Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

QUER FAZER MISSÕES?

QUER FAZER MISSÕES?
O Templo precisa ser concluído. Entre em contato com o Pastor daquela igreja e saiba como ajudar

14 de agosto de 2016

Lição 8: A Evangelização dos Grupos Religiosos



LIÇÕES BÍBLICAS CPAD – ADULTOS - 3º Trimestre de 2016
Título: O desafio da evangelização — Obedecendo o ide do Senhor Jesus de levar as Boas-Novas a toda criatura
Comentarista: Claudionor de Andrade

Lição 8: A Evangelização dos Grupos Religiosos
21 de Agosto de 2016

Texto Áureo
"Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito não pode entrar no Reino de Deus." (Jo 3.5)

Verdade Prática
Se todas as religiões fossem, de fato, boas e salvadoras, a morte expiatória de Cristo não seria necessária. Só Jesus salva.

LEITURA DIÁRIA
Segunda At 17.22: A religião é essencial ao homem
Terça Tg 1.26: Existem religiões vãs
Quarta Tg 1.27: Só há uma religião verdadeira
Quinta 1Jo 2.18,19: A religião do Anticristo
Sexta Jo 14.6: Jesus é o único caminho até Deus
Sábado At 4.12: Somente Cristo Salva

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
João 3.1-16
1 E havia entre os fariseus um homem, chamado Nicodemos, príncipe dos judeus.
2 Este foi ter de noite com Jesus, e disse-lhe: Rabi, bem sabemos que és Mestre, vindo de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não for com ele.
3 Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.
4 Disse-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer?
5 Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus.
6 O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito.
7 Não te maravilhes de te ter dito: Necessário vos é nascer de novo.
8 O vento assopra onde quer, e ouves a sua voz, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito.
9 Nicodemos respondeu, e disse-lhe: Como pode ser isso?
10 Jesus respondeu, e disse-lhe: Tu és mestre de Israel, e não sabes isto?
11 Na verdade, na verdade te digo que nós dizemos o que sabemos, e testificamos o que vimos; e não aceitais o nosso testemunho.
12 Se vos falei de coisas terrestres, e não crestes, como crereis, se vos falar das celestiais?
13 Ora, ninguém subiu ao céu, senão o que desceu do céu, o Filho do homem, que está no céu.
14 E, como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado;
15 Para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
16 Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

HINOS SUGERIDOS 65,167, 395 DA HARPA CRISTÃ

OBJETIVO GERAL
Compreender que se as religiões fossem salvadoras, a morte expiatória de Cristo não seria necessária.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
I. Apresentar alguns dos mitos da religião.
II. Mostrar como podemos evangelizar os religiosos.
III. Conhecer os grupos religio­sos que representam desafios para a Igreja.

• INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Professor, na lição de hoje estudaremos a respeito de alguns grupos religiosos. A palavra religião vem do latim religiones. Segundo o pastor Claudionor de Andrade, esse termo é oriundo de religare, ligar outra vez. A religião liga o homem ao Criador, todavia ela não tem poder para salvá-lo. A salvação é obtida somente pela graça. Ela é um dom gratuito de Deus que o pecador recebe pela fé no sacrifício vicário de Jesus Cristo. Ninguém será salvo por pertencer a uma igreja ou grupo religioso. Nicodemos era um homem religioso, um fariseu, e ao se encontrar com Jesus, o Salvador lhe falou a respeito da necessidade de ser transformado e de nascer de novo (Jo 3.3). Existe o mito de que toda religião é boa e leva o homem até Deus, mas o único caminho que pode nos conduzir até o Pai chama-se Jesus Cristo. Ele mesmo afirmou: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai se não por mim” (Jo 14.6). Professor, identifique os grupos religiosos que estão ao redor de sua igreja ou congregação e incentive seus alunos a alcançarem esses grupos com as Boas-Novas de salvação.

INTRODUÇÃO
Evangelizar os religiosos é um dos maiores desafios da Igreja de Cristo no século XXI. Ao contrário do que supunham os racionalistas, o sentimento religioso do ser humano não foi destruído pelo avanço da ciência. Hoje, pessoas de todas as classes sociais continuam a procurar refúgio na religião. Nessa busca, milhões de almas famintas deixam-se enredar por guias inescrupulosos, demônios e falsos deuses. Falar de Cristo aos religiosos também é nossa missão. No Brasil, deparamo-nos com estes grupos altamente desafiadores e prioritários: católicos, espíritas, judeus, muçulmanos, ateus e desviados. Com base na ação evangelística de Cristo, veremos como falar da verdadeira religião aos religiosos. [Comentário: Cristo não veio fundar uma religião, ensinar doutrinas atraentes, deixar um exemplo, reformar a nossa vida; Sua encarnação teve um propósito bem definido: ‘buscar e salvar o que se havia perdido’ (1Tm 1.15; Lc 19.10). Ele mesmo diz que não veio chamar os justos, mas os pecadores (Mt 9.13) e podemos chegar confiadamente a Ele e isso implica dizer que, aquele que não crê está condenado (v.18). É a fé o meio pelo qual o homem recebe a vida eterna. O que crê, tem a vida eterna, agora, e o que não crê “já está julgado”, apesar de muitos pensarem que a condenação é somente futura. O fato é que as Escrituras tem razão quando afirma que ‘Os homens amaram mais as trevas do que a luz’ (v. 19): As trevas na esfera moral e mental, o pecado, a superstição. Os homens não podem aceitar a Jesus sem abandonar tudo isso. E tanto amam o mundo, que não querem abandoná-lo. Como Adão, no Éden, ao tomar conhecimento que estava nu, coseu folhas de figueira para encobrir sua vergonha, a humanidade entenebrecida tem sua religiões nessa tentativa de ‘encobrir’ seu pecado e religar-se com o divino. O que a humanidade precisa saber, é que essa ‘religação’ já aconteceu, pela cruz ensangüentada, e somente por ela, estaremos em paz com Deus! Essa é a boa-nova, esse é o Evangelho. O mundo possui grandes religiões: cristãos, islâmicos, budistas, hinduístas, animistas e outras religiões minoritárias. Nessa lição, há um tópico sobre os Católicos, mas eles não são Cristãos? O catolicismo praticado no Brasil é fortemente influenciado pelo espiritismo, enquanto o animismo de muitos grupos indígenas é influenciado pelo catolicismo e em alguns casos também pelo candomblé. Este fenômeno também acontece com outras religiões. Assim, estes também devem ser evangelizados, e também muitos ditos evangélicos, devem ser alcançados com as boas-novas do Evangelho.] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

Ponto central
A Igreja do Senhor deve se empenhar para alcançar os grupos religiosos.

I- OS MITOS DA RELIGIÃO
Genericamente, a religião é definida como um sistema doutrinário e litúrgico, que facilita o acesso do ser humano a Deus. A partir desse conceito, foram criados três mitos que barram o acesso do pecador ao céu.
1. Mito um: todas as religiões são boas. Não podemos afirmar que todas as religiões são boas. Vejamos, por exemplo, o caso de Moloque. Em sua adoração, os amonitas queimavam suas criancinhas (Lv 18.21; Jr 32.35). E, no culto a Baal-Peor, divindade venerada pelos midianitas e moabitas, os desregramentos sexuais não tinham limites (Os 9.10). A prática de tais abominações levaram o Senhor a castigar severamente a Israel (Nm 25). Vê-se, pois, que nem todas as religiões são boas. [Comentário: Moloch ou Moloque na tradição bíblica, é o nome do deus adorado pelos amonitas, uma etnia de Canaã (povos presentes na península arábica e na região do Oriente Médio), e no seu culto, sacrificavam seus recém-nascidos, jogando-os em uma fogueira – desse culto vem a palavra ‘moleque’, a criança oferecida à Moloque, estas eram jogadas em uma cavidade da estátua, onde havia fogo consumindo assim a criança viva. ‘Moleque’ éuma palavra africana proveniente do noroeste da Angola, onde tribos que adoravam Moloque, colocavam o nome de moleque ou moleka, em crianças que estavam destinadas ao dêmonio Moloque.]
2. Mito dois: todas as religiões levam a Deus. Com base nos casos mencionados no tópico anterior, como podemos alegar que todas as religiões levam a Deus? No tempo de Paulo, a civilização greco-latina dava-se ao culto aos demônios (l Co 10.20,21). Hoje, não é diferente. Muitos são os que sacrificam animais e Viveres aos ídolos. E, nos últimos dias, a humanidade adorará a Besta, o Falso Profeta e o Dragão (Ap 13.4). Tais religiões não conduzem o homem a Deus. Muitos, declaradamente, prestam culto a Satanás. [Comentário: A Bíblia não fala de muitos caminhos que levam ao céu, senão só de um. Só um: “E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem” (Mt 7.14). A Bíblia também fala de outro caminho, mas, este não leva ao céu. Leva a destruição. “Larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela” (Mt 7.13). Então, de qual religião será esse caminho que leva ao céu? Qual denominação pode nos salvar? Nenhuma! Jesus é esse caminho que nos pode levar ao céu. Ele disse: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim” (Jo 14.6). O apóstolo Pedro disse a respeito de Jesus: “Debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos (At 4.12).]
3. Mito três: nenhuma religião é Verdadeira. Tiago afirma que a religião pura e imaculada é visitar os órfãos e viúvas em suas necessidades (Tg 1.27). Por conseguinte, não podemos nivelar, por baixo, a religião que nos foi concedida pelo Senhor, por meio de seus santos profetas e apóstolos. Receber a Jesus como Único e Suficiente Salvador não faz da pessoa um religioso, mas sim alguém que foi transformado pela misericórdia divina. [Comentário: não é o fato de pertencer a qualquer religião que garante a chegada ao céu, porque somente uma religião é o caminho ao céu - Jesus. E somente conhecer que ele é o caminho ao céu, tampouco nos leva ali. Temos que tomar esse caminho se quisermos chegar ao céu. Teremos que andar com Jesus. Ele tem que viver e governar nossos corações não somente em palavras, “mas por obra e em verdade” (1Jo 3.18). A Bíblia não fala de diferentes religiões ou denominações das quais temos que escolher ‘a melhor’, a ‘mais certa’ ou a mais ‘bonita’, todas são ‘folhas de figueira’, e como tal, não servem para encobrir a vergonha do pecado. Há na Bíblia não uma religião, mas uma irmandade de crentes que mesmo estando no mundo, não fazem parte do mundo. “Não são do mundo, assim como eu não sou do mundo” (Jo 17.14); congregações compostas de pessoas humildes que seguiam a Jesus, que trabalhavam juntos para espalhar o evangelho do Senhor. Interessante notar que, por se parecerem tanto com aquele que pregavam, os moradores de Antioquia da Síria passaram a chamá-los de “cristãos”. Não basta pertencer a uma Igreja Cristã, tem que se parecer com Cristo!]

SÍNTESE DO TÓPICO l
Todas as religiões são boas, levam a Deus e nenhuma é verdadeira são alguns mitos da religião.

SUBSÍDIO APOLOGÉTICO
Ha uma crença comum de que todas as religiões basicamente contêm a mesma verdade, embora se apresentem de maneiras distintas. Esse é o conceito de que Deus, mesmo quando chamado por outro nome, é ainda Deus, Deus habita no topo de uma enorme monta­nha, e todas as religiões e sistemas de crenças do mundo são como caminhos distintos que nos levam ao topo. Como todos os caminhos, por fim, levam ao cume, assim todas as religiões também levam a Deus. Há apenas um problema com esse pensamento: todas as religiões não po­dem ser verdadeiras. Como podemos ter tanta certeza?
Porque todas as religiões são diferentes e, em vários pontos, mutuamente exclusivas. Em vez de dizer que todas as religiões são verdadeiras, seria mais razoável acreditar todas são falsas, ou que apenas uma delas é verdadeira, e as outras, falsas.
Neste ponto, você pode estar imagi­nando: Mas será que todas as religiões não contêm uma verdade?' Carreto, Mas isso não significa que toda religião é verdadeira.
Como gostamos de dizer: Há verdade em tudo, mas nem tudo é verdade" (RUCE, Bickel; JANTZ, Stan. Guia de Seitas e Religiões: Uma visão panorâmica, 5.ed, Rio de Janeiro: CPÂD, 2012, pp. 11,12).

CONHEÇA MAIS
Religião
A passagem clássica sobre religião no Novo Testamento é Tiago 1.26,27. Aqui os termos usados (thereskos e thereskeia) definitivamente se referem a uma expressão externa. O contraste é feito entre aquele cuja religião consiste de cerimónias formais que não possuem apoio na devoção sincera, e aquele cuja religião consiste de atos de misericórdia, porque flui de uma atitude de coração que é reta para com Deus. Para conhecer mais, leia Dicionário Bíblico Wycliffe - CPAD, p. 1664.).

II. COMO EVANGELIZAR OS RELIGIOSOS
Tendo como exemplo a ação evangelística de Jesus, vejamos como expor o Evangelho aos religiosos.
1. Não discuta religião. Ao receber Nicodemos na calada da noite o Senhor Jesus não perdeu tempo discutindo os erros e desacertos do judaísmo daquele tempo. De forma direta e incisiva, falou àquele príncipe judaico sobre o novo nascimento (Jo 3.3). Sua estratégia foi certeira. Mais tarde, Nicodemos apresenta-se voluntariamente como discípulo do Salvador (Jo 7.50; 19.39). Em vez de contender com os religiosos, fale que Cristo é a única solução para a humanidade caída e carente da glória de Deus. [Comentário: Existe um ditado que diz: “religião, política e futebol, não se discute”. Esses temas tendem a ser objeto de debates acalorados, que podem gerar brigas até entre amigos. Mas será que esse conselho deve ser obedecido no que tange à religião? Qual é a principal mensagem do cristianismo? O Calvário. Quais foram as últimas palavras de Jesus ao ser assunto ao céu? A Grande Comissão. Qual o exemplo de Paulo ao entrar em Atenas? Usou a religiosidade deles para apresentar o Deus desconhecido. Ele não os criticou por sua superstição ou disse-lhes que estavam irremediavelmente condenado ao inferno – e estavam. Tão somente anunciou-lhes as boas-novas. Pedro 3.15, diz: “...estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir a razão da esperança que há em vós”; isso não é uma autorização para discutir religião, mas, como cristãos, devemos estar em condições de falar sobre a nossa fé e justificá-la.]
2. Não deprecie religião alguma. Em seu encontro com a mulher samaritana, Jesus não depreciou a religião de Samaria, nem sublimou a de Israel, mas ofereceu-lhe prontamente a água da vida (Jo 4.10). A partir da conversão daquela religiosa, houve um grande avivamento na cidade, repercutindo pentecostalmente em Atos (At 8.5-14). Se depreciarmos a religião alheia, não teremos tempo para falar de Cristo, pois a evangelização exige ações rápidas e efetivas. [Comentário: Em primeiro lugar, devemos ter sempre em mente que nossa luta não é contra carne e sangue, mas contra as potestades que estão por trás das crenças erradas que as pessoas porventura sigam. Se formos mansos como Jesus era manso, se falarmos de Deus sem arrogância, sem querer impor nossas ideias, sem querer convencer as pessoas “custe o que custar”, sem levantar a voz, sem ofender quem quer que seja, estaremos agindo com mansidão e respeito. Quanta falta de mansidão e respeito encontramos em alguns líderes e alguns cristãos hoje em dia. Responder de maneira calma afasta a ira (Pv 15.1), a paciência e a “língua branda” têm forte poder de persuasão (Pv 25.15) e (2Tm 2.24 e 25)]
3. Mostre a verdadeira religião. Sem ofender a religiosidade de seus ouvintes, mostre, em Jesus Cristo, a verdadeira religião. Foi o que Paulo fez em Atenas. Tendo como ponto de partida o altar ao Deus Desconhecido, anunciou-Ihes Cristo como o único caminho que salva o pobre e miserável pecador (At 17.26-34). Se agirmos assim, teremos êxito na evangelização dos católicos, espíritas, judeus, muçulmanos, ateus e desviados. [Comentário: É lógico que aquele altar de Atenas oferecido ao ‘deus desconhecido’ não era o Deus de Israel. Se este não era o Deus verdadeiro, porque Paulo mencionou em Atos 17.23, durante o discurso que ele proferiu no Areópago de Atenas? Em Tiago 1:27 diz que "A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo". Considerando que o contexto todo da epístola de Tiago nos fala do aspecto exterior da religião, isto é, de suas consequências práticas na vida das pessoas, muitas religiões se enquadrariam nesta definição. Mas o que dizer da fonte da religião, daquilo que leva a pessoa agir dessa maneira? Efésios 2.8 diz que “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus”; é Deus que, por meio de Jesus e sua morte e ressurreição, apaga as transgressões do homem, dá a ele uma nova vida e o ressuscita, capacitando-o a morar na esfera celestial. E tudo isso vem pela fé em Jesus, uma fé que nem sequer brota na pessoa convertida, mas que é um dom de Deus – e isto é algo único, nenhuma outra religião tem. Ao mostrar a fé cristã e este diferencial, precisamos olhar para Paulo e sua criatividade ao usar o tema de um dos altares para anunciar Jesus. A primeira reação de Paulo foi oposta a de qualquer outra pessoa da época. A Bíblia nos diz que ele “ficou profundamente indignado ao ver que a cidade estava cheia de ídolos” (At 17.16). Em sua investigação sobre o politeísmo, ele começa a visitar os altares de outros deuses lendo suas inscrições, até chegar a um altar com a seguinte inscrição: “Ao Deus Desconhecido” (At 17.23). O resultado: uns escarneceram, outros ficaram indiferentes; mas outros aceitaram. Dionísio, o areopagita e uma mulher chamada Dâmaris, e outros atenienses, creram. Hoje não é diferente, O Deus desconhecido - Jesus, precisa ser anunciado para muitas pessoas que ainda não lhe conhece, sendo necessário crer nele, para serem libertas e perdoadas.]

SÍNTESE DO TÓPICO II
Precisamos alcançar os grupos reli­giosos, não discutindo ou depreciando religião alguma, mostrando a verdadeira religião, Cristo.

SUBSÍDIO APOLOGÉTICO
Professor, procure enfatizar neste tópico que o "cristianismo é mais do que uma religião sobre Jesus. Para sermos mais exatos, diz respeito ao relaciona­mento com Jesus, a quem Deus enviou à terra para salvar a humanidade da morte espiritual Esse é o coração e a alma do cristianismo. É por essa razão que o cristianismo fica separado de qualquer seita, religião ou sistema de crenças no mundo. Um cristão é aquele acredita e aceita as afirmações de Jesus.
Jesus afirma ser Deus em forma humana, Jesus não disse que era como Deus. Ele disse que era Deus (Jo 10.30). As pessoas ao redor de Jesus sabiam exatamente o que Ele queria dizer.
Seus inimigos compreenderam essa afirmação e procuravam matá-lo por essa razão (Jo 5.18). Os seguidores de Jesus tam­bém compreenderam essa afirmação e estavam dispostos a morrer por ela.
O apóstolo Paulo escreveu: 'Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade' (Cl 2,9). [BRUCE, Bickel; JANTZ, Stan. Gyia de Seitas e Uma visão panorâmica, S.ed. Rio de Janeiro: CPÃD, 2012, p, 33].

III - RELIGIOSOS QUE REPRESENTAM DESAFIOS
Na evangelização dos grupos acima mencionados, temos de adotar a estratégia certa, para que o nosso trabalho não redunde em fracasso. Daremos algumas informações, neste tópico, que poderão ser bastante úteis.
1. Católicos romanos. Embora normalmente cristãos, os católicos acham-se presos à idolatria, ao misticismo, boa parte deles, a um perigoso sincretismo. Por isso, em sua evangelização, não ofenda Maria, nem os santos gerados por eles. Evite apontar a Igreja evangélica como superior à católica. Antes, exponha-lhes Jesus como o caminho, a verdade e a vida (Jo 14.6). Entregue-lhes folhetos com o endereço de sua igreja, para que os convertidos sejam bem discipulados. [Comentário: Interessante a inserção dos católicos aqui, haja visto que são cristãos, herdeiros das tradições mais antigas da cristandade e, normalmente, não são colocados como seita. Não é fácil convencer os católicos de que a idolatria é pecado; eles não se consideram idólatras, inclusive afirmam que suas imagens são apenas objetos de culto ou veneração, e não ídolos. Mesmo lendo em Salmos 135.15-17 “Os ídolos dos gentios são prata e ouro, obra das mãos dos homens. Têm boca, mas não falam; têm olhos, e não vêem, Têm ouvidos, mas não ouvem, nem há respiro algum nas suas bocas”, não lhes abre-se o entendimento. É preciso dizer que idolatria não se restringe à adoração de imagens, mas sim a ocupação com qualquer coisa que acharmos poder nos deixar felizes e realizados, e que muitos membros de igrejas evangélicas cometem esse pecado – são muitas as denominações que pregam apenas saúde e prosperidade e atraem multidões - Saúde e prosperidade são seus ídolos. Evangelizando um católico, entrar em um debate sobre o significado da idolatria é perda de tempo porque o assunto vai ficar no âmbito filosófico, lingüístico etc. Tentar combater cada um de seus erros seria contraproducente, pois são muitos. Transcrevo a seguir, um trecho do artigo ‘Como convencer católicos do pecado da idolatria?’, de autoria de  Mario Persona, disponível no site O QUE RESPONDI: “...Se você quiser que um cão largue o osso, não tente tirar dele. Mostre um filé. Minha mãe (morando no céu desde 2005), católica praticante durante décadas, se converteu e passou a pregar o evangelho para suas amigas católicas. A abordagem dela com suas amigas que adoravam (ou cultuavam como preferem os católicos) uma miríade de "santos" era muito interessante e o diálogo era mais ou menos assim:
"Você conhece a história de Santo Antonio, não é mesmo? De quem Santo Antonio era devoto?"
"De Jesus".
"E Santa Rita?"
"De Jesus".
"São Pedro?"
"Jesus também".
"São Benedito?"
"Devoto de Jesus".
"Então siga o exemplo dos santos" - concluía minha mãe.
Ats 10:25-26 "E aconteceu que, entrando Pedro, saiu Cornélio a recebê-lo, e, prostrando-se a seus pés o adorou. Mas Pedro o levantou, dizen-do: Levanta-te, que eu também sou homem".
Para as adoradoras de Maria a abordagem era a de obediência ao mandamento de Maria: "Façam tudo o que ELE (Jesus) mandar". E se ela podia ir direto àquele que disse "Vinde a mim", por que iria à mãe que era tão necessitada como qualquer um de nós ao ponto de precisar ser amparada e cuidada pelo discípulo João após a morte de seu filho?
João 19:27 "Depois disse ao discípulo: Eis aí tua mãe. E desde aquela hora o discípulo a recebeu em sua casa" http://www.respondi.com.br/2012/05/como-convencer-catolicos-do-pecado-da.html.]
2. Espíritas. Na evangelização dos espíritas e dos adeptos dos cultos afros, evite toda e qualquer discussão. Mas, com amor e sabedoria, convença-os, pela Bíblia, de que aos homens está or­denado morrerem uma única vez, e que o sacrifício de Jesus Cristo é suficiente para levar-nos ao Pai (Hb 9-27; l Pé 3.18). [Comentário: Um espírita (kardecista) é como qualquer outra pessoa, “pois todos pecaram e carecem da glória de Deus,” Rm 3:23. Talvez, pelo fato histórico de ter alcançado primeiro as camadas mais cultas da população, aqueles que podiam ler seus tratados pseudo-científicos em francês, o kardecismo tenha mantido uma tradição de bastante leitura e um discurso algo ilustrado. Mas isso não deve intimidar quem tenha um testemunho de verdadeira experiência pessoal com Deus. Como qualquer pessoa, o espírita não é um vaso vazio, esperando um evangélico para enchê-lo da verdade. Cada pessoa já tem um conjunto de crenças e valores. Portanto, toda evangelização é apologética, mas nem toda apologia é bíblica. A apologia ensinada nas Escrituras, principalmente por Pedro (1Pe 3:15) não é provocativa e nem contenciosa, antes consiste em estarem sempre “…preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós…”. Tendo o coração inteiramente dominado por Cristo, ouça a pessoa que você quer evangelizar, conheça-a. Quais são suas dúvidas, quais suas ansiedades e angústias? Que perguntas faz, o que deseja saber? Então responda, com mansidão e honestidade. Sabemos que “Responder antes de ouvir é estultícia e vergonha.” Pv 18:13, e até mesmo o povo sabe que “Quem fala o que quer, ouve o que não quer”. Evangelizar depois de ouvir é muito mais eficaz. http://www.evangelizabrasil.com/2010/08/24/sobreespirita/]
3. Judeus e muçulmanos. Embora os judeus sejam o povo da promessa, eles são tão necessitados de Cristo quanto os muçulmanos (Rm 3.23). Por isso, prepare estratégias distintas e adequadas para ganhar tanto os primeiros quanto aos segundos. Na evangelização dos muçulmanos, não ofenda Maomé. Todavia, não deixe de proclamar-lhes a supremacia de Cristo na salvação de todos os que creem (Rm 1.16). [Comentário: Estamos tratando aqui de dois povos extremamente difícil de serem alcançados devido seu apego às tradições religiosas. Não vai ser em duas ou três linhas que vamos chegar a um denominador comum. A evangelização dos muçulmanos sempre foi uma tarefa muito difícil ao longo da história. Com freqüência, ao serem tratados com hostilidade, os missionários simplesmente seguiam adiante na busca de grupos mais receptivos à mensagem de Cristo. Entretanto, Jesus morreu também pelos muçulmanos, e é Seu desejo que eles venham a conhecê-lO (Mt 24.14). Felizmente, nos dias de hoje vemos crescer o interesse pela evangelização dos muçulmanos, são muitos os missionários que não tem por valorosa a sua vida, mas decidiram gastá-la para ver se alcançam alguns muçulmanos para o reino. O Alcorão menciona Jesus 93 vezes. Em geral tem uma atitude positiva para com ele, mas nega fortemente Sua deidade, sua crucificação e sua ressurreição. As passagens que contêm uma visão positiva de Jesus podem ser usadas para gerar interesse em um muçulmano, para que ele conheça mais sobre Jesus. Passamos, a seguir, a estudar as passagens que são tratam favoravelmente acerca de Cristo, e outras que demonstram a visão distorcida que o Alcorão tem sobre ele. Visão Favorável de Jesus: O Alcorão apresenta Jesus como um profeta em linha com outros profetas, como Abraão, Moisés etc (2:137). Ao contrário do ministério dos outros, o de Jesus foi validado por sinais (quer dizer, milagres; 2:253ss).]
4. Ateus. Apesar de os ateus se apresentarem como não religiosos e descrentes da existência de Deus, são tão religiosos quanto os demais homens. Não tente provar-lhes que Deus existe. Mas, com poder e graça, deixe-lhes bem claro que Jesus salva e liberta o mais vil dos pecadores. Contra o ateísmo, somente o Evangelho eficaz da graça divina. [Comentário: Biblicamente falando, não existe tal coisa como um ateu. Salmo 19.1-2 nos diz que os céus declaram a glória de Deus. Vemos o Seu poder criativo em tudo o que Ele fez. Romanos 1.19-20 desenvolve essa ideia, dizendo-nos que o que pode ser conhecido sobre Deus foi revelado a nós através da criação e quem nega isso está detendo "a verdade pela injustiça" (v. 18). Salmo 14.1 e 53.1 declaram que aqueles que negam a existência de Deus são tolos. Assim, o ateu ou está mentindo, ou é um tolo, ou ambos. Então, o que é que faz que alguém negue a Deus? O principal objetivo daqueles que estão sob a influência da natureza do pecado é fazer de si mesmo um deus e ter controle completo sobre a sua vida, ou assim pensam. Em seguida, aparece a religião com tantas obrigações, julgamentos e restrições, enquanto os ateus presumem definir a moralidade e o significado de sua própria vida. Eles não querem se submeter a Deus porque seus corações estão em "inimizade contra Deus", e não têm qualquer desejo de serem sujeitos à Sua lei. Na verdade, são incapazes de fazer isso porque o seu pecado os cegou para a verdade (Romanos 8:6-7). É por isso que os ateus passam a maior parte do seu tempo reclamando e discutindo não sobre as provas escriturísticas, mas sobre a lista de "faça ou não faça." Sua rebeldia natural detesta os mandamentos de Deus. Simplesmente odeiam a ideia de que qualquer coisa - ou qualquer Um - deva ter controle sobre eles. O que não percebem é que o próprio Satanás os controla, cegando-os e preparando as suas almas para o inferno. Em termos de evangelizar os ateus, não devemos conter o evangelho de alguém só porque afirma ser um ateu. Não se esqueça de que um ateu é tão perdido quanto um muçulmano, hindu ou budista. Deus certamente quer que propaguemos o evangelho (Mateus 28:19) e defendamos as verdades de Sua Palavra (Romanos 1:16). Por outro lado, não somos obrigados a perder nosso tempo tentando convencer o relutante. Na verdade, somos advertidos a não gastar esforço excessivo sobre aqueles que são claramente desinteressados em quaisquer discussões honestas (Mateus 7:6). Jesus disse aos apóstolos para irem pregar a Palavra, mas Ele não esperava que eles permanecessem em qualquer lugar até que a última pessoa tivesse se convertido (Mateus 10:14). http://www.gotquestions.org/Portugues/cristaos-evangelizar-ateus.html]
5. Os desviados do Evangelho. Não nos esqueçamos dos que estão afastados do Evangelho. Se Cristo se deu por eles, empenhemo-nos, nós também, em sua recuperação plena (Mt 18.11; Lc 15.4). Falar de Cristo aos religiosos não é tarefa simples, mas necessária e urgente. Por essa razão, prepare-se adequadamente, visando alcançar os grupos mencionados e, também, outros, dentro e fora do país. Ninguém pode ser esquecido em nossas ações missionárias e evangelísticas. [Comentário: “O desviado de coração dos seus próprios caminhos se farta, como do seu próprio proceder, o homem de bem”. (Pv 14.14). Um cristão desviado é aquele cuja comunhão com Cristo está definhando e cuja fé está se enfraquecendo. A cura para um estado de desvio não é “deixar nas mãos de Deus”, tampouco se encontra em nossa própria atitude de nos “rededicarmos” a Deus. A cura para a nossa condição é o próprio Senhor Jesus. Ele é o Bom Pastor que restaura a alma. Ele busca e resgata aquele que deixou o rebanho. "Meus irmãos, se algum entre vós se desviar da verdade, e alguém o converter, sabei que aquele que converte o pecador do seu caminho errado, salvará da morte a alma dele, e cobrirá multidão de pecados" (Tg 5.19-20). Não é somente os pecadores perdidos que precisam ser alcançados pela graça salvadora de Deus, mas também aqueles que se desviam da verdade, esses precisam ser restaurados. Observem cuidadosamente que esta palavra é dirigida aos cristãos. Alguém "entre" os crentes, os "irmãos", pode se desviar da verdade.]

SÍNTESE DO TÓPICO III
Os católicos romanos, os espíritas, judeus, mulçumanos e os desviados são alguns dos grupos religiosos que precisamos alcançar.

CONCLUSÃO
Falar de Cristo aos religiosos não é tarefa simples, mas necessária e urgente. Por essa razão, prepare-se adequadamente, visando alcançar os grupos mencionados e, também, outros, dentro e fora do país. Ninguém pode ser esquecido em nossas ações missionária e evangelística. [Comentário: Quando evangelizamos, estamos alcançando grupos religiosos, dependendo da região do país, encontramos pessoas muito apegadas às tradições religiosas herdadas, e isso é uma barreira que dificulta muito a ação evangelizadora. Mas basta lembrarmos que foi bem mais difícil para os pioneiros e primeiros crentes... hoje, estamos vivendo dias mais fáceis e receptivos, no entanto, a barreira religiosa ainda permanece. Lembremos que nesse negócio, a parte mais difícil ficou com o Espírito Santo, é Ele que convence o homem do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16.8)! Assim, a parte que nos cabe é a do testemunho, como atalaias, anunciando as boas-novas (Ez 3.17,18)!] “NaquEle que me garante: "Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Ef 2.8)”,
Francisco Barbosa
Campina Grande-PB
Agosto de 2016


SUBSÍDIO APOLOGÉTICO
Professor, o islamismo representa um desafio para a Igreja do Senhor. Esta é uma das religiões que mais crescem no mundo. No Brasil temos um grupo grande de mulçumanos. Estes, fora de seus países de origem, ficam mais sus­ceptíveis a ouvir as Boas-Novas.
Utilize o quadro abaixo para mostrar aos alunos as principais crenças desse grupo.
O islamismo é uma religião monoteísta iniciada pelo profeta Maomé, que recebeu reve­lações diretamente de Alá, as quais se iniciaram em 610 d.C.
Alá é o soberano do universo. Ele é, com mais frequência, caracterizado em termos de julgamento e de poder. Alá é impessoal e misterioso. É impossível conhecê-lo.
O Alcorão foi compilado por vários recitadores e transcritores. É um livro infalível (sem erros). O Alcorão representa as revelações finais e supremas de Alá. Ele é considerado a autoridade quando há discrepância em relação a outros escritos sagrados.
A visão mulçumana de salvação diz respeito ao trabalho assim como à fé. O cumprimento fiel dos rituais dos cinco pilares (o credo, as orações, as esmolas, o jejum e a peregrinação) é de importância fundamental.
O destino eterno de cada pessoa é determinado no Dia do Julgamento por uma balança que passará as boas e as más ações.
O indivíduo, durante sua vida, não tem como saber se fez o suficiente para garantir que a balança penderá a favor de suas boas ações.

PARA REFLETIR
A respeito da evangelização dos grupos religiosos, responda:
• Quais os principais mitos sobre a religião?
Todas as religiões são boas, todas as religiões levam a Deus e nenhuma religião é verdadeira.
• Como falar de Deus aos católicos?
Em sua evangelização, não ofenda Maria, nem os santos venerados por eles. Evite apontar a igreja evangélica como superior à católica. Antes, exponha-lhes Jesus como o caminho, a verdade e a vida (Jo 14.6).
• Como falar de Cristo aos espíritas e adeptos dos cultos afros? Na evangelização dos espíritas e dos adeptos dos cultos afros, evite toda e qualquer discussão. Mas, com amor e sabedoria, convença-os, pela Bíblia, de que aos homens está ordenado morrerem uma única vez, e que o sacrifício de Jesus Cristo é suficiente para levar-nos ao Pai.
• Como evangelizar os muçulmanos?
Na evangelização dos muçulmanos, não ofenda Maomé. Todavia, não dei­xe de proclamar-lhes a supremacia de Cristo na salvação de todos os que creem (Rm 1.16).
• Por que é urgente falar de Cristo aos desviados?
Porque Jesus os ama e Ele pode voltar a qualquer momento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário