca ao lado de outras passagens clássicas da Escritura que detalham esse tema; por exemplo, Gn 2.24; Sl 45; Pv 5.15-23; ICo 7.1-5; 13.1-8; Ef 5.18-33 Cl 3.18-19; e IPe 3.1-7; a passagem de Hb 13.4 capta a essência dessa canção: "Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros". O Cântico tem recebido algumas interpretações forçadas ao longo dos séculos por aqueles que usam o método de interpretação "alegórico", afirmando que o livro não tem bases históricas verdadeiras, mas que todo o seu conteúdo descreve o amor de Deus por Israel e/ou o amor de Cristo pela igreja. A ideia equivoca da que encontramos na hinologia de que Cristo é a rosa de Sarom e o lírio dos vales resulta desse método (veja 2.1). A variação "tipológica" admite a realidade histórica, mas conclui que o livro tem como objetivo final descrever o amor de Cristo, o noivo, pela igreja, a noiva. Um modo mais satisfatório de abordar o Cântico dos Cânticos é tomá-lo como se apresenta e interpretá-lo no sentido histórico normal, entendendo o freqüente uso da imagem poética para descrever a realidade. Ao agir dessa maneira, compreendemos que Salomão narra:
seus dias de namoro;
os primeiros dias do seu primeiro casamento, seguido pelo
amadurecimento de seu casamento real ao longo dos dias bons e maus da vida.
O Cântico dos Cânticos detalha as antigas instruções para o casamento contidas em Gn 2.24, desse modo fornecendo a música espiritual para uma vida conjugal harmoniosa. O livro é dado por Deus com a finalidade de demonstrar a sua intenção para o romance e o amor do casamento, a mais preciosa das relações humanas e "graça de vida" (1Pd 3.7).

2. A escolha do cônjuge é uma das decisões mais importantes da vida. O esposo e a esposa têm diferentes deveres e obrigações, mas a preservação da fidelidade e união dentro do lar é responsabilidade de ambos. A vida a dois deve ser construída em parceria, de forma que a felicidade seja mútua. Existe uma tendência de se pensar a respeito do casamento somente quando chega a hora de se casar, mas isso é um equívoco. O jovem já deve começar a pensar o que deseja do seu esposo e esposa. É na juventude que temos a responsabilidade de conhecer a pessoa com quem vamos viver a maior parte de nossas vidas. Portanto, essa decisão merece ser bem acertada. Muitos casais vivem frustrados e infelizes, mesmo dentro das igrejas, porque não fizeram a decisão certa, segundo a orientação divina. Então, ore, busque conhecer a vontade de Deus para sua vida; uma decisão errada ou precipitada pode causar danos para a vida toda. A escolha do cônjuge, depois da escolha de aceitar, pela fé, a Cristo como Salvador, é uma das decisões mais importantes da vida de uma pessoa. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 2º Trimestre 2019. Lição 8, 26 Maio, 2019]
- O casamento realmente feliz, forte e realizador somente acontece quando os dois estão unidos em Cristo. A Bíblia também dá vários conselhos práticos para tornar o casamento mais feliz. É evidente que há a necessidade de compreender o que é casamento, é mais do que uma união física; é uma união de vidas. No casamento cristão também há união espiritual, em Jesus (Ml 2.15).

3. O relacionamento sexual é para ser desfrutado com a pessoa certa, no casamento (Pv 5.15). O texto de Provérbios 5.15-19 é um texto poético que trata do relacionamento sexual no casamento. Quando o poeta recomenda que se beba da água da própria cisterna (v. 15), ele se utiliza de uma metáfora para falar da esposa, a mulher escolhida para ser companheira (v. 18). Ou seja, a mulher pela qual ele se enamorou, conheceu, amou e, por fim, com quem se casou. A fonte, o manancial do homem, deve ser somente a sua própria esposa (cf. Êx 20.17). O texto bíblico mostra que o prazer sexual no casamento é legítimo, pois foi idealizado e instituído por Deus (Gn 2.20-25). O relacionamento sexual antes do casamento não é prova e nem fonte de amor, mas sim de egoísmo e carnalidade. Os desejos sexuais são para unir os cônjuges, aproximá-los e também para a procriação. No casamento, o marido e a esposa precisam ser como uma fonte onde um deve saciar o outro, considerando o outro como uma dádiva de Deus. Marido e mulher precisam se amar com pureza e ações de graças, pois esse é o propósito divino. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 2º Trimestre 2019. Lição 8, 26 Maio, 2019]
- Pelo uso da imagem da água, a alegria de um casamento fiel é comparada ao desastre da infidelidade (Pv 5.9-14). "Cisterna" e "poço" se referem à esposa, de quem o marido deve obter toda a sua satisfação, tanto sexual como afetiva (Pv 5.19; 9.17-18; Ct 4.9-11). O Senhor se oferece para abençoar a fecundação masculina quando o marido se dedica somente à sua esposa. Deve ser observado que, apesar da poligamia pecaminosa de Davi e Salomão, bem como a desastrosa poligamia de Roboão (cf. 2Cr 11.21), a instrução, aqui em Provérbios, demonstra que o ideal de Deus é apenas uma esposa desde a juventude. Os pensamentos e desejos do coração não escapam à atenção. Isso fica bem claro no mandamento não cobiçarás” de Êxodo 20.17. O forte desejo de possuir o que pertence a outro é errado. O décimo mandamento sugere que nenhum dos nove mandamentos anteriores diz respeito apenas aos atos exteriores e que não tenha relação com os pensamentos interiores (cf. Mt 15.19; Km 7.7; 13.9). A Bíblia deixa claro que o sexo deve ser um prazer saudável entre o casal, a sustentação para  a intimidade.

4. O relacionamento sexual e a fidelidade conjugal (Pv 5.16-19). Quando o casal procura seguir os preceitos bíblicos em seu relacionamento conjugal, a alegria e a fidelidade são apenas uma consequência. No relacionamento marido e mulher não pode haver egoísmo e nem orgulho, pois esses sentimentos trazem consequências ruins, como por exemplo, a infidelidade. Deus abomina todo e qualquer relacionamento fora do casamento (Êx 20.14). Segundo a Bíblia de Estudo Pentecostal o “sétimo mandamento proíbe o adultério e abrange a imoralidade e todos os demais pecados sexuais” (Lv 20.10; Dt 22.22). No casamento, mesmo entre duas pessoas crentes, a convivência no dia a dia não é nada fácil, pois são duas pessoas diferentes. Mas, com a ajuda do Senhor, com a oração e o diálogo, as dificuldades são vencidas. Por isso, no período de namoro e no casamento, o casal deve orar junto e não permitir que nada venha impedir o diálogo, que é imprescindível para manter a saúde do relacionamento. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 2º Trimestre 2019. Lição 8, 26 Maio, 2019]
- Em Provérbios 5.16-17, fontes... ribeiros de águas, é um eufemismo que se refere à capacidade masculina de procriação, mostrando o tolo como uma fonte que desperdiça a água preciosa — um retrato do desperdício da promiscuidade sexual. O resultado desse pecado indiscriminado é visto na expressão "pelas praças, os ribeiros de águas", uma descrição vivida das crianças de rua, filhos ilegítimos da prostituição. É melhor, diz Salomão, que "sejam para ti somente", e não os filhos dessas prostitutas estranhas. Um casamento feliz precisa ter Deus no centro. O casamento realmente feliz, forte e realizador somente acontece quando os dois estão unidos em Cristo. A Bíblia também dá vários conselhos práticos para tornar o casamento mais feliz. A fidelidade é essencial para a manutenção da união. Se manter fiel ao cônjuge é essencial para um casamento feliz! A Bíblia está cheia de avisos sobre o perigo da infidelidade no casamento. O casamento fiel traz muito mais prazer e realização que a traição.


II - A PERSPECTIVA CRISTÃ A RESPEITO DO RELACIONAMENTO SEXUAL NO CASAMENTO
1. Paulo responde a um questionamento dos coríntios (1 Co 7.1). A igreja em Corinto havia se tornado uma das maiores daquela região e os padrões morais dos novos convertidos eram bem diferentes do estilo de vida das outras pessoas que moravam na cidade. Por isso, surgem algumas dúvidas acerca do casamento que precisavam ser esclarecidas pelo apóstolo. Paulo utilizava as epístolas para orientar os crentes com relação a um novo modo de vida, pois havia naquele tempo muitos gnósticos que consideravam que o corpo era mau e o espírito bom. Tal pensamento provocava dois tipos de comportamento: o primeiro levava as pessoas a fazerem o que bem entendessem com o seu corpo, uma vez que a crença era de que o espírito não seria afetado; o segundo comportamento era o inverso, baseado na mesma crença de que o corpo era matéria má, então seria melhor não fazer nada com ele para mortificá-lo. Portanto, os dois extremos eram ruins. Paulo estava respondendo a um questionamento da igreja em relação ao segundo comportamento. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 2º Trimestre 2019. Lição 8, 26 Maio, 2019]
- 1º Coríntios 7 compreende as respostas de Paulo a questões práticas a respeito das quais os coríntios haviam escrito a ele (7.1) numa carta provavelmente entregue por Estéfanas, Fortunato e Acaico (1Co 16.17). A primeira dessas perguntas tinha a ver com o casamento, uma área problemática devido à corrupção moral, a cultura que tolerava a fornicação, o adultério, a homossexualidade, a poligamia e o concubinato. Alguns tinham a noção de que, por causa de todo o pecado sexual e confusão conjugal, seria melhor ficar solteiro, e ainda mais espiritual, ser celibatário. Isso poderia levar alguns falsos religiosos a defender o divórcio para que a pessoa voltasse a ser solteira. Esses versículos elevam o estado de solteiro conquanto a pessoa seja celibatária, mas de modo algum eles ensinam que o casamento seja errado ou inferior.

2. A propagação da prática da abstinência sexual e do celibato. Membros da igreja, incluindo os casados, começaram a utilizar a abstinência sexual como forma de controle dos desejos carnais do corpo. Isso se tornou um grande problema, pois não se imagina um casamento em que cada um dos cônjuges vê o relacionamento sexual como algo desprezível, enquanto o outro o vê como algo essencial e necessário. Surge também, motivada por esse pensamento, a ideia do celibato. A pessoa casada tinha como propósito não ter mais um relacionamento sexual, ou seja, uma abstenção total e permanente. Paulo responde aos questionamentos afirmando que tanto o casamento como o celibato eram opções legítimas para o cristão. O celibato deve ser visto como o dom divino; se você não o tem, case-se; é melhor casar do que viver abrasado. É o conselho do apóstolo. A decisão deveria ser consciente e ter por base a paz e a obediência a Deus. Ele adverte contra os sacrifícios tolos, que não agregam nada à vida espiritual, se baseados em crenças humanas e contrárias ao Evangelho. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 2º Trimestre 2019. Lição 8, 26 Maio, 2019]
- Já no versículo 1 “toque em mulher”, o apóstolo usa um eufemismo judaico para a relação sexual (veja, p. ex., Gn 20.6; Rt 2.9; Pv 6.29), para afirmar que é bom que não se pratique o sexo, ou seja, ser solteiro e celibatário. Não é, entretanto, apenas isso que seja bom ou até mesmo melhor do que o casamento (Gn 1.28; 2.18). Quando a pessoa é solteira há o grande perigo do pecado sexual (Mt 19.12). O casamento é a única provisão de Deus para a satisfação sexual. Entretanto, o casamento não deve ser reduzido simplesmente a isso. Paulo tem uma visão muito mais elevada a respeito dele e a expressa em Ef 5.22-23. Aqui, ele está enfatizando o problema do pecado sexual para as pessoas solteiras. Como uma pessoa solteira, Paulo reconhecia a liberdade e a independência especiais que tinha para servir a Cristo. Contudo, não esperava que todos os cristãos fossem solteiros, nem que todos quantos o fossem permanecessem nesse estado, e nem que todos os casados praticassem o celibato como se fossem solteiros. Tanto o celibato quanto o casamento são dons graciosos de Deus

3. Paulo recomenda o casamento (1 Co 7.2-5). A promiscuidade em Corinto era tão intensa que só o fato de uma moça se identificar como moradora da cidade já seria motivo para considerá-la prostituta. O apóstolo cita a prostituição na cidade como um perigo para aqueles que queriam ficar solteiros e para os casais que estavam se abstendo do relacionamento sexual. Ele reconhecia que poucas pessoas teriam disposição necessária para manter inativa sua capacidade sexual. Então Paulo recomenda o casamento e o relacionamento sexual dos cônjuges visando a procriação e o prazer de ambos. Paulo também ressalta a dignidade da mulher e coloca a esposa como possuidora dos mesmos direitos e responsabilidades, com voz para decidir, juntamente com o esposo, a respeito do comportamento a ser adotado no relacionamento sexual. Paulo afirma que cada cônjuge tem o poder sobre o corpo do outro. Essa recomendação paulina não dá liberdade para abusos de nenhuma das partes. Por isso, é importante o bom relacionamento do casal para um relacionamento feliz e sem constrangimento e, acima de tudo, com respeito à dignidade um do outro. Em todas as coisas, precisamos agir como filhos de Deus. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 2º Trimestre 2019. Lição 8, 26 Maio, 2019]
- “Paulo nos diz em 1 Coríntios 7.7-8: “Porque queria que todos os homens fossem como eu mesmo; mas cada um tem de Deus o seu próprio dom, um de uma maneira e outro de outra. Digo, porém, aos solteiros e às viúvas, que lhes é bom se ficarem como eu.” Note que ele diz que alguns têm o dom de ser solteiro enquanto outros o dom de casamento. Apesar de ser verdade que quase todo mundo acaba casando, não é necessariamente a vontade de Deus para todos. Paulo, por exemplo, não tinha que se preocupar com os problemas e estresses extras que fazem parte de um casamento e/ou família. Ele devotou sua vida por inteiro para proclamar a Palavra de Deus. Ele não poderia ter sido um mensageiro tão útil para todos nós se tivesse se casado. Por outro lado, algumas pessoas trabalham melhor como um time, servindo a Deus como um casal e uma família. Os dois tipos de pessoas são de igual importância. Não é um pecado permanecer solteiro pela vida inteira. As coisas mais importantes da vida não são encontrar um cônjuge e ter filhos, mas servir a Deus. Devemos nos educar na Palavra de Deus ao ler nossas Bíblias e orar. Devemos também formar aquele relacionamento pessoal com Ele que é tão necessário à salvação (João 17:3). Se pedirmos a Deus para Se revelar a nós, Ele vai responder (Mateus 7:7), e se pedirmos a Ele para nos usar para executar Suas boas obras, Ele também fará isso. “E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.” (Romanos 12:2)” (GOTQUESTIONS)


CONCLUSÃO
O texto de Provérbios 5.15-19 trata a respeito do relacionamento sexual entre os cônjuges. Um relacionamento feliz e harmonioso é uma prevenção contra a infidelidade. A escolha do futuro cônjuge é uma das mais importantes decisões que o jovem precisa tomar. Por isso ore, busque a direção do Senhor. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 2º Trimestre 2019. Lição 8, 26 Maio, 2019]
- Esse tema é doloroso para nossos jovens. Sugiro uma leitura acurada do artigo  do Pr Yago Martins: “Sexo antes do casamento, toques, masturbação e pornografia… É pecado?”, disponível no link: VOLTEMOSAOEVANGELHO.
É comum a má compreensão sobre o assunto de um Cristão ficando solteiro e o que a Bíblia diz sobre crentes nunca se casando. Paulo nos diz em 1 Coríntios 7:7-8: “Porque queria que todos os homens fossem como eu mesmo; mas cada um tem de Deus o seu próprio dom, um de uma maneira e outro de outra. Digo, porém, aos solteiros e às viúvas, que lhes é bom se ficarem como eu.” Note que ele diz que alguns têm o dom de ser solteiro enquanto outros o dom de casamento. Apesar de ser verdade que quase todo mundo acaba casando, não é necessariamente a vontade de Deus para todos. Paulo, por exemplo, não tinha que se preocupar com os problemas e estresses extras que fazem parte de um casamento e/ou família. Ele devotou sua vida por inteiro para proclamar a Palavra de Deus. Ele não poderia ter sido um mensageiro tão útil para todos nós se tivesse se casado. Por outro lado, algumas pessoas trabalham melhor como um time, servindo a Deus como um casal e uma família. Os dois tipos de pessoas são de igual importância. Não é um pecado permanecer solteiro pela vida inteira. As coisas mais importantes da vida não são encontrar um cônjuge e ter filhos, mas servir a Deus. Devemos nos educar na Palavra de Deus ao ler nossas Bíblias e orar. Devemos também formar aquele relacionamento pessoal com Ele que é tão necessário à salvação (João 17:3). Se pedirmos a Deus para Se revelar a nós, Ele vai responder (Mateus 7:7), e se pedirmos a Ele para nos usar para executar Suas boas obras, Ele também fará isso. “E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.” (Romanos 12:2).”.

Achando-se as tuas palavras, logo as comi, e a tua palavra foi para mim o gozo e alegria do meu coração; porque pelo teu nome sou chamado, ó Senhor Deus dos Exércitos”. (Jeremias 15.16),
Pb Francisco Barbosa
Campina Grande-PB
Maio de 2019

HORA DA REVISÃO
1. De acordo com a lição, por que alguns textos e livros do Antigo Testamento foram questionados?
Na época da canonização dos livros do Antigo Testamento, alguns textos e livros foram questionados e por pouco não ficaram fora do cânon bíblico por tratarem do relacionamento sexual entre o homem e a mulher.
2. Cite uma das escolhas mais importantes da vida de um jovem.
A escolha do cônjuge.
3.O relacionamento sexual é para os solteiros?
Não. Segundo a Palavra de Deus o relacionamento sexual é para ser desfrutado no casamento.
4. Segundo a lição, o que não pode haver no relacionamento marido e mulher?
Não pode haver egoísmo e nem orgulho, pois esses sentimentos trazem consequências ruins, como por exemplo, a infidelidade.
5. O que os gnósticos pensavam a respeito do corpo e do espírito?
Eles consideravam que o corpo era mau e o espírito bom. Tal pensamento pro­vocava dois tipos de comportamento: O primeiro levava as pessoas a fazerem oque bem entendessem com o seu corpo, uma vez que a crença era de que o espírito não seria afetado. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 2º Trimestre 2019. Lição 8, 26 Maio, 2019]