Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

16 de fevereiro de 2015

JOVENS_LIÇÃO 8: EU CREIO NA IGREJA DE CRISTO


LIÇÕES BÍBLICAS JOVENS

1º Trimestre de 2015
Lição 8
22 de fevereiro de 2015

LIÇÃO 8: EU CREIO NA IGREJA DE CRISTO


TEXTO DO DIA
“Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue” (At 20.28).

SÍNTESE
Deus preparou a Igreja como a Noiva do Cordeiro, e um ambiente em que os santos do Senhor possam viver em comunhão.

AGENDA DE LEITURA
Segunda - Fp 2.1
Formada por pessoas santas
S
Terça - At 12.5
Um grupo de pessoas que ora
T
Quarta - At 13.2
Um grupo de pessoas que jejua
Q
Quinta – Fm v.2
Havia igrejas em casas
Q
Sexta - Mt 16.18
Edificada por Cristo
S
Sábado – Ef 1.22
Jesus é 0 cabeça da Igreja
S


TEXTO BÍBLICO
Mateus 16.13-18
3 E, chegando Jesus às partes de Cesareia de Filipe, interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?
14 E eles disseram: Uns, João Batista; outros, Elias, e outros, Jeremias ou um dos profetas.
15 Disse-lhes ele: E vós, quem dizeis que eu sou?
16 E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.
17 E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem -aventurado és tu, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue quem to revelou, mas meu Pai, que está nos céus,
18 Pois também eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.
1 Pedro 2.9,10
9 Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz;
10 vós que, em outro tempo, não éreis povo, mas, agora, sois povo de Deus; que não tínheis alcançado misericórdia, mas, agora, alcançastes misericórdia.

OBJETIVOS

  • I.   CONSCIENTIZAR-SE do papel da igreja na sociedade atual.
  • II.  COMPREENDER os propósitos da igreja.
  • III. RECONHECER a relevância da igreja na sociedade do século XXI.





COMENTÁRIO

INTRODUÇÃO

Hoje estudaremos a respeito da Igreja de Cristo. Esse estudo faz parte da teologia, na esfera da eclesiologia. A Igreja é composta pelas pessoas que um dia aceitaram a Jesus como seu Salvador e Senhor, que buscam obedecer à grande comissão de fazer discípulos em todos os povos e adorar a Deus, obedecendo-lhe a vontade e transmitindo os ensinos da Bíblia a todas as pessoas.  [Comentário: “Igreja é um edifício construído com blocos e cimento? Não. É um edifício construído com pedras vivas. “Também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo”(1 Pedro 2:5). Estas pedras vivas são chamadas santos e são membros da família de Deus: “Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor, no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de Deus no Espírito” (Efésios 2:19-22). A igreja é o Corpo de Cristo. Efésios 1:22-23 diz: “E sujeitou todas as coisas a seus pés, e sobre todas as coisas o constituiu como cabeça da igreja, que é o seu corpo, a plenitude daquele que cumpre tudo em todos.” O Corpo de Cristo é feito de todos os crentes desde o tempo de Pentecoste até ao Arrebatamento. Eclesiologia (do grego ekklesia e logos) é o ramo da teologia cristã que trata da doutrina da Igreja: seu papel na salvação, sua origem, sua disciplina, sua forma de se relacionar com o mundo, seu papel social, as mudanças ocorridas, as crises enfrentadas, suas doutrinas, a relação com outras denominações e sua forma de governo. Strong 1577 ekklēsía (a partir de 1537 / ek, "fora de e para" e 2.564 / Kaleo, "chamar") - corretamente, as pessoas chamadas para fora do mundo e com Deus, o resultado de ser da Igreja (o corpo místico de Cristo) - ou seja, o corpo universal (total) de crentes a quem Deus chama para fora do mundo e ao Seu reino eterno.]. “Convido você para mergulharmos mais fundo nas Escrituras!

I- A IGREJA E O SEU PAPEL NA SOCIEDADE ATUAL (Mt 16.18; 1 Co IO.32; At 2)

1.0 que é a igreja. A Igreja é uma comunidade de pessoas que, pela fé, aceitaram a Jesus Cristo como seu Salvador e Senhor. Ela é composta por pessoas de diversas etnias, línguas, idades e classes sociais, mas aos olhos de Deus é um só povo (Gl 3.28). É uma comunidade de pessoas santificadas em Cristo. Na língua grega, a palavra ekklesia dá a ideia de um grupo de pessoas reunidas em um objetivo comum e específico. Em outro sentido, a igreja é também o santuário, o templo em que as pessoas se reúnem para prestar seu culto.  [Comentário: “A palavra inglesa "church" vem da palavra grega Kyriakos, "pertencente ao Senhor" (Kyrios). Em português, a palavra “igreja” vem do grego ekklēsía, raiz dos termos "eclesiologia" e "eclesiástica". Antônio Houaiss, no seu dicionário, diz da palavra "Igreja", no sentido mais espiritual que material: gr. ekklésía,as "assembleia por convocação, assembleia do povo ou dos guerreiros, assembleia dos anfitriões, assembleia de fiéis, lugar de reunião ou de uma assembleia, igreja", pelo latim ecclésìa,ae "assembleia, reunião, ajuntamento dos primeiros cristãos, a comunhão cristã, igreja, templo". O termo "ekklesia" aparece no Novo Testamento cerca de cento e quinze vezes. Destas, três se referem à congregação hebraica do Senhor (At 7.38; Hb 2.12); três outras vezes se referem à assembleia grega (At 19.32,39,41); e cento e dez à Igreja cristã. Como aparece no Novo Testamento, o, termo tem dupla designação: 1° Designa uma assembleia específica e local de crentes, organizados para manutenção do culto, doutrinas ordenanças e disciplina do evangelho. 2° Denota a totalidade do corpo dos escolhidos nos céus e na terra - todos quantos foram alcançados pelo concerto da graça de Deus que os faz membros do reino eterno de Cristo. A igreja não é nenhum tipo de instituição ou objeto impessoal. É um corpo constituído de componentes vivos. Como um organismo vivo, a igreja pode sentir medo (Atos 5:11), pode orar (Atos 12:5) e pode falar (Mateus 18:17). Pessoas que são chamadas para saírem do pecado não continuam participando do mal no mundo, porque elas estão santificadas ou separadas do pecado (estude João 17:14-23; Colossenses 1:13; 1 Pedro 2:9; 1 João 4:5-6). Deus chama o povo para deixar o mal deste mundo através da mensagem do evangelho (2 Tessalonicenses 2:13-14). Aqueles que são convertidos verdadeiramente a Cristo são chamados santos (1 Coríntios 1:2; Colossenses 1:1-2).] 

2. Como a Igreja se originou. A Igreja de Cristo se originou após Jesus ser assunto aos céus. No dia de Pentecostes, quando os discípulos do Senhor se reuniram para orar em um cenáculo, foram cheios do Espírito Santo, dando origem a um grupo de pessoas que, a partir daquele momento, iriam testemunhar de Jesus a todas as pessoas. Cheios do Espirito Santo, começaram a falar de Jesus e se agruparam como uma verdadeira comunidade de santos homens e mulheres de Deus.  [Comentário: “Quarenta dias depois de sua ressurreição, Jesus deu instruções finais aos discípulos e ascendeu ao céu (At 1.1-11). Os discípulos voltaram a Jerusalém e se recolheram durante alguns dias para jejum e oração, aguardando o ES, o qual Jesus disse que viria. Cerca de 120 pessoas seguidores de Jesus aguardavam. Cinquenta dias após a Páscoa, no dia de Pentecoste, um som como um vento impetuoso encheu a casa onde o grupo se reunia. Línguas de fogo pousaram sobre cada um deles e começaram a falar em línguas diferente da sua conforme o Espírito Santo os capacitava. Os visitantes estrangeiros ficaram surpresos ao ouvir os discípulo falando em suas próprias línguas. Alguns zombaram, dizendo que deviam estar embriagados (At 2.13). Mas Pedro fez calar a multidão e explicou que estavam dando testemunho do derramamento do Espírito Santo predito pelos profetas do Antigo Testamento (AT) (At 2.16-21; Jl 2.28-32). Alguns dos observadores estrangeiros perguntaram o que deviam fazer para receber o Espírito Santo. Pedro disse: " Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo " (At 2.38). Cerca de 3 mil pessoas aceitaram a Cristo como seu Salvador naquele dia (Atos 2.41). Durante alguns anos Jerusalém foi o centro da igreja. Muitos judeus acreditavam que os seguidores de Jesus eram apenas outra seita do judaísmo. Suspeitavam que os cristãos estavam tentando começar um nova "religião de mistério" em torno de Jesus de Nazaré. É verdade que muitos dos cristãos primitivos continuaram a cultuar no templo (At 3.1) e alguns insistiam em que os convertidos gentios deviam ser circuncidados (At 15). Mas os dirigentes judeus logo perceberam que os cristãos eram mais do que uma seita. Jesus havia dito aos judeus que Deus faria uma Nova Aliança com aqueles que lhe fossem fiéis (Mt 16.18); ele havia selado esta aliança com seu próprio sangue (Lc 22.20). De modo que os cristãos primitivos proclamavam com ousadia haverem herdados os privilégios que Israel conhecera outrora. Não eram simplesmente uma parte de Israel - eram o novo Israel (Ap 3.12; 21.2; Mt 26.28; Hb 8.8; 9.15). "Os líderes judeus tinham um medo de arrepiar, porque este novo e estranho ensino não era um judaísmo estreito, mas fundia o privilégio de Israel na alta revelação de um só Pai de todos os homens." (Henry Melvill Gwatkin, Early Church History,  pag 18).]. 

