Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

29 de maio de 2010

LIÇÃO 10 – O VALOR DA TEMPERANÇA

Este comentário adicional segue os tópicos e subtópicos da revista de Lições Bíblicas da CPAD (http://www.cpad.com.br). AUTORIZO a divulgação, desde que citada a fonte e o autor.

30 DE MAIO DE 2010

TEXTO ÁUREO

“E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito” (Ef 5.18).

- Enchei-vos deixa claro que o estar cheio do Espírito não se completa com uma única experiência, mas é mantida por ser continuamente cheio, isto é, ser enchido repetidas vezes numa renovação de vida constante conforme ordenado nesta perícope. O início da vida cristã é marcado pelo selo do Espírito (Ef 1.13,14; 4.30), o qual não se repete; o encher-se do Espírito pertence à vida cristã inteira, devendo ser continuamente buscado. Esse entendimento é corroborado pela passagem paralela desse texto em Cl 3.15, 16, onde Paulo exorta aos cristãos para que deixem a Paz de Cristo governar seus corações e permitir que a palavra de Cristo habite ricamente neles. Estar cheio do Espírito é estar cheio de Cristo e da sua Palavra (Jo 14.16,26; 16.12-15; 17.17).

VERDADE PRÁTICA

A Igreja de Cristo sempre primou pela temperança. A vida de seus membros tem de ser um eloqüente protesto contra as inconseqüências e vícios.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Jeremias 35.1-5, 8,18,19

OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

-Explicar a origem dos recabitas;

-Compreender que os recabitas honravam a tradição de seus antepassados;

-Conscientizar-se de que a Igreja de Cristo deve ter um forte compromisso com a temperança e com a excelência moral tanto de seus membros quanto dos que a cercam.

PALAVRAS-CHAVE

FIDELIDADE

1. Qualidade de fiel.

2. Fé, lealdade.

3. Verdade, veracidade.

4. Exatidão.

5. Nesta Lição: Constância e firmeza em observar os princípios bíblicos.

TEMPERANÇA

1. Hábito de moderar os apetites sensuais, os desejos, as paixões.

2. Sobriedade no comer e no beber.

3. Comedimento, moderação.

4. Economia; parcimônia; modéstia.

- A temperança (em grego: σωφροσύνη, sophrosyne, em latim: temperantia) é uma das virtudes ditas universais, uma dais quais propostas pelo cristianismo. Temperança significa equilibrar, colocar sob limites, moderar a atração dos prazeres, assegura o domínio da vontade sobre os instintos e proporcionar o equilíbrio no uso dos bens criados.

COMENTÁRIO

(I. INTRODUÇÃO)

Deus, por vezes, lançava mão de ilustrações históricas vivas para ensinar ao seu povo. Quando quis mostrar ao povo de Israel que requeria dele obediência à Sua palavra, chamou Jeremias para uma tarefa inusitada. Jeremias devia procurar os membros de um clã em Israel, chamado de recabita, e fazer um convite que poderia mudar a vida deste povo. Nesta lição aprenderemos uma interessante forma didática utilizada por Jeremias para apresentar a Palavra de Deus ao povo de Judá. Os recabitas faziam parte de uma tribo nômade aparentada com os queneus e com o sogro de Moisés, Jetro (Jz 1.16; 1Cr 2.55). A maioria dos queneus morava em cidades, adotando um estilo de vida urbano (1Sm 30.29). No entanto, seu ancestral Jonadabe convocou seus descendentes a um novo tipo de vida, renovando-lhes o sentido de sua existência. Ordenou aos seus filhos, mais de duzentos anos antes, que não bebessem nenhum tipo de vinho. Era um tipo de povo ascético, não habitavam em casas permanentes e nem cultivavam a terra. Viviam como nômades, criando gado. Jeremias recebe uma ordem do SENHOR para por em prova a fidelidade dos recabitas à essas ordenanças de seu patriarca para contrastar com a infidelidade de Judá ao seu Deus. Os recabitas foram obedientes e demonstraram respeito às tradições de seus pais. Deus queria que o povo de Judá compreendesse que eles não estavam respeitando suas leis e ordenanças. Esta lição deve nos levar a refletirmos sobre nossa fidelidade ao Senhor. Se quisermos agradar ao Senhor, precisamos obedecer-Lhe. Veremos como agiam os recabitas e nos inspiraremos em seu exemplo de temperança e fidelidade. “À semelhança dos recabitas, primemos pela excelência das virtudes cristãs. Caso contrário: seremos tidos como profanos quando da volta do Senhor Jesus.” Claudionor de Andrade, REFLEXÃO

(II. DESENVOLVIMENTO)

I. A ORIGEM DOS RECABITAS

1. Sua origem. Os recabitas constituíam o que podemos chamar de uma ordem religiosa ascética fundada por Jonadabe, filho de Recabe, no século IX a.C., não bebiam vinho nem consumiam qualquer produto vindo da videira e por cerca de 250 anos mantiveram este estilo de vida. Aparentaram-se com os queneus e com os descendentes de Jetro, foram adotados pela tribo de Judá (Jz 1.16; 4.11), eram considerados membros legítimos do povo de Deus. Tudo que se sabe sobre este povo acha-se registrado apenas em Jr 35.

2. Seu relacionamento com Israel. Jonadabe foi o auxiliar de Jeú no plano traçado por este para destruir a casa de Acabe e a destruição do culto a Baal em Israel. Jonadabe levava uma vida de austeridade e abstinência com convicções próprias acerca da adoração a Deus.

3. O encontro dos recabitas com Jeremias. Esse encontro aconteceu no final do reinado de Joaquim e no momento em que Jerusalém seria sitiada pela primeira vez pelos babilônios em 598 a.C., o que levou muita gente a abandonar os campos e irem para Jerusalém (35.11). O voto feito por Jonadabe, filho de Recabe, levou seus descendentes à uma vida nômade, sem casas permanentes e abstinência de vinho, numa dedicação voluntária que não era exigida pela Lei. Eram leais a YAHWEH e por isso, os recabitas foram citados por sustentarem leis que estavam sendo esquecidas rapidamente pelos judeus, a nação que os adotou. Deus utiliza o exemplo dos recabitas para ensinar seu povo a respeito da fidelidade aos seus mandamentos. SINOPSE DO TÓPICO (1)

II. O ESTILO DE VIDA DOS RECABITAS

As ordens de Jonadabe visavam que os Recabitas vivessem como peregrinos, forasteiros, não deviam criar raízes em lugar algum, mas sempre prontos para locomover-se por caminhos novos. O Novo Testamento ensina que somos peregrinos nesta terra: “Todos eles viveram pela fé, e morreram sem receber o que tinha sido prometido; viram-no de longe e de longe o saudaram, reconhecendo que era estrangeiros e peregrinos na terra.” (Hb 11.13); “Pois não temos aqui nenhuma cidade permanente, mas buscamos a que há de vir.” (Hb 13.14); “Amados, insisto em que, como estrangeiros e peregrinos no mundo, vocês se abstenham dos desejos carnais que guerreiam contra a alma.” (1Pe 2.11). Por conta da fidelidade dos descendentes de Recabe, o Senhor decretou uma bênção para sua linhagem: “Assim diz o Senhor dos Exércitos, Deus de Israel: Vocês têm obedecido àquilo que o seu antepassado, Jonadabe, ordenou; têm cumprido todas as suas instruções e têm feito tudo o que ele ordenou. Por isso, assim diz o Senhor dos Exércitos, Deus de Israel: Jamais faltará a Jonadabe, filho de Recabe, um descendente que me sirva.” (vs. 18,19). De igual modo há bênção para o discípulo que aprende a honrar e que é fiel em guardar os ensinamentos que recebe.

1. Abstinência de bebidas fortes. Deus tinha um propósito claro nesta dramatização. O exemplo dos recabitas era para ser imitado. Os ouvintes de Jeremias deviam considerar aquela tribo que trabalhava tão bem o ferro, mas era sensível à sua história e aos seus valores. Os recabitas não foram elogiados por Deus por recusarem beber vinho, nem por recusarem o estilo “moderno” de vida dos judeus. Eles foram tomados como exemplo por permanecerem fiéis, ao longo de séculos, às instrução de um dos seus ancestrais-fundadores. A moral desse ensino prático não é o vinho, nem a escolha por um tipo de comunidade à parte. O ensinamento-chave aqui é a fidelidade aos compromissos assumidos.

2. Peregrinações. Os recabitas deveriam continuar sendo nômades, como surgiram, como nos primórdios. Mesmo adaptados à vida urbana, deviam conservar os valores da vida simples do campo. Quando Nabucodonosor invadiu a terra de Judá, eles se refugiaram em Jerusalém.

3.Honravam a tradição de seus antepassados. A mensagem dos recabitas, no seu comportamento elogiado por Deus, é clara: não desistamos de nossos compromissos. Jonadabe é um exemplo de pai. Ele deixou uma instrução. Certamente, não falou apenas uma vez, mas ensinou com palavras e com atos de compromisso – a palavra convence, o exemplo arrasta! Com uma intensidade tal que marcou seus filhos, netos e bisnetos: “Assim, ouvimos e fizemos conforme tudo quanto nos mandou Jonadabe, nosso pai”(Jr 35.10). Eles se houveram com denodo e zelo em relação às tradições dos ancestrais. Este é sem dúvida o nosso ‘calcanhar de Aquiles’, temos nos esquecido das tradições que nos foram transmitidas, tradições práticas e doutrinárias definitivas (Rm 6.17; 1Co 11.2,23; 15.3; 2Tm 1.13). O conjunto doutrinário Assembleiano é constituído de crenças estabelecidas e praticas que formam o esboço da ortodoxia apostólica herdadas das Igrejas Batistas dos Estados Unidos, denominação a qual pertenciam os missionários Daniel Berg e Gunnar Vingren e que recebeu-os e amparou-os no Brasil – ainda que tenham sido desligados em 18 de junho de 1911, juntamente com o grupo de irmãos que creram na doutrina pentecostal. – bem como metodistas e batistas de Estocolmo, a capital sueca. Percebo que, de modo sorrateiro, costumes, tradições avessas às nossas e paradigmas completamente descontextualizados biblicamente, Têm entrado em algumas igrejas, propositalmente ou não. O fato é que isso tem descaracterizado as Igrejas Assembléia de Deus. Isso é fruto de um apego à números, à grandeza e opulência, bem como uma grande parcela de crentes que se apegam de tal forma à certas crendices heréticas e preferem formar convenções paralelas, a voltar ao tradicionalismo que marcou nossa denominação. Temos substituído nossa liturgia e inserido novas crenças extravagantes e desnecessárias. Que tradições são essas? Usos e costumes, liturgia (orações por exigências; cânticos congregacionais por musica gospel; testemunhos e exposição bíblica por discursos de auto-ajuda), pureza doutrinária, tradições que têm como alvo a pureza do corpo de Cristo e a integridade moral dos filhos de Deus: “Então, irmãos, estai firmes e retende as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa” (2 Ts 2.15). Os recabitas honravam a tradição de seus antepassados, ao contrário dos judeus, que já haviam se esquecido da Lei de Moisés SINOPSE DO TÓPICO (2) Tradições ‘folclóricas’ como proibições ao uso da televisão e do rádio, tendem a desaparecer do cenário assembleiano, não é sobre isso que questiono, não é sobre aquelas posições radicais do passado as quais estão sendo substituídas pelo respeito à liberdade de seus membros usufruírem dos benefícios que a tecnologia põe à disposição da sociedade contemporânea.

III. O EXEMPLO DOS RECABITAS

Com Jerusalém prestes a ser sitiada os recabitas ficaram desconfiados pela convocação de Jeremias. Eles vão ao encontro de Jeremias e recebem a ordem: “Bebam vinho!”. Talvez fosse bom aceitar a proposta e assim, agradar o profeta, assim como muitas vezes fazemos hoje: “Fazer uma média com o profeta e ficar de boa com ele”. Porém, não sucumbiram e mantiveram a fidelidade através de uma forte temperança. Foram fiéis a ordem do seu patriarca, mesmo que isso lhes causasse algum problema. Deus usou este exemplo para mostrar que eles eram fiéis ao seu patriarca, a ordem recebida e que Judá não era capaz de ser fiel aos estatutos de Deus. Os recabitas são um exemplo para todos nós. Estavam unificados e firmes nas suas convicções. Tinham coragem de dizer não em respeito ao seu compromisso. Deus procura crentes recabitas! fiéis a aliança firmada com ele, de ser uma nova criatura e não ter as atitudes do velho homem somente para agradar aos outros. Devemos agradar a Deus sempre em primeiro lugar em nossas vidas. Em um momento de apostasia, os recabitas tornaram-se um singular exemplo de moderação, prudência e fidelidade a todo o povo de Deus. SINOPSE DO TÓPICO (3)

(III. CONCLUSÃO)

A união de temperança e fidelidade é próspera e abençoada. O exemplo dos recabitas, grupo sobre o qual estudamos hoje, merece consideração e é digno de ser seguido. Havia uma ordem a ser cumprida! Os profetas enviados por Deus haviam anunciado ao povo de Israel que cada um deveria converter-se de sua má conduta, corrigir suas ações e deixar de seguir outros deuses (v 15). Mas o povo não obedeceu às palavras dos mensageiros do Senhor. Havia, porém, um grupo que obedecia às leis: os recabitas, uma comunidade religiosa que tinha um modo simples de viver e evitava o luxo e a perversidade. Carecemos aprender a fidelidade e temperança como os recabitas. Em cada momento de nossa vida temos oportunidades diante de nós para obedecer a Deus e proclamar seu nome; ou podemos usá-las para a desobediência e infidelidade.

APLICAÇÃO PESSOAL

No mito de Ícaro, da mitologia grega, Dédalo confecciona dois pares de asas – um para si e outro para Ícaro, seu filho – feitas de penas e cera para que possam fugir do labirinto onde foram aprisionados. Ícaro fora advertido por seu pai para não voar tão rente ao sol, pois o calor derreteria a cera, nem tão rente ao mar, pois a umidade deixaria as asas mais pesadas levando-o a cair no mar. O filho, no entanto, possivelmente inebriado pelas novas potencialidades fornecidas pelo seu novo aparato se aproximou demais do sol ocasionando o derretimento da cera e sua queda no mar. Analogamente, este mito tem muito a nos dizer a respeito de novas situações encontradas hoje, de um modo geral, na igreja, particularmente relacionadas à visões e revelações, experiências do campo das manifestações espirituais que não se constituem em doutrinas, mas são possíveis à vida do crente. Temos sido bombardeados por novas unções, revelações, atos proféticos, batalha espiritual, teologia das $emente$ e tantas outras coisas, que como Ícaro, corremos o risco de voarmos perto demais desses modismos e despencarmos... Estudamos na última lição sobre o valor da Esperança, que juntamente com a fé e o amor, formam as virtudes teologais, e como ela – a esperança - nos torna capazes de conhecer e amar a Deus. A Bíblia relaciona outras virtudes, algumas que não são voltadas diretamente para Deus, mas sim para o nosso comportamento, nossa atitude, nossas ações; virtudes que nos ajudam a bem agir, a fugir do pecado, a vencer as tentações. Hoje, estudaremos sobre o valor da temperança, uma dessas virtudes que nos ajuda a refrear os apetites desordenados da alma humana e nos ajuda a não voarmos inebriados pelas novas visões. Pedro nos dá uma lista de virtudes que, se postas em prática, nos fará frutificar no conhecimento de Deus (2Pe 1.5-7); uma vida cristã produtiva e eficaz só é possível após a transformação do caráter, pela santificação. A história do encontro de Jeremias com os recabitas termina com uma promessa divina de grande inspiração: Por isso, assim diz o Senhor dos Exércitos, Deus de Israel: 'Jamais faltará a Jonadabe, filho de Recabe, um descendente que me sirva (Jr 35.19). A promessa a Jonadabe se serviu da aspiração de maior valor na cultura hebraica: um descendente decente. Na linguagem do Novo Testamento, é receber de Jesus aquele maravilhoso conjunto de palavras: “Muito bem, servo bom e fiel! Você foi fiel no pouco, eu o porei sobre o muito. Venha e participe da alegria do seu senhor!” (Mt 25.21). Incomoda-me vez ou outra uma pergunta: Se Cristo voltar agora, Ele me levará? Esse questionamento deveria acontecer diariamente em minha vida, não de vez em quando. Penso que esta pergunta nos anda faltando. Às vezes penso estar muito “convencido” de minha salvação, que me esqueço de ‘operá-la com temor e tremor’. Na verdade, a maioria de nós vive como se Jesus não fosse voltar nunca. Talvez pudéssemos mudar um pouco a pergunta: quando Jesus voltar, ou quando eu for ao seu encontro, Ele me encontrará fiel? (1Co 4.2). Eu quero ser salvo com todas as honras, não como que pelo fogo (1Co 3.15). Anseio ardorosamente, que ao final da vida, quando recapitular as ordens que recebi do Senhor e obedeci, eu possa exclamar como o apóstolo Paulo: “Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé. Agora me está reservada a coroa da justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amam a sua vinda” (2Tm 4.7,8). Esse pequeno povo adotado pelos judeus, foram exemplo para Jeremias e continuam sendo um exemplo para todos nós. Nesses dias conturbados de fé misturada, precisamos nos espelhar nesse belo exemplo de fidelidade e domínio próprio; eles estavam unificados e firmes nas suas convicções, foram corajosos em dizer não ao profeta Jeremias em respeito ao seu compromisso com as tradições herdadas. Deus ainda hoje procura crentes como esses recabitas; homens e mulheres fiéis, de mente renovada, verdadeiramente novas criaturas, homens e mulheres que se alegram mais em agradar a Deus do que aos homens. Em uma época de apostasia, os recabitas tornaram-se um singular exemplo de temperança e fidelidade a todo o povo de Deus. Que possamos ser, a exemplo dos Recabitas:

- Exemplos de zelo;

- Perseverantes no que fomos ensinados;

- Fiéis até o fim da vida.

N’Ele,

Francisco A Barbosa

auxilioaomestre@bol.com.br

BIBLIOGRAFIA PESQUISADA

- Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, CPAD;

- Bíblia de Estudo de Genebra, ECC/SBB;

- Bíblia de Jerusalém, Nova edição Revista e Ampliada, Paulus, 2006;

- Blog Dicionário do Movimento Pentecostal (http://dicionariomovimentopentecostal.blogspot.com/2009/08/dicionario-na-igreja-filadelfia-de.html);

- Imagem: http://1.bp.blogspot.com/_L_mrIVv1HdQ/ST_kJc-aJtI/AAAAAAAAABk/AOAczxZEsDI/s320/equilibrio.jpg

EXERCÍCIOS

RESPONDA

1. Quem eram os recabitas?

R. Eram nômades, mas foram aparentando-se com os queneus e com os descendentes de Jetro, sogro de Moisés, até se constituírem num expressivo e piedoso clã.

2. Como se associaram a Israel?

R. Jonadabe, um de seus patriarcas, foi convidado pelo rei Jeú a extirpar os profetas de Baal do Reino de Norte.

3. Como era seu estilo de vida?

R. Viviam como os primeiros patriarcas hebreus (Hb 11.13); não consumiam bebidas alcoólicas, não construíam casas, não tocavam lavoura e não faziam qualquer outra coisa que os fixasse a terra.

4. Por que não edificavam casas nem plantavam vinhas?

R. A fim de não se conformarem com as culturas pagãs, como havia acontecido com os reinos de Israel e Judá.

5. O que podemos aprender com eles?

R. Que devemos permanecer fiéis ao Senhor, não nos contaminando com o ambiente social.

BOA AULA!

22 de maio de 2010

LIÇÃO 9 - ESPERANDO CONTRA A ESPERANÇA

Este comentário adicional segue os tópicos e subtópicos da revista de Lições Bíblicas da CPAD (http://www.cpad.com.br). AUTORIZO a divulgação, desde que citada a fonte e o autor.


30 DE MAIO DE 2010

TEXTO ÁUREO

"Porque há esperança para a árvore, que, se for cortada, ainda se renovará, e não cessarão os seus renovos" (Jó 14.7).

- Jó afirma que uma árvore tem mais esperança que um homem: nesse sentido, quando a árvore é cortada, brota novamente e cresce, mas o homem quando é cortado, para onde vai? Jó, então, ensina que o homem expira, rende seu espírito e vai para o sheol até que de lá seja chamado para o julgamento. Seu clamor ao SENHOR era que a morte o alcançasse, ele tinha esperança de ressurreição (v. 13), ele concluiu que a morte era a única saída para escapar das agruras da vida, do mar de misérias em que estava mergulhado, assim, ‘escondido’ no sheol. Jó desejou a morte – parece não ter mais esperança, e sugere que o SENHOR o deixe morrer e o ressuscite quando a sua ira se acalmasse. Esse pessimismo de Jó é compreensível, notável é ver sua esperança brotando (14.14). Ao desejar o túmulo, Jó mostra que cria na esperança da ressurreição e numa vida futura melhor, ainda que, não seja a finalidade deste texto fundamentar uma doutrina sobre a ressurreição, ele mostra que a idéia estava na mente do povo daqueles dias.

VERDADE PRÁTICA

O que confia em Deus jamais será subvertido pelo desespero; em meio às crises, brotará a esperança.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Jeremias 30. 7-11

OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

- Saber que a esperança é uma das virtudes fundamentais da fé cristã;

- Explicar o significado da expressão “angústia de Jacó”;

- Compreender que dias atribulados estão reservados a Jerusalém, mas o Senhor jamais a desamparará.

PALAVRA-CHAVE

Esperança

Uma das três virtudes teologais da fé cristã, através da qual, o crente é motivado a crer no impossível e a vislumbrar a intenção divina nos momentos mais críticos.

COMENTÁRIO

(I. INTRODUÇÃO)

Como ter esperança quando atravessamos uma crise? O desejo do Espírito Santo é nos encher de esperança. O fruto da esperança é a alegria e a paz. Aqueles que crêem esperam – a fé é definida como ‘a certeza das coisas que se esperam’ (Hb 11.1), porque as coisas invisíveis que se esperam, no futuro, são alcançadas pela fé. Os que acreditam em Deus esperam nEle. A esperança é certa; em Hebreus 6.9-19, o escritor define a esperança perfeita como a ‘âncora da alma, segura e firme’ (Hb 6.18,19). Que figura interessante! Para que a embarcação não seja levada pelas águas, a âncora é lançada. De acordo com a Bíblia, Cristo é a ‘nossa esperança’ (1Tm 1.1), e o nosso Deus é chamado de ‘o Deus da esperança’ (Rm 15.13). Com o profeta Jeremias, aprenderemos hoje a crer contra a própria esperança (Rm 4.18). Àquele que confia em Deus, mesmo que a esperança venha a lhe morrer e seja ela sepultada, há de ressurgir em glória. A esperança produz paciência (Rm 8.25), a esperança fortifica e dá confiança para completarmos a carreira, para combatermos o bom combate e suportarmos as tribulações e angustias desta vida (Jo 16.33).

I. O QUE É A ESPERANÇA

1. Definição. (esperar +-ança):

1. Disposição do espírito que induz a esperar que uma coisa se há de realizar ou suceder;

2. Expectativa;

3. Coisa que se espera;

4. Confiança;

Uma das três virtudes teologais (‘Agora, pois, permanecem a , a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor’ 1Co 13.13), a palavra esperança significa, entre outras coisas, a expectativa de se auferir algum bem ou benefício futuro. No âmbito das Sagradas Escrituras, é a certeza do cumprimento das promessas que nos foram feitas por Deus (2 Co 1.20). por meio dela, os crentes, por ajuda da graça do Espírito Santo, esperam a vida eterna e o Reino de Deus, colocando a sua confiança perseverante nas promessas de Cristo.

2. A esperança no livro de Jeremias. YAHWEH é a esperança de Israel e também dos gentios, seu Salvador em qualquer tempo de angustia. A palavra hebraica para ‘esperança’ também encerra o sentido de ‘poço’, uma palavra surpreendente para aqueles dias de sequidão! O profeta Jeremias confiava inteiramente na bondade de Deus, por isso, sua esperança não se desvanecia SINOPSE DO TÓPICO (1)

II. A ANGÚSTIA DE JACÓ

Tempo de angustia para Jacó’ é uma descrição do ‘Dia do SENHOR’, chamado de ‘tempo de angustia’ em Dn 12.1. ‘Jacó’ é nome alternativo para Israel. Israel e os gentios, logo depois do arrebatamento da Igreja, vão experimentar um período de angústia. SINOPSE DO TÓPICO (2)

1. A angústia de Jacó. É equivalente à ‘Grande Tribulação’, ou à ‘Última Semana de Daniel’, um período de sete anos dividido em duas fases; refere-se especialmente aos últimos três anos e meio da septuagésima semana de Daniel (Mt 24.21-28). É clássica a interpretação que afirma ser este tempo de angustia o reinício dos acontecimentos de Atíoco IV Epífanes, arquétipo do Anticristo, descritos em Dn 11.36-45.

2. Profecia de Ezequiel. Ez 38 e 39 fala sobre a invasão de Israel pelas tropas de Gogue, príncipe de Magogue (a identidade de Gogue é incerta. Freqüentemente identificado como Guigues, rei da Lídia, na Anatólia, atual Turquia). Os capítulos resumem a oposição final ao povo de Deus. YAHWEH é visto como um guerreiro divino, lutando por seu povo e impondo uma derrota apocalíptica aos inimigos que se houverem levantado contra a descendência de Abraão.

3. Profecia de Daniel. A revelação das 70 semanas a Daniel foi uma resposta à sua oração. É o fim dos juízos purificadores e aceitação do Messias que trará justiça eterna. Entende-se que Israel seja o ‘relógio profético’ de Deus e que o Senhor não parou de agir com Israel como nação (Rm 11). Resumidamente, temos que, a nação de Israel firmará aliança com a ponta pequena futura, o príncipe romano ou Anticristo, durante sete anos. No meio desse período, o Anticristo quebrará a aliança e exigirá que os sacrifícios de sangue restaurados por Israel naqueles dias, cessem. Então estabelecerá sua estátua no templo judeu e exigirá adoração (Mt 24.15; 2Ts 2.3-4). Israel, porém, não será abandonado; o arcanjo Miguel levantar-se-á para lutar em favor do povo eleito (Dn 12.1).

4. Profecia de Zacarias. Com uma linguagem altamente simbólica e profética, o profeta descreve fatos apocalípticos. Esse fato torna difícil determinar o que vai acontecer literalmente e o que é simbólico, o que fica claro é a volta do Messias no final dos tempos. Exércitos de todas as partes ajuntar-se-ão para lutar contra Jerusalém no Armagedom. Mas no auge da luta, revelar-se-á o Senhor (Zc 14.4). Movidos por um derramamento do Espírito de Graça, Israel reconhecerá o Senhor Jesus como o Messias prometido nas Escrituras. O Espírito Santo aniquilará toda hostilidade ao Messias, tornando os habitantes de Jerusalém (referencia à Israel) receptivos ao Messias (Zc 12.10).

III. O RESTABELECIMENTO DE ISRAEL

Esperando contra a esperança, Jeremias confia em YAHWEH: ‘Não temas, pois, tu, meu servo Jacó, diz o SENHOR, nem te espantes, ó Israel; porque eis que te livrarei das terras de longe, e a tua descendência, da terra do seu cativeiro; e Jacó tornará, e descansará, e ficará em sossego, e não haverá quem o atemorize’ (Jr 30.10), esta admoestação – não temas – ocorre freqüentemente como uma certeza de livramento dos opressores. Sua confiança era que Deus traria completo livramento aos oprimidos e estabeleceria a justiça na terra.

1. A volta de Israel à sua terra. O termo ‘diáspora’ é usado em referência à dispersão do povo hebreu no mundo antigo, a partir do exílio na Babilônia no século VI a.C. e, especialmente, depois da destruição de Jerusalém em 135 d.C.

Associada ao destino do povo hebreu, a palavra foi utilizada na tradução da Septuaginta (em grego) da Torah, onde se inscrevia como uma maldição: ‘Serás disperso por todos os reinos da terra’. Portanto, eis que dias vêm, diz o Senhor, em que não se dirá mais: vive o Senhor, que fez subir os filhos de Israel da terra do Egito: Mas sim: vive o Senhor, que fez subir os filhos de Israel da terra do Norte e de todas as terras para onde os tinha lançado; porque eu os farei voltar à sua terra, que dei a seus pais. (Jr 16.14-16). ‘Não temas, pois, porque eu sou contigo; trarei a tua descendência desde o Oriente, e te ajuntarei desde o Ocidente. Direi ao Norte: dá; Ao Sul: não retenhas: trazei meus filhos de longe, e minhas filhas das extremidades da terra. (Is 43.5,6). E assim como estava profetizado na Palavra do Senhor, se cumpriu. Os judeus começaram a voltar em massa para a terra que lhes foi dada em possessão perpétua por Deus. Voltaram dos quatro cantos da terra! Isso nos mostra como o Senhor zela pela Palavra que sai de seus lábios! ‘Então no teu coração dirás: Quem me gerou estes, visto que eu era desfilhada e solitária, exilada e errante? Quem, pois, me criou estes? Fui deixada sozinha; estes onde estavam?’ (Is 49.21).

2. O restabelecimento do Estado de Israel. O nascimento do novo Estado de Israel foi repentino. Após o término da Primeira Guerra Mundial e a queda do Império Turco-Otomano, a antiga província da Palestina passou a ser administrada pela Grã-Bretanha. Atendendo às solicitações do sionistas, os ingleses promulgaram em 1917 a Declaração Balfour, onde a Grã-Bretanha se comprometia a ajudar a construir um "lar judaico" na Palestina, com a garantia de que este não colocasse em causa os direitos políticos e religiosos das populações não-judaicas.

Com a reação violenta dos árabes a partir da década de 1920, os ingleses tentaram regredir na sua promessa, implementando políticas de restrição à imigração de judeus.

A ascensão do Nazismo inicia uma perseguição antijudaica sem precedentes. Os judeus da Europa começam a ser perseguidos e por fim aprisionados e massacrados, numa grande tragédia humana igualmente vivida por outros povos envolvidos na Segunda Guerra Mundial. A morte massiva dos judeus e de outros grupos denominou-se Holocausto.

Na Palestina, nacionalistas árabes foram insuflados a não aceitar a migração de judeus. Mohammad Amin al-Husayni, Grão-Mufti de Jerusalém (máxima autoridade religiosa muçulmana) se alia aos nazistas e promove perseguições antijudaicas. As tensões entre judeus e a população árabe da Palestina, diante das ações do Mandato Britânico que supostamente beneficiavam estes últimos, gerou dentro de alguns setores da comunidade judaica um sentimento de revolta. Nacionalistas árabes, em oposição aos termos da Declaração Balfour e ao Mandato Britânico instigavam a realização de pogroms contra os judeus. Ocorreram incidentes violentos em Jerusalém, Hebron, Jaffa e Haifa. Em 1921, após o massacre de dezenas de idosos judeus em Hebron, foi fundada a Haganá, com o objetivo de fazer a guarda das comunidades judaicas na Palestina e revidar os ataques árabes. Da Haganá surgiu o grupo Irgun (anteriormente chamado de Hagana Bet) no ano de 1931. O Irgun celebrizou-se em atacar alvos militares britânicos. O ataque mais famoso do Irgun foi a explosão do Hotel King David, em Jerusalém, onde funcionava o Quartel General do Mandato Britânico na Palestina. No ataque morreram 91 pessoas. Além do Irgun, existia também o Lehi, fundado por Avraham Stern. Ao contrário do Irgun, que estabeleceu um pacto com os britânicos durante a Segunda Guerra Mundial para enviar voluntários para a luta contra os nazistas, o Lehi sempre recusou qualquer diálogo com os ingleses. Para além disso, o Lehi realizou contactos secretos com a Alemanha nazi através dos quais se oferecia na luta contra os britânicos no Médio Oriente, em troca da "evacuação" (ou seja expulsão) dos judeus da Alemanha. Os grupos clandestinos judaicos (classificados pelos britânicos como terroristas) eram repelidos tanto pela Haganá (considerada o embrião do exército israelense moderno) quanto pela Agência Judaica e pela Organização Sionista, que não aceitavam seus métodos violentos e que procuravam trabalhar em harmonia com o Mandato Britânico. Ao término da Segunda Guerra Mundial, o mundo tomou conhecimento da dimensão do Holocausto e do massacre de seis milhões de judeus pelos nazistas. Com a Europa destruída e os sentimentos anti-semitas ainda exaltados, uma enorme massa de milhões de refugiados deixava a Europa para se unirem aos sionistas na Palestina. Mas a política de restrição à imigração judaica era mantida pelo Mandato Britânico. Os grupos militantes judaicos procuravam infiltrar clandestinamente o maior número possível de refugiados judeus na Palestina, enquanto retomavam os ataques contra alvos britânicos e repeliam ações violentas dos nacionalistas árabes. Com as pressões se avolumando, a Grã-Bretanha decide abrir mão da administração da Palestina e entrega a administração da região à Organização das Nações Unidas (ONU). O aumento dos conflitos entre judeus, ingleses e árabes forçou a reunião da Assembléia Geral da ONU, realizada em 29 de Novembro de 1947, presidida pelo brasileiro Osvaldo Aranha e que decidiu pela divisão da Palestina Britânica em dois estados, um judeu e outro árabe, que deveriam formar uma união econômica e aduaneira. A decisão foi bem recebida pela maioria das lideranças sionistas, embora tenha recebido críticas de outras organizações, por não permitir o estabelecimento do estado judeu em toda a Palestina. Mas a Liga Árabe não aceitou o plano de partilha. Deflagra-se, então, uma guerra entre judeus e árabes. Na sexta-feira, 14 de Maio de 1948, algumas horas antes do término do mandato britânico sobre a Palestina (o horário do término do mandato foi determinado pela ONU para as 12:00h do dia 15 de Maio) -David Ben Gurion assinou a Declaração de Independência do Estado de Israel. Em janeiro de 1949, Israel realiza suas primeiras eleições parlamentares e aprova leis para assegurar o controle educacional, além do direito de retorno ao país para todos os judeus. - http://pt.wikipedia.org/wiki/História_de_Israel. A economia floresce com o apoio estrangeiro e remessas particulares. Deus fez o impossível acontecer. Mesmo com os seis milhões de judeus assassinados no holocausto, Israel tornou-se realidade: Quem jamais ouviu tal coisa? Quem viu coisas semelhantes? Poder-se-ia fazer nascer uma terra em um só dia? Nasceria uma nação de uma só vez? Mas Sião esteve de parto e já deu à luz seus filhos’ (Is 66.8).

3. A retomada de Jerusalém. Entre a 69ª e a 70ª Semana há um hiato, e por que não dizer uma parada ou pausa na história de Israel, que graficamente pode ser representado assim: 7+62(______)+1. Este parentese ou pausa corresponde exatamente à oportunidade aberta ou dada aos gentios (Jo1.12; Rm 11.25 e Lc 21.24). No dizer do Prof. Enéas Tognini, em seu livro ‘O Arrebatamento da Igreja’: ‘O Senhor fez PARAR a história dos judeus e abriu um parêntese para salvar os gentios: é o tempo da graça que já dura dois milênios’.(TOGNINI, Enéas, 1970). A contagem desse tempo começa com a tirada do Messias, sendo mesmo rejeitado pelo povo judeu (que agora está com um véu de incredulidade (2Co 3.14, 15). Pelo endurecimento de Israel (Rm 11.25) abre-se uma brecha para todos, sem distinção. Essa oportunidade terá seu fim completada a ‘Plenitude dos gentios’, a formação do Corpo de Cristo, a Igreja. Na realidade, a situação começou a ser revertida em 1947, com a criação do Estado de Israel, a conquista e integração de Jerusalém se deu em junho de 1967, na guerra dos seis dias, quando os exércitos israelenses retomaram o lado oriental da Cidade Santa. Em 1980, o então primeiro-ministro Menachen Begin proclamou Jerusalém como a capital una e indivisível de Israel. Embora Israel viesse a experimentar um período de grande tribulação, o Senhor iria restaurar seu povo. SINOPSE DO TÓPICO (3)

CONCLUSÃO

Jeremias anunciou que o exílio duraria setenta anos, mas a restauração da nação não seria automática. Dependia de um genuíno arrependimento nacional (29.10). Jeremias predisse o exílio babilônico, mas também previu um dia em que Deus restauraria os exilados. Deus traria de volta os exilados de Judá e Israel, reunificando a nação. Aparentemente, eles viriam de todas as partes e de todas as nações. Jeremias creu contra a própria esperança. Aquele que confia em Deus, mesmo que a esperança venha a lhe morrer e seja ela sepultada, há de ressurgir em glória, como quando a árvore é cortada, brota novamente e cresce. A esperança produz paciência (Rm 8.25), a esperança fortifica e dá a confiança necessária para completarmos a carreira (Jo 16.33). Deus é o que nos inspira a esperança mesmo onde não mais há esperança.

APLICAÇÃO PESSOAL

É possível ter esperança quando nos lembramos de tudo o que Deus fez por nós. Talvez você esteja vivendo um momento em que tudo esteja parecendo contrário ao que Deus lhe prometeu, e sinta-se como Abraão, literalmente esperando contra a esperança, porque suas limitações físicas, emocionais, intelectuais, financeiras, aparentam um caos. Jesus é a nossa garantia de que o socorro virá: “Não te hei dito que, se creres, verás a glória de Deus” (Jo 11.40). Rm 5.1, 2: “Justificados, pois, pela fé, tenhamos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo, por quem obtivemos também nosso acesso pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e gloriemo-nos na esperança da glória de Deus.” A História de Israel é um belo exemplo de espera contra a esperança. O hino nacional de Israel, Hatiḳṿa (Esperança), nasceu de um poema de Naftali Herz Imber, poeta polonês, escrito em homenagem à fundação da colônia sionista Petach Tikvá (A Porta da Esperança), intitulado Tikavatenu (Nossa Esperança). Foi cantada durante a cerimônia de assinatura da declaração de independência do Estado de Israel, mostrando ao mundo a poderosa mão do Senhor agindo em prol do seu povo: “Enquanto no fundo do coração Palpitar uma alma judaica, E em direção ao Oriente O olhar voltar-se a Sião, Nossa esperança ainda não estará perdida, Esperança de dois mil anos: De ser um povo livre em nossa terra, A terra de Sião e Jerusalém.”

Quando estivermos desanimados, nossa esperança repousará em Cristo. Sl 42.11: “Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a ele que é o meu socorro, e o meu Deus.” A esperança motiva outras boas virtudes. Cl 1.5: “A fé e o amor vêm por causa da esperança que vos está reservada nos céus, da qual antes ouvistes pela palavra da verdade do evangelho.” A esperança cresce quando nos lembramos da promessa da ressurreição. 1Ts 4.13: “Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais como os outros que não têm esperança..” A esperança encontra-se com o coração. Ef 1.18: “Sendo iluminados os olhos do vosso coração, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação, e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos.” Não é fácil, mas é possível! Caso sua esperança esteja se esvaindo, creia que "bom é o Senhor para os que se atêm a Ele, para a alma que o busca".Esperança É a certeza do cumprimento das promessas que nos foram feitas por Deus (2 Co 1.20. O profeta chorão também é o profeta da esperança porque ele conseguia vislumbrar o mais longínquo porvir, mesclando a esperança da restauração de Israel com a angústia de Jacó. Cristo, nossa esperança, nos fará brotar outra vez. É a esperança que nos motiva a fazer do cotidiano uma experiência emocionante. Ela nos faz sorrir quando tudo nos falta e, paradoxalmente, de tudo estamos fartos; Nos possibilita a experiência da felicidade, não pelo que temos ou conquistamos, mas pelo que esperamos. “Esperando contra a esperança”, na contramão dos acontecimentos, quando tudo se mostra em caos, Hatikvah! “Abraão, esperando contra a esperança, creu, para vir a ser pai de muitas nações, segundo lhe fora dito: Assim será a tua descendência.” (Rm 14.18) A esperança são os pressupostos da fé; a fé é convicção e certeza: Convicção de fatos que se não veem e certeza de coisas que se esperam. (Hb 11.1). Tikavatenu! "Esforçai-vos, e ele fortalecerá o vosso coração, vós todos os que esperais no Senhor." Salmos 31.24 REFLEXÃO

N’Ele, nossa esperança,

Francisco A Barbosa

auxilioaomestre@bol.com.br

BIBLIOGRAFIA PESQUISADA

- Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, CPAD;

- História de Israel, http://pt.wikipedia.org/wiki/História_de_Israel;

- Bíblia de Estudo de Genebra, ECC/SBB;

- O Arrebatamento da Igreja, TOGNINI, Enéas, S. Paulo, 1970;

- Imagem: http://4.bp.blogspot.com/_36jBLzryLx4/S1PPpWitytI/AAAAAAAAAI4/uiw0YvSApxY/s200/esperança+2.jpg

EXERCÍCIOS

RESPONDA

1. O que é a esperança?

R. É a certeza do cumprimento das promessas que nos foram feitas por Deus (2 Co 1.20).

2. Por que Jeremias é o profeta da esperança?

R. Porque ele conseguia vislumbrar o mais longínquo porvir, mesclando a esperança da restauração de Israel com a angústia de Jacó.

3. O que é a angústia de Jacó?

R. É a tribulação que haverá de recair sobre Israel e também sobre os gentios, logo após o arrebatamento da Igreja.

4. Cite alguns fatos que comprovam o cumprimento profético de Jeremias na vida de Israel.

R. A criação do Estado de Israel, após o término da Segunda Guerra Mundial; a proclamação de Jerusalém como a capital una e indivisível de Israel.

5. Como está a esperança de Deus em sua vida?

R. Resposta pessoal.

BOA AULA!