Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

QUER FAZER MISSÕES?

QUER FAZER MISSÕES?
O Templo precisa ser concluído. Entre em contato com o Pastor daquela igreja e saiba como ajudar

5 de dezembro de 2016

Lição 11: O Socorro de Deus para Livrar o Seu Povo



A D U L T O S
- Lição 11 -
11 de Dezembro de 2016

O Socorro de Deus para
Livrar o seu Povo

TEXTO ÁUREO

VERDADE PRÁTICA

"Os justos clamam, e o SENHOR os ouve e os livra de todas as suas angústias." (Sl 34.17)


Deus é fiel no cumprimento de todas as suas alianças e promessas

LEITURA DIÁRIA
Segunda -  Et 1.1-8
Um banquete rico e glorioso
Terça - Et 1.9
O banquete oferecido por uma rainha
Quarta - Et 1.10,11
Um rei bêbado e uma crise

Quinta - Et 1.12
A rainha recusa a ordem do rei
Sexta - Et 2.19
Uma nova rainha deve ser escolhida
Sábado - Et 3.11,13
Uma crise para exterminar os judeus


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Ester 5.1-6
1 - Sucedeu, pois, que, ao terceiro dia, Ester se vestiu de suas vestes reais e se pôs no pátio interior da casa do rei, defronte do aposento do rei; e o rei estava assentado sobre o seu trono real, na casa real, defronte da porta do aposento.
2 - E sucedeu que, vendo o rei a rainha Ester, que estava no pátio, ela alcançou graça aos seus olhos; e o rei apontou para Ester com o cetro de ouro, que tinha na sua mão, e Ester chegou e tocou a ponta do cetro.
3 - Então, o rei lhe disse: Que é o que tens,

rainha Ester, ou qual é a tua petição? Até metade do reino se te dará.
4 - E disse Ester: Se bem parecer ao rei, venha o rei e Hamã hoje ao banquete que tenho preparado para o rei.
5 - Então, disse o rei: Fazei apressar a Hamã, que cumpra o mandado de Ester. Vindo, pois, o rei e Hamã ao banquete, que Ester tinha preparado,
6 - disse o rei a Ester, no banquete do vinho: Qual é a tua petição? E se te dará. E qual é o teu requerimento? E se fará, ainda até metade do reino.

HINOS SUGERIDOS: 369, 606, 607 da Harpa Cristã

OBJETIVO GERAL
Ressalvar que Deus é fiel no cumprimento de todas as suas alianças e promessas.


OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

I.      Apontar a providência de Deus na história;
II.     Mostrar como Ester foi colocada no palácio real;
III.    Explicar a crise sofrida pelo povo de Deus no livro de Ester.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Mediante o estudo da vida da rainha Ester, podemos ver o quanto Deus é fiel em todas as suas promessas. Ele guardou o seu povo, livrando-o da morte. O Senhor colocou Ester no palácio, tornando-a rainha para que intercedesse por seu povo. Com isso, aprendemos que nada em nossas vidas acontece por acaso. Todas as coisas cooperam para o nosso bem (Rm 8.28).
O povo judeu corria o risco de ser exterminado; se assim fosse, a promessa que Deus fez a Abraão não poderia se cumprir. Mas, o Senhor é fiel. Se Deus tem promessas em sua vida, creia que Ele cumprirá. Não deixe que os "Hamãs" da vida venham impedir sua trajetória e amedrontá-lo.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
O nome de Deus não aparece no livro de Ester, porém o Senhor está presente em todas as circunstâncias, intervindo em favor do seu povo. Veremos que a história de Ester, Mardoqueu e dos judeus foi delineada pela providência divina. Na lição de hoje, veremos que Deus age em prol dos que o servem. [Comentário: Curiosamente o livro de Ester distingue-se como o único livro na Bíblia que não cita, nenhuma vez, o nome de Deus. Mesmo sem citar o nome do Senhor, o livro demonstra a fé dos seus servos, principalmente de Mordecai. Em um momento crítico na história, ele procurou persuadir Ester a arriscar sua vida para salvar seu povo. A finalidade do Livro de Ester é mostrar a providência de Deus, especialmente no que diz respeito ao seu povo escolhido, Israel. A mão de Deus é evidente na medida em que o que parece ser uma situação ruim é na verdade algo que está sob o controle total do Deus Todo-Poderoso que, em última instância, tem o bem do povo como Seu objetivo. O Livro de Ester explica a origem da Festa de Purim e a obrigação de sua observação permanente. Esse Livro era lido durante essa festa para comemorar a grande libertação da nação judaica causada por Deus através de Ester. Os judeus ainda hoje lêem Ester durante Purim.] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

PONTO CENTRAL
Deus livra o seu povo das crises.


I - A PROVIDÊNCIA DE DEUS

1. A providência divina na história de Ester. A palavra providência vem do latim providentia e o prefixo "pro" significa "antes" ou "antecipadamente". O sufixo videntia deriva de videre que significa "ver". Logo, ao tratarmos a respeito da providência divina, dizemos que Ele faz e vê tudo antecipadamente. Deus estava ciente de todos os incidentes ocorridos no Império Persa. O Senhor estaria colocando uma jovem judia no palácio de Assuero para que mais tarde seu povo fosse salvo da destruição. Tal verdade nos mostra que os pensamentos de Deus são mais altos do que os nossos (Is 55.9). Deus está no controle de todas as coisas. Nada em nossa vida acontece por acaso. [Comentário: A melhor definição para providência divina é esta encontrada na Wikipédia: “Divina Providência, ou simplesmente Providência, é um termo teológico que se refere ao poder supremo, superintendência, ou agência de Deus sobre eventos na vidas das pessoas por toda a história. É a influência de Deus no futuro, onde ele decide o que irá acontecer no futuro e que nada acontece sem que Deus permita” https://pt.wikipedia.org/wiki/Divina_Provid%C3%AAncia. Não é o fato de que Deus faz e vê tudo antecipadamente. É o meio pelo qual Deus governa todas as coisas no universo. A doutrina da providência divina afirma que Deus tem controle completo de todas as coisas. Isso inclui o universo como um todo (Sl 103.19), o mundo físico (Mt 5.45), as transações das nações (Sl 66.7), nascimento e destino humanos (Gl 1.15), sucessos e fracassos humanos (Lc 1.52), e a proteção do seu povo (Sl 4.8). Essa doutrina se mantém em direto contraste à idéia de que o universo é governado por sorte ou acaso. Em Ester Deus não é citado mas o tempo todo Sua presença, Sua providência e Seus planos eternos estão em evidência. A providência divina vista nos pequenos detalhes revela um Deus que controla a história. Deus está ali de maneira muito direta, e assim também em nossas vidas.]
2. A festa do rei. Assuero era vaidoso, e, querendo ostentar sua glória, poder e riqueza a todos os súditos do império, decidiu fazer um grande banquete, que durou muitos dias, onde os convidados podiam comer e beber à vontade. Cento e vinte e sete províncias estavam representadas nesta festa. Assuero bebeu muito e, já dominado pela embriaguez, decidiu exibir a beleza da rainha Vasti para os convidados. [Comentário: A história nos conta que o rei medo-persa Assuero, ou Xerxes (Assuero significa "rei venerável" não sendo um nome, mas um título), por cento e oitenta dias planejou a invasão da Grécia pelo seu exército. Não sei o quanto de vaidade e ostentação cabe aqui (os reis persas gostavam de exibir a sua riqueza, e até usavam pedras preciosas em suas barbas), mas o que levou Assuero a regalar-se numa festa foi sua felicidade pelo êxito de seu exército, e impressionado consigo mesmo, ao cabo destes dias, dá uma festa de sete dias, de magnitude ímpar, para celebrar seus planos. No último dia da festa, ele decide chamar sua esposa, por nome Vasti, para mostrar a todos a sua formosura. Ela, porém se recusa a ir, e a ira de Assuero se ascende, e ele decide depor sua esposa do status de rainha.]
3. A destituição da rainha. Vasti recusou ser exibida como objeto naquela festa profana. Não podemos nos esquecer que todos, ali, estavam bêbados. Aquele não era o ambiente para uma rainha. Então, ela contrariou a ordem do rei; defendeu a sua posição, mas pagou caro por isso. [Comentário: Qual foi a causa da recusa pela rainha? Vastí era muito formosa e Assuero não pensou com suficiente cuidado sobre as repercussões que tal exibição teria, nem como isso seria humilhante para a rainha. As mulheres costumavam se cobrir bem, como ainda fazem na maioria dos países do Oriente Médio, e a rainha perderia a sua dignidade se fosse apresentada como um objeto atraente aos olhos do público. Sem dúvida a ordem dada por Assuero aos eunucos para trazerem Vasti foi devido ao enfraquecimento da sua razão e domínio próprio pelo álcool. A rainha teve que optar entre desobedecer às convenções e humilhar-se diante dos convidados do rei, ou manter a sua dignidade e arriscar-se ao desagrado do rei. Alguns sugerem que Vasti se encontrava também visivelmente grávida com seu filho Artaxerxes naquela época, pois ele nasceu pouco depois, naquele mesmo ano, 483 a.C. R David Jones diz que “Vasti foi afastada da presença do rei e destituída do seu poder como rainha. Segundo documentos gregos da antigüidade, que chamam Vasti de Amestris, provavelmente o equivalente do seu nome em grego, ela foi deposta em 484/483 a.C., mas aparece outra vez como a rainha mãe durante o reinado do filho Artaxerxes, que sucedeu a Xerxes. Se isso realmente aconteceu, é provável que ela tenha voltado a ter a influência que tinha depois da morte de Ester, quando seu filho estava no trono. Mas é a história profana, que não tem a mesma garantia de veracidade que tem a Bíblia”. http://www.bible-facts.info/comentarios/vt/ester/ARevoltadaRainhaVasti.htm]

SÍNTESE DO TÓPICO I
Podemos ver a providência de Deus na história da rainha Ester.

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
Rebeldia de Vasti (Et 1.10-22)
A recusa de Vasti em obedecer as ordens de Xerxes foi vista como um precedente para as mulheres de todo o império. Xerxes divorciou-se de Vasti e emitiu um decreto; as mulheres deveriam obedecer a seus maridos. O decreto reflete um princípio profundamente enraizado ainda hoje no Oriente Médio. O marido governa a casa. Somente ele tem o direito de iniciar ou dar o divórcio. Os filhos do matrimônio pertencem ao marido e, quando o divórcio acontece, ele os mantêm. O desafio de Vasti a Xerxes foi assim uma ameaça à ordem social estabelecida" (RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 10. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2012, p. 324).

II - ESTER NO PALÁCIO DE ASSUERO

1. A busca de uma jovem para o lugar de Vasti. Passado algum tempo da destituição de Vasti, alguns servos de Assuero sugeriram que ele buscasse moças virgens e formosas para que uma delas substituísse Vasti. Comissários de todas as províncias trouxeram candidatas ao palácio de Susã. As jovens ficaram aos cuidados do eunuco Hegai, que era guarda das mulheres. Entre todas as moças levadas ao palácio estava uma judia de nome Ester. Essa jovem logo ganhou a simpatia do eunuco do rei (Et 2.9). Ester não estava somente participando de um concurso. O Senhor estava direcionando seus passos, ali no palácio, para algo grande. Ela fazia parte do desígnio de Deus para ajudar o seu povo. Mas talvez não imaginasse isso. Deus tem um plano em sua vida. Ainda que você não consiga compreendê-lo inteiramente, confie no Senhor! [Comentário: Depois de um longo discurso Memucã, um nobre próximo ao rei, deu seu conselho: “Se bem parecer ao rei, saia da sua parte um edito real, e escreva-se nas leis dos persas e dos medos, e não se revogue, a saber: que Vasti não entre mais na presença do rei Assuero, e o rei dê o reino dela a outra que seja melhor do que ela.” (Et 1.19). Observe que o conselho não se resumia a destituir Vasti da posição de rainha, mas que seu reino fosse dado a outra melhor do que ela. Passados quatro anos, depois de sua derrota militar para a Grécia, Assuero decide escolher uma esposa para ser sua rainha. Convoca as moças mais belas de todo o seu reino e escolheria dentre elas a que mais lhe agradasse. Dentre milhões de mulheres de seu império, ele, de forma única e peculiar, escolhe uma judia órfã, por nome Hadassa (hebreu) que recebe o nome persa de Ester, que significa “Estrela”. Ela é coroada rainha de todo o império pela divina providência.]
2. Mardoqueu e Ester. Ester não chegaria ao palácio sem a ajuda de Mardoqueu, seu primo. Mardoqueu era um homem temente a Deus e estava entre os cativos judeus que serviam aos interesses do rei em Susã. Mardoqueu era um homem de fé e de profunda piedade espiritual; ele não havia perdido o sonho de libertação do seu povo e sabia que isto não aconteceria sem uma interferência de Deus. Era um homem que não recuava em seus propósitos ainda que isso lhe custasse a vida (Et 4.1,2). Mardoqueu deu uma excelente educação à Ester, cujos valores morais e espirituais serviram para torná-la um instrumento de Deus na salvação dos judeus. [Comentário: Mardoqueu ou Mordecai (seu nome é derivado da palavra Marduque, nome do deus da cidade da Babilônia). Mardoqueu era um dos judeus que tinham sido exilados pelo rei da Babilônia. Ele morava em Susã, a capital do império persa (que tinha conquistado o império babilônico). Sua prima Ester era órfã, por isso ele cuidou dela como se fosse sua filha. Ele a educou com muito amor, ensinando-a a amar o seu povo, o povo judeu. Sabe-se que um dia ele presenciou dois copeiros tramando a morte do rei Xerxes, imediatamente o mesmo comunica ao rei o que ouvira. Xerxes então prende os rebelados e como forma de gratidão, o nome de Mardoqueu é escrito no livro das crônicas do rei. Agora Xerxes tinha uma dívida de gratidão para com Mardoqueu. O rei resolve exaltar um príncipe para governar sobre o povo, este príncipe era Hamã. Este faz baixar um decreto exigindo que todo o povo se prostrasse diante dele. Mas Mardoqueu, por ser servo do Deus vivo, no ensinará algo grandioso. O plano de Deus para a vida de Ester já estava dando os primeiros passos. A cada dia, o Senhor cuidava dela, preparando o seu coração, a sua mente e cada detalhe de sua vida. Ela jamais poderia imaginar que, um dia, seria a rainha daquela terra onde ela e o povo judeu eram exilados.]
3. Ester é escolhida para o lugar de Vasti. Chegou a vez de Ester apresentar-se diante do rei. Ela superou todas as moças que até então haviam sido apresentadas, pois achou graça diante do rei. Com certeza era bela, mas foi o Senhor que fez o coração do rei se inclinar para ela. Mardoqueu orientou Ester para que ela não contasse a ninguém que era judia. [Comentário: As candidatas ao harém real ficavam numa casa perto do palácio e passavam por rituais de purificação e beleza que durava um ano. Uma a uma elas eram levadas para a casa do rei e passavam a noite com ele, se ele não se agradasse da candidata, na manhã seguinte a jovem era devolvida ao harém real. Ester era belíssima por dentro e por fora e logo conquistou a simpatia do chefe do harém real. Quando chegou a vez de Ester, de pronto Assuero amou-a mais do que todas as outras e fez dela sua rainha. O rei deu um grande banquete a todos os seus príncipes e servos, foi o banquete de Ester e o casamento do rei promoveu paz em todas as províncias e o rei deu generosos presentes ao povo.]

SÍNTESE DO TÓPICO II
Deus colocou a rainha Ester no palácio do rei Assuero com um propósito específico.


CONHEÇA MAIS
Hamã
Hamã é chamado de agagita. A tradição judaica identifica-o como um descendente do rei amalequita cujo povo Saul deixou de destruir (cf. Êx 17.8-14; 1 Sm 15.7-33). Mordecai era da tribo de Saul (cf. 2.5). Assim comentaristas rabínicos veem esse conflito como a luta histórica do povo judeu com os inimigos gentios, cujo ódio irracional persiste por milhares de anos." Para conhecer mais leia, Guia do Leitor da Bíblia, CPAD, p.325.

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
A Rainha
O rei persa nomeando Ester como rainha, ilustra como Deus pode mudar o coração dos ímpios para que eles cumpram seus propósitos (cf. Pv 21.1). Ester tinha agora condições de ajudar o seu próprio povo, o que se tornou necessário cinco anos mais tarde. Deus usou as decisões espontâneas das pessoas envolvidas, para proteger o seu povo (Et 4.4).
Embora Ester tivesse sido escolhida e coroada rainha do grande império persa, não se orgulhou, nem se envaideceu por causa da sua posição social e do poder que acabara de receber. Não desprezava os conselhos de seu tio, de condição humilde, nem menosprezou sua tradição espiritual. Pelo contrário, manifestava um espírito de mansidão, humildade e submissão após tornar-se rainha, como sempre fizera antes" (Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, p. 758).

III - A CRISE CHEGA PARA O POVO DE DEUS

1. A trama de Hamã. Hamã era uma espécie de primeiro-ministro de Assuero. Ele era o segundo homem mais importante do reino. Hamã era mau e enchia-se de ódio quando Mardoqueu não se inclinava perante ele. Por isso, traçou um plano para destruir todos os judeu. Ele persuadiu Assuero a fazer um decreto, ordenando a morte dos judeus. O rei aderiu ao plano de Hamã. Então foi feito um decreto para que todos os judeus fossem mortos e seus despojos saqueados (Et 3.13-15). A crise havia chegado para os judeus, trazendo tristeza e lamento. Mardoqueu vestiu-se de saco e foi para a porta do palácio de Assuero (Et 4.1-6). [Comentário: Filho de Hamedata, o agagita. A designação “agagita” pode significar que Hamã era da realeza amalequita. (Et 3.1) Se Hamã, de fato, era amalequita, isto já explicaria por que tinha tão grande ódio aos judeus, porque YHWH havia decretado que os amalequitas, por fim, seriam exterminados. (Êx 17.14-16) Isto se deu porque eles mostraram ódio a Deus e ao Seu povo por tomar a iniciativa de lançar ataques contra os israelitas quando estes passavam pelo ermo. (Êx 17.8) http://bibliotecabiblica.blogspot.com.br/2009/07/estudo-biblico-hama.html. Foi um homem muito importante no reinado de Assuero, que se tornou seu principal conselheiro e mais importante príncipe, de nome Hamã (a ordem imperial era para que todos se dobrassem diante de Amã quando ele passasse, contudo Mordecai não se curvava). Decidido a matar Mordecai, Hamã trama um plano vingativo para exterminar não somente Hamã, mas todos os seus compatriotas judeus. Se prostrar era um ato que implicava submissão, lealdade e obediência. Mordecai tinha se recusado a prestar a reverência que considerava pertencer só a Deus. Mas Hamã transmitiu este seu ódio a todos os judeus. Isto pode ser explicado pela sua genealogia, pois seu povo havia sofrido penosas derrotas ao longo dos séculos para Israel (Êx 17; Jz 7; 1Sm 14; 2Sm 1).]
2. Ester toma conhecimento da trama contra seu povo. Mardoqueu informou Ester acerca do decreto de morte do povo judeu. Ester disse que não poderia fazer nada, pois só lhe era permitido entrar na presença do rei caso fosse convidada. Então, Mardoqueu lembra-lhe de que ela foi colocada, pelo Senhor junto ao rei para aquele momento. Ele deixou claro que se ela não quisesse ajudar, Deus levantaria outra pessoa. A rainha não recusou ajudar seu povo. Ela pediu a Mardoqueu que reunisse todos os judeus a fim de jejuar por ela. Nos momentos de crise, não adianta lamentar e chorar. É preciso orar, jejuar e buscar a face do Pai até que Ele envie o seu socorro. [Comentário: Hamã convence o rei de seus planos malignos, e marca-se o dia em que todos os judeus seriam aniquilados, mortos pelas mãos dos Persas. Mordecai insiste para que Ester interceda pela vida e seu povo junto ao rei.]
3. A estratégia sábia de Ester. Depois de orar, jejuar e buscar estratégias em Deus, Ester colocou suas vestes reais e foi para o pátio interior da casa do rei. Ao vê-la, o monarca apontou seu cetro e Ester tocou-o na ponta. O rei, deslumbrado pela beleza da rainha, perguntou-lhe: "Que é o que tens, rainha Ester, ou qual é a tua petição? Até a metade do reino se te dará" (Et 5.3). Ester convida o rei e Hamã para um banquete. Ester, então, informou ao rei que havia um plano para matá-la, bem como ao povo judeu e este plano havia sido tramado por Hamã. Isso enfureceu o rei. Ester desmascarou Hamã diante de Assuero. Hamã foi morto na forca que tinha preparado para Mardoqueu. O povo judeu foi salvo graças ao livramento divino e à disposição de Ester. Você está disposto a ajudar o país a sair da crise política e econômica em que se encontra? Então, ore e jejue em favor do Brasil. Peça a ajuda de Deus em favor dos milhares de desempregados e carentes que estão também em perigo, como o povo judeu. [Comentário: "Então Ester, respondeu a Mordecai: 'Vai e reúne todos os judeus... e jejuai em meu favor... Da minha parte, também jejuarei com minhas servas" (Et 4.15-16). Ela elabora um plano, e depois de dois banquetes oferecidos ao rei pela rainha, com a presença de Hamã, ela faz saber ao rei dos planos malignos de Hamã, que recebe a sentença de morte ali mesmo na sala do banquete. É enforcado na forca que ele mesmo mandou preparar para pendurar Mordecai. Ester, mesmo correndo risco de morte, apela para que seu marido salvasse os judeus de tamanha atrocidade. Assim, o rei promulga outro edito dando poderes para que os judeus pudessem reagir e lutar por suas vidas. Eles assim procedem, e ao invés de terem sido aniquilados, como era o plano do mal, eles vencem seus inimigos http://www.igrejamissional.com.br/?sermons=ester-rainha-da-providencia-divina. Ester entendeu então o grave perigo que ameaçava o povo judeu. Sim, ela estava pronta, de todo coração, a arriscar sua vida por seus irmãos. Mas que situação desesperadora! Mesmo que ela salvasse sua vida e o rei aceitasse seu pedido, os decretos com o selo real continuariam irrevogáveis; o próprio rei não poderia anulá-los. Quão pequena era a chance de sucesso! No entanto, Mordecai tinha razão: ela não tinha escolha. Ester tomou portanto a resolução de não abandonar seu povo nesse momento de aflição. Embora Ester tivesse ajuda e apoio de Mordecai para lutar contra o decreto que visava a destruir os judeus, foi Ester quem conseguiu implementar o plano e quem teve a visão e percepção de saber como aquilo tinha de ser feito. E foi ela quem insistiu para que a história de Purim fosse escrita e lida, ano após ano, pois ela sabia que sua relevância ao povo judeu seria sempre pertinente. Leia mais em: http://unidosporisrael.com.br/ester-heroina-discreta/]

SÍNTESE DO TÓPICO III
A crise chegou até os israelitas. Eles corriam sério risco de serem exterminados, mas o Senhor é fiel e livrou o seu povo da morte.

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO

Hamã foi enforcado como resultado da justa intervenção de Deus, porém o decreto do rei, no sentido de destruir os judeus, continuava em vigor. Nem sequer o próprio rei poderia anular o decreto oficial. Mas, em resposta ao pedido de Ester, foi escrito um segundo decreto concedendo aos judeus  o direito de resistência armada e de defesa, no dia decretado para sua destruição. Em geral, Deus não operou o livramento do seu povo, sem a fiel participação deste;  porém, Ele está sempre com o seu povo para lhe prover livramento. Aqui, o livramento de Israel resultou da ação de Deus, com a cooperação de crentes fiéis.
Deus não somente capacitou os judeus a se defenderem , como também fez os habitantes das terras temerem dos judeus (cf. Et 9.2). Noutras palavras, o povo de Deus tornou-se mais respeitado devido à conspiração maligna de Hamã" (Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, pp. 763,764).

CONCLUSÃO
Aprendemos, por intermédio da história da rainha Ester, que Deus salva o seu povo quando nos dispomos a orar, jejuar e agir. O Senhor colocou Ester no palácio com um propósito definido. Ele também tem abençoado a sua vida com um objetivo: abençoar os que sofrem e correm risco de morrer. Ester cumpriu a sua missão. Então, deixe que os propósitos divinos cumpram-se em sua vida. [Comentário: O que podemos aprender com Ester? Confiar em Deus – Ester arriscou sua vida para obedecer a Deus e Ele cuidou dela; Ter coragem – Ester estava segura, ninguém conhecia sua identidade e ela não seria afetada pelo extermínio; mas ela arriscou tudo para fazer o que era certo, e Orar é importante – Ester buscou a ajuda de Deus antes de agir e Ele lhe deu sucesso. Ester teve que agir com muita coragem. Seu inimigo estava bem perto, e ela teria que infringir uma lei que poderia levá-la a morte, para tentar salvar seu povo. Você já passou por uma situação em que precisou ser corajoso e defender alguém? Ester não se aproveitou da ocasião para vingar-se, nem para obter glórias para si. Que exemplo! Além de coragem para agir, ela teve a dignidade de não pedir nada mais para o rei, pois o que importava era que seu povo fosse poupado da morte. “Minha é a vingança; eu retribuirei, diz o Senhor.” (Rm 12.19).] “NaquEle que me garante: "Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Ef 2.8)”,
Francisco Barbosa
Campina Grande-PB
Dezembro de 2016

PARA REFLETIR

A respeito do socorro de Deus para livrar seu povo, responda:
· Segundo a lição, qual o significado da palavra providência?
A palavra providência vem do latim providentia e o prefixo "pro" significa "antes" ou "antecipadamente". O sufixo videntia deriva de videre que significa "ver". Logo, ao tratarmos a respeito da providência divina, dizemos que Ele faz e vê tudo antecipadamente.
· Por que Vasti se recusou comparecer ao banquete do rei?
Vasti recusou ser exibida como objeto naquela festa profana. Aquele não era o ambiente para uma rainha.
· Quem havia criado Ester e a levado até a fortaleza de Susã?
Seu primo Mardoqueu.
· Qual a posição que Hamã possuía no reino de Assuero?
Hamã era uma espécie de primeiro-ministro de Assuero. Ele era o segundo homem mais importante do reino.
· Qual a atitude de Ester ao saber da sentença de morte contra o seu povo?
Ela jejuou e orou ao Senhor.

Fonte: Lições Bíblicas adultos, 4° trimestre de 2016 – CPAD / Divulgação: www.sub-ebd.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário