Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

23 de fevereiro de 2015

JOVENS_LIÇÃO 9: EU CREIO QUE DEUS TRANSFORMA O HOMEM


LIÇÕES BÍBLICAS JOVENS

1º Trimestre de 2015
Lição 9
1º de março de 2015

LIÇÃO 9: EU CREIO QUE DEUS TRANSFORMA O HOMEM


TEXTO DO DIA
“Esta é uma palavra fiel e digna de toda aceitação: que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal” (1 Tm 1.15). [Paulo não havia esquecido o que ele tinha sido. Ele não se gloriava de si mesmo, mas sim no Deus que o redimira e que o mudara.]

SÍNTESE
A transformação que Deus opera no ser humano, por intermédio da salvação e da atuação do Espirito Santo, deve ser visível a todos.

AGENDA DE LEITURA
Segunda - Uma nova criatura (2 Co 5-17)
S
Terça - Nascido do Espírito (Jo 3.6)
T
Quarta - Novo nascimento Jo 3-7)
Q
Quinta – 0 poder transformador de Jesus (Jo 2.1-10)
Q
Sexta - A transformação de um publicano (Lc 19.8,9)
S
Sábado – Transformação interior (Mt 23.28)
S


TEXTO BÍBLICO
Atos 9.1-5
1 E Saulo, respirando ainda ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor, dirigiu-se ao sumo sacerdote
2 e pediu-lhe cartas para Damasco, para as sinagogas, a fim de que, se encontrasse alguns daquela seita, quer homens, quer mulheres, os conduzisse presos a Jerusalém.
3 E, indo no caminho, aconteceu que, chegando perto de Damasco, subitamente o cercou um resplendor de luz do céu.
4 E, caindo em terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues?
5 E ele disse: Quem és, Senhor? E disse o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões.
1 Timóteo 1.12-14
12 E dou graças ao que me tem confortado, a Cristo Jesus, Senhor nosso, porque me teve por fiel, pondo-me no ministério,
13 a mim, que, dantes, fui blasfemo, e perseguidor, e opressor; mas alcancei misericórdia, porque o fiz ignorantemente, na incredulidade.
14 E a graça de nosso Senhor superabundou com a fé e o amor que há em Jesus Cristo.

OBJETIVOS

  • I.   CONSCIENTIZAR-SE da necessidade de uma transformação.
  • II  RECONHECER o poder transformador de Jesus.
  • III.IDENTIFICAR a ação do Espírito Santo na transformação do homem.



COMENTÁRIO

INTRODUÇÃO

Uma das maiores virtudes do Evangelho é a transformação de pessoas. Essa transformação ocorre de dentro para fora, e abrange o caráter e os hábitos da pessoa que teve um encontro com Cristo. Isso ocorre por meio do novo nascimento, quando uma pessoa aceita a Jesus como seu Salvador e Senhor, recebe o perdão dos pecados e passa a ter o Espírito Santo morando dentro de si, guiando seus passos e fazendo-o viver como uma nova pessoa.  [Comentário: O que é Nascer de novo? É o significado exato de regeneração (veja Jo 3.3, 7; 1º Pe 1.3, 23). Esta expressão supõe um nascimento anterior, um primeiro nascimento, em relação ao qual a regeneração é o segundo. Se observarmos a diferença entre os dois nascimentos, os conceitos ficarão mais claros. Esses nascimentos são opostos entre si: o primeiro vem de pais pecadores e acontece à imagem deles; o segundo vem de Deus e acontece à imagem dEle. O primeiro é de semente corruptível, o segundo, de incorruptível. O primeiro acontece em pecado, o segundo, em santidade e justiça. Por meio do primeiro nascimento, os homens são corrompidos e depravados; pelo segundo, eles se tornam consagrados e começam a ser santos. O primeiro nascimento é carnal; o segundo é espiritual, transformando os que passam por ele em homens espirituais. Por meio do primeiro nascimento, os homens são loucos e insensatos; nascem como crias de asnos monteses. Por meio do segundo nascimento, eles se tornam instruídos e sábios para a salvação. Por meio do primeiro nascimento, eles são escravos do pecado e das paixões carnais: sua condição de escravo é inata. Por meio do segundo nascimento, eles se tornam os libertos de Cristo. Por meio do primeiro nascimento, eles são transgressores e seguem um caminho de pecado, até que são interrompidos pela graça. No segundo nascimento, eles param de cometer pecados, isto é, param de seguir o caminho de pecado, passando a viver em santidade. Sim, aquele que é nascido de Deus não vive em pecado. Por meio do primeiro nascimento, os homens são filhos da ira e estão sob o desprazer divino; no segundo nascimento, eles se tornam objetos do amor de Deus, sendo a regeneração o fruto e o efeito desse amor. Convido você para mergulharmos mais fundo nas Escrituras!


I- A NECESSIDADE DE UMA TRANSFORMAÇÃO (Gn 1.26; 3; Rm 3-23)

1. Por que precisamos de uma grande transformação? Por causa do pecado, a natureza humana tende a ser má e corrupta. É evidente que há traços de bondade e misericórdia nos homens, e Jesus reconheceu isso quando disse: “Pois, se vós, sendo maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais dará o Pai celestial o Espírito Santo àqueles que lho pedirem?" (Lc 11.13). Entretanto, é preciso entender que “a imaginação do coração do homem é má desde a sua meninice" (Gn 8.21), e que uma natureza má e corrupta desde a infância não pode agradara Deus nem ter comunhão com Ele.  [Comentário: Por que estávamos mortos em nossos delitos e pecados (Ef 2.1-6). Então a questão é: o que isso significa? Esta morte? Há pelo menos dez respostas no Novo Testamento. Se as considerarmos de forma honesta e em oração, elas nos humilharão profundamente e nos levarão a estar maravilhados com o dom do novo nascimento. O texto é totalmente esclarecedor, pois a Palavra de Deus nós deixa claro por que devemos nascer de novo, e o motivo é por que estávamos mortos em nossos delitos e pecados. O nascer de novo é de ordem espiritual (Romanos 6:4) para se viver uma outra vida longe do pecado, pois quem está em pecado está morto para Deus. Não precisamos reencarnar para pagar pecados, Jesus Cristo já levou na Cruz, sobre si, todas as nossas transgressões (Isaías 53). O verdadeiro cristianismo é diferente do que é apresentado pelos espíritas. O Jesus dos espíritas não é mais do que um exemplo, um líder, mas o Jesus Cristo do cristianismo é o Salvador, o todo suficiente, o único caminho e a consumação de toda vitória (João 19:30).]. 

2. 0 homem tende ao pecado. A Bíblia nos mostra que a natureza humana é dominada pelo pecado, pecado esse que foi transmitido por Adão a toda a raça humana. Paulo descreve esse fato quando diz: “Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso que todos pecaram" (Rm 5,12). Por causa dessa tendência, todas as pessoas buscam fazer o que é errado, e buscam satisfação naquilo que pode desagradar a Deus.  [Comentário: Eva comeu do fruto proibido porque ela pensou que isso daria a sabedoria almejada. Adão participou do fruto porque ele preferiu sua esposa a Deus. E a razão porque ele preferiu sua esposa a Deus é que ele concebeu sua esposa como contribuindo mais do que Deus para a sua autogratificação – note que Adão não foi enganado - Enquanto Eva foi enganada pelo Diabo (2Co 11.3) e levada pelos seus desejos, Adão pecou com toda consciência ou conhecimento daquilo que ele estava fazendo (1Tm 2.14). O pecado não é meramente um resultado do desenvolvimento imperfeito do homem: é uma perversidade da vontade e da disposição. O homem nunca a sobrepujará enquanto ele estiver na carne. O novo nascimento põe um entrave sobre ela, mas não a destrói. Nem o pecado é mero resultado da união do Espírito com o corpo: o espírito mesmo é pecaminoso e seria apenas tão pecaminoso fora do corpo como no corpo se deixado no seu estado natural. Satanás não tem corpo e contudo é supremamente pecaminoso. Nem o pecado é mera finitude. Os anjos eleitos no céu são finitos e contudo estão sem pecado. Os santos glorificados ainda serão finitos e no entanto não terão pecado. Todos os homens, salvos por única exceção o Deus – homem, Cristo Jesus nosso Senhor, são pecaminosos por natureza e expressam essa pecaminosidade interior em transgressão deliberada tão cedo atinjam a idade de responsabilidade. Este fato está provado: 1. A NECESSIDADE UNIVERSAL DE ARREPENDIMENTO, FÉ E REGENERAÇÃO: (Lc 13.3; Jo 8.24; At 16.30-31; Hb 11.6; Jo 3.3,18). 2. DECLARAÇÕES CLARA DA ESCRITURA:1 Reis 8:46; Salmos 143:2; Provérbios 20:9; Eclesiastes 7:20; Romanos 3:10, 23; Gálatas 3:22.]. 

3. 0 homem natural não pode agradar a Deus. Não se pode esquecer de que “os que estão na carne não podem agradara Deus" (Rm 8.8). Isso significa que, de forma natural, sem estarmos reconciliados com Deus por meio da salvação concedida por Jesus, não podemos deixar Deus contente conosco, pois somos dominados por nossos desejos pecaminosos, e esse desejo vai contra a santidade de Deus. Isso não significa que não podemos fazer coisas boas, mas as boas obras que realizamos são infrutíferas para a nossa salvação. Apenas por meio da fé em Jesus é que podemos agradar a Deus: “De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam (Hb 11.6-ARA).  [Comentário: O homem é natural porque não passou pelo “novo nascimento”, não nasceu do Espírito Santo, não se converteu. Tem coração endurecido, está em trevas, no pecado: “Assim, façam morrer tudo o que pertence à natureza terrena de vocês: imoralidade sexual, impureza, paixão, desejos maus e a ganância, que é idolatria.” (Cl 3.5). Seu retrato é descrito na bíblia: O homem faz o mal porque é pecador e não é pecador porque faz o mal. O homem natural é nascido com a possibilidade de pecar, em pecado: “Sei que sou pecador desde que nasci, sim, desde que me concebeu minha mãe.” (Sl 51.5). É cego espiritualmente vivendo em trevas: “Mas se o nosso evangelho está encoberto, para os que estão perecendo é que está encoberto. O deus desta era cegou o entendimento dos descrentes, para que não vejam a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus.” (2Co 4.3, 4). É de coração pervertido e mau: “Pois do interior do coração dos homens vêm os maus pensamentos, as imoralidades sexuais, os roubos, os homicídios, os adultérios, as cobiças, as maldades, o engano, a devassidão, a inveja, a calúnia, a arrogância e a insensatez. Todos esses males vêm de dentro e tornam o homem ‘impuro’” (Mc 7.21 a 23). É pervertido em suas inclinações: “Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram a coisas e seres criados, em lugar do Criador, que é bendito para sempre. Amém.” (Rm 1.25). Têm prazer em fazer o mal: “Vocês estavam mortos em suas transgressões e pecados, nos quais costumavam viver, quando seguiam a presente ordem deste mundo e o príncipe do poder do ar, o espírito que agora está atuando nos que vivem na desobediência. Anteriormente, todos nós também vivíamos entre eles, satisfazendo as vontades da nossa carne, seguindo os seus desejos e pensamentos. Como os outros, éramos por natureza merecedores da ira.” (Ef 2.1-3). É inclinado para a morte e é inimigo de Deus: “A mentalidade da carne é morte, mas a mentalidade do Espírito é vida e paz; a mentalidade da carne é inimiga de Deus porque não se submete à Lei de Deus, nem pode fazê-lo. Quem é dominado pela carne não pode agradar a Deus.” (Rm 8.6-8). Está perdido! “…pois todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Rm 3.23)]. 

PENSE!
Temos uma natureza que tende ao pecado. Ainda que desejemos fazer coisas boas, e podemos fazê-las, essas ações são insuficientes para a nossa salvação.

PONTO IMPORTANTE
Quando somos reconciliados com Deus mediante a fé em Jesus, o pecado, a velha natureza, já não tem mais domínio sobre nós.

II- O PODER TRANSFORMADOR DE JESUS (Lc 191-10)

1. A esperança de salvação em Jesus. Não adianta falarmos da doença do pecado sem falar da cura proposta por Deus. Primeiramente, Ele trata a todos os pecadores da mesma forma: "Deus encerrou a todos debaixo da desobediência, para com todos usar de misericórdia" (Rm 11.32). A boa notícia é que Deus, em sua misericórdia, mostra uma única forma de salvação para todas as pessoas, a saber, o arrependimento dos pecados e a fé no Senhor Jesus Cristo. O pecado por um homem atingiu todos os outros, mas o sacrifício de um único homem resolveu essa herança ruim: “[...] pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim, pela obediência de um, muitos serão feitos justos" (Rm 5.19). Portanto, Jesus é o caminho de Deus para a salvação de nossos pecados e a transformação exigida para que tenhamos comunhão com Deus.  [Comentário: Esperança é “a Expectação de um bem (material ou não) que se deseja”. A esperança é um dos três grandes Dons permanentes de Deus para o crente em Cristo (1Co 13.13). Esses três dons (Fé, Esperança e Amor) tem uma relação direta entre si. Em I Tessalonicenses 5.8-9, Paulo deixa mais claro que esperança é esta: – Da consumação da nossa Salvação. Da nossa ressurreição. Ela é muito superior à esperança do mundo, pois não é limitada a esta vida presente. 1Co 15.19 diz: “Se esperarmos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens”. A nossa Esperança é a expectativa pelo grande final – A Gloria Eterna com Cristo e o desfrutar de todas as grandes Promessas de Deus. A Bíblia inspira esperança. De Gênesis a Apocalipse, há uma corrente animadora de antecipação. A catástrofe no Jardim de Éden provocou a ira de Deus contra os culpados e contra a terra que os sustentaria, mas não falta a nota cristalina de esperança. O Protoevangelho (Gn 3.15) anuncia a boa-nova de um futuro bem melhor, Deus não abandonou o pecador à sua miséria. O maior presente já concebido e concedido à humanidade é a redenção. Somente um Deus onisciente e onipotente poderia planejar e realizar a redenção dos seres humanos. No primeiro capítulo de 1 Pedro, o Senhor nos lembra, através do apóstolo Pedro, que nossa redenção é baseada na graça, verdade e soberania de Deus.]. 

2. 0 endemoninhado gadareno. Marcos narra o caso de um homem possuído por demônios que foi transformado, espiritual e fisicamente, quando teve um encontro com Jesus (Mc 5). Esse homem morava em sepulcros, não podia ser controlado por correntes, andava gritando e feria-se constantemente. Esse era um cenário lamentável, até que esse homem encontrou-se com Jesus e foi liberto pelo Senhor. Quando as pessoas foram ver o que acontecera, encontraram o homem em perfeito juízo, vestido e sentado aos pés de Jesus, e ficaram espantadas com o que Jesus fizera (Lc 8.35). Ao fim da narrativa, o homem, agora Livre, pede o consentimento do Senhor para acompanhá-Lo, ao que Jesus diz: “Vai para tua casa, para os teus, e anuncia-lhes quão grandes coisas o Senhor te fez, e como teve misericórdia de ti" (Mc 5.19). Um encontro com Jesus foi suficiente para transformar um homem possuído por demônios em um missionário de Jesus Cristo, pois aquele homem anunciou o que Jesus fez em Decápolis, uma região que tinha 10 cidades.  [Comentário: O que se sobressai nesta passagem é que Jesus foi ao encontro daquele que precisava de ajuda. Jesus e os seus discípulos foram para região de Gadara, que fazia parte de um conjunto de cidades chamado Decápolis (10 cidades), e era uma região Gentílica (não Judaica), onde imperava a cultura Grega e Romana. Os demônios são anjos caídos, espíritos maus (também chamados de imundos) a serviço de Satanás, capazes de entrar numa pessoa e dominá-la por completo, causando tormentos, doenças, deformidades físicas, convulsões e principalmente transtornos mentais. Eles são inimigos de Deus, mas não são ignorantes. Referem-se a Deus como o “Deus Altíssimo” (Mc 5.7; At 16.17) e a Jesus como o “santo de Deus” (Mc 1.24) ou o “Filho do Deus Altíssimo” (Mc 5.7). Eles chegam a falar dos dois temas contrários: a salvação (At 16.17) e o dia do juízo (Mt 8.29). Quando Jesus pisou em terra, depois da difícil travessia do mar da Galileia, o tal endemoninhado de Gadara foi ao seu encontro e o Senhor o curou. Pouco depois o rapaz “estava assentado aos pés de Jesus, vestido e em perfeito juízo” (Lc 8.35). O milagre provocou grande reboliço em toda a região e reações diferentes. Os envolvidos com aquele acontecimento fizeram pedidos diferentes e curiosos a Jesus. Os demônios pediram “com insistência” a Jesus que os transferisse do corpo daquele homem para os porcos que pastavam nas imediações. Os gadarenos pediram “com insistência” que Jesus saísse da terra deles. E o ex-endemoninhado pediu “com insistência” que Jesus o deixasse permanecer na companhia dele. De fato, este homem foi o primeiro missionário comissionado pelo próprio Jesus]. 

3. Saulo, o perseguidor de crentes. Outro exemplo de como Jesus transforma uma pessoa é o do apóstolo Paulo. Antes de ter um encontro com Jesus, ele era um fariseu dedicado à perseguição dos cristãos. Atos 9 conta que Saulo respirava ameaças e mortes contra os discípulos de Jesus. Ele mesmo se declarou um homem blasfemo e perseguidor antes de encontrar-se com o Senhor (1 Tm 1.14), e aos gálatas disse: “Porque já ouvistes qual foi antigamente a minha conduta no judaísmo, como sobremaneira perseguia a igreja de Deus e a assolava" (Gl 1.13). Quando viajou para Damasco, teve um encontro com Jesus, e aprendeu que quando se persegue a Igreja do Senhor, na verdade se está perseguindo ao próprio Senhor. Saulo foi transformado, nasceu de novo e passou a ser o mais ativo missionário para os gentios conhecido no Novo Testamento. [Comentário: Como membro do Sinédrio, tinha direito a voto (At 26.10). Por isso, votou a favor da morte de Estêvão. Antes de sua conversão, é mencionado três vezes (At 7.58; 8.1,3) como inimigo implacável da Igreja. A sua perseguição era tão feroz que procurava os discípulos até em suas casas, arrastando impiedosamente até as mulheres, encerrando-os no cárcere. Diz o versículo 1: "E Saulo, respirando ainda ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor". Isso o revela como um animal devastador, feroz e indomável. Ele mesmo declarou: E, havendo recebido autorização dos principais dos sacerdotes, encerrei muitos dos santos nas prisões; e quando os matavam eu dava o meu voto contra eles (At 26.10). As autoridades religiosas de Jerusalém outorgaram a Saulo cartas que lhe garantiam o direito de prender os cristãos. Todavia, no caminho de Damasco, Saulo teve um encontro memorável com Jesus. Este encontro mudou radicalmente sua vida. Diante do Rei dos reis, Saulo, o perseguidor de cristãos, se prostra. Um dia, todos terão que se curvar diante de Jesus. As convicções religiosas de Saulo também são lançadas ao chão naquele momento. Embora cego, Saulo sai daquele encontro transformado e "enxergando" a realidade! Esse novo homem ficou três dias sem comer ou beber nada, certamente pensando em tudo que lhe aconteceu (os judeus tinham o costume de jejuar para saber a vontade de Deus). Mais tarde Paulo aprendeu o que é padecer pelo Senhor. Por intermédio desse "vaso escolhido" a igreja tornou-se basicamente gentia. Esta mudança súbita de Saulo de Tarso tem deixado os judeus estarrecidos, até a atualidade. Muitos ficam sem entender como um homem, o qual agia ferozmente contra os cristãos, de repente passa a ser um deles, defendendo e anunciando com fervor o Cristianismo. Isso é a graça de Deus. Jesus disse: "O vento assopra onde quer, e ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito" (Jo 3.8).]. 

PENSE!
Um encontro com Jesus é suficiente para transformar a vida das pessoas mais improváveis e difíceis.


PONTO IMPORTANTE
Para Deus não existem pessoas difíceis; Ele pode transformara todos.


Ill-A ATUAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO NA TRANSFORMAÇÃO DO HOMEM (Jo 3.3; 2 Co 517)

1. Ele nos santifica. O Espírito Santo passa a habitar a pessoa que nasceu de novo, e essa forma de relacionamento é importante, pois uma nova vida precisa ser orientada e motivada à santificação. Santificação e separação, ou seja, por meio da santificação ficamos separados das práticas do mundo para nos tomarmos cada vez mais próximos de Deus. Santificação não é isolamento do mundo, pois Deus nos quer santos aqui, mostrando o poder dEle em nossa vida. Pessoas santas são como o sal: basta um pouco para trazer sabor no meio da comida insípida. Santificação é abster-se de fazer aquilo que desagrada a Deus por amor a Ele e sob o poder do Espírito Santo.  [Comentário: Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16.7). Note que o trabalho do Espírito Santo na transformação do homem começa no convencimento do pecador. Ele exerce um papel fundamental na salvação do homem, levando o incrédulo a reconhecer seus pecados e a voltar-se para Deus. Além de atuar na conversão do homem, o Espírito Santo age como dinamizador da vida cristã. A condição exigida daqueles que desejam ter uma vida cristã autêntica e levar almas a Cristo é que sejam cheios do Espírito Santo (At 4.31; Ef 5.18). O próprio nome “Espírito Santo” já sugere a associação do Espírito com a obra de santificação. Ela é obra progressiva da parte de Deus e do homem regenerado, que nos torna cada vez mais livres do pecado e semelhantes a Cristo em nossa vida presente. De forma sucinta, santificação nada mais é do que a conformidade com a imagem de Deus, embora de forma ainda imperfeita. A santificação está em estreita relação com a regeneração, pois esta como mudança moral é o primeiro estágio da santificação.]. 

2. Ele nos orienta. Já vimos que o Espirito Santo é uma pessoa, que mora naqueles que receberam a Jesus como seu Salvador e que orienta os passos dos cidadãos do Reino de Deus. Essa orientação constante do Espírito Santo é de fundamental importância para as pessoas que passam pelo novo nascimento, pois conforme disse Jesus, essas pessoas nascem do Espírito. Nascer do Espírito é começar uma vida nova, com a influência constante do Espírito Santo em nossa vida, mortificando os desejos da carne e buscando na Palavra de Deus a forma correta de agradar a Deus. Nova vida, novos hábitos, novas prioridades e novo relacionamento, desta vez, com Deus.  [Comentário: Veja o texto de At 16.7: - O Espírito tem a direção da vida do crente. Todo aquele que é guiado por Ele deve estar pronto para fazer a sua vontade. Ele pode permitir, assim como impedir, aquilo que desejamos fazer. Quando há oração e consagração em busca da vontade de Deus, o Espírito Santo orienta. Portanto, as evidências decorrentes dos ensinos bíblicos mostram que o Espírito Santo não é uma força impessoal. Ele é Deus, a terceira pessoa da trindade. Não há vida cristã abundante sem o auxílio do Espírito Santo. Ele torna a fé dinâmica e nos dá compreensão exata da vontade de Deus (At 13.2)]. 

3. Ele nos faz frutificar em toda boa obra. Deus deseja que possamos ser vistos pelo mundo como pessoas transformadas pelo evangelho. Essa “apresentação” pode ser vista na forma como vivemos o evangelho, ou seja, em nosso dia a dia. Mais que nossas palavras, as pessoas veem as nossas atitudes, e avaliam o que o Evangelho faz conosco e o que fazemos com o Evangelho. Por isso, é importante que sempre manifestemos o fruto do Espírito, relatado em Gálatas 5.22,23: “Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei” (ARA). Lembre-se de que o fruto do Espírito não surge do nada, de um momento para o outro. Ele requer amadurecimento e constante dependência do Espírito Santo, pois só assim o fruto surgirá.  [Comentário: A Vida Aperfeiçoada pelo Espírito Santo Glorifica a Cristo (Cl 1.10 e 11 e 27; 2.2; 3.10,11 a 14). Da mesma maneira que o Senhor Jesus Cristo, em tudo que foi e fez, visava glorificar a Deus e Pai, todos que, em Cristo, nasceram de novo, devem ser e fazer tudo para a glória de Deus. A Bíblia diz e instrui sobre isso. Quando a vida do crente está aperfeiçoada, ela naturalmente, glorifica ao nosso Senhor. Isto porque todas as nossas ações são voltadas para que assim aconteça. De outra maneira, a vida cristã, sem aperfeiçoamento espiritual e cristão necessários, certamente, ficará fora dos propósitos de Deus. A vida aperfeiçoada glorifica a Cristo quando está cheia do pleno conhecimento da vontade de Deus. Esse conhecimento nos enche de sabedoria e entendimento espiritual acerca dos assuntos éticos e divinos. O crente em nosso Senhor Jesus Cristo precisa continuamente ser cheio do conhecimento da vontade de Deus. A pergunta que fazemos é: Como chegar a essa plenitude e viver sempre nela? Buscando submissamente ao Espírito Santo, em meditação na Palavra de Deus e em oração. Quando assim procedemos, o Espírito de Sabedoria nos revela plenamente a vontade de Deus em múltiplos propósitos para nossa vida. Conhecer assim a vontade de Deus vale mais do que conhecer mistérios criados pela imaginação humana. Paulo, então, em sua oração, faz os crentes de Colossos sentir que o verdadeiro conhecimento é o da vontade de Deus e que o mesmo glorifica a Cristo. Leia: Colossenses 1.10 e 11; Romanos 12.2; Efésios 5.17]. 

PENSE!
0 Espírito Santo passa a morar na pessoa que aceitou Jesus, e faz com que essa pessoa seja santificada e produza o fruto do Espírito.

PONTO IMPORTANTE
0 Espírito Santo passa a morar na pessoa que aceitou Jesus, e faz com que essa pessoa seja santificada e produza o fruto do Espírito.

CONCLUSÃO

É inegável o poder transformador do Evangelho de Jesus Cristo. Essa transformação é concedida por Deus para que o ser humano se torne uma nova criatura e tenha um novo começo por meio da salvação e do novo nascimento. E o Espírito Santo de Deus atua em nossa vida, transformando-nos diariamente, porque Ele passa a habitar em nós, ajudando-nos em nossas lutas e nos mostrando a forma correta de agradar a Deus. [Comentário: Desejo concluir este comentário com as palavras do Ver Hernandes Dias Lopes: “1. Não importa quem é você, de onde você vem, qual é a sua classe social, sua cultura ou sua religião. Não importa se você é uma pessoa de vida bonita ou se está mergulhado na mais profunda crise espiritual. Jesus hoje pode abrir o seu coração. Ele pode quebrar suas cadeias. Ele pode mudar sua vida. Venha a Jesus! O mesmo Jesus que abriu o caminho para Paulo até à Europa, abriu o coração de Lídia e abriu as portas da prisão. 2. Se você é crente e está passando por provas, saiba que o mesmo Jesus que salva é o Jesus sustenta os seus servos. 3.      O evangelho liberta, salva e conforta!” http://hernandesdiaslopes.com.br/2008/04/o-poder-transformador-do-evangelho/#.VOO333zF8uc]. “NaquEle que me garante: "Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Ef 2.8)”,
Francisco Barbosa
Campina Grande-PB
Fevereiro de 2015




HORA DA REVISÃO

1. Por que o ser humano precisa de uma grande transformação?
Devido ao pecado, a natureza humana tende a ser má e corrupta.
2. Quem transmitiu o pecado a toda a raça humana?
Adão e Eva, ao desobedecerem a Deus.
3. As boas obras que realizamos são boas para a nossa salvação?
Não. As boas obras não produzem salvação.
4.0 que é a santificação?
Santificação é separação, ou seja, por meio da santificação ficamos separados das práticas do mundo para nos tornarmos cada vez mais próximos de Deus.
5. Segundo a lição, o que é nascer do Espírito?
Nascer do Espírito é começar uma vida nova, com a influência constante do Espirito Santo em nossas vidas, mortificando os desejos da carne e buscando na Palavra de Deus a forma correta de agradar a Deus.

NOTAS BIBLIOGRÁFICAS

l° trimestre 2015 Revista Lições Bíblicas Jovens - 1º Trim./2015 - CPAD
Tema:  EU CREIO, REVELANDO AO MUNDO SUAS CONVICÇÕES CRISTÃS
Comentário: Alexandre Claudino Coelho


Autorizo a todos que quiserem fazer uso dos subsídios colocados neste Blog. Solicito, tão somente, que indiquem a fonte e não modifiquem o seu conteúdo. Agradeceria, igualmente, a gentileza de um e-mail indicando qual o texto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário