Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

12 de julho de 2016

Lição 3: Igreja, agência evangelizadora



Lição 3: Igreja, agência evangelizadora
Data: 17 de Julho de 2016

TEXTO ÁUREO
Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria e até aos confins da terra(At 1.8). [Comentário: Jesus quer dizer que o Espírito Santo mostrará o seu controle sobre eles com manifestações visíveis: o sopro de um vento veemente, o aparecimento de línguas de fogo e o falar em línguas estranhas. O livro de Atos segue a estratégia traçada aqui. O testemunho de Jerusalém apresenta em miniatura o ministério mundial de Deus: “judeus... de todas as nações” (2,5) que ouviram e creram carregaram a mensagem para bem longe. No resto de Atos, o evangelho se espalha a Jerusalém (3.1-8.1), à Judéia e à Samaria, a Antioquia da Síria (8.1-12.25) e aos confins da terra (13.1-28.31).]

VERDADE PRÁTICA
A Igreja de Cristo, em virtude de sua natureza e vocação, é a agência evangelizadora e missionária por excelência.

LEITURA DIÁRIA
Segunda — Mt 28.19,20 - A grande comissão da Igreja: evangelizar o mundo
Terça — At 1.8 - Revestidos para evangelizar o mundo
Quarta — At 2.41 - A Igreja nasce ganhando almas
Quinta — At 4.18-20 - Evangelizar: um mandato soberano de Deus
Sexta — At 8.1-4 - Evangelizando mesmo em meio à perseguição
Sábado — At 13.1-12 - Antioquia, igreja missionária

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Atos 1.1-14.
1. Fiz o primeiro tratado, ó Teófilo, acerca de tudo que Jesus começou, não só a fazer, mas a ensinar,
2. até ao dia em que foi recebido em cima, depois de ter dado mandamentos, pelo Espírito Santo, aos apóstolos que escolhera;
3. aos quais também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas e infalíveis provas, sendo visto por eles por espaço de quarenta dias e falando do que respeita ao Reino de Deus.
4. E, estando com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que (disse ele) de mim ouvistes.
5. Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias.
6. Aqueles, pois, que se haviam reunido perguntaram-lhe, dizendo: Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel?
7. E disse-lhes: Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder.
8. Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria e até aos confins da terra.
9. E, quando dizia isto, vendo-o eles, foi elevado às alturas, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos.
10. E, estando com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia, eis que junto deles se puseram dois varões vestidos de branco,
11. os quais lhes disseram: Varões galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir.
12. Então, voltaram para Jerusalém, do monte chamado das Oliveiras, o qual está perto de Jerusalém, à distância do caminho de um sábado.
13. E, entrando, subiram ao cenáculo, onde habitavam Pedro e Tiago, João e André, Filipe e Tomé, Bartolomeu e Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão, o Zelote, e Judas, filho de Tiago.
14. Todos estes perseveravam unanimemente em oração e súplicas, com as mulheres, e Maria, mãe de Jesus, e com seus irmãos.

HINOS SUGERIDOS
16, 147 e 149 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL
Explicar que proclamar Cristo é a tarefa prioritária da Igreja.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
  • I. Apresentar a fundamentação evangelizadora da Igreja.
  • II. Mostrar que a evangelização é missão prioritária da Igreja.
  • III. Saber que Antioquia era uma igreja missionária.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
A Igreja do Senhor tem uma missão social e educativa para cumprir neste mundo, porém a sua missão principal sempre será a evangelização. Infelizmente, muitas igrejas já não dão a devida importância à ordenança de Cristo para a sua Igreja (Mt 28.19,20). Muitos estão preocupados apenas em erguer grandes templos. É importante ressaltar que não há nada de errado em erguer um templo bonito e confortável para cultuarmos ao nosso Deus. O que não podemos é utilizar todos os nossos recursos e energia somente em uma construção, deixando de lado a pregação do Evangelho. Nenhuma outra atividade ou evento é mais importante e urgente do que ganhar almas para Cristo. Que cada crente venha cumprir com a sua tarefa evangelística, pois o mundo que jaz do maligno carece da Verdade que liberta — Jesus Cristo. Mas como ouvirão se não há quem pregue?
Aproveite este trimestre para despertar nos seus alunos o desejo de evangelizar e ganhar vidas para o Senhor Jesus.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
A Igreja de Cristo é a agência evangelizadora por excelência. Desde a sua fundação, no Dia de Pentecostes, até hoje, ela é conhecida, antes de tudo, por seu amor às almas perdidas. Se ela, por conseguinte, descumprir a sua tarefa básica, em breve perderá a sua condição de Corpo de Cristo, reduzindo-se a uma mera organização humana. Nesta lição, veremos que, frente à Grande Comissão, não temos alternativa senão cumprimos plenamente o ide de Jesus. Nossos dias exigem um retorno imediato, ousado, enérgico e amoroso à missão evangelizadora da Igreja. Menos que isso é inaceitável. [Comentário: A estória: Quando Cristo terminou sua obra, e chegou ao céu, os anjos o receberam com exultante celebração. Um anjo perguntou-lhe: “Senhor, tu consumaste a obra da redenção, mas quem vai contar essa boa nova para o mundo inteiro?” Jesus respondeu: “Eu deixei doze homens preparados para essa tarefa”. Retrucou o anjo: “Mas, Senhor, e se eles falharem?”. Jesus respondeu: “Se eles falharem eu não tenho outro método”. Hernandes Dias Lopes em A grande Comissão, uma missão inacabada. Encontramos em todos os quatro Evangelhos e no livro de Atos, a ênfase à grande comissão. Ao ser assunto aos céus, Jesus deu-nos suas últimas palavras, que ficaram conhecidas como a Grande Comissão. A Grande Comissão, na tradição cristã, é a instrução dada pelo Jesus ressuscitado aos seus discípulos para que eles espalhassem seus ensinamentos para todas as nações do mundo. Ela se tornou um ponto chave da teologia cristã sobre o trabalho missionário, o evangelismo e o batismo. A grande comissão envolve toda a igreja, como bem definiu o Congresso de Lausane: “O propósito de Deus é o evangelho todo, por toda a igreja, em todo o mundo, a toda criatura”. Nas palavras de Charles Spurgeon, "todo cristão ou é um missionário ou é um impostor". Esse é o grande chamado do Senhor Jesus - pregar as boas novas de salvação]. Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

http://www.auxilioaomestre.com/p/blog-page.html

PONTO CENTRAL
A missão suprema da Igreja de Cristo é a evangelização.

I. A FUNDAÇÃO EVANGELIZADORA DA IGREJA
Após a sua ressurreição, Jesus permaneceu com os discípulos por quarenta dias, durante os quais os instruiu acerca da fundação pentecostal da Igreja e sobre a evangelização mundial.
1. A resposta escatológica. Pouco antes de sua ascensão, Jesus foi inquirido por seus seguidores quanto ao futuro de Israel. O Senhor, porém, conscientiza-os de que, naquele momento, a sua preocupação não deveria ater-se aos últimos dias, mas ao que estava prestes a acontecer: “[...] Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder” (At 1.7). Não há tempo a perder. Sabemos que em breve Jesus virá, e precisamos evangelizar hoje. [Comentário: O projeto de Deus é o evangelho todo, por toda a igreja, a toda criatura, em todo o mundo. O evangelho de Cristo é o único remédio para a doença do homem. O pecado é uma doença mortal. O pecado é pior do que a pobreza. É mais grave do que o sofrimento. É mais dramático do que a própria morte. Esses males todos, embora sejam tão devastadores, não podem afastar o homem de Deus. Mas, o pecado afasta o homem de Deus no tempo, na história e na eternidade. Não há esperança para o mundo fora do evangelho. Não há salvação para o homem fora de Jesus. As religiões se multiplicam, mas a religião não pode levar o homem a Deus. As filosofias humanas discutem as questões da vida, mas não têm respostas que satisfazem a alma. As psicologias humanas levam o homem à introspecção, mas nas recamaras da alma humana não há uma fresta de luz para a eternidade. O mundo precisa de Cristo; precisa do evangelho. Chegou a hora da igreja se levantar, no poder do Espírito Santo e proclamar que Cristo é o Pão do céu para os famintos, a Água viva para os sedentos e a verdadeira Paz para os aflitos. Jesus é o Salvador do mundo! Rev Hernandes Dias Lopes, http://hernandesdiaslopes.com.br/2012/06/evangelizacao-a-urgencia-de-uma-tarefa/#.V4UpnBJtzc1]
2. A resposta pentecostal. A resposta do Senhor aos seus discípulos não foi apenas escatológica, mas pentecostal: “Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra” (At 1.8). Sem o poder do Espírito Santo, os discípulos jamais poderiam cumprir, em sua plenitude, o mandato evangelizador da Igreja. Eles teriam de testemunhar em ambientes hostis, como Jerusalém; em lugares nada amistosos, como Samaria; e, finalmente, até os confins da Terra. Portanto, o poder do Espírito Santo era-lhes imprescindível. [Comentário: Nos últimos dias de suas orientações para os apóstolos, Jesus lhes falou para esperarem em Jerusalém para receber o batismo com o Espírito Santo (At 1.4,5). Ele, também, descreveu as principais etapas da missão que lhes deu de pregar o evangelho ao mundo: "sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra" (At 1.8). A sequência descrita por Jesus em Atos 1.8 (Jerusalém Judéia Samaria Confins da Terra) serve para esboçar o trabalho dos seus discípulos durante as décadas seguintes. Eles começaram a pregar em Jerusalém e Judéia (At 2-7), levaram a palavra à Samaria (At 8) e, depois, aos confins da terra (At 9 a 28). O trabalho missionário foi tão intenso, que Paulo afirmou cerca de 30 anos depois da morte de Jesus, que o evangelho "foi pregada a toda criatura debaixo do céu" (Cl 1.23). Os apóstolos foram fiéis em cumprir a missão que Jesus lhes deu. Hoje, temos o privilégio de divulgar a mesma mensagem. Vamos ser fiéis e dedicados neste trabalho!]
3. A fundação da Igreja. Passados dez dias, desde a ascensão do Senhor, os discípulos achavam-se reunidos, num só lugar, quando veio o Espírito Santo sobre eles. Revestidos de poder, passaram a falar noutras línguas, dando ocasião à primeira colheita de almas da Igreja (At 2.1-4,41). A fundação da Igreja foi pentecostal e evangelizadora. Isso significa que só viremos a cumprir plenamente a Grande Comissão se buscarmos e vivermos no poder do Espírito Santo. Sem o poder do Espírito Santo, a evangelização jamais será eficiente (Lc 24.49). [Comentário: Inicialmente, esclarece-se que o termo ‘evangelização eficiente’ refere-se aos meios, não aos fins. Sabendo que é o Espírito Santo quem convence do pecado, da justiça e do juízo, em qualquer método que empregamos para anunciar as boas novas, o Espírito Santo aperfeiçoa e segundo a sua boa vontade, opera. Quero dizer com isso que as propostas de evangelismo não são garantia de maior alcance de resultados, mas certamente irão proporcionar a transmissão de uma mensagem mais consistente e precisa. Sobre o início da Igreja, a maioria dos protestantes crê que a primeira assembleia local foi a de Jerusalém e que ela teve início real exatamente em Pentecostes (At 2). Em Atos 2.41<<Assim que, os que de boa mente receberam a sua palavra, foram batizados; e FORAM ACRESCENTADOS naquele dia, À IGREJA, quase três mil almas>>, almas foram acrescentadas à assembleia local que estava reunida em Jerusalém, assim, esta assembleia local já existia, ainda que de forma dispersa. A igreja foi explicitamente nomeada em Mateus 18.17, com verbos no tempo presente. "E, se não as escutar, dize-o à IGREJA ; e, se também não escutar a IGREJA, considera-o como um gentio e publicano." Portanto, seguramente, a assembleia local já existia durante os dias de Cristo. A palavra "ekklesia" aparece pela primeira vez em Mt 16.18 "Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha IGREJA, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela;". Pentecostes foi, sem dúvida, a capacitação para anunciar com virtude do Espírito Santo, as boas-novas do Evangelho, mas não foi ali o início da Igreja. A Igreja foi iniciada durante o ministério do Cristo sobre a terra .Os discípulos ainda faltavam receber batismo com o Espírito Santo, em Pentecostes. Mas tanto este batismo como também a habitação pelo Espírito Santo (iniciada em João 20.21-22 "... E, havendo dito isto, assoprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo.") nunca foram ditas ser pré-requisitos indispensáveis para que, mesmo durante os dias do Cristo sobre a terra, os salvos pudessem compor e ser uma igreja. Em todas as épocas, Deus planejou reunir um corpo de pessoas que se assemelhariam à imagem de seu Filho; as quais chamaria, justificaria e glorificaria (Rm 8.29-30); as quais seriam compradas pelo sangue de seu Filho (At 20.28); seriam santificadas e purificadas, libertas da mancha, da ruga e do defeito, sendo a noiva de seu Filho (Ef 5.25-27); as quais seriam "raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus" (1Pd 2.9); as quais seriam uma demonstração de sua multiforme sabedoria, não só para os homens, mas para os principados e as potestades nas regiões celestes (Ef 3.10-11). Com a pregação corajosa e incisiva de Pedro a um público judeu, o efeito do sermão foi poderoso, pois os ouvintes "compungiu-se-lhes o coração" (At 2.37) e foram instruídos por Pedro a “Arrependei-vos e seja batizado” (At 2.38). A narrativa termina com três mil almas sendo adicionadas à comunhão, com o partir do pão e orações, com sinais apostólicos e maravilhas e com uma comunidade formada na qual as necessidades de todos eram atendidas.]


SÍNTESE DO TÓPICO (I)
A fundamentação evangelizadora da Igreja foi estabelecida pelo Senhor Jesus antes de Ele ascender aos céus.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO
“A Igreja e Missões
A evangelização do mundo é o imperativo do Novo Testamento. ‘O evangelho deve ser proclamado [anunciado] entre todas as nações’ (Mc 13.10, tradução livre). O Advogado a realizar a tarefa é o Espírito Santo, enquanto que a instituição escolhida divinamente para a proclamação é a igreja de Jesus Cristo. Essas são afirmações sérias e bíblicas. Até mesmo uma leitura superficial do Novo Testamento irá convencer o leitor da relevância da igreja na atual administração de Deus. Cristo amavaa igreja e deu-se a si mesmo por ela. Somos assegurados de que no momento Ele está edificando sua igreja eque, por fim, irá ‘apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula nem ruga, mas santa é irrepreensível’. Tudo isso está de acordo com o propósito eterno que Deus tinha em Cristo Jesus nosso Senhor: ‘Para que agora, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus seja conhecida dos principados e potestades nos céus, segundo o eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor’ (Ef 5.25-27; 3.10,11). A igreja é a geração eleita, sacerdócio real, nação santa e povo adquirido por Deus. O propósito desse grande chamado é que a igreja exponha as virtudes dEle, que a tirou da escuridão para sua maravilhosa luz. A igreja é uma criação proposital em Cristo Jesus; ela é o corpo de Cristo (sua manifestação visível) e o templo do Espírito Santo. Ela foi criada no dia de Pentecostes para personificar o Espírito Santo na realização do propósito de Deus neste mundo. Missões não é uma imposição feita à igreja, pois faz parte de sua natureza e deveria ser tão natural para ela quanto as uvas são naturais para os galhos que se dependuram no vinhedo. Missão flui da constituição, do caráter, chamado e designo da igreja” (PETERS, George W. Teologia Bíblica de Missões. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2000, p.244).

II. A MISSÃO PRIORITÁRIA DA IGREJA
Quando a Igreja evangeliza, cumpre integralmente a sua missão, pois integralmente promove o ser humano.
1. Evangelização. A Igreja, tão logo foi estabelecida, saiu de imediato a proclamar o Evangelho, pois ganhar almas é a sua prioridade máxima. Quanto mais evangelizava, mais o Senhor operava sinais, prodígios e maravilhas (At 4.29,30). A oração daqueles crentes pela evangelização do mundo era tão poderosa, que, certa vez, fez tremer o lugar onde estavam reunidos (At 4.31). A igreja precisa manter o pentecostes genuíno: sem misticismos, sincretismos e sem alvos mercadológicos. Por conseguinte, nenhum evento eclesiástico é tão importante quanto a evangelização. A Igreja deve sair às ruas, aos becos e às comunidades pobres e esquecidas, a fim de anunciar a Cristo a todos, em todo tempo e lugar. [Comentário: A Igreja iniciou sofrendo muitas perseguições. Os apóstolos foram presos, alguns apedrejados, outros mortos e tudo isto porque eles davam testemunho de Jesus Cristo. Eles pregavam era que Jesus havia ressuscitado, subido ao céu e que voltaria. Pregavam que era necessário o arrependimento dos pecados e entregar a vida a Jesus Cristo para obter a salvação. Cristo nos comissiona a evangelizar quatro lugares: “Jerusalém, Judéia, Samaria e Confins da Terra”. Está claro que a igreja deve ser um agente transformador da sociedade tanto local, como globalmente. A única maneira de o mundo ver a Cristo é através da Igreja, que é o seu corpo. A igreja sou eu e você, portanto temos uma grande responsabilidade e devemos corresponder ao chamado que Jesus nos confere. Quando seguimos o modelo fornecido pelo Novo Testamento, a igreja será suficiente para fazer a obra e terá fartura de obra para fazer. Não há a necessidade nem temos a permissão para envolver a igreja em outros projetos, organizações ou obras inventados pelos homens. Assim como Deus rejeitou o fogo oferecido por Nadabe e Abiú (Lv 10.1-7), ele rejeitará obras estranhas que os homens introduzem nas igrejas. Tão certo como o Senhor desagradou-se quando Uzá estendeu uma mão de ajuda para fazer o que lhe parecia direito (2Sm 6.1-11), ele não quer nossa "ajuda" para encontrar um modo mais eficaz de fazer sua obra. Em ambos os casos de pecados fatais, o problema fundamental foi uma falta em seguir exatamente o que Deus tinha instruído. Se desconsideramos suas instruções, não podemos esperar melhor sorte. "Há caminho que ao homem parece direito, mas ao cabo dá em caminhos de morte" (Pv 14.12).]
2. Missões em Atos. A Igreja Primitiva não demorou a fazer missões. Após a dispersão dos crentes de Jerusalém, Filipe desceu a Samaria, onde, com poder e ousadia, pregava o Cristo ressurreto. As multidões ficavam atentas ouvindo a mensagem pregada por Filipe e os sinais que ele fazia (At 8.6,7). Em seguida, os discípulos chegaram a Antioquia que, conforme veremos, seria conhecida como a igreja missionária. De ação em ação, a Igreja de Cristo veio a alcançar, em apenas uma geração, os lugares mais remotos daquela época (Cl 1.6). [Comentário: Nenhum plano evangelístico, ainda que elaborado, terá êxito a menos que retornemos ao cenáculo. Sem o batismo com o Espírito Santo, não teremos o poder necessário para anunciar o evangelho de Cristo. Evangelismo e pentecostes são temas gêmeos, inseparáveis. O poder do alto é insubstituível na vida da igreja. Em Lucas 24 Jesus promete enviar-nos um consolador, que é o Espírito Santo, e que viria sobre a Igreja em Atos 2 de forma mais permanente. Ali a Igreja seria revestida de poder. O termo grego utilizado para ‘consolador’ é ‘parakletos’ e literalmente significa ‘estar ao lado’. É um termo composto por duas partículas: a preposição ‘para’ - ao lado de - e ‘kletos’ do verbo ‘kaleo’ que significa chamar. Portanto vemos aqui a pessoa do Espírito, cumprimento da promessa, habitando a Igreja, estando ao seu lado para o propósito de Deus. Segundo John Knox a essência da função do Espírito Santo é estar ao lado da Igreja de Cristo, fazê-la possuir a Face de Cristo e espalhar o Nome de Cristo. Nesta percepção, O Espírito Santo trabalha para fazer a Igreja mais parecida com seu Senhor e fazer o nome do Senhor da Igreja conhecido na terra. A essência da pessoa do Espírito e sua função na conversão dos perdidos. A Igreja plantada mais rapidamente em todo o Novo Testamento foi plantada por Paulo em Tessalônica. Ali o apóstolo pregava a Palavra aos sábados nas sinagogas e durante a semana na praça e o fez durante 3 semanas, nascendo ali uma Igreja. Em 1Ts 1.5 Paulo nos diz que o nosso evangelho não chegou até vos tão somente em palavra (logia, palavra humana) mas sobretudo em poder (dunamis, poder de Deus), no Espírito Santo e em plena convicção (pleroforia, convicção de que lidamos com a verdade).]
3. Promoção social. A Igreja Primitiva encarregava-se de promover os novos convertidos integralmente. Ela não se descuidava das necessidades dos pobres e necessitados; amorosamente as supria. Se, por um lado, dava-lhes o pão do céu, por outro, não lhes negava o pão que brota da terra. Isso é evangelização integral. [Comentário: Ainda que a expressão “missão integral” esteja na moda, o modelo de missão que ela representa não é recente. Além disso, há muitas igrejas que a praticam sem necessariamente usar a expressão para referir-se ao que estão fazendo. Por missão integral entende-se, pela perspectiva bíblica, que não basta falar do amor de Deus em Cristo Jesus: é preciso vivê-lo e demonstrá-lo em termos de serviço. A igreja que se compromete com a missão integral entende que seu propósito não é chegar a ser grande, rica ou politicamente influente, mas sim encarnar os valores do reino de Deus e manifestar o amor e a justiça, tanto em âmbito pessoal como em âmbito comunitário. Enquanto a importância da obra da igreja é claramente espiritual, há também um nítido aspecto material. Em Atos 4.32-37, os discípulos contribuíram para aliviar as necessidades dos santos. A igreja de Jerusalém ajudou as viúvas pobres de seu meio (At 6.1-2). Quando as necessidades dos santos excederam a capacidade da igreja local, outras congregações enviaram dinheiro para ajudá-los (At 11.29-30; Rm 15.25-26; 1Co 16.1; 2Co 8.4; 9.1-2; etc.) Deste modo, as igrejas mais ricas ajudavam as mais pobres, demonstrando a verdadeira fraternidade do amor que deverá caracterizar as igrejas de Cristo. O modelo de Atos 1.8 implica uma ação conjunta, ou seja, evangelizando Samaria, Judéia e os confins da terra ao mesmo tempo. Jesus não ordenou aos discípulos evangelizar primeiro Jerusa­lém, depois a Judéia, em seguida Samaria e, finalmente, os confins da terra. O seu plano-diretor era bem claro e objetivo: "e ser-me-eis tes­temunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra". Isso implica uma ação da Igreja (At 13.1-5). Todo os cristãos são chamados para realizar obras de misericórdia e compaixão. Confiando no mandamento de Deus para amar ao próximo, os cristãos devem responder com generosidade e compaixão a todas as formas de necessidades humanas (Mt 25.34-40; Lc 10.25-37; Rm 12.20-21). Jesus curou doentes, alimentou famintos e ensinou a ignorantes (Mt 15.32; 20.34; Mc 1.41; 10.1), e os que são novas criaturas em Cristo devem por em prática a mesma compaixão. Ao agirem assim, darão credibilidade ao evangelho que pregam a respeito de um Salvador cujo amor transforma pecadores naqueles que amam a Deus e ao próximo (Mt 5.16).]

SÍNTESE DO TÓPICO (II)
A evangelização é a missão prioritária da Igreja de Cristo.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO
“À medida que revisamos o mandato da Grande Comissão, podemos resumir a tarefa da igreja em várias afirmações que apresentam o padrão e o propósito de missões. A Grande Comissão declara enfaticamente a soberania do Senhor e assume completamente a singularidade, finalidade, suficiência, integridade, universalidade, e o aspecto inclusivo e exclusivo do Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo. A igreja cristã tem a solene obrigação de fazer o seguinte:
1. Apresentar a Cristo de forma viva, clara, eficaz e persuasiva ao mundo e ao indivíduo como o Salvador enviado por Deus, o Senhor soberano do Universo e futuro Juiz da humanidade.
2. Guiar os povos a uma relação de fé com Jesus Cristo a fim de que possam experimentar perdão dos pecados e renovação de vida. O homem deve nascer novamente, se quiser herdar vida eterna e amizade eterna com Deus.
3. Separar e congregar os crentes através da realização do batismo, estabelecendo-os em igrejas atuantes. O companheirismo constitui uma parte vital da vida cristã.
4. Firmar os cristãos na doutrina, nos princípios e nas práticas da vida, amizade e serviço cristão, ensinando-os a observar todas as coisas. Isso é instrução, a criação de discípulos cristãos, a cristianização do indivíduo.
5. Treiná-los a viver no Espírito Santo. Já que a vida cristã contém exigências e ideais sobrenaturais, ela só pode ser vivida através de uma confiança plena no Espírito Santo. Se as lições não forem aprendidas cedo, a vida cristã fica cercada de frustração e torpor; a apatia instala-se, ou as pessoas acomodam-se a uma vida cristã anormal. Essa é a tragédia de inumeráveis cristãos que nem mesmo esperam concretizar os ideais bíblicos” (PETERS, George W. Teologia Bíblica de Missões. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2000, p.260).

III. ANTIOQUIA, IGREJA MISSIONÁRIA
Não sabemos quem fundou a igreja em Antioquia. Aqueles obreiros anônimos, porém, souberam como edificá-la na Palavra de Deus e no poder do Espírito Santo. Dentre os seus membros, saíram os primeiros missionários transculturais do Cristianismo. [Comentário: A Fundação da igreja deu-se através dos dispersos por causa da perseguição e morte de Estevão em Jerusalém (At 7.54-8.2). Eles foram até a Fenícia, Ilha de Chipre e Antioquia, evangelizando especialmente os judeus. Alguns convertidos na Fenícia e Chipre se dirigiram para Antioquia e lá anunciaram o evangelho em grego. Estes missionários gregos de Chipre e Fenícia eram comerciantes e artesãos que viajavam muito pelo mundo da época. Nesta ocasião foram até Antioquia, que era um importante centro comercial, para vender seus produtos e, enquanto faziam isto, anunciavam as maravilhas que haviam presenciado em Jerusalém. A mão do Senhor era com eles (At 11.21) de tal maneira que muitos se converteram ao Senhor. A eles se juntaram cristãos vindos de Chipre e Cirenaica, que migraram também para a cidade. Foi ali que os seguidores de Jesus passaram a ser chamados de "cristãos". E lá também Paulo iniciou as suas três viagens missionárias, tema principal dos Atos dos Apóstolos.]
1. Uma igreja completa. Em Antioquia, o ministério era completo. Ali, havia profetas e doutores (At 13.1). Eles souberam como preparar a igreja para evangelizar os gregos, romanos e bárbaros. A obra missionária deve ser nossa prioridade, ou não conseguiremos dar cumprimento à Grande Comissão. [Comentário: Diz o texto sagrado: "E a mão do Senhor era com eles; e grande nú­mero creu e se converteu ao Senhor" (v. 21). A peculiaridade da Antioquia da Síria consistia no fato de os dis­cípulos pregarem para os gentios, os quais de bom grado receberam a mensagem. O número deles agora era considerável. A Igreja crescia e se expandia, pois não estava mais limi­tada somente aos judeus. Mui­tos haviam se convertido e o Cristianismo havia conquistado pessoas ilustres da sociedade: "Na igreja que estava em Antioquia havia alguns profetas e doutores, a saber: Bar­nabé, e Simeão, chamado Niger, e Lúcio, cireneu, e Manaém, que fora criado com Herodes, o tetrarca, e Saulo" (13.1). Dos nomes acima mencionados, dois foram escolhidos para a obra missionária: Barnabé e Saulo. O in­teressante é que o Espírito Santo escolhe o melhor para as missões. A Igreja em Antioquia da Síria certamente sentiu falta dos serviços que eles lhe prestavam, mas, no entanto, os enviou. Certamente, contava com o trabalho deles ainda por muito tem­po. Porém, os caminhos de Deus nãos são os nossos e muito menos os seus pensamentos (Is 55.8, 9).]
2. Uma igreja missionária. Enquanto a igreja e os seus obreiros oravam, jejuavam e serviam ao Senhor, disse o Espírito Santo: “Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado” (At 13.2). De imediato, o ministério local impôs as mãos sobre os novos missionários, despedindo-os sob os cuidados do Senhor. A partir daquele momento, a Igreja de Cristo, irradiando-se a partir do Oriente Médio, universaliza-se até chegar a você e a mim. [Comentário: A grande ênfase da Igreja de Antioquia era sua preocupação com a evangelização. Desde o início esta característica está de forma clara na vida dos cristãos daquela cidade. O apelo missionário falava mais alto, a ponto de abrirem mão daqueles que por um ano ensinaram uma multidão: Paulo e Barnabé. O capítulo 13 de Atos conta esta história. John Stott comenta que “De acordo com Atos 13:4 Barnabé e Saulo foram enviados pelo Espírito Santo que anteriormente havia instruído a igreja no sentido de separá-los para ele. Mas de acordo com o versículo seguinte foi a igreja que, após a imposição de mãos, os despediu. É verdade que o último verbo pode ser entendido como “deixou-os ir”, livrando-os de suas responsabilidades de ensino na igreja, pois às vezes Lucas usa o verbo “adulou” no sentido de soltar. Mas ele também o usa no sentido de dispensar. Portanto creio que seria certo dizer que o Espírito os enviou instruindo a igreja a fazê-lo e que a igreja os enviou, por ter recebido instruções do Espírito. Esse equilíbrio é sadio e evita ambos os extremos. O primeiro é a tendência para o individualismo pelo qual uma pessoa alega direção pessoal e direta do Espírito sem nenhuma referência à igreja. O segundo é a tendência para o institucionalismo, pelo qual todas as decisões são tomadas pela igreja sem nenhuma referência ao Espírito.” O que levou a igreja em Antioquia a fazer Missões, por John R. W. Stott, disponível em http://www.monergismo.com/textos/missoes/missoes_stott.htm]

SÍNTESE DO TÓPICO (III)
Antioquia era uma igreja que tinha uma visão missionária bíblica. De Antioquia saíram os primeiros missionários transculturais do cristianismo.

SUBSÍDIO BÍBLICO-TEOLÓGICO
“Os despediram (At 13.3)
Com estas palavras começa o grande movimento missionário da igreja ‘até aos confins da terra’ (At 1.8). Os princípios missionários vistos no capítulo 13 de Atos são um modelo para todas as igrejas que enviam missionários.
(1) A atividade missionária é originada pelo Espírito Santo, através de líderes espirituais que estão profundamente dedicados ao Senhor e ao seu reino, buscando-o com oração e jejum.
(2) A igreja deve estar atenta ao ministério e atividade proféticos do Espírito Santo e sua orientação.
(3) Os missionários que são enviados, devem fazê-lo segundo a chamada e a vontade específica do Espírito Santo.
(4) Mediante a oração e o jejum, a igreja, buscando constantemente estar em harmonia com a vontade do Espírito Santo, confirma a chamada divina de determinadas pessoas à obra missionária. O propósito é que a igreja envie somente aqueles que forem da vontade do Espírito Santo.
(5) Pela imposição de mãos e o envio de missionários, a igreja indica que se compromete a sustentar e assistir os que saem à obra. A responsabilidade da igreja que envia missionários inclui demonstrar amor e cuidado para com eles de um modo digno de Deus, orar por eles e sustentá-los financeiramente. Isso inclui ofertas especiais de amor para necessidades específicas deles. O missionário é uma projeção do propósito, interesse e missão da igreja que os envia. Essa igreja fica sendo, portanto, uma cooperadora da verdade (Fp 1.5)” (Bíblia de Estudo Pentecostal. RJ: CPAD, pp.1659,1660).

CONCLUSÃO
A missão da Igreja de Cristo é evangelizar. Retornemos, pois, ao cenáculo, a fim de que, no poder e na virtude do Espírito Santo, alcancemos os confins da Terra. Nenhum evento, enfatizamos, é mais importante e urgente do que ganhar almas para Cristo. Pense nisto. Busque ganhar para Jesus aqueles que estão morrendo sem ter esperança de ver Deus. [Comentário: Quando Jesus ficou diante de Pilatos para ser julgado, ele descreveu a natureza espiritual de seu reino: "O meu reino não é deste mundo. Se meu reino fosse deste mundo, os meus ministros se empenhariam por mim, para que não fosse eu entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui" (João 18:36). Aqueles que saem do "império das trevas" são transferidos para o "reino do Filho" (Colossenses 1:13). Jesus "é a cabeça do corpo, da Igreja" (Colossenses 1:18), e seus súditos gozam de "toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo" (Efésios 1:3). Os soldados que vão batalhar para avançar a causa deste reino espiritual usam a armadura e as armas espirituais (Efésios 6:10-17; 2 Coríntios 10:3-6) quando buscam cumprir sua missão espiritual. Usando a espada do Espírito, que é a palavra de Deus, servos de Cristo ensinam outros sobre o Senhor e sua graça salvadora (Romanos 1:16; 2 Timóteo 2:2), "levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo" (2 Coríntios 10:5). Estes discípulos de Cristo compartilham o plano eterno de Deus "para que pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida, agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais, segundo o eterno propósito que estabeleceu em Cristo Jesus, nosso Senhor" (Efésios 3:10-11).] “NaquEle que me garante: "Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Ef 2.8)”,
Francisco Barbosa
Hoje, em Campina Grande-PB
Julho de 2016


PARA REFLETIR
A respeito da igreja como agência evangelizadora, responda:
Por que a Igreja é a agência evangelizadora por excelência?
Porque Cristo estabeleceu a Igreja e deu a ela uma missão suprema, anunciar o Evangelho a toda criatura.
O que recomendou Cristo aos apóstolos antes de ser levado aos céus?
Leia Atos 1.8.
Como a Igreja Primitiva evangelizava?
A Igreja Primitiva não se descuidava das necessidades dos pobres e necessitados. Se, por um lado, dava-lhes o pão do céu, por outro, não lhes negava o pão que brota da terra.
Por que Antioquia é conhecida como a igreja missionária?
Porque de entre os seus membros saíram os primeiros missionários transculturais do Cristianismo.
Quando a Igreja começou a universalizar-se?
Quando a igreja de Antioquia, orientada pelo Espírito Santo, enviou os primeiros missionários. A partir daquele momento, a Igreja de Cristo, irradiando-se a partir do Oriente Médio, universaliza-se até chegar a nós.

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO
Igreja, uma agência evangelizadora
A Teologia Sistemática classifica a Igreja de Cristo com dois conceitos que se encontram nas Escrituras: igreja visível e igreja invisível. A igreja visível está identificada com aquele grupo de pessoas que se reúnem em nome de Jesus em várias partes do globo terrestre. É a igreja geográfica, étnica, forjada num tempo, numa história e numa cultura. É a igreja que celebra a Cristo em várias partes do planeta (cf. At 2.1; 13.1,2). Em relação à igreja invisível, as Escrituras Sagradas se referem a ela como a Igreja, Corpo de Cristo, formada por milhares de pessoas de todos os tempos e lugares. Essa Igreja é atemporal e sem limites geográficos. Nela, estão presentes crentes do passado, do presente e do futuro. A Bíblia chama essa Igreja de o Corpo Místico de Cristo; nome dado à Igreja Universal que Jesus fundou, onde Ele se fez o “cabeça” da Igreja, a “pedra de esquina”.
Uma comunidade escatológica e pentecostal
O Corpo de Cristo, a Igreja, nasceu historicamente no dia de Pentecostes, conforme narrado pelo evangelista Lucas, em Atos capítulo 2. Aquele evento foi posterior ao questionamento dos discípulos a Jesus Ressurreto acerca do futuro, principalmente a restauração do reino ao povo judeu (At 1.6-11): “Senhor, quando restaurarás tu neste tempo o reino a Israel?”. A resposta a essa pergunta desembocou na grande promessa feita a respeito da volta do Senhor: “Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o viste ir” (v.11). A Igreja é uma comunidade escatológica porque ela nasceu historicamente debaixo da promessa da vinda do nosso Senhor. Uma promessa confirmada também no Pentecostes, conforme a profecia de Joel pronunciada pelo apóstolo Pedro em sua pregação à multidão (Jl 2.31,32; At 2.20,21). Judeus de diversas partes do mundo ouviram aquela mensagem poderosa.
A Igreja de Cristo é pentecostal porque historicamente nasceu sob o derramamento do Espírito Santo (At 2.1-13). Num pequeno cenáculo, pessoas foram cheias do Espírito Santo e começaram a falar noutras línguas, a profetizar e a tomar uma consciência de coragem e ousadia para proclamar as maravilhas de Deus à humanidade (At 2.14-36). Por isso, a natureza da atividade evangelística da Igreja deriva dessa consciência escatológica e pentecostal que produziu quebrantamento e uma conversão nunca dantes vista por aquela comunidade (v.37). O Evangelho tomara a mente e os corações das pessoas!

Nenhum comentário:

Postar um comentário