Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

QUER FAZER MISSÕES?

QUER FAZER MISSÕES?
O Templo precisa ser concluído. Entre em contato com o Pastor daquela igreja e saiba como ajudar

31 de março de 2017

Lição 1 - JOVENS - As Bem-Aventuranças



LIÇÕES BÍBLICAS CPAD
2º Trimestre de 2017
Título: O Sermão do Monte — A justiça sob a ótica de Jesus
Comentarista: César Moisés Carvalho

JOVENS
 - Lição 1 -
02 de Abril de 2017

As bem-aventuranças

TEXTO DO DIA

SÍNTESE
“Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós” (Mt 5.12).

As bem-aventuranças resumem perfeitamente o estilo de vida, bem como a visão de mundo, de todos os que, nascidos de novo, tornaram-se súditos do Reino e, por isso, veem as coisas sob a perspectiva de Cristo.

AGENDA DE LEITURA
Segunda - Sl 15.1-5
O perfil do salvo
Terça - Lc 6.20
A alegria do pobre
Quarta - Lc 6.21
A alegria do faminto e do triste

Quinta - Lc 6.22
A alegria dos desprezados
Sexta - Lc 6.23
A alegria da identificação
Sábado - Lc 6.24-26
A tristeza da alegria mundana


OBJETIVOS
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

           DESTACAR a bênção da humildade, do choro e da mansidão;
           EVIDENCIAR a felicidade dos sedentos e famintos por justiça, por misericórdia e por pureza;
           RESSALTAR a bem-aventurança de ser pacificador, perseguido, caluniado e insultado.


INTERAÇÃO
Prezado professor, estamos iniciando mais um trimestre com a graça de Deus. Nesta oportunidade, nosso tema é o conhecido “Sermão do Monte” ou “Sermão da Montanha”, proferido pelo Senhor Jesus Cristo em Mateus 5 a 7. A despeito de esta passagem ser muito popular, seu ensino nunca foi tão necessário quanto hoje, pois há uma crise ética generalizada em diversas áreas da vida. Neste caso, o padrão de justiça do Reino de Deus é uma inspiração não apenas para os discípulos daquele tempo, mas também para os de hoje, e para toda a humanidade. É bom, contudo, lembrar que o referido Sermão não consiste de uma lista de “pode” e “não pode”, estando muito além desses aspectos.
O comentário foi escrito pelo pastor César Moisés, que além de exercer a chefia do Setor de Educação Cristã da Casa Publicadora das Assembleias de Deus e lecionar na Faecad, atua como palestrante nos eventos de Educação Cristã da Casa (Capeds, congressos e conferências) é pedagogo, pós-graduado em Teologia pela PUC-Rio, articulista, e possui várias obras lançadas pela CPAD.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Todos, indistintamente, procuramos a felicidade. De uma forma ou de outra, todos buscamos ser felizes. Sabe-se, porém, que a maneira como se dá tal busca, bem como a sua fonte, são as mais diversas possíveis, e dependem de cada cultura, sociedade, grupo, família e indivíduo. Nesta primeira aula, após apresentar o tema O Sermão do Monte de forma panorâmica e distinguir a justiça do Reino, das justiças dos escribas e fariseus, realize uma dinâmica de, no máximo oito minutos, com o propósito de contrastar a felicidade na perspectiva do Reino em relação à felicidade na ótica mundana. Divida o quadro em dois e escreva de um lado “Felicidade” e, do outro, “Infelicidade”. Questione os alunos a respeito do que seria felicidade e o inverso. Procure dirigir as respostas para que surjam as seguintes palavras-chaves: humilhação, choro, injustiça, perseguição, calúnia e insulto. Por exemplo: “Quando vocês são injustiçados, ficam felizes ou tristes?”. Conforme as respostas forem surgindo você deve anotá-las à parte. No entanto, depois de uns quatro minutos, separe as expressões acima do lado do quadro onde estiver escrito “Felicidade”. Leia com eles a leitura bíblica em classe e explique que ser feliz, isto é, “abençoado”, na perspectiva do Reino é justamente o contrário da visão mundana e materialista.



TEXTO BÍBLICO
Mateus 5.1-12.
1 Jesus, vendo a multidão, subiu a um monte, e, assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos;
2 e, abrindo a boca, os ensinava, dizendo:
3 Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos céus;
4 bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados;
5 bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra;
6 bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos;
7 bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia;
8 bem-aventurados os limpos de coração,

porque eles verão a Deus;
9 bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus;
10 bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o Reino dos céus;
11 bem-aventurados sois vós quando vos injuriarem, e perseguirem, e, mentindo, disserem todo o mal contra vós, por minha causa.
12 Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.


COMENTÁRIO DA LIÇÃO
INTRODUÇÃO
É impossível a qualquer pessoa, com um mínimo de bom senso, não se surpreender com o texto conhecido como “As bem-aventuranças”. São nove versículos que destacam condições, sentimentos e valores que o mundo de então, tal como o de hoje, rejeita. Isso porque na cultura “ensimesmada”, ou “autocentrada”, a simples demonstração do que significa viver sob a perspectiva de Jesus Cristo e do seu Reino, é algo inconcebível. Durante este trimestre teremos a oportunidade maravilhosa de estudar o “Sermão do Monte”. Uma passagem muito conhecida do Evangelho de Mateus que precisa, urgentemente, ser estudada. A justificativa para essa necessidade é que o ímpeto da juventude a predispõe a estar sempre em busca de uma causa ou motivo pelo qual lutar. Tal disposição e interesse não possuem em si nada de ruim, pois como seres humanos precisamos de um sentido para viver. O problema é quando uma ideologia, por exemplo, torna-se a orientação fundamental da existência de uma pessoa. Por mais justa que seja a referida ideologia, ela será boa para alguns, mas nunca para todos. Já o Evangelho, conforme iremos aprender com o estudo dos capítulos cinco, seis e sete de Mateus, é a Boa Notícia global que Deus nos trouxe através de Jesus Cristo: “Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele” (Jo 3.17). [Comentário: Como introdução da revista, é esclarecedor dizer que “As bem-aventuranças” são as oito declarações de bênçãos pronunciadas por Jesus no início do Sermão da Montanha, registrado por Mateus no capítulo 5.3-12, cada uma começando com o termo "Bem-aventurados”. Também é bom esclarecer que há um certo debate quanto a exatamente quantas bem-aventuranças existem. O comentarista da revista afirma serem 9, alguns falam de sete, ou dez bem-aventuranças, mas assim como pensa Billy Grahan em seu livro O Segredo da Felicidade (CASA PUBLICADORA BATISTA), o que se depreende da leitura dos versículos 10-12 de Mateus 5 como sendo uma bem-aventurança, temos o número de 8. O sermão da Montanha é o mais famoso sermão que Jesus deu, talvez o mais famoso já dado por alguém. Mateus 5.1-2 é a razão pela qual esse texto é conhecido como o Sermão da Montanha: "Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte, e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e ele passou a ensiná-los…." A localização do monte é incerta, mas é provável que ficasse próximo aos arredores de Cafarnaum. Segundo o costume dos rabis, Jesus ficava sentado enquanto ensinava. Note que os discípulos incluíam uma audiência maior do que os 12. O Sermão da Montanha abrange vários temas diferentes, sendo que sua introdução é justamente as “Bem-aventuranças”. A palavra grega traduzida por "bem-aventurado" significa mais do que um estado emocional representado pela palavra ‘feliz’ e inclui o bem-estar espiritual, tendo a aprovação de Deus e, assim, um destino mais feliz (Veja o Sl 1). Aqueles que experimentam a primeira parte de uma bem-aventurança (os pobres, os que choram, os mansos, os com fome de justiça, os misericordiosos, os puros, os pacíficos e os perseguidos) também experimentarão a segunda parte da bem-aventurança (reino dos céus, conforto, herdarão a terra, saciados, misericórdia, verão a Deus, chamados filhos de Deus, herdarão o reino dos céus). Os bem-aventurados têm uma parte na salvação e têm entrado no reino de Deus, experimentando um pouco do céu. As Bem-aventuranças são a afirmação clássica da ética do Reino de Deus.] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

I. A FELICIDADE DOS HUMILDES, DOS AFLITOS E DOS CALMOS
1. A bem-aventurança dos pobres de espírito. Antes de pronunciar a primeira bem-aventurança, observa o evangelista Mateus, que Jesus “vê” a multidão (v.1). O “ver” aqui não é simplesmente enxergar ou contemplar, mas um olhar que contém compaixão e que se importa com o outro. Uma importante observação que aparece na versão bíblica Corrigida é que Ele, “abrindo a boca, os ensinava” (v.2). Não se trata de uma redundância, mas um registro que evidencia uma das formas, ou métodos, de Jesus ensinar, pois em outras ocasiões Ele o fez em silêncio (Jo 8.6,7; 13.3-17). Em seu ensino, o Mestre destaca, em primeiro lugar, que é bem-aventurado ou feliz, os “pobres de espírito”, isto é, os humildes, pois “deles é o Reino dos céus” (v.3). Os pobres de espírito são aqueles que, por reconhecerem sua dependência de Deus, não se apoiam em méritos próprios e muito menos em alguma coisa que possuam. Justamente por isso, eles são felizes, pois confiam integralmente em Deus e vivem para Ele. Deles então é o Reino dos céus, uma vez que vivem, já aqui, àquilo que muitos só experimentarão no futuro: A alegria da plena comunhão com o Senhor Deus (Jo 15.11). [Comentário: Ser pobre de espírito é ter a disposição descrita em Isaías 66.:2: "... mas o homem para quem olharei é este: o aflito e abatido de espírito e que treme da minha palavra". Como está bem explicado pelo comentarista, os que tem maior necessidade espiritual estão mais aptos para perceber essa necessidade e depender só de Deus e não da sua própria bondade. Paulo observa o mesmo princípio em Rm 9.30-31. O paralelo em Lucas 6.20 omite “de espírito”. Isto tem levado muitos a suporem que Jesus, primariamente, se referiu aos materialmente pobres. Pobreza material e reconhecimento da necessidade espiritual frequentemente andam juntas, mas as duas espécies de pobreza não são idênticas. Assim, esta bem-aventurança não confere nenhuma bênção especial aos desprovidos economicamente. Não devemos ter em mente que a pobreza fomente alguma proteção ou preterição por parte de Deus, nem devemos interpretar equivocadamente o texto que diz: "Bem-aventurados os pobres, pois deles é o reino dos céus". Pobre aqui é uma qualidade espiritual e não uma condição econômica. Ajuda pensar sobre o oposto de "pobre de espírito". O contraste seria "orgulhoso de espírito", auto-suficiente, arrogantemente independente. Há indivíduos com a atitude que diz "não preciso que ninguém me dê qualquer direção na vida. Eu posso passar muito bem sem qualquer padrão moral de uma fonte divina". Este é o espírito moderno do humanismo. No Glossário do Humanismo o conceito é definido deste modo: "... uma visão da vida que é centrada no homem e sua capacidade de construir uma vida que vale a pena para si mesmo e seus parceiros, aqui e agora. A ênfase é colocada nos próprios recursos intelectuais e morais do homem, e a noção de religião sobrenatural é rejeitada."]


2. A bem-aventurança dos que choram. Há vários tipos de choro e também de motivações para chorar; contudo, o Mestre refere-se a quem chora de aflição. Tal aflição não é de ordem puramente material, mas uma angústia por ter de enfrentar as vicissitudes de um mundo caído sem, contudo, tornar-se perverso tanto quanto os maldosos (Mt 10.16). Longe de ser um sinal de fraqueza, o choro do aflito traz a oportunidade de consolo: Um consolo que, promete-nos a Palavra de Deus, será de um privilégio sem precedentes, pois o próprio “Deus limpará de seus olhos toda lágrima” (Ap 21.4). [Comentário: Billy Grahan, em obra já citada, escreve: “A verdade é esta: o homem, apesar de sua boa vontade, de suas conquistas e espírito engenhoso, é um indigente espiritual, sem Deus. [...] Esta segunda Bem-aventurança – "Bem-aventurados os que choram" – parece a princípio coisa paradoxal. Podem andar juntos alegria e choro?! Como se pode ser feliz com as faces banhadas de lágrimas? Como se pode extrair o perfume da alegria do fel de tristezas?! Todavia, se nos assegura que há aqui um significado oculto e profundo, pois nos lembramos de que Jesus está falando a todos os homens de todos os credos e de todas as idades, e lhes está revelando o segredo da felicidade”. ‘Os que choram’ significa os que "sentem profunda tristeza, mostram grande ansiedade, ou deploram alguma coisa que está errada". Significa que, se temos de viver em plano mais elevado, devemos ser sensíveis, simpáticos, amoráveis e alertas às necessidades de nossos semelhantes e do mundo. O contexto indica que estão chorando por causa do pecado e do mal, especialmente os deles mesmos, e por causa do fracasso da humanidade em dar a glória devida a Deus. Os que choram não são necessariamente pessoas consternadas, mas os que passam pelo pesar do arrependimento.]

3. A bem-aventurança dos mansos. Em tempos de disputa e de fervilhamento de grupos que se levantavam entre os judeus para reconquistar a soberania política, afirmar que felizes são os mansos, ou não-violentos, é um desafio. Exaltar a calma, a mansidão e a serenidade em um contexto belicoso representava uma afronta e até mesmo uma espécie de conformismo com a situação perante grupos radicais, como os zelotes, por exemplo (At 5.36,37). O Mestre, porém, não se importa com tal pensamento e reverbera o Salmo 37.11: “Mas os mansos herdarão a terra e se deleitarão na abundância de paz”. A tão sonhada promessa de “posse da terra” não é uma conquista do braço, ou da força humana, mas uma posição reverente e calma por parte dos que creem que do “Senhor é a terra e toda a sua plenitude”, sabendo que “fiel é o que prometeu” e Ele a dará aos que nEle confiam (Sl 24.1; Hb 10.23). [Comentário: Nesta terceira Beatitude temos estas palavras de Jesus: "Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a Terra." Já lhe ocorreu alguma vez pensar que há felicidade em ser manso? O dicionário nos diz que manso quer dizer "humilde, submisso e complacente". E a verdade é que muitos de nós conhecemos poucos que são humildes, dóceis e complacentes. Mansos não conota uma fraqueza, mas sim uma energia controlada. A palavra condensa as idéias de humildade e autodisciplina. Esta bem-aventurança assemelha-se à do Salmo 37.11 e, talvez esteja baseada nela. Esta mansidão é de natureza espiritual revelando uma atitude de humildade e submissão à Deus. Nosso modelo de mansidão é Jesus que se submete à vontade de Seu Pai. A mesma palavra usada aqui é empregada para Jesus no capítulo 11.29. Não é de nossa natureza o ser manso. Pelo contrário, a nossa natureza nos arrasta para o orgulho e para a soberba. Por isso é que o novo nascimento é coisa essencial e indispensável para cada um de nós. “A mansidão é uma jóia de muitas facetas. É atributo espiritual que nos apresenta muitos aspectos. Coloquemos essa jóia de espiritual beleza à luz da verdade e busquemos compreender a sua beleza multifacetada.” Billy Graham.]


Pense!
Diante de uma realidade como a nossa, em que se valoriza a ostentação, o pedantismo e tantas outras posturas altivas, como ser humilde, prezar o choro e demonstrar a serenidade e a calma?


Ponto Importante
Enxergar o mundo, e também enxergar-se, pela perspectiva do Reino, requer uma transformação da mente e do coração, destronando o nosso “eu” e concedendo o controle e o governo de nossa vida ao Rei dos reis e Senhor dos senhores.


II. A FELICIDADE DOS FAMINTOS E SEDENTOS DE JUSTIÇA, DOS MISERICORDIOSOS E DOS PUROS

1. A bem-aventurança dos famintos e sedentos de justiça. Das necessidades básicas, fome e sede são duas das principais. A ingestão de alimento é algo obrigatório e dela depende a sobrevivência. Ao dizer que “os que têm fome e sede de justiça” serão fartos ou saciados, Jesus não destaca qualquer espécie de “justiçamento”, ou seja, “punir aplicando uma forma de suplício corporal, em especial condenar à morte”, e muito menos o ajuntamento amotinado (Lc 9.51-56). O Mestre refere-se a um perfil de pessoa cujo desejo, vontade e aspiração pela justiça, tornaram-se parte de sua natureza. Essas pessoas não se comportam assim por querer “fazer tipo”. Não se trata disso. Elas sentem a dor do próximo e não somente as suas, e tal percepção as levam a sentir “fome e sede de justiça”, não como regras impostas, mas como sentimentos conscientes que fazem parte de sua natureza (Jr 31.33). Apesar de a satisfação plena dessas necessidades se dar apenas no futuro, na completude do Reino de Deus, é exequível, e recomendável, que se busque, tanto quanto possível, sua prática aqui e agora. [Comentário: Esta quarta Beatitude de Cristo expressa uma verdade central e crucial. Quando Jesus disse estas palavras: "Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça", certamente as dirigiu à multidão que O ouvia. Justiça significa dar a cada um o que lhe é de direito. A Bíblia nos ensina que Deus é Justo Juiz, portanto dará a cada um segundo suas obras. O texto nos desafia a ter sede dessa justiça ou desse juízo divino. Ter sede de Justiça é ter desespero pela presença e pela manifestação da justiça de Deus para que cada um tenha seus direitos respeitados. Que justiça ou retidão é essa que devemos desejar? A Bíblia diz: "Justificados, pois, pela fé, tenhamos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo" (Rm 5.1). Não nos é possível experimentar e gozar a verdadeira felicidade enquanto não estabelecermos essa amizade e comunhão com Deus. E essa comunhão com Deus só a podemos ter através da cruz de Seu Filho, Jesus Cristo. Esta é a razão por que nos é necessário ir à cruz, arrependidos de nossos pecados e cheios de fé no Seu Filho, para podermos alcançar perdão e salvação. Deus aqui nos diz que só aqueles que têm fome disso é que o receberão. <<]


2. A bem-aventurança dos misericordiosos. O tema da misericórdia sucede o da justiça com um propósito muito claro: Para que ninguém pense que ter “fome e sede de justiça” é algo que se confunde com tornar-se “justiceiro”. Assim, exercer ou ter misericórdia é uma atitude benevolente (Mt 18.21-35; Ef 2.1-10). Vivendo em meio à opressão do Império Romano, era “comum” que os judeus tivessem ressentimentos. Tais sentimentos algumas vezes, encontravam-se entre eles mesmos. Um exemplo que ilustra o ponto é a antipatia dos judeus por seus pares que se tornavam publicanos (Mt 9.9-13). Enfim, em uma sociedade que cultua o revide, Jesus ensinou justamente o contrário, dizendo que felizes são os misericordiosos, pois eles serão tratados por Deus com a mesma benevolência com que trataram as pessoas que lhes ofenderam (Mt 18.35). [Comentário: “A misericórdia de que o mundo precisa é a da graça, do amor e da paz do Senhor Jesus Cristo. É do seu poder transformador e regenerador que o mundo precisa mais do que de qualquer outra coisa. Se Cristo na realidade fez alguma coisa por você, faça algo por outros, e conte a eles o que Cristo já fez por você. Assim fazendo, você estará usando de misericórdia para com seus semelhantes! Você recebeu e experimentou a misericórdia de Deus no perdão dos seus pecados e na gloriosa promessa da vida eterna; então, mostre-se misericordioso para com todos os seus semelhantes que ainda estão nas trevas e na escravidão do pecado. Daí, revelando misericórdia, você não só receberá misericórdia, mas também encontrará felicidade duradoura, estimulante e verdadeira!” O Segredo da Felicidade, GRAHAN, Billy, CASA PUBLICADORA BATISTA. Pág 82.]

3. A bem-aventurança dos puros. A sexta bem-aventurança atinge o âmago do ser humano e é um tema caro ao judeu, tanto do mundo do Antigo Testamento quanto do Novo. Cria-se que o coração era a sede dos desejos humanos, por isso, ao contrário da religiosidade que valoriza meramente o exterior e a aparência, Jesus chama a atenção para o fato inegável de que os limpos, ou puros, de coração verão a Deus. É consenso entre os estudiosos que, neste trecho, o Mestre alude o Salmo 24,3,4. A pergunta do Salmo procura responder a um questionamento que ultrapassa o cumprimento do ritual exigido pela Lei para que o sacerdote pudesse oficiar o culto no Templo (Lv 16.1-14). Para estar no “lugar santo”, ou na “casa santa”, não bastava cumprir a pureza ritualística que poderia ser feita de forma mecânica e exterior; antes era necessário ter as mãos puras e um coração limpo, qualidades que apenas o Senhor verdadeiramente contempla e conhece. Os limpos de coração, ainda que não estivessem conforme os padrões da religiosidade oficial, veriam a Deus. Portanto, mesmo sendo esquecidos pelas pessoas, eles são felizes. [Comentário: O Salmo 15 elenca as qualidades espirituais do verdadeiro cidadão dos céus, assim o como o 24. O coração é a sede das emoções e sentimentos. Sendo o coração a sede dos sentimentos, então o nosso amor a Deus deve ser puro. Sendo ele é o centro de nossos motivos, estes também devem ser puros. Se ali reside a nossa vontade, esta deve ser entregue nas mãos de Cristo. Devemos ser puros no amor, nos motivos e nos desejos. Jesus observou que "Porque de dentro, do coração dos homens, é que procedem os maus desígnios, a prostituição, os furtos, os homicídios, os adultérios, a avareza, as malícias, o dolo, a lascívia, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura" (Marcos 7:21 e 22). O coração humano longe de Deus é obscurecido, incrédulo, cego, orgulhoso, rebelde, idólatra e empedernido. O coração humano, em seu estado natural, é capaz de todas as maldades e crimes. É importante salientar que a pureza de coração não é produzida por sugestão mental, nem pelo meio em que vivemos, e nem pela educação ou instrução que recebemos. Pureza de coração é um milagre operado pelo Espírito Santo: "Eu vos darei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo, e tirarei o coração de pedra da vossa carne" (Ez 36.26). É o resultado do novo nascimento, um milagre, uma nova criação: "Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus" (Jo 1.13). Os de coração puro são semelhantes a Cristo. "Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus" (Fp 2.5) - É da vontade de Deus que sejamos conformes à imagem do Seu Filho. Se Cristo vive dentro de nós e nosso corpo se toma a morada do Espírito Santo, será de admirar que nos tomemos semelhantes a Cristo?]


Pense!
É possível ter “fome e sede de justiça” e não se tornar um justiceiro?


Ponto Importante
Devido aos perigos que cercam as grandes virtudes, o Senhor Jesus fala da importância e da felicidade dos que almejam a justiça, ao mesmo tempo em que destaca o valor da misericórdia e da pureza de coração


III. A FELICIDADE DOS PACIFICADORES, DOS PERSEGUIDOS E DOS CALUNIADOS

1. A bem-aventurança dos pacificadores. Em um contexto conflitante e de golpes de Estado, exaltar a paz e dizer que os que a promovem são felizes, visto que serão chamados “filhos de Deus”, é um desafio. Sobretudo, quando se estuda a passagem e se descobre que “paz” aqui não é, na acepção comum, unicamente “ausência de guerra”, isto é, algo passivo. Paz significa muito mais que isso no conceito bíblico, pois fala de algo concreto, ativo, prático e que deve ser promovido. Os pacificadores promovem a igualdade, a inteireza e a unidade (Is 52.7 cf. Pv 6.16-19). Essa atividade recebe essa linda promessa devido à importância da paz para toda a sociedade. Em um ambiente que vive cheio de intrigas e “pequenas guerras”, um pacificador tem um papel importante: Restabelecer a ordem e o equilíbrio entre as pessoas, gerando outro tipo de lugar, transformando radicalmente o meio (Hb 12.14; Pv 26.20). [Comentário: Desde o Éden o problema dos atritos humanos persiste. Surge com Caim, dominado pela inveja, matando o seu próprio irmão, Abel. Estamos em lutas e brigas até hoje, porque isso faz parte da natureza caída. No entanto, aqui trata-se de paz espiritual e não a cessação da violência física entre as nações. Mesmo que o termo seja geralmente entendido no sentido daqueles que ajudam outros a encontrar a paz com Deus, esta paz pode também ser entendida como aqueles que alcançam sua própria paz com Deus e são chamados seus filhos. O princípio é ampliado nos versículos 44 e 45 – os filhos de Deus buscam a paz mesmo com seus próprios inimigos. Deus é o Pacificador supremos e seus filhos seguem seu exemplo! Cristo conseguiu essa paz para nós no Calvário. "Ele é a nossa paz" (Ef 2.14). A Bíblia não nos deixa em dúvida quanto à natureza dessa paz que Cristo adquiriu para todos nós. Como escreve Billy Graham: “Jesus carregou e apagou os pecados dos homens na cruz, de modo que aqueles que conhecem e aceitam a Sua salvação já não mais se perturbam por causa dos seus pecados. Jesus Se interpôs entre os homens condenados e perdidos e a ira de Deus. E ainda está de pé entre o Deus Santo e o homem decaído em sua aflição, rebelião e conflitos. Ele é a única esperança de paz, na íntima luta espiritual de nossa alma, e, por essa razão, também é a única esperança da estabilidade socialO Segredo da Felicidade, GRAHAN, Billy, CASA PUBLICADORA BATISTA. Pág 102.]

2. A bem-aventurança dos perseguidos. Uma vez mais o Senhor Jesus surpreende ao sublimar uma situação que, em condições “normais”, todos rejeitam. É importante perceber que o sofrimento se dá em decorrência de a pessoa buscar fazer a vontade de Deus que é nada mais nada menos que a justiça. Ansiar por justiça, como já dissemos, sem, contudo, tornar-se justiceiro, sendo antes misericordioso, limpo de coração e promotor da paz, não pode resultar em outra coisa. A perseguição vem quase que automaticamente, pois o perseguido oferece ao mundo a oportunidade deste experimentar a paz, sem usar as ferramentas dos que oprimem em nome dela (Jr 6.13,14; 1Ts 5.3). Ser perseguido por causa da justiça significa viver, ainda que parcialmente, a glória do Reino, pois em um mundo onde reina a justiça segundo Deus, sem dúvida alguma, mesmo com perseguição, é infinitamente melhor que o mundo da falsa paz. A estes, ou seja, aos perseguidos, o Senhor pronuncia-lhes o mesmo que pronunciou aos pobres de espírito: Deles é o Reino dos céus. [Comentário: Entenda que a causa da perseguição deve ser a lealdade que Jesus especifica no versículo 11, e Paulo atesta o mesmo quando escreve: "Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos" (2Tm 3.12). Estamos vivendo dias terríveis para a aplicação dos ditames bíblicos para uma vida correta aos olhos de Deus. O Mundo vai na contra-mão, naturalmente, agindo com o pendor de sua natureza caída e à parte de Deus, por isso mesmo, o cristão vive em contexto de reprovação e perseguição. A perseguição é coisa inevitável para todos quantos são peregrinos e forasteiros nesta terra estranha que é o mundo: "Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz; vós, sim, que, antes, não éreis povo, mas, agora, sois povo de Deus, que não tínheis alcançado misericórdia, mas, agora, alcançastes misericórdia. Amados, exorto-vos, como peregrinos e forasteiros ..." (1Pd 2.9-11). Nossa juventude deve entender que a vida cristã não pertence ao mundo, não é agradável ao mundo nem entendida por ele, por isso mesmo Paulo escreve que "nossa pátria está nos céus" (Fp 3.20). Logicamente, o jovem deve levar sua vida normalmente, projetando seu futuro, alavancando seus estudos, almejando o melhor para sua vida, sem contudo esquecer que seus maiores interesses estão nos céus e não neste mundo: "Mas ajuntai para vós outros tesouros no céu... porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração" (Mt 6.20, 21). É difícil inculcar isso na mente de nossos jovens? Não para os jovens que experimentaram o novo nascimento. Estes sabem que a nossa esperança não está neste mundo: "Aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, o qual transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo da sua glória, segundo a eficácia do poder que ele tem de até subordinar a si todas as coisas" (Fp 3.20 e 21).]

3. A bem-aventurança dos insultados e caluniados. O Mestre chega ao ápice das bem-aventuranças com uma exaltação paradoxal: Felizes são os discípulos quando forem injuriados, perseguidos e caluniados por causa dEle (vv.11,12). Jesus diz que tal sofrimento é um privilégio, pois gerará uma grande recompensa ao mesmo tempo em que fará com que os discípulos se equiparem, e não apenas se identifiquem, com os profetas do Antigo Testamento (Jr 37.1—38.28). Uma vez que todos tinham os profetas em alta conta, dizer que tal situação os colocava no mesmo patamar era também uma forma de afirmar sua autoridade divina, pois os profetas no Antigo Testamento estavam a serviço de Deus e, justamente por isso, foram perseguidos. Se os discípulos sofrem por causa de Jesus e isso os equipara aos profetas, logo quer dizer também que eles sofrem por Deus. [Comentário: O Senhor Jesus promete felicidade aos perseguidos. Ele diz: "Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; pois assim perseguiram aos profetas que viveram antes de vós" (Mt 5.12). O vocábulo gozo quase que desapareceu do dicionário cristão de nossos dias. Uma das razões está no fato de pensarmos que gozo e felicidade são encontrados no conforto, nas facilidades e na luxúria. O apóstolo Tiago não nos diz: "Tende por motivo de toda alegria o de poderdes cair sobre uma poltrona macia", e sim – "tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações" (Tg 1.2). Os perseguidos estão felizes porque estão de caminho para o céu. A perseguição é uma das conseqüências naturais da vida cristã. Ele é para o cristão o que "as dores do crescimento" são para a criança que está a crescer. Não havendo dores, não há desenvolvimento. Não havendo sofrimentos, não haverá glória. Sem luta não há vitória. Sem perseguição não há recompensa! A Bíblia diz: "Ora, o Deus de toda a graça, que em Cristo vos chamou à sua eterna glória, depois de terdes sofrido por um pouco, ele mesmo vos há de aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar" (1Pd 5.10). Facilmente nos esquecemos de que "todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus" (Rm 8.28) O Segredo da Felicidade, GRAHAN, Billy, CASA PUBLICADORA BATISTA. Pág 119. Note que os perseguidos "por causa da justiça" são felizes porque são identificados com Cristo – aliás, o termo ‘cristão’ significa exatamente isso: parecido com Cristo, um pequeno Cristo! Quer saber se está trilhando pelo caminho certo? A inimizade do mundo é prova tangível de que estamos focados em agradar Àquele que nos alistou para a guerra! Foi Jesus mesmo que afirmou que o fato de estarmos ao lado dEle atrairá o ódio do mundo: "Sereis odiados de todos por causa do meu nome; aquele, porém, que perseverar até ao fim, esse será salvo" (Mt 10.22).]

Pense!
Em tempos de disputa, intriga e desconfiança, como ser um pacificador e promotor da igualdade?


Ponto Importante
O sofrimento que produz recompensa e gera equiparação, não pode ser motivado por erros e intransigências dos discípulos do Senhor. Tal ensinamento foi tão bem apreendido, que é reverberado pelo apóstolo Pedro (1Pe 4.12-16).


CONCLUSÃO
O início do Sermão do Monte, resumido nas bem-aventuranças, evidencia a diferença da atividade magisterial de Jesus em relação aos escribas, bem como denota a grande disparidade do conteúdo da mensagem do Evangelho em comparação com a exigência de memorização e o cumprimento de regras provenientes da religiosidade [Comentário: O Sermão do Monte deu aos discípulos uma visão da elevação e sublimidade da vida cristã. Revela o elevado plano moral em que os discípulos devem de viver. Mostra que o ser cristão não é um estilo de vida, uma opção religiosa. O Sermão do Monte foi o desvendar daquilo que realmente significa ser um seguidor de Cristo. Aqui entendemos que a vida cristã jamais perde o seu entusiasmo quando, experimentando nosso presente desconforto, temos a certeza de que somos filhos de um Rei. Por isso, é insensatez nos queixarmos; e portarmo-nos como os que são deste mundo é coisa indigna do cristão; e o amor, a benignidade e a mansidão se tornam a marca distintiva dos nobres de Deus] “Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar e apresentar-vos irrepreensíveis, com alegria, perante a sua glória. Ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja glória e majestade, domínio e poder, agora, e para todo o sempre. Amém”. (Jd.24-25),
Francisco Barbosa
Campina Grande-PB
Abril de 2017

HORA DA REVISÃO

1. Qual a diferença entre a ideologia e o Evangelho em termos de benefício?
Por mais justa que seja a ideologia, ela é boa para alguns, mas nunca para todos. Já o Evangelho, conforme iremos aprender com o estudo dos capítulos cinco, seis e sete de Mateus, é a Boa Notícia global que Deus nos trouxe através de Jesus Cristo.
2. Explique o que Mateus quis dizer com os atos de Jesus ver a multidão e abrir a boca para ensinar.
O “ver” não é simplesmente enxergar ou contemplar, mas um olhar que contém compaixão e que se importa com o outro. De igual maneira, o “abria a boca” não se trata de uma redundância, mas um registro que evidencia uma das formas, ou métodos, de Jesus ensinar, pois em outras ocasiões Ele o fez em silêncio (Jo 8.6,7; 13.3-17).
3. O que significa ter “fome e sede de justiça”?
Não se trata de “justiçamento”, ou seja, “punir aplicando uma forma de suplício corporal, em especial condenar à morte”, e muito menos o ajuntamento amotinado (Lc 9.51-56). O Mestre refere-se a um desejo, vontade e aspiração pela justiça, que torna-se parte da natureza da pessoa, fazendo com que esta sinta a dor do próximo e não somente as suas, e tal percepção a leva a sentir “fome e sede de justiça”, não como regras impostas, mas como sentimentos conscientes que fazem parte de sua natureza (Jr 31.33).
4. Há algum propósito especial para Jesus ter ensinado sobre misericórdia logo após ter falado de justiça? Explique.
Para que ninguém pense que ter “fome e sede de justiça” é algo que se confunde com tornar-se “justiceiro”.
5. Equiparar o sofrimento dos discípulos ao que sucedeu aos profetas no Antigo Testamento acabou por revelar algo da natureza de Jesus. O que é?
Uma vez que todos tinham os profetas em alta conta, dizer que tal situação os colocava no mesmo patamar, era também uma forma de afirmar sua deidade, pois os profetas no Antigo Testamento estavam a serviço de Deus e, justamente por isso, foram perseguidos.
SUBSÍDIO

“As Bem-Aventuranças (5.1-12)
O que significa makarios? É difícil expressar em nosso idioma a força desta palavra grega e seu conceito hebraico subjacente. A tradução em português sagrou o termo ‘bem-aventurados’. Além de ser uma bênção ou pronunciamento de bênção que o falante estende aos ouvintes que se qualificam, é também uma declaração da realidade ou essência daqueles que mostram a virtude mencionada no pronunciamento. “As bem-aventuranças esboçam as atitudes do verdadeiro discípulo, aquele que aceitou as demandas do Reino de Deus em contraste com as atitudes do ‘homem do mundo’, e as apresentam como o melhor meio de vida não apenas na sua bondade intrínseca, mas também nos resultados’ (France, 1985, p.108). Nenhuma palavra em nossa língua expressa adequadamente as nuanças do grego ou do hebraico.
‘Estas beatitudes estabelecem o sentido e a substância do restante do sermão. As questões da pobreza de espírito, choro, mansidão, justiça, misericórdia, limpeza do coração, paz e perseguição são desenvolvidas nos demais ensinos. Portanto temos de explorar cuidadosamente o significado de cada bem-aventurança para Jesus, a cosmovisão hebraica e a Igreja. Devemos tomar cuidado para distinguir estes conceitos das noções modernas que levam o mesmo nome‘” (ARRINGTON, French L.; STRONSTAD, Roger (Eds.). Comentário Bíblico Pentecostal: Novo Testamento. 2ª Edição. RJ: CPAD, 2004, pp.34-35).

Fonte: O texto da lição foi retirado de:

Nenhum comentário:

Postar um comentário