Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

24 de abril de 2017

Lição 5: Jacó, Um Exemplo de um Caráter Restaurado



LIÇÕES BÍBLICAS CPAD – ADULTOS - 2º Trimestre de 2017
Título: O Caráter do Cristão — Moldado pela Palavra de Deus e provado como ouro
Comentarista: Elinaldo Renovato

- Lição 5 -
30 de Abril de 2017

Jacó, Um Exemplo de um Caráter Restaurado

TEXTO ÁUREO

VERDADE PRÁTICA
"Como está escrito: Amei Jacó e aborreci Esaú." (Rm 9.13)

Com base em sua presciência e propósitos, Deus escolhe pessoas para que cumpram seus desígnios.

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Gn 27.11,12
A mentira traz maldição
Terça -  Gn 27.41
Quando o ódio se torna mortal
Quarta -   Gn 27.20
Jacó mentiu ao próprio pai

Quinta - Cl 6.7
O que o homem planta, isso colherá
Sexta - Rm 5.20
Onde abundou o pecado superabundou a graça de Deus
Sábado -  SI 133.1
Deus quer que os irmãos vivam em união


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Gênesis 25.28-34; 32.24,28,30
28 E amava Isaque a Esaú, porque a caça era de seu gosto, mas Rebeca amava a Jacó.
29 E Jacó cozera um guisado; e veio Esaú do campo, e estava ele cansado;
30 E disse Esaú a Jacó: Deixa-me, peço-te, comer desse guisado vermelho, porque estou cansado. Por isso se chamou Edom.
31 Então disse Jacó: Vende-me hoje a tua primogenitura.
32 E disse Esaú: Eis que estou a ponto de morrer; para que me servirá a primogenitura?
33 Então disse Jacó: Jura-me hoje. E jurou-lhe e vendeu a sua primogenitura a Jacó.
34 E Jacó deu pão a Esaú e o guisado de lentilhas; e ele comeu, e bebeu, e levantou-se, e saiu. Assim desprezou Esaú a sua primogenitura.
 Gênesis 32.24,28,30
24 Jacó, porém, ficou só; e lutou com ele um homem, até que a alva subiu.
27 E disse-lhe: Qual é o teu nome? E ele disse: Jacó.
28 Então disse: Não te chamarás mais Jacó, mas Israel; pois como príncipe lutaste com Deus e com os homens, e prevaleceste.
30 E chamou Jacó o nome daquele lugar Peniel, porque dizia: Tenho visto a Deus face a face, e a minha alma foi salva.

HINOS SUGERIDOS: 46, 77, 432 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL

Mostrar que Deus escolhe pessoas para que cumpram seus desígnios.


OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
Apresentar a origem de Jacó;
Mostrar a direção de Deus na vida de Jacó;
Refletir a respeito de alguns aspectos do caráter de Jacó.


INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Na lição deste domingo, estudaremos a respeito do caráter de Jacó. Ele nasceu agarrado ao calcanhar de seu irmão primogênito e recebeu o nome de "enganador". Todavia, Deus em seus desígnios já o havia escolhido e revelado aos seus pais que o primogênito serviria ao caçula. Jacó fez jus ao seu nome ao comprar a primogenitura de seu irmão e ao mentir e enganar seu pai. Seu engano e mentira levaram-no para longe de casa e fez com que ele também fosse enganado por seu tio Labão. Mas Jacó teve um encontro com Deus e foi transformado por Ele. Todo encontro com Deus é transformador. Ninguém sai da presença do Pai da mesma maneira que entrou. Atualmente, muitos apenas ouviram falar a respeito de Deus, mas na verdade nunca tiveram um encontro real e pessoal com Ele. Somente Deus, o Criador, pode transformar o nosso verdadeiro "eu".

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Isaque teve dois filhos gêmeos. Esaú tinha uma inclinação para o campo, para vida pastoril e também para a caça. Jacó, ao contrário, pelo seu temperamento e por sua personalidade, voltou- se para vida doméstica. Logo revelou ter um caráter oportunista e usurpador, que o levou a enganar o pai com apoio da mãe. As consequências foram duras em sua vida. O que plantou, colheu com grande sofrimento. Mas a misericórdia de Deus o alcançou e o Senhor o escolheu para ser o pai das doze tribos de Israel. [Comentário: Jacó era filho de Isaque e Rebeca, irmão gêmeo de Esaú e neto de Abraão. Sua história ocupa vinte e cinco capítulos do livro de Gênesis. Seu nome no texto grego da Septuaginta é traduzido como “aquele que segura pelo calcanhar”, fato que, por ocasião de seu nascimento, Jacó, que nasceu depois, segurando o calcanhar de seu irmão Esaú (o hebraico עקב ('aqev) significa calcanhar) – esta é a origem do sentido secundário de ‘suplantador’, alguém que, astutamente, toma o lugar de outro. Isso alude ao incidente em que Jacó utilizou de engodo e tomou a bênção paterna de Esaú. Seu nome também pode ser traduzido como "Enganador", pois a raiz do verbo "enganar" em hebraico se escreve da mesma forma ('aqav). Isto explica a fala de Esaú no versículo abaixo, que nunca fez sentido para mim em português: “Então disse ele: Não é o seu nome justamente Jacó, tanto que já duas vezes me enganou?” (Gn 27.36). Neste versículo Esaú faz um trocadilho com o nome do irmão Jacó. O que ele quis dizer foi o seguinte: "O nome dele não é Jacó porque agarrou em meu calcanhar, mas sim porque já duas vezes me enganou!" Extraído com algumas mudanças de: http://www.hebraico.pro.br/nomsig_jaco.asp. Eles nasceram para se tornarem personagens bem diferentes uma da outra. Suas diferenças tornaram-se ainda mais irreconciliáveis quando Esaú vendeu seu direito de primogenitura a Jacó, em troca de um prato de lentilhas cozidas (Gn 25.30). Esaú vendeu sua primogenitura em um ato impulsivo, quando não conseguiu caçar nenhum animal; e, estando com muita fome, vendeu aquele direito por tão pouco. Os tabletes de Nuzi confirmam o fato de que o direito de primogenitura podia ser vendido. Os intérpretes percebem uma espécie de indiferença, por parte de Esaú, no tocante ao seu privilégio como primogênito. Seria mesmo difícil explicar por que razão ele fez assim, a menos que ele tivesse alguma atitude básica de indiferença para com seus direitos religiosos. Metaforicamente, isso fala sobre sua indiferença espiritual sobre questões importantes, um sinal típico do homem carnal. Esse foi o primeiro ato suplantador de Jacó a ser registrado na Bíblia, por causa do que ele adquiriu o seu nome. O segundo desses atos ocorreu quando ele enganou seu pai, Isaque, e recebeu a bênção paterna que se destinava a Esaú (Gn 27). Tal bênção, uma vez conferida, não podia mais ser revogada (Gn 27.33 ss), um detalhe igualmente ilustrado nos tabletes de Nuzi. Dessa forma, Jacó tornou-se o porta bandeira da promessa messiânica, e o cabeça da raça eleita, segundo aprendemos em Rm 9.10 ss. Esaú teve de se contentar então com uma bênção secundária, e com territórios menos férteis que aqueles prometidos a Jacó, isto é, Edom. Desnecessário é dizer que Esaú ficou furioso, tornando necessário que Jacó fugisse. Jacó, pois, fugiu para a terra natal de Rebeca, em Padã-Harã (Gn 26.41—28.5). Rebeca tinha a esperança que Jacó se casasse com uma mulher dentre a parentela dela, porquanto Esaú se casara com mulheres hititas [o que também denota seu descaso para com as promessas feitas a Abraão e Isaque] (Gn 26.34 e 27.46). http://www.ebdareiabranca.com/2012/1trimestre/introducao.htm] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

PONTO CENTRAL
Deus escolhe pessoas para que cumpram seus desígnios.

I- QUEM ERA JACÓ

Lição 5: Jacó, Um Exemplo de Caráter Restaurado

19 de abril de 2017

Lição 4 JOVENS: Jesus e sua interpretação da Lei


LIÇÕES BÍBLICAS CPAD
2º Trimestre de 2017
Título: O Sermão do Monte — A justiça sob a ótica de Jesus
Comentarista: César Moisés Carvalho

JOVENS
 - Lição 4 -
23 de Abril de 2017

Jesus e sua interpretação da Lei

TEXTO DO DIA

SÍNTESE
“Somente deveis portar-vos dignamente conforme o evangelho de Cristo [...]” (Fp 1.27).

Jesus expôs o que havia de mais profundo na Lei, pois Ele conhece a finalidade de cada mandamento.

AGENDA DE LEITURA
Segunda - Gl 2.16; 5.3
Lei ou Evangelho. Você decide
Terça - Lc 6.27-36
Amar o inimigo
Quarta - Lc 6.31
A regra áurea

Quinta - Lc 6.37,38
“Não julgueis” e a lei da reciprocidade
Sexta -  Lc 6.40
Igualdade entre mestre e discípulo
Sábado - Jo 8.11
A flexibilização da Lei


OBJETIVOS
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

    REAFIRMAR a verdade de que a justiça dos escribas estava aquém da do Reino;
    REVISAR os valores da Lei à luz da justiça do Reino;
    ANALISAR o conceito de perfeição, na perspectiva do Reino, apresentado por Jesus.


INTERAÇÃO
Qualquer pessoa é capaz de cumprir leis e viver dentro da ordem mínima estabelecida em sociedade. Vangloriar-se por causa disso não parece ser algo muito inteligente, pois se trata de uma obrigação de todos para que a vida em sociedade seja possível. Essa, porém, era a postura de muitos judeus na época de Jesus. Achavam-se melhores que os outros povos e, até entre si, disputavam qual dos inúmeros grupos conseguia ser mais ascético e rigoroso a respeito dos preceitos morais e cerimoniais da Lei mosaica. Em tal competição, havia a perda do principal valor de toda a lei que é justamente o amor. Na lição de hoje você terá a oportunidade de trabalhar com os alunos este assunto e discutir o aspecto motivacional da obediência.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Para esta oportunidade, termine a aula com a reflexão feita por Cheryl Bridges e Vardaman White acerca da virtude. Eles dizem que para “que um ato seja virtuoso, a razão e o desejo devem estar dispostos para o ato. Em outras palavras, se alguém sabe que o ato que está fazendo é um ato bom, mas deseja fazer alguma outra coisa, então essa pessoa não agiu virtuosamente. Do mesmo modo, se alguém age de um modo bom, mas não entende a qualidade moral do ato, então não agiu virtuosamente” (Panorama do Pensamento Cristão, CPAD, p.301). O que foi dito, filosoficamente, nada mais é do que o Mestre ensinou a respeito da justiça do Reino que vai além da observação de regras, da busca de alguma recompensa, do evitar algum castigo, de se praticar algo inconscientemente ou mesmo uma obediência forçada. A mudança de perspectiva do súdito do Reino faz com que este veja e encare a realidade de forma distinta da maneira que fazia antes. Questione-os acerca do porquê de cada um agir corretamente. Verifique se o fazem por medo de serem condenados ao inferno, perderem a reputação ou alguma posição, ou se praticam as coisas de forma correta para serem elogiados, admirados e finalmente salvos. Finalize dizendo que nenhuma das duas posturas, à luz da justiça do Reino, é recomendável, pois de acordo com tal justiça, a ação virtuosa deve ser praticada sem nenhuma motivação a não ser o fato de que esta é a única postura que deve ser adotada.



TEXTO BÍBLICO
Mateus 5.21-48.
21 Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; mas qualquer que matar será réu de juízo.
22 Eu, porém, vos digo que qualquer que, sem motivo, se encolerizar contra seu irmão será réu de juízo, e qualquer que chamar a seu irmão de raca será réu do Sinédrio; e qualquer que lhe chamar de louco será réu do fogo do inferno.
23 Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti,
24 deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai reconciliar-te primeiro com teu irmão, e depois vem, e apresenta a tua oferta.
25 Concilia-te depressa com o teu adversário, enquanto estás no caminho com ele, para que não aconteça que o adversário te entregue ao juiz, e o juiz te entregue ao oficial, e te encerrem na prisão.
26 Em verdade te digo que, de maneira nenhuma, sairás dali, enquanto não pagares o último ceitil.
27 Ouvistes que foi dito aos antigos: Não cometerás adultério.
28 Eu porém, vos digo que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar já em seu coração cometeu adultério com ela.
29 Portanto, se o teu olho direito te escandalizar, arranca-o e atira-o para longe de ti, pois te é melhor que se perca um dos teus membros do que todo o teu corpo seja lançado no inferno.
30 E, se a tua mão direita te escandalizar, corta-a e atira-a para longe de ti, porque te é melhor que um dos teus membros se perca do que todo o teu corpo seja lançado no inferno.
31 Também foi dito: Qualquer que deixar sua mulher, que lhe dê carta de desquite.
32 Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério; e qualquer que casar com a repudiada comete adultério.

33 Outrossim, ouvistes que foi dito aos antigos: Não perjurarás, mas cumprirás teus juramentos ao Senhor.
34 Eu, porém, vos digo que, de maneira nenhuma, jureis nem pelo céu, porque é o trono de Deus,
35 nem pela terra, porque é o escabelo de seus pés, nem por Jerusalém, porque é a cidade do grande Rei,
36 nem jurarás pela tua cabeça, porque não podes tornar um cabelo branco ou preto.
37 Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; não, não, porque o que passa disso é de procedência maligna.
38 Ouvistes que foi dito: Olho por olho e dente por dente.
39 Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra;
40 e ao que quiser pleitear contigo e tirar-te a vestimenta, larga-lhe também a capa;
41 e, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas.
42 Dá a quem te pedir e não te desvies daquele que quiser que lhe emprestes.
43 Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo e aborrecerás o teu inimigo.
44 Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem,
45 para que sejais filhos do Pai que está nos céus; porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons e a chuva desça sobre justos e injustos.
46 Pois, se amardes os que vos amam, que galardão tereis? Não fazem os publicanos também o mesmo?
47 E, se saudardes unicamente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os publicanos também assim?
48 Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai, que está nos céus.


COMENTÁRIO DA LIÇÃO
INTRODUÇÃO
O Evangelho é superior a qualquer código de regras, pois o seu fundamento é a Boa Notícia de que, além de nos salvar, Deus, em Jesus, tornou-se modelo de ser humano para toda a humanidade (Mt 5.48). Esta é, basicamente, a próxima mensagem e lição do Sermão do Monte. Através de seis antíteses (teses contrárias, cf. vv.22,28,32,34,39,44), o Mestre demonstra que a observância mecânica dos mandamentos nada significa se o intento maior não for alcançado, ou seja, a transformação do caráter e da natureza, extirpando todo ódio, cobiça, desprezo, falsidade, vingança e egoísmo. Jesus mostra que a “justiça” dos escribas, doutores da Lei, estava muito aquém do real propósito da Lei, e também muito longe do que era esperado das pessoas que diziam crer em Deus como seu Pai (Mt 5.48). [Comentário: O que é a Perfeição Cristã? A resposta encontramos em Hebreus 7.28: “Porque a lei constitui sumos sacerdotes a homens fracos, mas a palavra do juramento, que veio depois da lei, constitui ao Filho, perfeito para sempre.” É a busca para se tornar semelhante a Jesus, o único perfeito. Ele é o nosso padrão de santidade, por isso, devemos andar como Jesus andou, sentir o que Ele sentiu e viver como Ele viveu:“Sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai Celeste” (Mt 5.48). O código de leis judaico, um dos mais antigos e complexos, possui 613 preceitos que representam a regra e prática de vida a ser seguida por aqueles que querem ser verdadeiros judeus. Desses 613, 365 são mandamentos negativos ou proibições. E 248 são mandamentos positivos. Desde os dias de Moisés, até os dias de Jesus inúmeras interpretações surgiram. E muitas delas foram trazendo ao povo a opressão e o jugo do intérprete. No Sermão da Montanha, Jesus contradiz os intérpretes e fariseus exatamente por que impunham sobre os ombros dos seus liderados uma interpretação pesada demais. Jesus então resume estes 613 preceitos e afirma qual é a sua finalidade: Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos.Isto não significa que a Lei perdeu seu valor: “Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus.” (Mt 5.19). Há ainda uma justiça requerida por Jesus; “Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus” (Mt 5.20). Tal justiça significa aquilo que está no coração, não só os feitos externos, aquilo que criam ou fingiam crer por meio de um esforço próprio.] Let's think maturely the Christian faith?


17 de abril de 2017

Lição 4: Isaque, Um Caráter Pacífico



LIÇÕES BÍBLICAS CPAD – ADULTOS - 2º Trimestre de 2017
Título: O Caráter do Cristão — Moldado pela Palavra de Deus e provado como ouro
Comentarista: Elinaldo Renovato

- Lição 4 -
23 de Abril de 2017

Isaque, Um Caráter Pacífico

TEXTO ÁUREO

VERDADE PRÁTICA
"E disse Deus: Na verdade, Sara, tua mulher, te dará um filho, e chamarás o seu nome Isaque; e com ele estabelecerei o meu concerto, por concerto perpétuo para a sua semente depois dele." (Gn 17.19)

Isaque, segundo filho de Abraão, deixou um exemplo de humildade e submissão a Deus e a seus pais.

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Gn 17.19
Um nome dado por Deus
Terça -  Lc 1,37
Para Deus nada é impossível
Quarta -   Rm 4.18
Abraão creu contra a esperança

Quinta - Hb 11.8
Pela fé, Abraão, sendo chamado obedeceu a Deus
Sexta - Rm 4.19
A fé não olha para as circunstâncias
Sábado -  Hb 11,11
Sara, uma mulher de fé


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Gênesis 26.12-25
12 E semeou Isaque naquela mesma terra, e colheu naquele mesmo ano cem medidas, porque o SENHOR o abençoava.
13 E engrandeceu-se o homem, e ia enriquecendo-se, até que se tornou mui poderoso.
14 E tinha possessão de ovelhas, e possessão de vacas, e muita gente de serviço, de maneira que os filisteus o invejavam.
15 E todos os poços, que os servos de seu pai tinham cavado nos dias de seu pai Abraão, os filisteus entulharam e encheram de terra.
16 Disse também Abimeleque a Isaque: Aparta-te de nós; porque muito mais poderoso te tens feito do que nós.
17 Então Isaque partiu dali e fez o seu acampamento no vale de Gerar, e habitou lá.
18 E tornou Isaque e cavou os poços de água que cavaram nos dias de Abraão seu pai, e que os filisteus entulharam depois da morte de Abraão, e chamou-os pelos nomes que os chamara seu pai.
19 Cavaram, pois, os servos de Isaque naquele vale, e acharam ali um poço de águas vivas.
20 E os pastores de Gerar porfiaram com os pastores de Isaque, dizendo: Esta água é nossa. Por isso chamou aquele poço Eseque, porque contenderam com ele.
21 Então cavaram outro poço, e também porfiaram sobre ele; por isso chamou-o Sitna.
22 E partiu dali, e cavou outro poço, e não porfiaram sobre ele; por isso chamou-o Reobote, e disse: Porque agora nos alargou o SENHOR, e crescemos nesta terra.
23 Depois subiu dali a Berseba.
24 E apareceu-lhe o SENHOR naquela mesma noite, e disse: Eu sou o Deus de Abraão teu pai; não temas, porque eu sou contigo, e abençoar-te-ei, e multiplicarei a tua descendência por amor de Abraão meu servo.
25 Então edificou ali um altar, e invocou o nome do SENHOR, e armou ali a sua tenda; e os servos de Isaque cavaram ali um poço.

HINOS SUGERIDOS: 151, 225, 432 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL

Mostrar que o temperamento de Isaque era pacífico.


OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
-

Explicar porque Isaque era o filho da promessa;
Mostrar que Isaque era um homem abençoado por Deus;
Refletir a respeito de algumas lições do caráter de Isaque.
.


INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Na lição deste domingo, estudaremos a respeito de Isaque, o filho da promessa. Deus havia prometido a Abraão um herdeiro, porém sua idade e a da sua esposa já eram bem avançadas. Continuar esperando o cumprimento de uma promessa a essa altura da vida não parecia nada fácil. Mas Deus é fiel e vela por sua palavra. Se Ele fez uma promessa a você, creia que no tempo certo ela se cumprirá. Abraão e Sara devem ter criado o filho da promessa com muito amor e carinho, contribuindo para desenvolver em Isaque um caráter manso, pacificador e humilde. Isaque recebeu uma boa educação e decidiu fazer boas escolhas. Deus o abençoou em todas as áreas, mas, não significa que sua vida foi fácil. Ele teve de enfrentar a esterilidade de sua esposa, vizinhos invejosos e maus. Todavia, diante das adversidades, demonstrou ter um caráter pacífico e confiante em Deus.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
O caráter de uma pessoa é demonstrado por suas atitudes, testemunho e práticas. Isaque é um personagem da Bíblia que tem grande significado para a história do povo de Israel. Seu nome foi dado por Deus mesmo antes do seu nascimento conforme Gênesis 17.19. O significado de seu nome é interessante: quer dizer "aquele que ri" ou "ele ri", em alusão à reação de seu pai e de sua mãe, quando o anjo anunciou seu nascimento, sendo seus pais de idade avançadíssima. [Comentário: Deus havia feito uma promessa de conceder um filho a Abraão, como sabemos, houve descrença demonstrado no fato de rirem-se, porque os dois estavam muito velhos para ter filhos. Quando Abraão tinha 100 anos de idade e Sara tinha 90, Isaque nasceu (Gn 21.1-3). Isaque significa ele riu, em alusão aos risos de incredulidade de Abraão (Gn 17.17), de Sara (Gn 18.12-15), e de alegria pelo nascimento do filho (Gn 21.5-7), o filho da promessa, finalmente nasceu no lar do centenário Abraão “…E disse Sara: Deus me tem feito riso; e todo aquele que o ouvir se rirá comigo.” (Gn 21.6). Como diz o intróito desta lição, “o caráter de uma pessoa é demonstrado por suas atitudes, testemunho e práticas”, a personagem que estudaremos demonstrou fraquezas algumas vezes, como no episódio quando foi viver entre os filisteus e, temendo ser morto por causa de sua bela esposa, mentiu e disse que era sua irmã, sendo repreendido pelo rei dos filisteus por seu engano (Gn 26.9-10). Mas podemos observar nele um caráter manso, pacificador e humilde como nos casos em que desenterrou e cavou mais poços até Berseba, onde fez um pacto com Abimeleque, assim como nos dias de seu pai. Uma nota interessante sobre este patriarca é que ele foi o único patriarca cujo nome não foi mudado e também o único que não deixou Canaã. Comparado com Abraão e Jacó, a história de Isaac relata poucos incidentes em sua vida. Morreu quando tinha 180 anos, tornando-se o patriarca de vida mais longa. No caminho para Moriá(1), o filho da promessa, agiu em obediência ao seu pai em se tornar o sacrifício (v.9); Jesus orou: “Pai meu, se este cálice não pode passar de mim sem eu o beber, faça-se a tua vontade” (Mt 26.37) – Isaque é “padrão”, “ilustração”, “exemplo” ou “tipo”. de Cristo – o padrão do sacrifício de Isaque por Abraão prefigura muitos eventos que espelham a morte e a ressurreição de Jesus. Que belo exemplo de caráter!] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?
(1)Acredita-se que o monte Moriá seja a mesma colina em Jerusalém onde Salomão construiu a casa do Senhor; onde Deus apareceu a Davi, pai de Salomão; Davi preparou a eira (o lugar) que pertenceu a Araúna, o jebuseu, para a construção do Templo do Senhor por seu filho, segundo prometeu. Atualmente, é o local onde está a Mesquita de Omar, sobre a Cúpula da Rocha, de onde os muçulmanos acreditam teria sido o lugar de partida da Al Miraaj (viagem aos céus realizada pelo profeta Maomé) e permanece hoje como um templo da fé islâmica.
PONTO CENTRAL
Isaque nos deixou um exemplo de humildade e submissão a Deus e a seus pais.

l - ISAQUE, O FILHO DA PROMESSA