3. O que o Novo Testamento fala sobre a Igreja. O Novo Testamento diz que a Igreja é a noiva do Senhor (Ap 21.2), aquela que lhe está prometida. Ela foi comprada com o sangue de Cristo, e seus obreiros devem buscar mantê-La a salvo das heresias e doutrinas de demônios, que podem fazer desviar seus membros (At 20.28). Fala também que na igreja reuniram-se pessoas de diversos grupos em prol de um único objetivo: adorar a Deus.  [Comentário: “Não há nada mais inescrutável e fantástico do que a Igreja de Jesus Cristo. Ela é o mais antigo, o mais universal, o mais antidiscriminatório, o mais inexpugnável e o mais misterioso de todos os agrupamentos. Dela fazem parte os que ainda vivem (igreja militante) e os que já se foram (igreja triunfante). Seus membros estão entrelaçados, mesmo que, por enquanto, não se conheçam plenamente. Todos igualmente são “concidadãos dos santos” (Ef 2.19), “co-herdeiros com Cristo” (Ef 3.6; Rm 8.17) e “co-participantes das promessas” (Ef 3.6). Eles são nada menos e nada mais do que a Família de Deus (Ef 2.19; 3.15). Ali, ninguém é corpo estranho, ninguém é estrangeiro, ninguém é de fora. É por isso que, na consumação do século, “eles serão povos de Deus e Deus mesmo estará com eles” (Ap 21.3). A Igreja de Jesus, também chamada Igreja de Deus (1 Co 1.2; 10.22; 11.22; 15.9; 1 Tm 3.5 e 15), Rebanho de Deus (1 Pe 5.2), Corpo de Cristo (1 Co 12.27) e Noiva de Cristo (Ap 21.2), tem como Esposo (Ap 21.9), Cabeça (Cl 1.18) e Pastor (Hb 13.20) o próprio Jesus.]. 

PENSE!
A igreja de Jesus não é uma empresa, mas uma comunidade onde as pessoas se reúnem para adorara Deus.

PONTO IMPORTANTE
A igreja não é uma invenção humana, mas uma instituição criada por Deus.

II- O PROPÓSITO DA IGREJA (Jo 17.22; Mt 12.25)

1. A Igreja de Cristo. A Igreja de Cristo é universal, ou seja, composta de todas as pessoas verdadeiramente convertidas, independentemente de sua denominação, que creram no Evangelho de Jesus. Essa Igreja existe desde o dia de Pentecostes, e permanecerá firme até o momento em que Jesus voltar, em sua segunda vinda. Qualquer pessoa que aceitou a Jesus pela fé se torna membro dessa Igreja. A Igreja tem como ordenanças o Batismo e a Santa Ceia.  [Comentário: A Igreja é católica (universal), mas não é romana. É universal (católica) mas não é a Universal do Reino de Deus. É de Jesus Cristo, mas não dos Santos dos Últimos Dias. Porque é universal, não é igreja armênia, igreja búlgara, igreja copta, igreja etíope, igreja grega, igreja russa nem igreja sérvia. Porque é de Jesus Cristo, não é de Simão Pedro, não é de Miguel Cerulário, não é de Martinho Lutero, não é de Simão Kimbangu, não é de Sun Myung Moon, não é de João Paulo II. Em todo o mundo e em toda a história, a única pessoa que pode chamar de minha a Igreja é o Senhor Jesus Cristo. Ele declarou a Cefas: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja” (Mt 16.18).]

2. A igreja local. A igreja local é composta por todas as pessoas crentes que, em uma determinada localidade, se reúnem para adorar a Deus e são equipadas para o serviço cristão. Geralmente a igreja local possui um nome ou denominação, e qualquer pessoa que tenha aceitado a Jesus como seu Salvador pode participar dela, desde que se submeta a alguma exigência específica, como o batismo, e a participação em um grupo de discipulado, a fim de que conheça as doutrinas básicas e costumes daquela denominação.  [Comentário: A igreja é o Corpo de Cristo. Efésios 1:22-23 diz: “E sujeitou todas as coisas a seus pés, e sobre todas as coisas o constituiu como cabeça da igreja, que é o seu corpo, a plenitude daquele que cumpre tudo em todos.” O Corpo de Cristo é feito de todos os crentes desde o tempo de Pentecoste até ao Arrebatamento. O Corpo de Cristo consiste em dois aspectos: (1) A igreja universal é a igreja que consiste de todos aqueles que têm um relacionamento pessoal com Jesus Cristo. I Coríntios 12:13-14 diz: “Pois todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo, quer judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um Espírito. Porque também o corpo não é um só membro, mas muitos.” Vemos que qualquer pessoa que crer é parte do corpo de Cristo. A verdadeira igreja de Deus não é nenhum prédio de igreja em particular ou denominação. A igreja universal de Deus é composta por todos os que já receberam a salvação através da fé em Cristo Jesus. (2) A igreja local é descrita em Gálatas 1:1-2: “PAULO, apóstolo ... E todos os irmãos que estão comigo, às igrejas da Galácia.” Aqui vemos que na província de Galácia havia muitas igrejas: o que chamamos de igreja local. Uma igreja Batista, igreja Luterana, igreja Católica, etc, não é A igreja, como a igreja universal, mas ao invés disso, uma igreja local. A igreja universal é composta por aqueles que já confiaram em Cristo para salvação. Estes membros da igreja universal deveriam buscar comunhão e edificação em uma igreja local Leia mais: http://www.gotquestions.org/Portugues/definicao-igreja.html#ixzz3RxKYCL7E]. 

3. Os propósitos da Igreja. A Igreja do Senhor tem como objetivo a evangelização, o ensino e a comunhão. Na evangelização, ela transmite, por meio da pregação e do evangelismo, as Boas Novas do Evangelho aos que não conhecem a Jesus. No ensino, ela repassa aos presentes e à próxima geração as verdades da Palavra de Deus, fortalecendo seus membros de forma que eles consigam viver o que aprenderam. A Igreja é também a voz profética de Deus nestes últimos dias. Ela tem o dever de denunciar o pecado e cobrar mudança de vida por meio de uma conduta santa e que agrade a Deus.  [Comentário: "Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado; e eis que estou convosco todos os dias, até a consumação do século." - Mateus 28.19-20. Este é um dos últimos encontros do Senhor Jesus com os seus discípulos, antes da Sua ascensão na Galileia. Encontramos aqui de forma simples o plano de Deus para a sua igreja. Encontramos neste texto tanto a razão fundamental pela qual a igreja deveria trabalhar. Existem aqui quatro verbos importantes: ide, fazei discípulos, batizando, ensinando. Igreja é o conjunto daqueles que crêem em Cristo e que se associam uns aos outros por causa da sua fé comum. À luz das Escrituras, a igreja é uma realidade essencialmente corporativa, comunitária. Ela é descrita como o corpo de Cristo, a família da fé, o povo de Deus, um rebanho, um edifício e outras figuras que acentuam o seu caráter de comunidade e solidariedade. Os propósitos da igreja são basicamente cinco: adoração, comunhão (koinonía), edificação, proclamação (kégygma), serviço (diakonía). Esses propósitos apontam para três dimensões essenciais da vida da igreja: seu relacionamento com Deus, seus relacionamentos internos e seu relacionamento com o mundo. A missão da igreja se relaciona principalmente com os dois últimos aspectos: proclamação e serviço.]. 

PENSE!
A Igreja é a voz profética de Deus no mundo.

PONTO IMPORTANTE
A Igreja não pode se calar frente ao pecado e às mazelas espirituais e sociais de nossa sociedade


III- A IGREJA NO SÉCULO XXI

1. Os líderes da igreja. A Igreja de Cristo está sujeita ao Senhor e à Palavra de Deus, e também aos líderes que Deus deixou para que fisicamente Levassem a obra de Deus adiante. Esses Líderes ou ministros são pessoas a quem Deus escolhe para pregar, cuidar dos recursos da igreja, prestar a assistência necessária na esfera social da congregação. Em geral, nas igrejas há diáconos, presbíteros e pastores, cada um exercendo uma função especifica, a fim de edificar a igreja.  [Comentário: A forma de governo da igreja não é uma doutrina central como: a trindade, a divindade de Cristo, a expiação vicária ou a autoridade das escrituras. Por outro lado esse também não é um assunto que deve passar despercebido. Sabe-se que há no Novo Testamento regras para alguns aspectos para o governo da igreja, dessa forma fica claro que então haverá consequências negativas para o desrespeito e descumprimento das regras. O que se deve procurar, portanto são atitudes que levem a igreja a ser mais pura. As formas de governo da igreja podem ser divididas em três grandes categorias: “episcopal”, “presbiteriana” e “congregacional”. As formas episcopais têm um governo exercido por uma categoria distinta de oficiais da igreja considerada um sacerdócio, e a autoridade final para a tomada de decisões encontra-se fora da igreja local. O sistema da Igreja Episcopal é o principal representante desse tipo de governo entre os protestantes. As formas presbiterianas têm um governo de presbíteros, alguns dos quais têm autoridade não só sobre suas congregações locais, mas também, através do presbitério e da assembleia geral, sobre todas as igrejas de uma região e, daí, na denominação como um todo. Todas as formas congregacionais de governo da igreja têm uma autoridade final baseada na congregação local, embora se percam vários graus de independência através da filiação denominacional e a forma real de governo possa variar consideravelmente. Sempre, na história das controvérsias cristãs, houve um luta para saber qual era o modelo de governo eclesiástico mais bíblico. O fato é que todos os modelos de governos eclesiásticos (congregacional, episcopal e presbiteriano) se baseiam no Novo Testamento. O episcopal concede o poder para o seu pastor ou bispo, o presbiteriano concede poder aos presbíteros da igreja e o congregacional concede poder aos seus membros ou a um conselho de irmãos reunidos. Há tentações em todos os modelos. O episcopal pode concentrar um poder tão grande na mão do pastor, que ele se torna uma pessoa acima da crítica e não presta contas à igreja. O presbiteriano pode criar uma elite dentro da congregação ou denominação, pois um pequeno grupo decide sobre os demais. O congregacional pode minar a autoridade do pastor local. Portanto, torna-se difícil definir um modelo eclesiástico mais bíblico, pois todos possuem pontos fortes e fracos.]. 

2. Os "desigrejados". Tem sido comum em diversos países pessoas afastarem-se da igreja e ao mesmo tempo tentarem manter-se cristãs. Tais pessoas alegam que a igreja local as afastou da comunhão, e que não precisam conviver com outros cristãos. Os motivos alegados são diversos. Sobre esse assunto, precisamos entender que nenhum lugar onde congreguemos vai ser perfeito, sem problemas. Quando examinamos as cartas do Novo Testamento, veremos que as igrejas possuíam cada uma os seus problemas específicos, mas em nenhuma carta vemos orientação para que as pessoas se afastem da Igreja e desprezem a comunhão com outros irmãos (Hb 10.24,25). Em nenhum momento a Palavra de Deus nos orienta a que vejamos as limitações da igreja local mas sim que possamos considerar uns aos outros, e não abandonar a comunhão que existe na igreja local.  [Comentário: “DESIGREJADOS™ é se desvincular dos lugares apelidados de 'igrejas', é seguir a CRISTO e não depender da igreja institucional, das instituições religiosas com placa de igrejas ou igrejolas ou igrejas evangélicas e católica, é sair para fora do sistema religioso, negando o cristianismo - "Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas" (http://desigrejado.blogspot.com.br/). Cada vez cresce mais o número de crentes sem igrejas, são simpatizantes de Jesus, o Cristo, mas não suportam a ideia de participar de uma igreja. Como tenho muitos amigos desigrejados conheço vários argumentos e até mesmo me identifico com alguns deles. Todos eles perceberam em algum momento de suas vidas a singularidade da mensagem de Jesus, ou lendo a bíblia, ou através de uma experiência marcante na juventude. Todos são unânimes em declarar que Jesus é único caminho e que sua proposta de vida é incomparável com qualquer outra proposta entre outras religiões. Mas também todos sentem tremenda dificuldade de se envolver em uma igreja local, uns por terem vivenciado a terrível experiência de serem julgados ou descriminados por alguns religiosos na igreja; outros por se indignarem ao verem tantos líderes, principalmente na TV, com esse discurso da prosperidade, com uma santidade que não passa de marketing para enganar o povo; e ainda tem alguns que simplesmente não sentem a necessidade de ir na igreja toda a semana, sentem que é apenas uma rotina religiosa que faz pouca diferença no dia a dia, alegam que conseguem se “recarregar” sozinhos em casa lendo a bíblia e conversando com alguns amigos. Eu entendo os desigrejados, até porque todos esses sentimentos rondam a minha alma, e já cheguei a pensar seriamente em deixar de ir na igreja por esses três motivos. Mas acredito que viver desigrejado não seja bom para ninguém. Poderia usar o simples argumento de que não é projeto de Deus para ninguém viver a vida sozinho, nem o próprio cristo fez isso, nem nenhum dos seus primeiros discípulos. Mas não é apenas uma ideia bíblica, na pratica vejo que a fuga dos religiosos julgadores não gera uma vida sem julgamentos, pois fora da igreja temos muitas cobranças e muitos dedos apontados. Com um agravante, com menos pessoas ao lado para compartilhar as fraquezas e decepções. Sem contar com a nossa consciência que é a acusadora principal por não cumprirmos o que é certo. Caímos também no terrível erro de generalizar todos os líderes religiosos como oportunistas e falsos, esquecendo que o líder (pastor) que é correto e vive a proposta do evangelho não fica fazendo auto marketing do tanto que é santo, pois aprendeu direto com Jesus que quando se faz uma boa coisa, que seja em secreto. Esse tipo de líder, seguidor de Jesus, está em toda parte, menos na mídia, por isso você só o encontra indo passar um tempo ao seu lado, nas igrejas onde eles estão servindo. Os desigrejados acabam cometendo o erro que sempre condenaram nos outros, o de julgar e colocar injustamente todos no mesmo “saco”, e pior, vivem com essa culpa sozinhos. E aos que além disso tudo vivem bem sem a rotina de participar toda semana de uma igreja local, acabam sendo enganados por eles mesmos, por não perceberem que não conseguem ter sozinhos a disciplina de procurar o Jesus que eles admiram, e vão se afastando lentamente de uma comunhão saudável e proveitosa com Deus. Amam a proposta de Cristo, mas não suportam o seu corpo. Enxergam a incapacidade da igreja em ser boa, mas não enxergam a sua própria incapacidade de fazer o bem. Condenam a igreja por uma parte que é intolerante, mas não se condenam por não perceberem a intolerância do seus próprios corações. Viver em comunidade não é uma proposta apenas para nos sentirmos melhor, mas para enxergarmos no outro que não somos quem gostaríamos de ser. Nessa experiência semanal de frustração o Espírito de Cristo nos transforma em pessoas melhores, mais parecidas com Ele. Entendo os motivos dos desigrejados, mas não acredito que seja a melhor opção. Deus os abençoe. http://ultimato.com.br/sites/marcosbotelho/2013/07/01/um-recado-aos-desigrejados/].

3. Por que temos tantas denominações? A igreja evangélica possui diversos grupos, que se vinculam por meio de finalidades específicas, como forma de culto, forma de gestão eclesiástica, teologia ou costumes. Há grupos em alguns países que se juntam em comunidades fechadas, como a igreja perseguida nos países orientais. Cada denominação tem seus próprios costumes, e essa diversidade de denominações não indica que existe divisão de igrejas, e sim variedade. Há igrejas étnicas, composta de pessoas de nacionalidades bem específicas, e que se reúnem em outro país, o que agrega o convívio social do grupo. Essa gama de denominações não representa uma divisão ou discordância, e sim uma forma de Deus manifestar sua graça de diversas formas a diversos grupos diferentes.  [Comentário: "Por que existem tantas denominações Cristãs?" Para responder a essa pergunta, precisamos estabelecer a diferença entre 1) denominações dentro do corpo de Cristo e 2) seitas e falsas religiões não-Cristãs. Presbiterianos e Luteranos são denominações Cristãs; Mórmons e Testemunhas de Jeová são seitas (grupos que clamam ser Cristãos mas negam um ou mais princípios básicos da fé Cristã); o Islã e Xintoísmo são religiões completamente separadas. O aumento de denominações dentro da fé Cristã pode ser ligado à Reforma Protestante, o movimento para “reformar” a Igreja Católica Romana durante o século 16. Desse movimento quatro divisões ou tradições principais surgiram: Luterana, Reformada, Anabatista e Anglicana. Dessas quatro, outras denominações surgiram com o passar dos séculos. A denominação Luterana foi assim chamada por causa de Martinho Lutero e foi baseada em seus ensinamentos. Os Metodistas foram assim chamados porque o seu fundador, John Wesley, era famoso por sugerir “métodos” para o crescimento espiritual. Presbiterianos são assim chamados por causa da sua concepção de liderança na igreja – a palavra grega para ancião é presbyteros. Batistas são assim chamados por sempre terem enfatizado a importância do batismo. Cada denominação tem uma pequena diferença em sua doutrina ou ênfase, tais como: o método de batismo, a disponibilidade da Santa Ceia a todos ou apenas àqueles cujos testemunhos podem ser verificados pelos líderes da igreja; a soberania de Deus versus livre arbítrio em relação à salvação; o futuro de Israel e da igreja; o papel das obras para salvação; arrebatamento antes ou depois da tribulação; a existência dos dons de “sinais” na era moderna, etc, etc. O ponto principal dessas divisões nunca é Cristo como Senhor e Salvador, mas sim diferenças honestas de pessoas devotas, apesar de não perfeitas, que querem honrar a Deus e manter pureza doutrinária de acordo com sua consciência e seu entendimento da Bíblia. Denominações hoje em dia são muitas e variadas. As denominações principais mencionadas acima têm tido várias subdivisões, tais como Assembleias de Deus, Aliança Cristã e Missionária, Nazarenos, Evangélica Livre, igrejas Bíblicas independentes, entre outras. Algumas denominações enfatizam pequenas diferenças doutrinárias, mas geralmente é o caso que elas apenas oferecem estilos diferentes de louvor para acomodar os gostos e preferências diferentes dos Cristãos. Mas não se engane: nós, como Cristãos, precisamos concordar com os pontos básicos da fé; mas além disso, tem grande espaço para variação em como um Cristão deve louvar quando em um ambiente coletivo. Esse espaço é o que causa tantos “sabores” diferentes de Cristianismo. A Igreja Presbiteriana de Mbale, Uganda, tem um estilo diferente de louvor da Igreja Presbiteriana de Denver, mas o ensino doutrinário é o mesmo. Diversidade é uma coisa boa, mas desunião não. Se duas igrejas discordam de acordo com sua doutrina, é importante ter debate e diálogo sobre a Palavra de Deus. Esse tipo de “ferro com o ferro se afia” (Provérbios 27:17) é proveitoso a todos. Se, no entanto, elas discordam quanto ao estilo ou forma, é melhor que permaneçam separados. Entretanto, essa separação não suspende a responsabilidade que os Cristãos têm de amar uns aos outros (1 João 4:11-12) e, no final das contas, de ser unidos em Cristo (João 17:21-22). Quando procurando por uma igreja, o Cristão deve começar com a Declaração de Fé daquela igreja. Em que a igreja acredita e o que ela pratica devem concordar com as doutrinas de fé como descritas na Bíblia. O que devemos procurar é um corpo de crentes onde o Evangelho de Cristo é pregado, a autoridade da Bíblia é a verdade que governa, a suficiência das Escrituras é afirmada, onde podemos crescer em nosso relacionamento com o Senhor, onde podemos ministrar ao corpo com os nossos dons espirituais, proclamando o Evangelho e glorificando a Deus. A igreja é importante e todos os crentes devem pertencer a um corpo que segue os critérios acima. Precisamos de relacionamentos que só podem ser achados no corpo de Cristo, precisamos do apoio que apenas uma igreja pode oferecer, e precisamos servir a Deus coletivamente e individualmente também. Leia mais: http://www.gotquestions.org/Portugues/denominacoes-Cristas.html#ixzz3RxT12PDU]. 

PENSE!
Há diversos grupos de pessoas, e Deus pode ser conhecido por cada grupo por meio de uma igreja que atue biblicamente.

PONTO IMPORTANTE
A Igreja somos nós. Como seres humanos, temos falhas, erros e limitações, mas Deus é perfeito, poderoso e jamais nos decepciona

Cada denominação tem seus próprios costumes, e essa diversidade de denominações não indica que existe divisão de igrejas, e sim variedade


CONCLUSÃO

A igreja de Cristo foi comprada pelo sangue de Jesus, e não pertence a homem algum. Nela estão os salvos em Cristo, as pessoas que se arrependeram de seus pecados e foram feitas novas criaturas e são orientadas pelo Espírito Santo. Como instituição, a Igreja tem como propósitos manifestar o poder de Deus e pregar o evangelho, [Comentário: Uma olhada rápida no que a maior parte das pessoas pensam que a palavra “igreja” significa mostra que a grande maioria usa esta palavra ou para denotar uma construção onde várias cerimônias religiosas ocorrem ou como um componente no título de várias denominações. Contudo, estes usos da palavra igreja não correspondem ao que a Palavra de Deus define como igreja: “Ora, VÓS sois o corpo de Cristo, e seus membros em particular" (1Co 12.27). Também Colossenses 1.18 nos diz “E ele [Jesus Cristo] é a cabeça do corpo, da igreja..." Além disso Efésios 1.22-23 diz: “E [Deus] colocou todas as coisas a seus [de Cristo] pés, e sobre todas as coisas constituiu como cabeça da igreja que é o seu [de Cristo] corpo…”NÓS, todos os crentes juntos, compomos o corpo de Cristo. A Palavra de Deus não diz que neste lugar há um corpo e em qual lugar há outro. Nem diz que esta denominação é um corpo, e a próxima seja outro. O que diz é que "vós sois o corpo de Cristo”, a igreja. A este “vós” eu pertenço, você pertence e geralmente todo crente renascido pertence. Tanto quanto a Palavra de Deus afete, não há distinção alguma, por causa de denominação, cor, status social, lugar onde se vive, ou por causa de qualquer outra razão. Somos igreja, somos membros do Corpo de Cristo!]. “NaquEle que me garante: "Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Ef 2.8)”,
Francisco Barbosa
Campina Grande-PB
Fevereiro de 2015




HORA DA REVISÃO

1.0 que é a Igreja?
A Igreja é uma comunidade de pessoas que, pela fé, aceitaram a Jesus Cristo como seu Salvador e Senhor.
2. Como a Igreja se originou?
A Igreja de Cristo se originou após Jesus ser assunto aos céus, no dia de Pente- costes, quando os discípulos do Senhor se reuniram para orar em um cenáculo.
3. Quais são os propósitos da Igreja?
A Igreja do Senhor tem como objetivo a evangelização, o ensino e a comunhão.
4. Quem são os “desigrejados"?
São pessoas que se afastaram da igreja, mas ao mesmo tempo tentam manter- se cristãos.
5. 0 que você diria um “desigrejado” a respeito da Igreja de Cristo?
Resposta pessoal.

NOTAS BIBLIOGRÁFICAS

l° trimestre 2015 Revista Lições Bíblicas Jovens - 1º Trim./2015 - CPAD
Tema:  EU CREIO, REVELANDO AO MUNDO SUAS CONVICÇÕES CRISTÃS
Comentário: Alexandre Claudino Coelho

Autorizo a todos que quiserem fazer uso dos subsídios colocados neste Blog. Solicito, tão somente, que indiquem a fonte e não modifiquem o seu conteúdo. Agradeceria, igualmente, a gentileza de um e-mail indicando qual o texto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário