UM COMENTÁRIO APROFUNDADO DA LIÇÃO, PARA FAZER A DIFERENÇA!

Nossa intenção é possibilitar um aprofundamento, tópico a tópico, do conteúdo das lições da EBD, para você aprofundar sua fé e fazer a diferença.

Classe Virtual:

Sente o coração compungido em contribuir com o nosso Ministério? Faça isso de forma simples, pelo PIX: 69381925291 – Mande-me o comprovante, quero agradecer-lhe e orar por você (83) 9 8730-1186 (WhatsApp)

9 de novembro de 2020

4 Tri 20 | Lição 7: A Teologia De Bildade: Se Há Sofrimento Há Pedado Oculto? | Pb Francisco Barbosa

 

4º TRIMESTRE 2020

ANO 13 | EDIÇÃO Nº 680

 

 

A Teologia De Bildade: Se Há Sofrimento Há Pedado Oculto?

L I Ç Ã O

07

A Fragilidade Humana e a Soberania Divina

15 NOV 20






LIÇÕES BÍBLICAS CPAD REVISTA ADULTOS  - QUARTO TRIMESTRE DE 2020

 

Texto Áureo

“Se teus filhos pecaram contra ele, também ele os lançou na mão da sua transgressão” (Jó 4.7,8).

 

Verdade Prática

A existência do sofrimento não quer dizer que haja pecado oculto.

 

Leitura Bíblica em Classe

Jó 8.1-4; Jó 18.1-4; 25.1-6

 

INTRODUÇÃO

Nesta aula, estudaremos sobre a Teologia do segundo amigo de Jó, Bildade. Veremos que ela apresenta o caráter justo e reto de Deus em contraposição ao suposto pecado oculto de Jó. Estudaremos também a defesa de Bildade por uma moralidade rígida, fundamentada em meros preceitos religiosos, sem, contudo, guiar-se por princípios espirituais. E, finalmente, analisaremos a ideia de que, segundo Bildade, Deus é um ser muito distante e que, devido a sua onipotência e grandeza, está muito longe do mortal. Ele, portanto, é inacessível. Ao longo de cada argumento de Bildade, veremos a contraposição de Jó.

- O segundo amigo acusador, Bildade, ofereceu a sua sabedoria a Jó. Bildade, também absolutamente certo de que Jó havia pecado e que deveria arrepender-se, foi duro nas acusações que fez contra o servo de Deus. Bildade acusou Jó de defender a própria inocência com um monte de balela e argumentou que aquelas circunstâncias representavam o castigo de Deus para os seus pecados e os de sua família. Novamente, esse é um argumento lógico, baseado no princípio de que Deus pune o pecado, mas falhou em considerar o mistério do debate celestial entre Deus e Satanás. Ele estava certo de que havia algo errado no relacionamento de Jó com Deus, por isso o chamou ao arrependimento, confiante de que Jó seria abençoado quando se arrependesse. “Também não possuímos muitas informações acerca de Bildade. Limita-se a Bíblia a informar que este amigo de Jó era um suíta. Certamente morava ele em Canaã, ou em suas imediações, pois:

a) falava uma língua aparentada a de Jó e a de seus amigos;

b) não demorou em encontrar-se com Elifaz e Zofar quando combinaram vir consolar o patriarca;

c) sua visão de mundo era bem parecida com a de seus dois outros companheiros. Conclui-se ter sido Bildade um semita que habitava no território cananeu, onde Sua, à semelhança de Temã, era um dos muitos pequenos reinos ali estabelecidos.

No Livro de Jó, temos três discursos de Bildade, nos quais realça ele a prosperidade como a evidência de uma vida aprovada por Deus. Eis por que, agora, despreza a Jó; neste, vê o sinal da ira divina. N o drama do patriarca, cumpria-se o que disse Ovídio: “Enquanto o homem tem uma vida próspera, conta sempre com um numeroso grupo de amigos; tão logo a adversidade o visita, os pretensos amigos o abandonam””. (ANDRADE. Claudionor Corrêa de. Jó O Problema do Sofrimento do Justo e o seu Proposito. Serie Comentário Bíblico. Editora CPAD. pag. 146). Vamos pensar maduramente a nossa fé?

 

I – O PECADO EM CONTRASTE COM O CARÁTERJUSTO E SANTO DE DEUS

1. Deus é justo e reto. A teologia de Bildade (Jó 8.1-22) possui semelhanças com a de seu amigo, Elifaz. Para esse segundo amigo, as ações de Jó não poderiam ser justificadas, pois elas condenavam a Deus, revelando que Ele punia pessoas justas. Por outro lado, como Deus não era injusto, então, Jó deveria reconhecer o seu pecado, pois ele estava sendo terrivelmente afligido. Assim, a teologia de Bildade pode ser classificada em duas esferas: a dos maus e a dos bons. Por exemplo, Bildade assevera que os filhos de Jó foram mortos porque eram maus (8.4); por outro lado, como um homem que alegava ser justo e bom, Jó poderia desfrutar novamente do favor de Deus se reconhecesse o seu pecado (Jó 8.5).

-  Bildade tomou afirmações de Jó quanto à sua inocência e aplicou a elas a noção simplista do castigo. Ele concluiu que Jó estava acusando Deus de ser injusto quando o Senhor deveria estar aplicando a justiça à vida de seu servo. Jó tentou de todas as maneiras evitar as acusações dessa natureza, mas as evidências levaram Bildade a essa conclusão porque ele não tinha conhecimento dos fatos celestiais. Bildade afirma a justiça de Deus mas erra quando julga Jó de ser injusto e o chama ao arrependimento e, em consequência, gozar outra vez dos favores divinos. De fato, esse foi o resultado na vida de Jó, não porque ele tenha se arrependido de algum pecado específico, mas porque se humilhou diante da soberana e inescrutável vontade de Deus.

- Russell Norman Champlin, comentando o discurso de Bildade, afirma: “Bildade feriu Jó com sua grande faca ao relembrar-lhe como seus filhos tinham morrido miseravelmente, “Naturalmente, eles morreram por serem pecadores. Deus os cortou desta vida. E tu, Jó, estás sofrendo por causa de teus pecados, e em breve Deus também te cortará, se não te arrependeres.” Bildade ignorou o mistério do sofrimento dos inocentes com uma pergunta retórica. Em seguida, sua ira inspirou-o a mostrar-se cruel. Elifaz ainda demonstrou alguma simpatia; mas Bildade assemelhou-se mais a um boxeador que salta quando a campainha toca. Bildade era o campeão de Deus, enquanto Jó era o ofensor de Deus. Bildade feriu Jó com sua adaga, “precisamente onde sabia que feriria mais fundo: no coração do pai cujos filhos tinham morrido. Seus filhos eram pecadores, e essa era a razão pela qual morreram prematuramente” (Samuel Terrien, in ioc.). Diz o original hebraico: “Deus os jogou fora”, como se eles fossem um lixo inútil. Jogar fora significa a destruição e o esquecimento da morte. Eles sofreram a inevitável consequência de seus atos tolos. “Certamente esse ataque cruel e sem coração feriu Jó profundamente. Afinal de contas, ele tinha oferecido sacrifícios para encobrir os pecados de seus filhos (ver Jó 1.5)” (Roy B. Zuck, in ioc.)(CHAMPLIN, Russell Norman, Antigo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Hagnos. pag. 1901).

 

2. Uma compreensão limitada da natureza de Deus. Bildade traz consigo uma compreensão incompleta e limitada da natureza de Deus, o que faz com que ele pense que o sofrimento de Jó seja a consequência de um pecado oculto. Assim, outra compreensão é evidente: Jó deve demonstrar que é realmente bom e que merece o favor uma compreensão incompleta e limitada da natureza de Deus, o que faz com que ele pense que o sofrimento de Jó seja a consequência de um pecado oculto. Assim, outra compreensão é evidente: Jó deve demonstrar que é realmente bom e que merece o favor de Deus. E uma teologia que destaca uma meritocracia humana no processo de justificação diante de Deus: “Mas, se tu de madrugada buscares a Deus e ao Todo-Poderoso pedires misericórdia se fores puro e reto, certamente, logo despertará por ti e restaurar a morada da tua justiça” (8.5,6). Logo, o enfoque de Bildade não é a graça que flui de Deus, mas o esforço humano que, por mérito próprio, pretende justificar o homem diante de Deus.

- A essa altura da intervenção de Bildade, está claro que este amigo de Jó entende que o assunto está nas mãos de Jó, não está com Deus; Jó deveria ser mais humilde, menos arrogante, para que resgate o favor de Deus. Champlin, em obra já citada, afirma: “O segundo crítico de Jó, portanto, perdeu completamente de vista que a Lei Moral da Colheita segundo a Semeadura (ver a respeito no Dicionário) não explica todo o sofrimento que há no mundo. Os inocentes podem sofrer e realmente sofrem. O problema do mal está repleto de enigmas. A lei do carma é poderosa, e a retribuição é necessária e útil, porquanto cura, e não meramente castiga. Mas não podemos explicar todas as coisas e condições más apelando a essa lei. Jó havia apelado a Deus (ver Jó 7.20,21), mas seus críticos supunham que seu apelo carecesse de sinceridade moral. Deus havia arrebatado as propriedades de Jó. Mas, se ele se arrependesse, obteria novas propriedades, “restauração da justiça de tua morada”, onde Deus entraria em comunhão com o seu proprietário. Suas antigas propriedades eram cenário de segredos e pecados graves, ou não teriam sido destruídas pelas forças da natureza. Alguns estudiosos espiritualizam “morada” neste versículo, pensando significar a alma. Jó prosperaria espiritualmente, mas essa é uma explicação anacrônica(CHAMPLIN, Russell Norman, Antigo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Hagnos. pag. 1901).

 

3. A imperfeição humana. Diante da defesa teológica feita por Bildade, Jó pergunta: ”Como Se justificaria o homem para com Deus?” (Jó 9.2). Ora, Deus é infinitamente sábio e justo. Jó está consciente de que nenhuma perfeição humana o habilitou a aproximar-se de Deus. Dessa forma a autopurificação não passava de presunção: “Ainda que me lave com água de neve, e purifique as minhas mãos com sabão, mesmo assim me submergirás no fosso, e as minhas próprias vestes me abominarão” (Jó 9.30,31). A linguagem é poética, mas ela afirma objetivamente a doutrina da santidade de Deus e a pecaminosidade humana. Deus é santo e Jó, um pecador. Entretanto, essa não era a questão para Jó. O grande questionamento dele poderia ser feito da seguinte forma: ” É verdade que onde há sofrimento há pecado?” Seus amigos responderiam: sim; Jó, um retumbante não. Deus já havia testemunhado acerca da integridade e da justiça de Jó. Isso deixa claro que nem sempre o sofrimento é fruto de uma imperfeição moral ou resultado de um pecado pessoal. Esse era o caso de Jó.

- Jó, num estado de profundo desespero, respondeu às acusações com argumentos acerca da natureza de Deus fornecidos selo próprio Bildade, e começou a racionalizar sobre algo que mais tarde admitiria saber perigosamente muito pouco. Jó concluiu que Deus é santo, sábio e poderoso (9.4-10), mas se perguntava se ele era justo e por que não se fazia conhecer. Diante do Deus Poderoso, Jó sentiu apenas angústia. Se Deus não é justo, tudo é inútil, pensou. No livro “Jó - Introdução e Comentário” de Francis I. Andersen, publicado pela editora Vida Nova, encontramos o seguinte sobre essa fala de Bildade: “Em contraste com os amigos, que constantemente recomendarão remédios religiosos para conservar o relacionamento entre Jó e Deus, ele vê, a despeito da sua piedade destacada, que a autopurificação é impossível, e, realmente, é uma presunção. Embora a lavagem das mãos (30) possa ser cerimonial, sem dúvida Jó pretende aqui representar uma total purificação moral. Tudo em vão. Jó diz de modo horrível que Deus o submergirá no lodo. Alguns comentaristas veem nesta declaração repugnante o pessimismo de Jó no seu mais baixo ponto. Visto que Deus faz tudo, é Ele quem toma sujos os homens. Mas as palavras seguintes corrigem esta impressão unilateral(Francis I. Andersen. Jó Introdução e Comentário. Editora Mundo Cristão. pag. 147).

 

II – O PECADO VISTO COMO QUEBRA DAMORALIDADE TRADICIONAL

1. Moralismo por tradição. Bildade (Jó 18.1-21) também está comprometido na defesa da moralidade que ele acredita ser a correta. Para ele não havia nada errado quando fez a defesa da justiça divina, da mesma forma que acreditou estar correto quando defendera a moralidade dos seus dias. Todavia, não podemos falar de uma ética ou teologia moral de Bildade, mas simplesmente de um moralismo fundamentado na tradição (18.1-21).

- No seu segundo discurso, Bildade, como seu predecessor, Elifaz, atacou Jó de maneira implacável no capítulo 8, dizendo que ele deveria parar de reclamar e tornar-se sensível. A seguir, partiu para o desprezo (18.3-4). Então, começou outro longo relato sobre o final trágico que o perverso experimenta 18.5-21). Jó estava numa busca desesperada para encontrar alguma razão para o seu sofrimento, além da razão óbvia: a lei da colheita segundo a semeadura. Fica evidente que Jó entendia que não estava pagando por seus pecados, embora, como seja óbvio, ele tivesse pecados. Novamente, faço uma citação de Francis I Andersen, em obra já referenciada: “O segundo discurso de Bildade é menos complexo. Não é mais do que uma longa e severa crítica sobre o destino dos perversos (5-21), introduzida por poucas repreensões dirigidas a Jó (2-4). Embora pise o mesmo terreno do discurso anterior de Elifaz (15.17-35), as diferenças refletem os temperamentos contrastantes dos dois homens. Elifaz é manso, e um bom pastor dentro da sua maneira de entender as coisas. Bildade, um tradicionalista, está satisfeito com as velhas ideias, e obviamente deixou de dar valor aos pensamentos de Jó, porque não concordam com os seus. Ao passo que Elifaz enfatiza as preocupações mentais dos perversos, Bildade focaliza suas aflições externas.(Andersen. pag. 185-186).

 

2. A subversão da ordem moral. Na verdade, Bildade simplesmente repete o que já vem sendo defendido por gerações passadas, todavia, acrescentando alguns contornos aos seus pressupostos teológicos. Para ele as desgraças sofridas por Jó ocorreram por causa da quebra da moralidade estabelecida. Como o entendimento de Bildade era o de que o universo é controlado por leis morais inflexíveis, ao quebrá-las Jó sofreu as consequências da mesma forma que sofre quem quebra a lei da gravidade. Nesse aspecto, praticar a justiça é se ajustar à dinâmica dessas leis morais. Bildade acreditava que de nada adiantava Jó achar que os maus prosperavam, pois isso era apenas ilusão. No seu entendimento, a prosperidade dos maus assemelhava-se as raízes de uma árvore que foram cortadas, cujos ramos, embora mantenham a aparência de verdor por algum tempo, todavia, necessariamente murcharão (18.12-16). Ao não reconhecer isso, Jó estaria tentando subverter a ordem moral aceita.

- Bildade professa uma teologia torta, mesclada com verdades e erros. Ele acusou o homem errado pelos motivos errados, mas, aquilo que disse sobre a morte (rei dos terrores - Jó 18.14, a morte personificada com todos os seus terrores para o perverso), deve ser levado a sério. A morte é um inimigo temido por todos os que não estão preparados para enfrentá-lo (1Co 15.26), e a única forma de se preparar é crer em Jesus Cristo (Jo 5.24). O crente firmado nas Escrituras entende que, morrer significa ir para o lar e estar junto do Pai no céu (Jo 14.1-6), adormecer na terra e despertar no céu (At 7.60; Fp 1.21-23), entrar no descanso (Ap 14.13) e numa luz mais fulgurante (Pv 4.18). Nenhuma das figuras apresentadas por Bildade aplica-se àqueles que são salvos em Cristo! “O verso 21 termina, dizendo: Tais são, na verdade, as moradas do perverso, e este é o paradeiro dos queridos conhecem a Deus. E nós acrescentamos que esta foi a consolação que Bildade trouxe ao seu amigo, uma descrição digna do pior elemento humano, do mais degradado, do mais iníquo, do mais diabólico. Mesmo sabendo que se trata de poesia, ainda assim, tirando o que se pode tirar deste famoso discurso, uma lição fica: o pecado é, a ruína do homem e da sociedade(Mesquita. Antônio Neves de. Jó Uma interpretação do sofrimento humano. Editora JUERP).

 

3. Contemplando a cruz. O capítulo 19 é dedicado à defesa de Jó. É inegável que Jó sabia que Deus atua em um universo moral e que tudo o que acontece está sob seu controle. O homem de Uz estava convicto deque não havia quebrado nenhuma lei moral, sendo, portanto, inocente e que o seu sofrimento não teria razão aparente. Mas diante das acusações dos amigos, ele está disposto a abandonar toda tentativa de se auto justificar (Jó 19. 21-24). Ele quer abandonar toda instância humana e apelar para um mediador (redentor) que defenderá sua causa. Ele não quer mais se defender; ao invés disso, apela para alguém totalmente justo, que vai ficar entre ele e Deus. E aí que ele contempla a cruz: “Eu sei que meu redentor vive” (v.25). Apalavra “redentor” traduz o hebraico goel e significa alguém que defendia um familiar quando este não podia fazer sua própria defesa. Os primeiros líderes da Igreja entendiam que Jó predisse a ressurreição que será efetuada por Cristo no final dos tempos e da qual ele participará. O patriarca queria a intercessão desse justo, imparcial e eficiente mediador.

- No capítulo 19.1-29 temos a resposta desesperada de Jó ao segundo discurso de Bildade. Jó começou com o grito angustiado de que seus amigos haviam se tornado recalcitrantes e intransigentes como mentores (vs. 2-3), e que não conseguiam causar nenhum efeito na maneira como ele lidava com o pecado que julgavam existir. Jó deixou claro que se Deus lhe havia enviado amigos como Bildade, quem precisava de inimigos? Ele temia que não houvesse justiça. Deus o havia cercado, destituído, arruinado e se virado contra ele. Seus familiares e amigos o desampararam, por isso todos deveriam compadecer-se dele porque: Deus havia causado tudo isso (vs. 21-22). Sobre a esperança que Jó nutria em um Redentor, CHAMPLIN escreve: “Por que eu sei que o meu Redentor vive. A palavra hebraica goel é assim traduzida. A palavra admite ambas as ideias de vindicador e de redentor. Existe aquele parente redentor que vai buscar as propriedades que um homem vendera. E existe aquele vingador do sangue, que vinga a morte de um parente e, assim sendo, recebe as honras de um remidor. Isso posto, o goel podia ser um redentor, um vingador ou um defensor dos oprimidos. Nesse ofício, ele seria um mediador. Deus, como goel, redimiu Israel do Egito (ver Êxo. 6.6; 15.13; Sal. 74.2). Ele também redime do exílio (ver Isa. 41.14) da morte (ver Sal. 69.18; 2.14; Lam. 3.58; Osé. 13.14). Resta saber qual desses sentidos possíveis está no texto à nossa frente. Jó buscava vindicação (vss. 23 e 24), de modo que é provável que ele estivesse pensando em Deus como o divino vindicador, o qual finalmente defenderia o seu caso e diria “Jó era inocente, embora tenha sofrido”. Dessa maneira a honra de Jó seria restaurada, e seu nome seria limpo. Deus se levantaria para vindicar Jó e corrigir os seus atormentadores(CHAMPLIN. pag. 1942).

 

III – O PECADO EM CONTRASTE COM A MAJESTADEDE DEUS

1. A grandeza de Deus. O terceiro discurso de Bildade é feito para exaltar Deus e rebaixar Jó (Jó 25.1-6). Não há como negar que o longo debate entre Jó e seu amigo, esgotou o poder argumentativo de Bildade, o que fez com que ele repetisse várias vezes o que já havia dito. Na verdade, o seu último discurso não traz nada de novo. No capítulo 25 ele destaca a onipotência divina. Deus é grande e poderoso (v.2). Por isso nada há de errado quando Bildade defende a majestade do Altíssimo. Todavia, como alguns autores destacam, Bildade acaba por criar um abismo que não existe entre a criatura e o Criador. O Deus defendido por ele não é o revelado na Bíblia. As ideias de Bildade se antecipam àquela defendida a milênios depois pelo deísmo do final do século XVIIl. Segundo os deístas, Deus criou o mundo, mas ausentou-se dele.

- Bildade proferiu seu terceiro discurso (o último discurso dos três amigos), e reafirmou a mesma teoria que Deus era majestoso e exaltado, e o homem era pecador, principalmente Jó. Ele queria contrastar Deus com o humilde e pecaminoso homem, entre os quais ele contava Jó. Comentando este último discurso de Bildade, CHAMPLIN argumenta: “Deus é soberano, o Rei do universo, e todos O temem, exceto Jó, aquele pecador que continuava propagando sua própria inocência. As hostes do céu temem a Deus; homens sensatos O temem; justos O temem; mas não aquele verme, Jó. Deus, que habita nos altos céus, aplaca toda a oposição e estabelece a paz, até mesmo nas habitações mais elevadas de todas as criaturas, incluindo os santos anjos. No entanto, Deus não teria conseguido estabelecer a paz com o rebelde, Jó. Cf. a paz trazida por Cristo na escala universal, em Col. 1.20 e Efé. 1.10. No céu, Deus mantém a harmonia, mas, na terra, é forçado a tolerar homens como Jó, que estão sempre semeando o caos. Seja como for, a profunda admiração nem sempre se transmuda em amor, sendo certo que a rebeldia de Jó não o fazia. Deus governa inúmeras forças, mas o minúsculo e miserável Jó resistia ao governo de Deus, sendo esse o motivo pelo qual ele sofria tão grandes dores” (CHAMPLIN. pag. 1985).

 

2. Onipotente, mas não ausente. Jó responde a Bildade com ironia: “Como Ajudaste aquele que não tinha força e sustentaste o braço que não tinha vigor!” (Jó 26.2). Aqui, Jó não questiona a onipotência divina, mas a aplicação que Bildade faz desse conceito. O conceito de um Deus grandioso, que é soberano em suas ações, não deveria vir acompanhado também do conceito de um ser compassivo e amoroso? Deus não deve ser visto apenas em sua força, mas, sobretudo, por seu amor. Ele nunca exaltou seu poder e grandeza acima do seu amor. Ele não disciplina simplesmente porque é grande, forte e soberano, mas porque ama. Diferentemente do conceito apresentado por Bildade, o Deus que a Bíblia apresenta é poderoso e glorioso, mas, principalmente, misericordioso e gracioso. Temos de cuidar para que no momento do sofrimento não manchemos a imagem de um Deus que não é só força, mas igualmente amor

- Jó proferiu seu último discurso em refutação a Elifaz, Bildade e Zofar, respondendo à falta de preocupação de Bildade para com ele, mostrando que todas as palavras teológicas e racionais de seus amigos haviam perdido totalmente o foco de sua necessidade e em nada ajudaram. Jó faz uso de uma linguagem irônica nessa refutação à Bildade, procurando repreender à sua fútil tentativa de fazê-lo confessar seus pecados para que pudesse receber alívio. Warren W. Wiersbe, em seu “Comentário Bíblico Expositivo. A.T. Vol. III” (Central Gospel), escreve: “Antes de engrandecer o poder Deus no Universo, Jó repreendeu Bildade por não lhe dar ajuda alguma (Jó 26:1-4). Jó não tinha poder algum, mas Bildade não o fortaleceu. De acordo com seus amigos, Jó não tinha sabedoria e, no entanto, Bildade não compartilhou com ele uma só migalha de sabedoria ou discernimento. “Com a ajuda de quem proferes tais palavras? E de quem é o espírito que fala em ti?” (v. 4). Se as palavras de Bildade tivessem vindo de Deus, teriam edificado Jó, pois ele havia clamado a Deus pedindo que lhe respondesse. A conclusão é que as palavras de Bildade vinham apenas dele próprio e, por isso, não fizeram bem algum a Jó(WIERSBE. Warren W. Comentário Bíblico Expositivo. A.T. Vol. III. Editora Central Gospel. pag. 55).

 

CONCLUSÃO

Nesta lição vimos que o debate entre Bildade e Jó assume alguns contornos teológicos muito relevantes. Bildade faz três discursos teológicos e em cada um deles põe em destaque a sua crença. Ele não crê na inocência de Jó e, por isso, atribui o seu sofrimento à existência do pecado. Assim, ele orienta Jó a viver segundo os ditames da tradição e, como consequência, o empurra para um moralismo de natureza apenas religiosa. Por último, quando quer exaltar a grandeza de Deus a qualquer custo, acaba por criar um abismo intransponível entre o Criador e a criatura.

- Poderíamos certamente elogiar Bildade nesse seu discurso em busca da resposta ao sofrimento humano, principalmente, quando ele afirma acertadamente que “A Deus pertence o domínio e o poder; ele faz reinar a paz nas alturas celestes” (Jó 25.2). No desenrolar da conversa, parece haver um começo de pensar que Jó estava certo, e cessa de argumentar teologicamente os motivos de tanto sofrimento. As teologias debatidas, tanto dos três amigos quanto a de Jó, de fato, divergem pouco, e talvez essa tenha sido a razão do término dos debates; concluíram não divergiam tanto em opinião como pensavam. “Se tivéssemos os nossos corações cheios de pensamentos respeitosos e reverentes sobre Deus e pensamentos humildes sobre nós mesmos, não seríamos tão propensos como somos a contender por questões de duvidosa controvérsia, que são assuntos intrincados ou insignificantes(HENRY, Matthew. Comentário Bíblico Antigo Testamento: Jó a Cantares de Salomão. Rio de Janeiro: CPAD, 2010, p.125).

 

PARA REFLETIR

A respeito de “A Teologia de Bildade: Se Há Sofrimento, Há pecado oculto?”, responda:

• Como a teologia de Bildade pode ser classificada?

R: A teologia de Bildade pode ser classificada em duas esferas: a dos maus e a dos bons.

• O que Deus já havia testemunhado de Jó?

R: Deus já havia testemunhado acerca da integridade e da justiça de Jó.

• Para Bildade, por que desgraças se abateram sobre Jó?

R: Para ele as desgraças sofridas por Jó ocorreram por causa da quebra da moralidade estabelecida.

• Segundo a lição, qual o significado da palavra “redentor”?

R: A palavra “redentor” traduz o hebraico goel e significa alguém que defendia um familiar quando este não podia fazer sua própria defesa.

• Como Deus deve ser visto conforme as Escrituras?

R: Deus não deve ser visto apenas em sua força, mas, sobretudo, por seu amor. Ele nunca exaltou seu poder e grandeza acima do seu amor. Ele não disciplina simplesmente porque é grande, forte e soberano, mas porque ama.

 

 

4 Tri 20 | Lição 7: A Teologia De Bildade: Se Há Sofrimento Há Pedado Oculto? | Pb Francisco Barbosa