Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

26 de maio de 2017

Lição 9: A bondade divina e a regra de ouro



LIÇÕES BÍBLICAS CPAD
2º Trimestre de 2017
Título: O Sermão do Monte — A justiça sob a ótica de Jesus
Comentarista: César Moisés Carvalho

JOVENS
 - Lição 9 -
28 de Maio de 2017

A bondade divina e a regra de ouro

TEXTO DO DIA

SÍNTESE
“E como vós quereis que os homens vos façam, da mesma maneira fazei-lhes vós também” (Lc 6.31).

A bondade divina é infinitamente maior que a que os homens demonstram aos seus filhos. Mesmo assim, somos ensinados a fazer aos outros àquilo que gostaríamos que fizessem a nós.

AGENDA DE LEITURA
Segunda - Lc 11.5-8
A insistência e a oportunidade
Terça - Lc 11.9,10
A procura e a resposta
Quarta - Lc 11.11-13
Somos maus, mas sabemos dar boas coisas aos nossos filhos

Quinta - Mt 22.34-40
O grande mandamento da Lei
Sexta - Rm 13.10
O cumprimento da Lei
Sábado - 1Tm 1.5
A finalidade do mandamento


OBJETIVOS
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

    DISTINGUIR a necessária prática diuturna da oração da repetição mecânica desta;
    CONTRASTAR a bondade divina com a maldade humana;
    PRATICAR a Regra de Ouro tal como apresentada por Jesus.


INTERAÇÃO
“Tratar os demais como nós mesmos gostaríamos de ser tratados” é um conhecido dito popular. Contudo, ao analisar melhor tal sentença, é possível perceber que ela diz mais do que conseguimos enxergar em uma primeira leitura. A forma como todos gostamos de ser tratados é algo bastante pessoal. Um exemplo ilustra o ponto: Há pessoas que preferem ser chamadas de maneira formal (senhor/senhora), mesmo tendo pouca idade, ao passo que outras, mais idosas, preferem a informalidade (você). Tratá-las como “gostaríamos de ser tratados” significa justamente observar essa regra. Não nos cabe exigir que as pessoas gostem das mesmas coisas que nós, pois isso seria tratá-las como nós — e não elas — pessoalmente gostamos de ser tratados e não como elas, segundo suas predileções, gostariam de ser consideradas. Isso, porém, não significa que devemos concordar com tudo que as pessoas gostam/fazem e vice-versa. Tal distinção é necessária, pois não se pode confundir educação e boas maneiras com concordância acrítica e descompromissada de práticas reprováveis. Cuidemos, entretanto, de não tornar os nossos “gostos pessoais” a regra, segundo a qual, avaliamos as pessoas.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
A aula de hoje é uma excelente oportunidade para averiguar o quanto somos educados, tolerantes e sabemos respeitar os gostos e opiniões alheias. É interessante observar que o Mestre pontua a questão da maldade intrínseca do ser humano, mas demonstra, por outro lado, que existe um mínimo de bondade que se encontra preservada neste, podendo ser conferida através da maneira "natural" com que trata sua prole e/ou família. Por conseguinte, não se concebe a ideia de alguém que afirma crer em Deus, mas é mal-educado, intolerante e não respeita a opinião do outro. Isso, é bom dizer, não significa que você não possa ter sua própria opinião e convicção sobre as coisas, mas apenas sinaliza para a necessidade de saber conviver com as diferenças. Distribua para todos os presentes o breve questionário abaixo, solicitando que cada um assinale uma das alternativas. Em seguida escreva a legenda no quadro para que cada aluno compare com sua marcação.
1. Respeito a opinião, os gostos e preferências das pessoas, mesmo que sejam diferentes do que penso e aprecio?
(    )   Sempre    (    )   Às vezes    (   )   Nunca
2. Cumprimento as pessoas independentemente de como esteja o meu dia ou humor?
(    )   Sempre    (    )   Às vezes    (   )   Nunca
3. Desfaço uma amizade por causa de discordância?
(    )   Sempre    (    )   Às vezes    (   )   Nunca
4. Agradeço, peço licença e solicito algo pedindo “por favor”?
(    )   Sempre    (    )   Às vezes    (   )   Nunca
5. Só me comunico com pessoas que concordam em tudo comigo?
(    )   Sempre    (    )   Às vezes    (   )   Nunca
Se você marcou uma vez a opção “Sempre” nas questões 2, 3 e 5, é bom cuidar-se. Se essa opção foi marcada em duas dessas perguntas, você precisa melhorar rapidamente. Três vezes, significa que você deve ter poucos ou quase nenhum amigo. Se elas foram assinaladas no “Às vezes”, talvez seu problema seja de variação de humor. Se nas três delas você marcou “nunca”, apenas avalie se faz isso de coração, tendo suas convicções preservadas ou se não tem opinião alguma ou só quer agradar.



TEXTO BÍBLICO
Mateus 7.7-12.
7 Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á.
8 Porque aquele que pede recebe; e o que busca encontra; e, ao que bate, se abre.
9 E qual dentre vós é o homem que, pedindo-lhe pão o seu filho, lhe dará uma pedra?
10 E, pedindo-lhe peixe, lhe dará uma serpente?

11 Se, vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará bens aos que lhe pedirem?
12 Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós, porque esta é a lei e os profetas.


COMENTÁRIO DA LIÇÃO
INTRODUÇÃO
Os seis versículos da lição de hoje encerram grandes ensinamentos. Os primeiros cinco retomam verdades que já foram implicitamente trabalhadas na oração do Pai-Nosso e também nas orientações gerais sobre o ato de orar (Mt 6.5-13). O Mestre retoma igualmente os ensinos acerca da ansiedade pela vida (Mt 6.25-34). Entretanto, em relação a este último aspecto do discipulado, Cristo instrui, primeiramente, em detalhes e agora o coloca de forma implícita em forma de orientação a respeito da “frequência” com que se deve orar (vv.7,8). A confiança no Pai é ensinada com base na própria bondade humana que, como se sabe, é limitadíssima (vv.9-11). Finalmente, um dos textos mais populares e que é repetido até mesmo por pessoas que não creem em Deus: a regra de ouro é apresentada pelo Mestre como síntese da Lei (v.12). [Comentário: É importante entendermos que a oração não é um meio para manipular a Deus e conseguir tudo aquilo que desejamos, mas uma postura de reconhecimento de que Deus está no controle e nossa vida está em Suas mãos. A oração é um relacionamento e não um requerimento! Ele concede aquilo que pedimos segundo a sua boa vontade - E esta é a confiança que temos nele, que, se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve. E, se sabemos que nos ouve em tudo o que pedimos, sabemos que alcançamos as petições que lhe fizemos.” (1Jo 5.14-15). Perceba a intensidade das palavras de Jesus que nos incentiva a orarmos a Deus: pedir, buscar, bater (Mt 7.7-8). Entretanto, nós não dedicamos tempo para a oração e deixamos de alcançar o favor de Deus simplesmente por não orarmos e não pedirmos. O versículo 12, muitas vezes chamado de "regra de ouro", é uma síntese da Lei e foi afirmada por uma série de pensadores antigos como, "Não faça para os outros aquilo que você não quer fazer com você." Jesus tornou uma obrigação positiva. Aqui ela aparece após a discussão da bondade de Deus e Sua vontade para dar. Este é um grande mistério, mas existe uma relação muito estreita entre abençoar e ser abençoado. Na medida em que nos dispomos a abençoar a vida daqueles que nos cercam somos abençoados por Deus para que possamos abençoar mais.] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

I. PEDIR, BUSCAR E BATER
1. A vida orante. É preciso ter em mente que o Mestre dirige-se aos seus discípulos e que eles são judeus. É acerca da justiça do Reino que Ele está a ensinar. Sendo assim, como a abnegação e a confiança são pré-requisitos indispensáveis aos que atenderam ao chamado de Jesus (Mt 6.25-34), o Mestre instrui agora acerca da “vida orante”, ou seja, da adoção de um estilo de vida que tem a oração como uma constante (v.7). A constância aqui nada tem com as vãs repetições que foram reprovadas anteriormente, posto que aquelas consistem em palavrórios vazios de quem não tem discernimento do caráter de Deus (Mt 6.7,8,32,33). A questão visada aqui não é algo circunstancial, mas perene e profundamente espiritual indo além das necessidades básicas que já são conhecidas pelo Pai (Lc 11.9-13). [Comentário: O famoso pregador do século 19, Charles Spurgeon, descreveu a vida de oração de um Cristão ao dizer: “Como os cavaleiros da antiguidade, sempre em batalha, nem sempre em seus cavalos avançando com suas lanças contra o seu adversário para fazê-lo cair do cavalo, mas sempre usando as armas que podiam alcançar.... Aqueles cavaleiros deprimidos geralmente dormiam em suas armaduras; então, até mesmo quando dormimos, ainda sim devemos estar no espírito de oração, para que se por acaso acordarmos de noite, ainda estaremos com Deus”.]


2. “Pedi”, “buscai” e “batei”. Através de três verbos, o Mestre ensina acerca da constância e do estilo de vida do discípulo no que diz respeito à oração: “Pedi”, “buscai” e “batei” (v.1). São ações e não meramente contemplações. Quem pede demonstra humildade, pois reconhece sua necessidade (Mt 15.21-28). Buscar está relacionado ao reconhecimento de que há algo mais que precisa ser encontrado, obtido. Não quer dizer inconformismo egoísta, mas a não aceitação de um estado de apatia espiritual e de falta de comunhão (Jr 29.11-14). Finalmente, o que bate sabe que depende da benevolência e da sensibilidade de quem está do “lado de dentro”. Portanto, precisa contar com tal confiança (At 12.16; Ap 3.20). [Comentário: O verbo pedir neste texto significa: requerer, exigir, desejar. É pedido vivo, fervoroso, persistente, confiante. Buscar é procurar por empenhar-se, esforçar-se em obter, desejar, querer, empenhar-se em Bater. Bater à porta. Buscar é ter confiança de não voltar com as mãos vazias. Buscar é buscar em Deus. Ele tem tudo para todos os tempos. “Ele não se cansa nem se fatiga, e não há quem esquadrinhe o seu pensamento. Dá força ao cansado, e multiplica o poder ao que não tem nenhum vigor.“ (Is 40.28-29). Bater é não desistir. É ter perseverança, é ser persistente. É penetrar no celeiro do Pai Eterno. É ter a coragem de dizer: Levantar-me-ei e irei ter com meu Pai. A oração é um grande mistério e até mesmo um grande paradoxo dentro dos ensinamentos bíblicos. Ao mesmo tempo em que somos incentivados a orar por situações impossíveis aos olhos humanos, nos deparamos com o fato de que a vontade de Deus é soberana em nossa vida. Além do que, em Sua onisciência, sabe o que precisamos. O fato é que ninguém ora para informar a Deus ou convencê-lo de qualquer coisa. A oração faz parte, necessariamente, de nossa vida espiritual, e não serve somente de meio para obtermos as coisas de que precisamos.]

3. Receber, encontrar e abrir. Quem tomou a decisão de pedir, buscar e bater, tem do Mestre a confiança de que “aquele que pede recebe; e o que busca encontra; e, ao que bate, se abre” (v.8). Adotar esse estilo de vida orante, significa manter-se em um estado de perpétuo reconhecimento. Não é algo que deve se apresentar apenas em momentos de dificuldades que atingem a todos indistintamente. Comportar-se dessa maneira significa reconhecer a total dependência que temos do Criador (At 17.24-28). [Comentário: Jesus considerou a oração com um companheirismo íntimo e invisível com Deus. Por isso o Nome de Deus, o Reino de Deus e a Vontade de Deus são prioritários na oração. A oração põe em conformidade com a Vontade de Deus, a pessoa que ora. “Para os Cristãos, oração é como respiração. Você não tem que pensar para respirar porque a atmosfera exerce pressão nos seus pulmões e o força a respirar. Por isso é mais difícil prender a respiração do que respirar. Semelhantemente, quando nascemos de novo e passamos a fazer parte da família de Deus, entramos em uma atmosfera espiritual onde a presença e graça de Deus exercem pressão, ou influência, nas nossas vidas. Oração é a resposta normal a essa pressão. Como crentes, temos todos entrado na atmosfera divina para respirar o ar da oração. Só então podemos sobreviver na escuridão desse mundo. Infelizmente, muitos crentes prendem sua respiração espiritual por muito tempo, achando que breve momentos com Deus são suficientes para sobreviverem. No entanto, tanta restrição do influxo espiritual é causada por desejos pecaminosos. O fato é que todo crente deve estar continuamente na presença de Deus e constantemente respirando Suas verdades para serem completamente funcionais(O texto entre aspas foi extraído de https://www.gotquestions.org/Portugues/orar-sem-cessar.html).]


Pense!
Com os afazeres da vida, o envolvimento on-line quase que 24 horas, você acha possível adotar um estilo de vida orante?


Ponto Importante
A petição do estilo de vida orante não se restringe às necessidades básicas e, muito menos, a desejos caprichosos e individualistas, mas é um reconhecimento da nossa dependência divina.


II. A BONDADE DIVINA E A MALDADE HUMANA

1. O amor paternal humano. Em continuidade ao seu ensino acerca do estilo de vida orante, o Mestre agora evoca a figura paterna para demonstrar o quanto se pode confiar em Deus. Qual pai, em sã consciência, ao pedido de alimento do filho lhe dará uma pedra, ou, “pedindo-lhe peixe, lhe dará uma serpente?” (vv.9,10). Evidentemente que os dois elementos aqui colocados para exemplificar os cuidados paternais — pão e peixe — são típicos da sociedade daquela época. No entanto, a mensagem é clara: salvo os comportamentos patológicos que existem, qualquer pai, em condições normais, cuida do filho e quer o melhor para ele (Lc 15.11-32). [Comentário: O que faz Jesus quando pergunta: “Qual dentre vós é o pai que, se o filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou se pedir um peixe, lhe dará em lugar de peixe uma cobra? Ou, se lhe pedir um ovo lhe dará um escorpião?” Ele provoca nossa paternidade e até nossa própria história e nos faz ver que “se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais o Pai celestial dará o Espírito Santo àqueles que lho pedirem.” Em primeiro lugar temos a confiança de que se pedirmos “errado”, nossa persistência na oração jamais irá sobrepujar alguma indisposição da parte do Pai quanto a responder aos pedidos dos seus filhos – meu Pai é responsável! Em segundo lugar, meu Pai – que é bom - jamais me dará algo ruim ou mesmo um “prêmio de consolação”. Seria um comportamento incrível, diz Jesus, da parte de qualquer pai terreno, por pior que fosse, zombar do filho dando-lhe alguma coisa que o filho pede mas, de fato, basicamente diferente - pedra em vez de pão, cobra em vez de peixe. Não devo fazer pouco caso às respostas à minha oração. Meu Pai é absolutamente fiel – mesmo que às vezes eu não entenda! Este texto foi extraído de: http://www.ibmorumbi.org.br/intercessao/view_printer.asp?CID=1&ID=90]

2. A maldade inata do ser humano. Apesar de este não ser o propósito do ensino do Mestre, Ele reitera uma doutrina cara da fé cristã que é o fato de a humanidade ser pecadora por natureza (Gn 3; Rm 5.12), ou seja, os atos de bondade que somos capazes de exercer não nos tornam bons, pois somos maus (v.11). [Comentário: Jesus declara abertamente, sem nenhum receio, “se vós, que sois maus”. Todos nós somos miseráveis pecadores, cheios de maldade em nossos corações. Independentemente de nossa religião, “boas obras”, moral ou educação, estamos todos perdidos e arruinados. O nosso coração é excessivamente mau, mais enganoso do que todas as coisas (Jeremias 17:9). Somente a graça de Cristo, através do Espírito Santo, pode nos regenerar e nos dar um novo coração. Outra coisa sobressai aqui: mesmo sendo maus, nós podemos amar nossos filhos, podemos constituir famílias boas e equilibradas, podemos ter uma boa moral e tantas outras virtudes. Cada ser humano tem dentro de si fogo suficiente para acender um inferno, contudo, é a graça de Deus que nos refreia. A isto, teologicamente, chamamos de “graça comum”, como o nome já diz, é comum a todos os homens, crendo eles em Deus ou não. Se não fosse a graça comum de Deus, este planeta já há muito teria sido destruído ou estaria em condições praticamente inabitáveis. Para saber mais sobre graça comum, visite A Graça Comum, por Wayne Grudem, em: http://www.monergismo.com/textos/pneumatologia/graca_comum_grudem.htm]

3. A infinita bondade divina. A capacidade humana de praticar um ato de bondade ante a necessidade do filho, a despeito de o ser humano ser mau, faz com que Jesus tome tal situação como referência para exemplificar a infinita bondade do Pai (v.11). Em outros termos, se nós, sendo maus, temos capacidade de dar coisas boas aos nossos filhos, que dirá Deus, que é infinitamente bondoso (1Jo 4.8). Dessa forma, a pergunta do versículo 11 é retórica, pois é claro que Deus é indiscutivelmente mais digno da nossa confiança, pois Ele é bom para todos, independentemente das circunstâncias (Sl 118.1; Is 49.15,16; Lc 18.19; Mt 5.44,45). [Comentário: Deus é bom (Sl 25.8; 106.1; Mc 10.18). Ele continua sendo bom para sua criação, ao sustentá-la, para o bem de todas as suas criaturas (Sl 104.10-28; 145.9). Ele cuida até dos ímpios (Mt 5.45; At 14.17). Deus é bom, principalmente para os seus, que o invocam em verdade (Sl 145.18-20). Deus é Benigno e Compassivo (2Rs 13.23; Sl 86.15; 111.4). Ser compassivo significa sentir tristeza pelo sofrimento doutra pessoa, com desejo de ajudar. Deus, por sua compaixão pela humanidade, proveu-lhe perdão e salvação (cf. Sl 78.38). Semelhantemente, Jesus, o Filho de Deus, demonstrou compaixão pelas multidões ao pregar o evangelho aos pobres, proclamar libertação aos cativos, dar vista aos cegos e pôr em liberdade os oprimidos (Lc 4.18; cf. Mt 9.36; 14.14; 15.32; 20.34; Mc 1.41; ver Mc 6.34).]


Pense!
Como os pais “normais” comportam-se diante dos pedidos egoístas dos filhos?


Ponto Importante
O discípulo não é como os pagãos que não possuem entendimento algum sobre Deus. Por isso, seus pedidos precisam ser conscientes e nunca individualistas e egoístas.


III. A REGRA DE OURO E A COMPLETUDE DA LEI

1. A regra de ouro. Conhecida até mesmo, de alguma forma, por pessoas que não leem a Bíblia, a regra de ouro consiste em um ditado que, em sua forma negativa (“Não faça aos outros, o que não queres que façam a ti”) era muito difundida no mundo antigo. Alguns autores defendem ser ela, em sua forma positiva (v.12), uma criação de Jesus. Entretanto, pesquisas realizadas no campo da literatura greco-romana e rabínica, demonstram sua existência em outros lugares e cultura. [Comentário: O título "Regra de Ouro" começou a ser atribuído a esta passagem da Escritura durante os séculos 16-17, como já era um ditado popular na época. Isto é importante notar porque, quando se fala sobre a Regra de Ouro, os cristãos, às vezes, sem saber e incorretamente, a atribuem às palavras de Jesus. Este conceito é muito conhecido no mundo todo e utilizado desde a antiguidade, por diferentes povos. Sua origem é discutível (alguns atribuem ao sábio chinês Confúcio), mas o fato é que praticamente todas as religiões baseiam-se nessa idéia, inclusive o judaísmo e o cristianismo. No livro apócrifo de Tobias, por exemplo, pode-se encontrar essa máxima no versículo 15 do capítulo 4. Porém, Cristo parece não ter ficado completamente satisfeito com esse pensamento. Do site GotQuestions? temos o seguinte: “Ao finalizar a "regra" com a "Lei e os Profetas", Jesus condensou todo o Antigo Testamento a este princípio. Isso era algo que os judeus da época de Jesus teriam conhecido por seu conhecimento das Escrituras do Antigo Testamento, como Moisés escreveu: "Não te vingarás, nem guardarás ira contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o SENHOR" (Levítico 19:18). Mais uma vez, vemos a implicação de que as pessoas são naturalmente auto-amantes devido ao pecado (Jeremias 17:19). Sendo assim, isso deu ao público um ponto inicial na forma como devem tratar os outros: como querem ser tratados”. Leia mais em: https://www.gotquestions.org/Portugues/Regra-de-Ouro.html]

2. A novidade da regra de ouro em Jesus. Como qualquer ditado que, devido ao seu uso popular, tende a se tornar um chavão desgastado e raramente praticado, Jesus surpreende ao relacionar a regra de ouro àquilo que era mais caro aos judeus: as Escrituras Veterotestamentárias (v.12). Nesse sentido, uma vez mais o Mestre demonstra que não veio para “pisar” na Lei, e sim dar-lhe pleno sentido e cumprimento (Mt 5.17). [Comentário: Quando Jesus deu este comando em Mateus 7:12, ele era radicalmente diferente de todas as outras formas - exceto pelo Torá judaico - usadas até aquele momento ou desde então. A diferença é sutil, mas muito importante. A Regra de Ouro bíblica é um comando positivo para mostrar o amor ativo, ao contrário das formas passivas e negativas. Um rápido levantamento das religiões e filosofias orientais irá expor esta inversão comum, chamada por vezes como a "regra de prata" devido ao seu comando invertido:
• Confucionismo: "Não faça aos outros o que você não quer que façam a você" Analectos 15:23.
• Hinduísmo: "Este é o supremo dever: não faças aos outros o que poderia causar dor se te fosse feito a ti" Mahabharata 5:1517.
• Budismo: "Não trates os outros de maneira que tu próprio achas que te feriria" Udana-Varga 5:18
A Regra de Ouro como afirmada por Jesus é radicalmente diferente por ser um comando ativo e positivo de fazer o bem aos outros, ao contrário dos comandos negativos e restritivos para não magoar. O mandamento do amor é o que separa a ética cristã da ética de cada outro sistema. Na verdade, a Bíblia é tão radical em seu mandamento de amar ativamente que os cristãos são orientados a amar até mesmo os seus inimigos, algo inédito em outras religiões (Mateus 5:43-44; cf. Êxodo 23: 4-5). https://www.gotquestions.org/Portugues/Regra-de-Ouro.html]

3. A Lei e os Profetas. Considerando o volume físico do material do Antigo Testamento, inscrito em papiros e, posteriormente, em pergaminhos, sendo, por isso mesmo, de difícil reprodução, não há dificuldade alguma em imaginar o que o Mestre fez ao acrescentar à regra de ouro que o seu cumprimento correspondia a viver integralmente a “Lei e os Profetas”. Sendo as mentes judias disputadas por várias escolas rabínicas e estas, monopolizadoras do Antigo Testamento, não é difícil entender a revolução que foi afirmar que toda discussão teórica em torno de minúcias da Lei de nada valiam, mas sim o agir em amor, o fazer (praticar, realizar) aos outros aquilo que gostaríamos que fizessem a nós. Esta sim era uma atitude que significava viver, integralmente, o que ensinava a Lei e os Profetas (Mt 22.34-40). [Comentário: Quando diz, “não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas” (v. 17), ele usa uma palavra grega que significa “desmantelar, ab-rogar, descartar completamente”. Ao invés de permitir que Seus ouvintes sequer comecem a pensar isso, Ele diz: “não vim ab-rogar, mas cumprir” (v. 17). A conjunção “mas” fornece um contraste vigoroso, como em Mateus 10.34, que faz paralelo exato a Mateus 5.17 em forma e estrutura. Cristo cumpriu a Lei, não a aboliu. Entenda que certas partes da Lei, tais como as regras alimentares, não se aplicam mais à Nova Aliança, mas os mandamentos morais da Lei permanecem como declarações da vontade de Deus para a conduta cristã (Rm 8.2-8; 13.8-10). Como expressão da Lei do amor, a nova versão de Jesus da ‘Regra de ouro’ judaica resume tudo o que Jesus exige de nós em relação ao próximo, conforme ensinado em Mt 5.1 – 7.11.]

Pense!
Você realmente faz aos outros àquilo que gostaria que fizessem a você?


Ponto Importante
Uma vez mais o Mestre ensina que a vontade de Deus não é contemplação, mas ação. Saber sobre a Lei e os Profetas não é tão importante quanto cumprir o que lá está escrito, isto é, amar e agir como gostaríamos que agissem conosco.


CONCLUSÃO
Pedir, buscar e bater são atitudes que indicam reconhecimento de que se está necessitado e de que há falta de algo. O apelo se dirige a quem, a priori, acreditamos nos ser propício e benevolente, posto que confiamos que irá nos atender. Outro grande ensinamento do Senhor é que, fazer aos outros primeiro o que gostaríamos que fosse feito a nós é o que, de fato, significa cumprir o que está na Lei e nos Profetas. Para o judeu este é o maior de seus anseios e objetivos. Mas, e para os discípulos? Sua justiça deve exceder a dos escribas e fariseus (Mt 5.20). Logo, deve ter algo mais profundo. E Jesus revela isso em João 13.34. [Comentário: Obedecer a ética e ordem cristã de amar os outros é a marca de um verdadeiro cristão (Jo 13.35). De fato, os cristãos não podem alegar que amam a Deus se não ativamente amarem outras pessoas também, porque "se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê" (1 João 4:20). A Regra de Ouro resume essa ideia e é exclusiva à Bíblia. Aprenda a semear boas amizades, porque um dia você pode vir a precisar delas. Aprenda a semear amor, carinho e compaixão. Ninguém vive sozinho! Querendo ou não, somos dependentes e estamos interligados, uns aos outros. Aprenda a estender a mão ao teu próximo porque um dia você pode vir a precisar da mão dele em teu favor.] “NaquEle que me garante: "Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Ef 2.8)”,
Francisco Barbosa
Campina Grande-PB
Maio de 2017

HORA DA REVISÃO

1. O que seria a vida orante?
A adoção de um estilo de vida que tem a oração como uma constante.
2. Apesar de não ser a intenção de Jesus, o que Ele reiterou a respeito do ser humano?
O fato de a humanidade ser pecadora por natureza (Gn 3; Rm 5.12), ou seja, os atos de bondade que somos capazes de exercer, não nos tornam bons, pois somos maus (v.11).
3. Qual foi a novidade acrescentada por Jesus à regra de ouro?
Ele relacionou a regra de ouro àquilo que era mais caro aos judeus: as Escrituras Veterotestamentárias (v.12).
4. Em que consiste o cumprimento da Lei e dos Profetas?
O agir em amor, o fazer (praticar, realizar) aos outros àquilo que gostaríamos que fizessem a nós. Esta sim era uma atitude que significava viver, integralmente, o que ensinava a Lei e os Profetas (Mt 22.34-40).
5. Após essa lição, como será para você ouvir as pessoas repetirem a regra de ouro novamente?
Resposta pessoal.
SUBSÍDIO I

 “Pedir, Buscar, Bater: Jesus fala da oração (7.7-12)
Interpretação. Duas observações essenciais para nossa interpretação. Jesus está falando estas palavras como incentivo. Jesus está falando de súplica, não de outras formas de oração. Nós sabemos que as palavras de Deus devem ser interpretadas como um incentivo e não como um mandamento, porque cada exortação vem acompanhada de uma promessa:
• Pedi e dar-se-vos-á.
• Buscai e encontrareis.
• Batei e abrir-se-vos-á.
Isto leva à pergunta imediata: Por que precisamos ser incentivados a levar nossas súplicas a Deus?
A resposta pode estar sugerida no contexto total do ensino de Jesus. O relacionamento com Deus é verdadeiramente uma coisa ‘em secreto’. Os incrédulos não podem ver, tocar nem sentir ‘Deus’. Nem nós! Quando oramos, damos um salto de fé, confiando em um Ser invisível para atuar em nosso nome no universo material. À medida que começamos a praticar a oração, precisamos da certeza provida pelas promessas de Jesus” (RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1ª Edição. RJ: CPAD, p.36).

SUBSÍDIO II
“Pedir, Buscar, Bater
Se os pais humanos, que são maus, dão coisas boas aos seus filhos, Deus, que é completamente bom, certamente dará coisas boas àqueles que Lhe pedirem. Isto verdadeiramente é incentivo. Deus não apenas responderá nossas orações, mas, sua resposta nascerá de seu amor de Pai por nós, e será verdadeiramente uma ‘coisa boa’. Em segundo lugar, o tipo de oração que Jesus está ensinando é a súplica. Isto não é louvor, nem ação de graças, nem contemplação. É pedir a Deus por alguma coisa que é vital para nós. Nós sabemos disto porque Jesus descreve a oração como pedir, buscar e bater. ‘Pedir’ é um ato de oração na sua forma mais simples. ‘Buscar’ transmite intensidade, uma ‘sinceridade fervorosa’. E ‘bater’ retrata persistência. Nós batemos à porta do céu, e continuamos batendo! É importante não confundir o que Jesus está dizendo com o estabelecimento de condições que, se cumpridas, levarão Deus a nos responder. Jesus não está dizendo que se você pedir com fervor o suficiente, Deus responderá sua oração. Ele simplesmente está dizendo que quando sentirmos uma necessidade tão intensa que nos leve ao Senhor repetidas vezes, não devemos nos sentir desencorajados, mesmo se a resposta parecer atrasada. Deus verdadeiramente se preocupa com estas coisas que importam para os seus filhos. E Deus responde às nossas súplicas dando-nos boas coisas” (RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1ª Edição. RJ: CPAD, pp.36-37).


Fonte: O texto da lição foi retirado de:

Nenhum comentário:

Postar um comentário