Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

15 de novembro de 2016

Lição 8: Rute, Deus Trabalha pela Família



Lição 8
20 de Novembro de 2016

Rute, Deus Trabalha pela Família

TEXTO ÁUREO

VERDADE PRÁTICA

"[...]  Bendito seja o SENHOR, que não deixou, hoje, de te dar remidor, e seja o seu nome  afamado em Israel." (Rt 4.14)


Deus abençoa o trabalho, a fé e a persistência da família que o serve.

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Rt 1.1
A fome leva uma família a deixar Belém
Terça - Rt 1.3
Noemi enfrenta a morte em sua família
Quarta - Rt 1.6,7
O triste regresso de Noemi em meio à crise

Quinta- Rt 2.1,2
O trabalho de Rute em meio à crise
Sexta - Rt 2.8,9
Provisão divina e cuidado em meio à crise
Sábado - Rt 4.13
A bênção do casamento em meio à crise



LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Rute 1.1-14
1 - E sucedeu que, nos dias em que os juízes julgavam, houve uma fome na terra; pelo que um homem de Belém de Judá saiu a peregrinar nos campos de Moabe, ele, e sua mulher, e seus dois filhos.
2 - E era o nome deste homem Elimeleque, e o nome de sua mulher, Noemi, e os nomes de seus dois filhos, Malom e Quiliom, efrateus, de Belém de Judá; e vieram aos campos de Moabe e ficaram ali.
3 - E morreu Elimeleque, marido de Noemi; e ficou ela com os seus dois filhos,
4 - os quais tomaram para si mulheres moabitas; e era o nome de uma Orfa, e o nome da outra, Rute; e ficaram ali quase dez anos.
5 - E morreram também ambos, Malom e Quiliom, ficando assim esta mulher desamparada dos seus dois filhos e de seu marido.
6 - Então, se levantou ela com as suas noras e voltou dos campos de Moabe, porquanto, na terra de Moabe, ouviu que o SENHOR tinha visitado o seu povo, dando-lhe pão.
7 - Pelo que saiu do lugar onde estivera, e as suas duas noras, com ela. E, indo elas caminhando, para voltarem para a terra de Judá,


8 - disse Noemi às suas duas noras: Ide, voltai cada uma à casa de sua mãe; e o SENHOR use convosco de benevolência, como vós usastes com os falecidos e comigo.
9 - O SENHOR vos dê que acheis descanso cada uma em casa de seu marido. E, beijando-as ela, levantaram a sua voz, e choraram,
10 - e disseram-lhe: Certamente, voltaremos contigo ao teu povo.
11 - Porém Noemi disse: Tornai, minhas filhas, por que iríeis comigo? Tenho eu ainda no meu ventre mais filhos, para que vos fossem por maridos?
12 - Tornai, filhas minhas, ide-vos embora, que já mui velha sou para ter marido; ainda quando eu dissesse: Tenho esperança, ou ainda que esta noite tivesse marido, e ainda tivesse filhos,
13 - esperá-los-íeis até que viessem a ser grandes? Deter-vos-íeis por eles, sem tomardes marido? Não, filhas minhas, que mais amargo é a mim do que a vós mesmas; porquanto a mão do SENHOR se descarregou contra mim.
14 - Então, levantaram a sua voz e tornaram a chorar; e Orfa beijou a sua sogra; porém Rute se apegou a ela.







HINOS SUGERIDOS: 58, 83, 400  da Harpa Cristã

OBJETIVO GERAL
Ressaltar que Deus abençoa o trabalho, a fé e a persistência da família que o serve.


OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

I.      Apontar a crise econômica pela qual Belém estava passando;
II.     Mostrar  como Noemi e Rute superaram as crises;
III.    Enfatizar que a fé e o trabalho nos ajudam a superar as crises.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
A família de Elimeleque teve que deixar Belém devido a uma grave crise econômica. Era tempo de escassez. A crise era resultado da desobediência dos israelitas para com o Senhor no tempo dos juízes. Um tempo difícil, onde cada um fazia aquilo que parecia ser bom aos seus próprios olhos. A falta de temor e observância da lei trouxe sérios prejuízos espirituais e financeiros para Israel. A família de Elimeleque muda-se para Moabe na esperança de ter dias melhores. Mas, ali Elimeque morre e é enterrado. Seus dois filhos também vieram a falecer em Moabe. Noemi, a esposa de Elimeleque teve que enfrentar a perda do marido e dos filhos. Mas crises ainda piores estavam por vir. Todavia, Deus lhe concedeu um escape; uma nora que a amou e a acolheu em tempos de amargura. Noemi e Rute voltam para Belém, trabalham, mantém a fé em Deus e são grandemente abençoadas. Todos nós enfrentamos momentos de dor e aflição. Mas a nossa fé nos faz avançar, trabalhar e ver o impossível sendo realizado. Diante das adversidades, não desanime, não pare.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Nesta lição, estudaremos a história de uma família que enfrentou a crise da fome, do luto e da desesperança. É a história de três viúvas: Noemi, Orfa e Rute. Elas enfrentaram momentos terríveis. Porém, duas delas não se deixaram abater pelas dificuldades. Com fé, inteligência, lealdade, persistência e esperança, venceram dificuldades. É uma história de trabalho, provisão e resgate. [Comentário: Alguns dados são necessários para nos situarmos na história: “Houve uma fome na terra” (capítulo 1:1) - deu-se nos tempos dos Juízes (período de 10 anos), não identificando o Juiz; alguns cogitam ter sido nos tempos de Gideão. A família de Elimelec e Noemi deixa Judá para morar em Moabe  por causa da fome, e ali naquela terra eles prosperaram e venceram as circunstâncias difíceis. Seus dois filhos casaram-se com duas mulheres estrangeiras moabitas, chamadas Rute e Orfa. Em Moabe, Noemi vivenciou três momentos difíceis que poderiam ter abalado a sua vida. Mas mesmo assim permaneceu fiel ao Deus de Israel. Moabe é o nome histórico de uma faixa de terra montanhosa no que é atualmente a Jordânia, ao longo da margem oriental do Mar Morto. Na Idade Antiga, pertencia ao Reino dos Moabitas, um povo que estava freqüentemente em conflito com os seus vizinhos israelitas a oeste. Pelo texto de Gênesis 19.30-38 sabemos que os Moabitas são filhos de Ló através de um incesto, promovido por sua filha mais velha, logo após a destruição de Sodoma e Gomorra leia mais sobre: http://povosdaantiguidade.blogspot.com.br/2010/03/moabitas.html. O livro conta uma história ocorrida entre 1200 e 1030 anos antes de Cristo, aproximadamente. Certamente, a situação do povo bíblico era de desobediência, pois o livro mostra que a disciplina da comunidade estava fraca: a "lei do levirato" (Dt 25.5-10 e Gn 38) - que obrigava um irmão, ou parente mais próximo, a casar-se com a viúva do irmão ou parente falecido - não estava sendo aplicada. A história de Rute é para ser lida junto a Deuteronômio 25.5-10 e Gênesis 38.1-30. Todos estes três textos estimulam o povo bíblico a levar a sério a instituição da família. A lei do levirato protegia os filhos para que não houvesse órfãos (meninos de rua) e viúvas desprotegidas na sociedade israelita. É interessante observar que a Bíblia liga a esperança a lugares e pessoas simples e humildes. A cidade de Belém fica na periferia da Canaã e a família de Noemi, sofrendo os horrores da seca e fome, foi obrigada a migrar para uma terra distante e estranha. Com isso, a história de Rute quer mostrar que a esperança acontece quando há seriedade e fidelidade no Senhor. Noemi, Rute e Boaz são sinônimos de fidelidade.] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?


PONTO CENTRAL
Deus trabalha em favor da família.

I - A CRISE ECONÔMICA

1. Fome na "casa do pão". Belém de Judá estava enfrentando uma terrível crise econômica. A fome tomou uma proporção gigantesca, obrigando as pessoas a deixarem a região. A escassez era resultado do mau governo dos últimos juízes de Israel. Estes haviam abandonado ao Senhor. Belém, que significa "casa de pão",  estava com fome. A cidade deixou de ser um celeiro de grãos para ser um lugar de escassez. Neste caso, a fome era resultado da disciplina divina (Lv 26.18-20). Israel afastou-se da comunhão com Deus, adorando ídolos pagãos. Nem todos agiam de modo pecaminoso, mas a disciplina era para todos. [Comentário: Existem certas decisões que nós tomamos que na realidade não somos nós que decidimos, mas sim as pressões da vida, as pessoas, as circunstâncias, as frustrações. Enfim decidimos por que um fator externo nos leva a isto. São as circunstancias que nos leva a tomar decisões que vão determinar o sucesso ou o fracasso em nosso futuro. O período dos juízes,foi marcado por uma transição religiosa,foi um período de inconstância espiritual em Israel,onde a nação tinha dificuldades de estabelecer um período prolongado de retidão,fidelidade,santidade na presença de Deus. Elimeleque era homem de posses na cidade de Belém. Em seus dias, houve fome em Belém, a casa do pão. Fugiu para Moabe, e nessa terra seus dois fihos se casaram com jovens moabitas. Essa família abandonou a casa do pão por medo da fome, mas, Moabe não foi refúgio para Elimeleque. Ele foi buscar abrigo e encontrou a doença. Foi buscar sobrevivência e encontrou a morte. Elimeleque e seus dois fihos morreram em Moabe, deixando Noemi viúva, idosa, pobre e desamparada em terra estrangeira. Elimeleque tomou essa decisão movido por um fator externo: a fome. Mas esta decisão lhe custaria a própria vida. Nunca tome uma decisão sem consultar a Deus e muito menos por pressão.]

2. A crise alcança uma família (Rt 1.1,2). Elimeleque, Noemi e seus filhos, Malom e Quiliom são atingidos pela crise. A escassez obrigou Elimeleque a deixar, juntamente com a família, a sua terra. Naquele momento de crise, eles fizeram o que parecia ser o melhor para toda a família, ou seja, seguiram para Moabe. Ao chegarem a Moabe, ao invés de encontrar pão, encontraram a doença e a morte. Elimeleque e seus dois filhos morreram em Moabe. Noemi ficou sozinha com suas duas noras. Naquele tempo não havia previdência social. As viúvas eram sustentadas pelos filhos, em especial o primogênito. Logo, perder o marido e os filhos era uma situação terrível. [Comentário: O que levou Elimeleque a tomar essa decisão de sair de sua terra? A fome? Não, mas sim o medo da fome (Vs.21). Mas em Judá havia muitas famílias. Porque só Elimeleque resolveu deixar Judá? Ele tomou essa decisão movido por um fator externo: a fome. mas esta decisão lhe custaria a própria vida. Houve fome na terra que mana leite e mel. A viúva no Antigo testamento, às vezes passava por situações constrangedoras, como a de ter que aceitar que o irmão de seu esposo lha tomasse por mulher e que o filho que deles nascesse fosse considerado filho do falecido marido, para assim suscitar-lhe descendência (Lei do levirato). Judá, por exemplo queria que sua Nora Tamar ficasse viúva até que seu filho, ainda jovem, tivesse idade de se casar com ela e lhe dar um filho que seria considerado de seu esposo falecido. Tamar já havia se casado com dois irmãos, Er e Onã, que haviam sido mortos pelo Senhor por serem homens maus e rebeldes. A Lei permitia que a mulher viúva retornasse à casa dos pais (Gn 38.11) ou se casasse novamente através do levirato (Rt 4.10). Como as mulheres dependiam da providência do marido, a condição de viuvez causava preocupação, pois resultava em pobreza e vulnerabilidade.]

3. Três viúvas. Essas mulheres, desprotegidas, sofreram enormes dificuldades para sobreviver. Mas Deus não abandona seus filhos nem os desampara. O Senhor já tinha um plano de redenção e bênção preparado para Noemi e Rute. Em momentos de crises, muitas vezes achamos que Deus está silencioso e distante. Parece não haver saída, mas Ele está trabalhando em nosso favor. Por isso, não tenha medo. Deus não vai desamparar você. [Comentário: Esdras Costa Bento escreve: “Na sociedade patriarcal israelita a condição de viúva era um risco social à mulher, deixando-a vulnerável econômica e socialmente. Em Êx 22.21-24 a viúva é classificada juntamente com o órfão e os estrangeiros. Elas são frágeis e vulneráveis, razão pela qual necessitam de proteção legal e profética (Is 1.16-23; Jr 22.3). [...] Caso o marido deixasse alguma dívida, a viúva era obrigada a assumir os compromissos financeiros do faltoso, o que implicava às vezes na venda dos bens, da entrega dos filhos à servidão, e a todo tipo de exploração da parte dos credores. [...] a viúva israelita não usufruía de nenhum direito de sucessão e a herança passava completamente para os filhos ou filhas do falecido – aqui um dos fundamentos pelos quais os filhos devem honrar aos pais, que inclui necessariamente a mãe viúva (ver 1Tm 5.4). Caso não tivesse descendentes, a herança pertencia aos irmãos do pai ou ao parente mais próximo” http://teologiaegraca.blogspot.com.br/2012/07/as-aflicoes-da-viuvez.html. A Bíblia apresenta a viúva como uma pessoa necessitada em termos de proteção e sustento, e que deve ser honrada e respeitada. Desse modo, a cidade de Jerusalém, destruída, é apresentada como uma viúva. ‘Como se acha solitária aquela cidade... Tornou-se como viúva...’ (Lm 1.1). A viuvez é um estado social que abarca milhares de pessoas. É um processo natural da vida humana. Algumas pessoas lidam bem com esta nova realidade, mas outras têm a insegurança existencial que paralisam a sociabilidade e a espiritualidade da vida. Quando o cônjuge perde a sua companheira (ou o companheiro), significa o rompimento do ciclo de um convívio íntimo, intenso e profundo. Por isso que, quando a viuvez chegar, a pessoa enfrentará a dor, a solidão e a saudade do cônjuge que se foi. Para ajudar o irmão ou a irmã no estado da viuvez, temos a Palavra de Deus, a igreja local e a família para darem pleno apoio, consolo e carinho. Êxodo 22-27 revela que Deus está bem atento às circunstâncias difíceis das viúvas, dos pobres e dos menos favorecidos, e que se compadece deles (Dt 24.6,12,13; Jó 22.6; 24.7; Ez 18.12,16; Mc 6.34; 8.2; Lc 2.36,37; 7.13).]

SÍNTESE DO TÓPICO I
A crise econômica em Belém fez Elimeleque e sua família buscarem melhores condições de vida em Moabe.

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
"A história de Rute desenrola-se durante o período dos juízes. Ela revela que durante a deplorável apostasia moral e espiritual daqueles dias, havia um remanescente fiel que continuava a amar e obedecer a Deus. O livro salienta o fato de que Deus opera na vida daqueles que permanecem fiéis a Ele e à sua Palavra.
Embora Noemi fosse uma fiel seguidora do Senhor, experimentou grande adversidade.
(1) Ela e  a sua família sofreram os efeitos  da fome, e tiveram que  abandonar sua própria casa. Além disso, ela perdeu seu marido e seus dois filhos. Parecia que o Senhor a abandonara e até mesmo se voltara contra ela.
(2) A história de Rute, no entanto, revela que Deus continuava cuidando dela, inclusive agindo através de terceiros, para socorrê-la em suas necessidades. Como no caso de Noemi, o crente fiel  e leal a Cristo pode experimentar grandes adversidades na sua vida. Tal fato não significa que Deus o abandonou ou que está castigando. As Escrituras frisam, repetidas vezes, que Deus continua, com todo o amor, a fazer todas as coisas cooperarem para o nosso bem em tempos de aflição" (Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, p. 422).

CONHEÇA MAIS

Nos dias dos juízes
A história de Rute desenrola-se durante o período dos juízes. Ela revela que durante a deplorável apostasia moral e espiritual daqueles dias, havia um remanescente fiel que continuava a amar e obedecer a Deus. O livro salienta o fato de que Deus opera na vida daqueles que permanecem fiéis a Ele e à sua Palavra." Para conhecer mais leia, Bíblia de Estudo Pentecostal, CPAD, p.422.

II - SUPERANDO AS CRISES

1. Noemi enfrenta a crise. Noemi tornou-se uma mulher amarga, triste e sem esperança. Parecia não existir solução para a crise que estava vivendo. As dificuldades podem embaçar a nossa visão e tirar toda a nossa expectativa. Se você está enfrentando uma situação que não parece ter solução, não se desespere. Tenha fé no Deus de toda a provisão. Noemi foi dominada pela amargura e dor. Seus sentimentos tornaram-se amargos. Ela não esperava mais nada da vida, senão a morte. [Comentário: O primeiro momento difícil na vida de Noemi foi quando morreu Elimeleque, o seu marido Ver Rute 1:3. Ela ficou em situação difícil, tendo que criar sozinha seus dois filhos. Acho Noemi uma mulher de fibra, pois ela enfrentou como viúva a criação de seus dois filhos. Ela não se entregou às dificuldades, mas confiando em Deus superou aquele momento. O segundo momento difícil de Noemi foi quando seus dois filhos morrem . Ver Rute 1:5 Em Moabe, Noemi alegrou-se muito em ver os seus dois filhos casarem-se com Rute e Orfa. Imagino que após a morte de seu marido,  Noemi  transferiu seus sonhos e realizações para seus dois filhos. Sem marido, Noemi trabalhava incessantemente para vê-los crescer e se tornarem adultos equilibrados. Tempos depois, uma tragédia aconteceu, e Noemi viu os seus filhos morrerem. Com a morte de seus dois filhos, Noemi viu muitos de seus sonhos morrerem. O que toda mãe espera é viver para na velhice e morte ser assistida por seus filhos. Porém, é  terrivelmente triste uma mãe viver para ver seus filhos morrerem. Mas, você pensa que Noemi desistiu? Não. Ela não se entregou a uma depressão, a sentimentos negativos de destruição. Ao contrário, a Bíblia diz que nesse momento Noemi tem uma atitude. Ver 1:6.:  “Então, se dispôs ela com as suas noras e voltou da terra de Moabe, porquanto, nesta, ouviu que o Senhor se lembrara do seu povo, dando-lhe pão.” O terceiro momento difícil na vida de Noemi é na fase de sua velhice. Neste momento, ela não tendo marido, filhos, não tendo mais saúde e nem vitalidade. Outro grande problema de Noemi neste momento, foi que seus recursos financeiros acabam. Que situação! Sem marido, sem filhos, sem a possibilidade de casar novamente por causa da idade avançada, e sem dinheiro. Mas você acha que Noemi desistiu e se entregou completamente à tristeza e ao desanimo? Muitos já teriam desistido em momentos como esse. Mas, foi nesta hora de crise que Noemi manteve viva a lembrança do Senhor. Veja o que diz o texto em Rute 1:6.: “Então, se dispôs ela com as suas noras e voltou da terra de Moabe, porquanto, ouviu que o Senhor se lembrara do seu povo, dando-lhe pão.” Assim com Noemi, lembremo-nos do Senhor nos momentos de crise. Deuteronômio 5:15 diz.: “…porque te lembrarás que foste servo na terra do Egito e que o Senhor, teu Deus, te tirou dali com mão poderosa e braço estendido.” http://temasbblicos.blogspot.com.br/2011/09/rute-e-noemi-fieis-deus-em-situacoes.html]

2. O retorno para sua terra. Noemi tomou a decisão de retornar para Belém,  a sua terra natal. Porém, antes ela decidiu liberar suas noras, Orfa e Rute, para que voltassem às suas famílias. Orfa aceitou a liberação de sua sogra e retornou para sua família.  Mas Rute não quis abandonar a sogra. Talvez, Noemi estivesse pensando que Deus a estava castigando com todos aqueles sofrimentos. Ela não podia imaginar o plano de Deus em todas aquelas adversidades. Aprendemos com a Palavra de Deus que [...]"todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus [...]" (Rm 8.28). [Comentário: A virada na vida de Noemi - Noemi não foi esquecida por Deus. Rute, sua nora, foi  levantada por Deus para ajudar Noemi. Rute deixou sua família e sua terra  e adotou a cultura  e religião de Noemi e do seu povo. Noemi não tinha materialmente nada para oferecer a Rute, mas Rute se tornou sua aliada fiel. Hoje em dia, muitas pessoas fazem declarações negativas  sobre suas sogras. Por muita vezes, a figura de uma sogra tem sido o alvo de chacotas e piadas. Mas, em Noemi e Rute, vemos um grande exemplo de bom relacionamento que Rute tinha com sua sogra e tinha também um  grande sentimento de amizade e devoção pela por ela. Ela. Eu gostaria de falar um pouco sobre esta nora, chamada Rute e as grandes lições de vida que aprendemos com ela. Ao estudar a vida de Rute aprendemos que a fidelidade e a bondade são essenciais para que a família, a sociedade e a igreja prosperem e tenham a proteção do Senhor. Com Rute, aprendemos sobre o  valor da fidelidade. Um dia, Noemi chamou as suas duas noras e disse no cap. 1:8-13: “ Voltem para casa e fiquem com as vossas mães. Que o Senhor seja bom para vocês, assim como vocês foram boas para mim e para os falecidos!  “O Senhor permita que vocês casem de novo e cada uma tenha o seu lar.” Então Noemi se despediu das suas noras com um beijo. Porém elas começaram a chorar alto e disseram: “Não nós não voltaremos. Nós iremos com a senhora e ficaremos com o seu povo.” Mas Noemi respondeu:  “Voltem, minhas filhas. Por que querem ir comigo? Vocês acham que eu ainda poderei ter filhos para casarem com vocês? ” Ver Rute 1:8-11. Orfa, uma de suas noras resolveu voltar para casa de seus pais e sua terra,  mas Rute permaneceu. Enquanto uma retrocedeu e voltou atrás, a outra ficou. E por ter ficado com Noemi, Deus recompensou a fidelidade de Rute. Noemi não tinha nada para dar à Rute; não tinha dinheiro, não havia feito promessas, não podia lhe dar um novo casamento, estava idosa, mas Rute resolveu ficar. Rute disse à  sua sogra no cap. 1:16: "o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus” http://temasbblicos.blogspot.com.br/2011/09/rute-e-noemi-fieis-deus-em-situacoes.html.]

3. Rute e o Deus de Israel. Rute declarou: "[...] O teu Deus é o meu Deus"(Rt 1.16). Sua sogra, embora atravessando um momento difícil, deu um excelente testemunho. A convivência com Noemi levou Rute a ter uma experiência pessoal com Deus. Rute se apegou à sua sogra. Tal gesto de amor e generosidade nos mostra que é possível o bom relacionamento entre noras e sogras. [Comentário: A mais linda confissão, na Bíblia, de apego e amor saiu dos lábios de uma mulher pagã (Rt 1.16-17 – “Porque, aonde quer que tu fores, irei eu... O teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus...” Rute, uma jovem moabita trabalhadora, dedicada e comprometida, torna-se a principal personagem da narrativa. Conheceu a dor da viuvez muito cedo, e a mudança radical de vida escolhendo acompanhar sua sogra até a cidade de Belém. Uma terra diferente, um povo diferente, um estado de vida diferente, uma proposta de compromisso com o novo. Seu compromisso firmado em tom de verso tornou-se declaração de aliança entre pessoas que entendem o projeto de Deus para suas vidas juntas. A fidelidade de Rute a Noemi e ao Deus de Noemi é um grande exemplo para nós. A fidelidade atrai fidelidade. Rute atraiu a fidelidade de Deus e de outras pessoas para ela - “Porque o Senhor é bom, a sua misericórdia dura para sempre, e, de geração em geração, a sua fidelidade” (Sl 100.5). “O teu Deus é o meu Deus” – quando se pensa em família, um texto da palavra do Senhor vem à mente: “quem não cuida dos da sua própria casa, é pior que o incrédulo”; é preciso partilhar a fé e gerar filhos e filhas na fé dentro de casa. De alguma forma, Noemi ‘ganhou’ aquela nora para o Senhor.]

SÍNTESE DO TÓPICO II
Noemi e Rute com fé e trabalho superaram as crises.

SUBSÍDIO BÍBLICO TEOLÓGICO
A declaração de Rute (1.16,17)
A famosa expressão de compromisso de Rute à sua sogra não somente demonstra lealdade a uma amiga, mas também esclarece um aspecto teológico. Rute disse 'seu povo será o meu povo' antes de dizer 'e seu Deus será o meu Deus'. Nos tempos do Antigo Testamento, Deus tinha um relacionamento de aliança somente com Israel. Ao identificar-se com o povo da aliança, Rute qualificou-se ao proclamar o Deus de Israel.
Em lugar de fazer Noemi feliz, os envolvimentos familiares e velhos amigos tornaram a aflição de Noemi mais intensa. Podemos entender porquê. Voltar para casa depois da morte de um ente querido é igualmente fazer-nos sentir nossa perda. Nosso lar parece vazio, o silêncio é escurecedor. De repente somos esmagados pela aflição, pela ausência. Nossos queridos é que fazem de nossa casa o 'lar'. Aos olhos de Noemi, que deixara Belém com um marido e dois filhos, o retorno trouxe-lhe à consciência a brutal extensão de sua perda" (RICHARDS, Lawrence. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 10.ed. Rio de Janeiro: CPAD, p. 175).

III - FÉ E TRABALHO

1. Noemi e Rute chegam à terra do pão. A chegada de duas mulheres viúvas à cidade deve ter chamado a atenção das pessoas, especialmente daquelas que haviam conhecido Noemi antes de sua partida. Noemi agora se encontrava com a alma amargurada.  Por isso, pede para ser chamada não mais de Noemi, que significa "agradável", mas "Mara", isto é, "amarga". Noemi retornou à sua cidade sem marido, sem filhos e sem bens. Ela acreditava que todo aquele sofrimento vinha de Deus, como uma forma de punição (Rt 1.21). [Comentário: Quando Noemi e Rute chegam a Belém toda a população ‘se alvoroçou’, ‘se comoveu’ (v. 19). A natureza da recepção oferecida às duas viúvas sugere que Noemi tinha algum vínculo com alguma família antiga naquela região. Noemi reflete a natureza humana em geral ao culpar Deus e não as escolhas pessoais ou a natureza pecaminosa pelos acontecimentos destrutivos e dolorosos pelos quais estava passando. Ela sugere, de forma inapropriada,  que as suas atuais condições são o resultado da ação punitiva de Deus.]

2. Rute ajuda Noemi. Elas chegaram a Belém no "principio da sega das cevadas" (Rt 1.22), ou seja, quando a colheita estava começando. Se em Moabe a situação era precária, agora em Belém, havia esperança, pois havia trabalho na colheita da cevada. Vencemos as crises com a ajuda de Deus e com muito trabalho. O trabalho é bênção de Deus, pois é do nosso salário que tiramos a provisão para nossas famílias. [Comentário: Mesmo na amargura e na prova, Deus está trabalhando a nosso favor! (Is 64.4). A história de Rute revela a mão escondida de Deus em meio às amargas experiências de seu povo. Esse livro não somente destaca que Deus está preparando o caminho para a vinda do Rei da Glória, mas ele o faz de modo que todos nós possamos aprender que mesmo os piores tempos não são desperdiçados. Não são desperdiçados globalmente, historicamente ou pessoalmente.]

3. Rute trabalha apanhando espigas. Rute vai para um campo de cevada que pertencia a um parente de Elimeleque. Ali, ajunta as espigas que os segadores deixavam para trás. Essa prática era permitida pela Lei Mosaica para ajudar os necessitados (Dt 24.19-21). Nosso país vive um momento de crise econômica, e a falta de emprego é uma realidade que tem atingido milhões de pessoas. Muitos que perderam seus empregos buscam qualquer serviço que lhes dê condições de sobrevivência. Siga o exemplo de Rute, não fique de braços cruzados.  Ela trabalhou todo o dia no campo até ajuntar cevada suficiente para si e sua sogra. Sua diligência no trabalho chamou a atenção do dono do campo, Boaz. O trabalho dignifica o trabalhador, e Rute demonstrou sua lealdade e beneficência para com sua sogra. Ao dispor-se a trabalhar no campo, Rute descobriu que Boaz era parente de Elimeleque e, por lei ele poderia se casar com ela e redimi-la. Boaz fez tudo conforme orientava a lei. Ele é um tipo de Cristo, o nosso Redentor, que sendo rico se fez pobre para nos fazer herdeiros das suas riquezas (2 Co 8.9). Boaz casa com Rute e ela dá à luz a um filho, o qual recebeu o nome de Obede. Mais tarde Obede se tornou o avô de Davi. Deus honrou a decisão, a atitude e o trabalho de Rute. [Comentário: Rute acompanhou Noemi de volta a Belém, porém, sua vida no início não foi nada fácil. A moabita não era vista com bons olhos pelas ruas da cidade. Ela era uma mulher delicada, sozinha em uma terra estrangeira, que tinha que ir ao campo, executar trabalho de homem para conseguir o que comer. Rute não tem muitas alternativas, mas ela pode colher espigas segundo a lei, e é o que ela faz, tornando frutífero o tempo e oportunidades que ela tem. Dirigi-se aos campos de Boaz, seu primo, que sem conhecê-la, a tratou com muita generosidade, como o demonstra a narrativa bíblica (Rt 2.4-18). Segundo a tradição judaica, o parente mais próximo de uma viúva tinha o dever de se casar com ela e comprar a sua propriedade. Noemi, então, reconhecendo em Boaz um dos resgatadores de Rute, procurou aproximar a ex-nora de Boaz - Noemi instruiu Rute como proceder, afinal Rute era moabita e não conhecia a lei judaica. Informado do compromisso, Boaz lembrou que havia um parente mais chegado que ele. Reunido o sinédrio da cidade de Belém, o anônimo tio de Rute se recusou a desposá-la. Provavelmente ele teve medo de cair numa desgraça espiritual, já que a lei mosaica proibia que uma moabita passasse a integrar, por casamento, o povo de Israel (Nenhum amonita ou moabita, até a décima geração, fará parte do povo do Deus Eterno. Eles ficarão de fora -- Deuteronômio 23.3). Boaz não deve teve o mesmo receio, especialmente depois do apoio que lhe foi dado pelo conselho local. Na verdade, apesar desta autorização, ele correu o risco de ser considerado impuro. Por este casamento, ele e sua esposa, bisavós de Davi, entraram na genealogia do Messias. Por seu comportamento, Boaz pode ser colocado na galeria de homens cheios de graça. Bondade é a marca mais evidente no seu jeito de ser.]

SÍNTESE DO TÓPICO III
Fé em Deus e trabalho são fundamentais para vencer as crises.

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
Uma reputação merecida
Em uma pequena comunidade, a história de Rute e Noemi seria de domínio público, o alvo das atenções. Agora, os eventos mostravam Rute trabalhando arduamente (Rt 2.7): reverenciosa (Rt 2.10), recatada, bem-agraciada (Rt 2.13). A reputação que construímos abre, ou fecha, portas para a oportunidade.
A declaração de Boaz abençoando Rute pode ser considerada uma oração (Rt 2.12). 'Recompensa' aqui é maskoret, uma palavra com sentido de 'salários'. Boaz credita a Rute o melhor, por sua piedade e escolha do Deus de Israel, e está convencido de que um Deus justo providenciar-lhe-á a justa recompensa. Disse tudo isso saber que seria ele próprio o instrumento para esta resposta. Deus, frequentemente, usa como seu agente aquele que ora para responder tal oração" (RICHARDS, Lawrence. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 10.ed. Rio de Janeiro: CPAD, p. 176).

CONCLUSÃO
Rute teve algumas perdas em sua vida; perdeu o sogro, o cunhado e o marido. Além dessas perdas, teve que cuidar de uma sogra triste e desamparada. Mas o Deus da provisão não desamparou Rute nem Noemi. Temos um Deus que nos ajuda e abençoa-nos com o trabalho e a sua provisão. Confie! [Comentário: A soberania do nosso grande Deus é claramente vista na história de Rute. Ele guiou cada passo do caminho para que Rute se tornasse Sua filha e cumprisse o Seu plano de se tornar um ancestral de Jesus Cristo (Mt 1.5). Da mesma forma, podemos ter certeza de que Deus tem um plano para cada um de nós. Do mesmo jeito que Noemi e Rute confiaram que Deus cuidaria delas, assim também devemos fazer. Vemos em Rute um exemplo da mulher virtuosa de Provérbios 31. Além de ser dedicada à sua família (Rt 1.15-18; Pv 31.10-12) e fielmente dependente de Deus (Rt 2.12, 31.30), vemos em Rute uma mulher de discurso piedoso. Suas palavras são amorosas, gentis e respeitosas, tanto com Noemi quanto com Boaz. A mulher virtuosa de Provérbios 31 “Fala com sabedoria, e a instrução da bondade está na sua língua” (v. 26).] “NaquEle que me garante: "Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Ef 2.8)”,
Francisco Barbosa
Campina Grande-PB
Novembro de 2016

PARA REFLETIR
A respeito de Rute, Deus trabalha pela família, responda:
• A escassez em Belém era resultado de quê?
A escassez era resultado do mau governo dos últimos juízes de Israel. Estes haviam abandonado ao Senhor.
• Para onde Elimeleque e sua família foram para escapar da fome?
Eles foram para Moabe.
• No tempo de Noemi quem deveria sustentar uma viúva?
Os filhos e parentes mais próximos.
• Qual o significado dos nomes Noemi e Mara?
Noemi significa agradável, mas Mara, amarga.
  Boaz é um tipo de quem?
Boaz é um tipo de Cristo, o nosso Redentor que sendo rico se fez pobre para nos fazer herdeiros das suas riquezas (2 Co 8.9).

Fonte: Lições Bíblicas adultos – CPAD / Divulgação: www.sub-ebd.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário