Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

QUER FAZER MISSÕES?

QUER FAZER MISSÕES?
O Templo precisa ser concluído. Entre em contato com o Pastor daquela igreja e saiba como ajudar

23 de fevereiro de 2014

4Trim2014_Lição 9: Um lugar de adoração a Deus no deserto

Lições Bíblicas CPAD
Jovens e Adultos
Título: Uma jornada de fé — A formação do povo de Israel e sua herança espiritual
Comentarista: Antonio Gilberto
Elaboração e pesquisa para a Escola Dominical da Igreja de Cristo no Brasil, Campina Grande-PB;
Postagem no Blog AUXÍLIO AO MESTRE: Francisco A Barbosa.
1º Trimestre de 2014
Lição 9
Um lugar de adoração a Deus no deserto
2 de março de 2014
TEXTO ÁUREO
“E me farão um santuário, e habitarei no meio deles” (Êx 25.8).
VERDADE PRÁTICA

Deus deseja habitar entre nós, para que Ele seja o nosso Deus e para que nós sejamos o seu povo.

HINOS SUGERIDOS

51, 124, 175.

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Êx 29.45,46
Deus habita no meio do seu povo
Terça - Êx 25.10-16
A Arca de madeira de cetim
Quarta - Êx 25.17-22
O propiciatório de ouro puro
Quinta - Êx 25.23-30
A mesa de madeira de cetim
Sexta - Êx 26.1-14
As cortinas do Tabernáculo
Sábado - Êx 26.31-33
O véu do Tabernáculo

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Êxodo 25.1-9.
1 - ENTÃO falou o Senhor a Moisés, dizendo:
2 - Fala aos filhos de Israel, que me tragam uma oferta alçada; de todo o homem cujo coração se mover voluntariamente, dele tomareis a minha oferta alçada.
3 - E esta é a oferta alçada que tomareis deles: ouro, e prata, e cobre,
4 - E azul, e púrpura, e carmesim, e linho fino, e pelos de cabras,
5 - E peles de carneiros tintas de vermelho, e peles de teixugos, e madeira de cetim,
6 - Azeite para a luz, e especiarias para o óleo da unção, e especiarias para o incenso,
7 - Pedras sardônicas, e pedras de engaste para o éfode e para o peitoral.
8 - E me farão um santuário, e habitarei no meio deles.
9 - Conforme a tudo o que eu te mostrar para modelo do tabernáculo, e para modelo de todos os seus vasos, assim mesmo o fareis.

OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
·         Conhecer as instruções para a construção do Tabernáculo.
·         Elencar os utensílios presentes no pátio do Tabernáculo.
·         Compreender que o Tabernáculo representava o lugar de habitação de Deus em pleno deserto.

COMENTÁRIO

INTRODUÇÃO

Palavra Chave
Tabernáculo: Santuário portátil onde os hebreus guardavam e transportavam a arca da aliança e demais utensílios sagrados.

Deus queria habitar no meio de Israel. Por isso, ordenou a Moisés que, juntamente com o todo o povo, construísse um lugar separado para adoração. Trata-se do “Tabernáculo do Senhor”, um santuário móvel que acompanhou os hebreus durante sua longa peregrinação pelo deserto. Na lição de hoje, estudaremos como ocorreu a construção desse lugar santo de adoração ao Senhor. [Comentário: O Tabernáculo no deserto, a mais singular construção que já existiu, constituiu o centro de toda vida pessoal, social, política e religiosa do povo de Deus durante sua peregrinação em direção a Terra Prometida. Foi instituído pelo próprio Deus como sendo um local escolhido para Ele habitar entre o seu povo. Construído no deserto do Sinai pelos Filhos de Israel, após o recebimento da Torá, tem uma imensurável importância, tanto é que, quase a totalidade da segunda metade do Livro do Êxodo trata de descrever seu aspecto e construção. Este Templo móvel acompanhou os israelitas durante toda a peregrinação no deserto e foi substituído pelo Templo de Salomão. No Tabernáculo, revela-se o plano divino da redenção. Norman Russell Champlim afirma que, “Estritamente falando, houve três Tabernáculos históricos, cada qual tomando o lugar de seu predecessor, na maioria dos aspectos:
1. Um tabernáculo provisional foi erigido após o incidente do louvor ao bezerro de ouro. Essa "barraca de reunião" não tinha nenhum ritual e nenhum sacerdócio, mas era tratada como um oráculo (Êx 33.7). Moisés, é claro, estava encarregado de todos os procedimentos.
2. O tabernáculo sinaítico, cuja construção e equipamento foram instruídos por YAHWEH.
3. O tabernáculo provisional de Davi, erigido em Jerusalém como o predecessor do Templo de Salomão (2Sm 6.12). O antigo tabernáculo (sinaítico) permaneceu em Gibeão com o altar insolente, e sacrifícios continuaram sendo feitos ali (1Cr 16.39; 2Cr 1.3)CHAMPLIN, Russell Norman, Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Vol. 6. Editora Hagnos. pag. 308. Warren W Wiersbe em seu Comentário Bíblico Expositivo, escreve o seguinte: “O tabernáculo na Terra era uma réplica do tabernáculo celestial, onde nosso Senhor encontra-se agora ministrando a seu povo e para ele (Hb 8.1-5; 9.1). O Livro de Apocalipse menciona um altar de bronze (6.9-11), um altar de incenso (8.3-5), um trono (4.2), anciãos/sacerdotes (vv. 4, 5), lâmpadas (v. 5), um "mar" (v. 6) e querubins (vv. 6, 7), sendo que todas essas coisas encontram paralelos nos principais móveis e utensílios do tabernáculo aqui na Terra. Um princípio básico do ministério é que devemos seguir o plano que recebemos do céu e não o deste mundo (Rm 12.2)”. WIERSBE. Warren W. Comentário Bíblico Expositivo. A.T. Vol. I. Editora Central Gospel. pag. 304. Por fim, a intervenção divina visava a orientação de como o povo deveria cultuá-Lo corretamente. Como afirma o Comentário Bíblico Beacon, “esta seção final do Livro do Êxodo revela a paciência de Deus em lidar com seu povo rebelde e mostra os detalhes minuciosos que são requisitos para o povo adorá-lo”. Ou seja, a adoração equivocada, a misericórdia de Deus e a adoração correta são os assuntos que, não por acaso, perpassam os capítulos que compreendem a última seção do livro de Êxodo. As instruções para o Tabernáculo e a apostasia do povo de Israel no deserto são episódios que estão entrelaçados não apenas cronologicamente, mas também tematicamente, porque evidenciam o tremendo contraste entre a verdadeira e a falsa adoração. O povo estava envolvido numa espécie de projeto religioso, buscando cultuar à Deus segundo o pensamento de seus corações, construindo para si símbolos de adoração, seu próprio ritual, gerando uma falsa adoração. É nesse escopo que surge o Tabernaculo, seus utensílios, seus rituais, que evocam a verdadeira adoração. Vamos mergulhar um pouco mais nestes capítulos de êxodo e aprendermos como convém cultuar à Deus de uma forma que Lhe agrada!]. Tenhamos todos uma excelente e abençoada aula!

I. AS INSTRUÇÕES PARA A CONSTRUÇÃO DO TABERNÁCULO
1. O propósito divino. Depois da entrega da lei, Deus ordenou que o seu povo edificasse um lugar de adoração. O objetivo divino era aumentar e fortalecer os laços de comunhão com o seu povo Israel, que Ele libertara do poder de Faraó no Egito. O Senhor assim age para que o homem o conheça de forma pessoal e íntima (Jo 14.21,23). [Comentário: O tabernáculo (no hebraico, אוהל מועד, המשכן Mishkan), “Tenda do Encontro”, “Tenda da Reunião” (Êx 29.42-45), era o local onde YAHWEH descia com Sua presença, local onde ele trata com Seu povo e faz conhecido Seu desejo (Êx 25.8). O tabernáculo era uma tenda portátil construída por homens sobrenaturalmente capacitados, liderados por Bezalel filho de Uri e Aoliabe filho de Ahisemech, de acordo com a ordem de Deus (Ex 31.11; 35.36.7), e que os israelitas carregaram nos 40 anos, durante sua peregrinação pelo deserto e seus anos na Terra Prometida até que Salomão construiu o Primeiro Templo. O livro de Êxodo representa YAHWEH como dando a Moisés todas as ordens necessárias para a construção e os cultos do Tabernáculo, incluindo suas medições e especificações (Êx 25 e 27) e um diminuto relato de sua execução (Êx 36.8-38.1). O principal propósito desta estrutura é explicado em Êxodo 25.8, 21,22: ”... para que eu (YAHWEH) possa habitar no meio deles”; “... dentro dela porás o Testemunho...”; ”... ali virei a ti... falarei contigo acerca de tudo o que eu te ordenar para os filhos de Israel”. O tabernáculo objetivava centralizar o louvor de Israel evitando a corrupção e sincretismo do verdadeiro culto a YAHWEH].
2. As ofertas. O Tabernáculo seria construído pelo povo de Deus, com os recursos que receberam pela providência divina ao saírem do Egito (Êx 3.21,22; 12.35,36). Para a construção do Tabernáculo os israelitas ofertaram voluntariamente e com alegria. A Palavra de Deus nos ensina que o fator motivante para a contribuição do crente é a alegria: “porque Deus ama ao que dá com alegria” (2Co 9.7). O Senhor não se agrada de quem entrega a sua oferta e dízimo contrariado ou por obrigação (Ml 3.10). De nada adianta contribuir com relutância e amargura. [Comentário: Quando Israel saiu do Egito o povo saiu como vencedor e levou com ele todos os bens que lhe eram devidos. Possibilitando mesmo no deserto que pudessem ofertar ao Senhor. Na obra intitulada ‘Antigo Testamento Interpretado versículo por versículo’, Norman Russell Champlim escreve que “A edificação da primeira congregação da tradição judaico-cristã exigiu generosas oferendas por parte do povo, porque o deserto não dispunha de recursos próprios para tal edificação. Grande parte derivar-se-ia das coisas que os egípcios tinham dado aos israelitas, mediante uma generosidade forçada (Êx 3.22; 11.2). Além disso, cumpre-nos lembrar que os israelitas haviam amealhado muitas riquezas por si mesmos, no Egito, apesar da opressão a que tinham sido sujeitados. Moisés, pois, exortou o povo de Israel a sacrificar parte dessas riquezas em favor da ereção do santuário portátil, o tabernáculo. As ofertas seriam voluntárias, inspiradas pela generosidade espiritual (Êx 35.29). A gratidão inspira o homem à generosidade. Fazer parte de algo maior do que o próprio indivíduo abre o seu coração para a generosidade. Posteriormente, quando o templo foi renovado (1Reis 12.4,5), ofertas voluntárias novamente acudiram à necessidade. Deus ama a quem dá com alegria (2Co 9.7). CHAMPLIN, Russell Norman, Antigo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Hagnos. pag. 413. Ofertar com alegria a Deus é o primeiro principio que encontramos no Tabernáculo, pois é prova de amor ao Senhor e ao próximo. Um ato voluntário de amor, sem peso, mas com grande alegria, por que amamos ao Senhor, e por que queremos o bem do nosso próximo. “Todo homem cujo coração o mover”, esta é a maneira pitoresca do hebraico expressar “todo homem que desejar”: o indivíduo não o podia evitar. É uma obra da graça, uma ação do Espírito Santo em nós. Não era um imposto, mas uma doação de livre e espontânea vontade. Teóricos cristãos escrevem sobre os tipos e antítipos envolvidos no tabernáculo. Os materiais e suas cores, segundo alguns, recebem sentidos simbólicos: o ouro (a deidade em suas manifestações, e até mesmo a deidade de Cristo - Jo 1.1,14). A prata (a redenção, Êx 30.12-16; 38.27). O bronze (julgamento, como foi do caso do altar e da serpente de bronze, Nm 21.6-9).].
3. Tudo segundo a ordenança divina (Êx 25.8,9,40). O Tabernáculo não foi uma invenção humana. Podemos ver que a partir de Êxodo 25, o próprio Deus instrui a Moisés quanto à planta e os objetos do templo móvel. Moisés obedeceu a todas as instruções, pois todo o Tabernáculo apontava para o sacrifício de Cristo na cruz do Calvário. Simbolizava o plano perfeito de Deus para a redenção da humanidade (Hb 9.8-11). [Comentário: O Tabernáculo não poderia ser erguido de qualquer jeito ou ao gosto de Moisés ou do povo. Sua construção seguiu as minuciosas diretrizes divinas: “Conforme tudo o que eu te mostrar para modelo do tabernáculo e para modelo de todos os seus móveis, assim mesmo o fareis” (Êx 25.9). Interessante que Deus não deseja habitar em um Tabernáculo erguido como o homem projeta, mas em um Tabernáculo projetado como Ele deseja! Foram baixadas instruções divinas quanto à sua construção (Êx 25.9,40; 26.30; 27.8). Deus foi o seu arquiteto. A narrativa de Êxodo 39.1-31 divide-se em sete parágrafos, assinalados pela expressão ‘e YAHWEH ordenou a Moisés’; o que também se vê em Êx 40.17-32. Era importante implantar apenas aquilo que o Senhor revelara, pois este projeto, não sabiam eles, apontava para o caminho que percorreu Aquele bendito Senhor que é o antítipo de todos estes símbolos - a substância destas sombras - Cristo. “Ele desceu do trono eterno de Deus no céu até à profundidade da cruz no Calvário. Deixou toda a glória do céu pela vergonha da cruz, a fim de poder conduzir o Seu povo remido, perdoado e aceite por Si Mesmo, e apresentá-lo inculpável diante daquele próprio trono que Ele havia abandonado por amor deles. O Senhor Jesus preenche, em Sua própria Pessoa e obra, todo o espaço entre o trono de Deus e o pó da morte, assim como a distância entre o pó da morte e o trono de Deus. N'Ele Deus desceu, em perfeita graça, até ao pecador, e n'Ele o pecador é conduzido, em perfeita justiça, até Deus. Todo o caminho, desde a arca ao altar, está marcado com as pegadas do amor; e todo o caminho desde o altar de bronze até a arca de Deus estava salpicado com sangue da expiação; e todo adorador ao passar por esse caminho maravilhoso vê o nome de Jesus impresso em tudo que se oferece à sua vista.].
SINOPSE DO TÓPICO (I)
As instruções para a construção do Tabernáculo foram rigorosamente acatadas por Moisés segundo a ordenança divina.

II. O PÁTIO DO TABERNÁCULO
1. O pátio. “Farás também o pátio do Tabernáculo” (Êx 27.9). Os israelitas precisavam aprender a forma correta de se chegar à presença de Deus e adorá-lo. O pátio tinha o formato retangular, e indicava que, na adoração a Deus, deve haver separação, santidade. Havia uma única porta de entrada, que apontava para um único caminho, uma única direção. Isso prefigura Jesus Cristo, que disse: “Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á” (Jo 10.9). Jesus é o caminho que nos conduz a Deus (Jo 14.6). [Comentário: O pátio era retangular, medindo cerca de 22 metros de largura por 45 metros de comprimento (Ex 27.18), cercado por cortinas e possuía uma única entrada. O pátio servia para marcar os limites externos da santidade de YAHWEH, como naqueles demarcadores colocados ao redor do Sinai no dia em que YAHWEH desceu e Se revelou ali, (Êx 19.12). Esta divisão era formada de uma série de postes que sustentavam pedaços de tecido. Matthew Henry explica que “o pátio era um tipo da igreja, fechada e separada do resto do mundo, encerrada por colunas, indicando a estabilidade da igreja, fechada com o linho limpo, que está escrito que é a justiça dos santos (Ap 19.8). Este eram os átrios pelos quais ansiava Davi e onde ele anelava residir (SI 84.2,10), e onde o povo de DEUS entrava com louvor e agradecimentos (SI 100.4)”. A porta é figura de Cristo, a única Porta de acesso ao Pai, o único Caminho para o céu (Jo 10.9; 14.6). A porta estava do lado oriental por onde nasce o sol, representando Jesus a estrela da manhã, e ao entrar em Jerusalém, Ele entrou pela porta oriental e é por ela que Ele entrará novamente em Glória.].
2. O altar dos holocaustos. “Farás também o altar de madeira de cetim” (Êx 27.1). Ao entrar no pátio, o israelita tinha a sua frente o altar do holocausto. Era uma caixa de madeira de cetim coberta de bronze. Junto a esse altar o transgressor da lei encontrava-se com o sacerdote para oferecer sacrifícios a Deus a fim de expiar seus pecados e obter o perdão. O altar dos holocaustos tipificava Cristo, o nosso sacrifício perfeito que morreu em nosso lugar (Ef 5.2; Gl 2.20). Sem um sacrifício expiador do pecado não há perdão de Deus (Lv 6.7; 2Co 5.21). A epístola aos Hebreus nos mostra que o sacrifício salvífico de Cristo foi único, perfeito e completo para a nossa salvação (Hb 7.25; 10.12). [Comentário: O altar dos sacrifícios, ou altar do holocausto, é normalmente chamado “o altar de bronze”, em vista de sua aparência externa, embora fosse, na realidade, construído de madeira de acácia, de forma quadrada, medindo dois metros e meio de cada lado e um metro e meio de altura, sendo todo revestido de cobre (ou bronze, que nada mais é do que a liga de cobre e estanho), bem menor que o altar de cobre construído por Salomão, séculos mais tarde, que tinha 10 metros de lado por 5 metros de altura (2Cr 4.1). Era uma peça sensivelmente grande e revestida em cobre, a finalidade desse tamanho tão grande era caber os animais de grande porte como o boi e o motivo do revestimento de cobre era a resistência ao fogo, no sentido de proteger a madeira. Era o local onde se imolavam os animais para os Sacrifícios. O sangue das vítimas era colocado nas pontas do altar e o restante dele, derramado na sua base (Lv 4.7). O Comentário Bíblico Beacon afirma que as pontas projetadas nos quatro cantos do altar “tinham provavelmente a forma de chifre de animal”, o que fazia deles, conforme o costume da época, “símbolos de poder e proteção”. Donald Stamps acrescenta que simbolizavam, portanto, “o poder e a proteção através do sacrifício”, conforme pode ser visto nas passagens de 1 Reis 1.50,51 e 2.28, e Salmos 18.2.].
3. A pia de bronze (Êx 30.17-21). Na pia os sacerdotes lavavam suas mãos e pés antes de executarem seus deveres sacerdotais. Mãos limpas: trabalho honesto; pés limpos: um viver e um agir íntegros (Ef 5.26,27; Hb 10.22). Precisamos nos achegar a Deus com um coração puro e limpo. Deus é santo e requer santidade do seu povo. Deus não aprova o viver e o servir do impuro. O servo de Deus deve ser “limpo de mãos e puro de coração” (Sl 24.4). Hoje somos lavados e purificados pelo precioso sangue de Cristo que foi derramado por nós (1Jo 1.7). [Comentário: Ela era utilizada para o sacrifício de purificação (Ex 30.17-21). Essa lavagem cerimonial era feita com água constantemente substituída, de maneira que Aarão e seus filhos pudessem lavar as mãos e os pés quando adentrassem a Tenda da Congregação ou se acercassem do altar para ministrar (Êx 30.18,19). A lavagem de mãos e pés era necessária por razões físicas e espirituais. Era mister que entrassem fisicamente limpos no Lugar santo, ao passarem pela segunda cortina. Talvez acabassem de realizar um sacrifício sobre o altar de bronze. Então teriam andado pelo átrio, cujo chão era de terra. Não teriam de tomar um banho de corpo inteiro, mas apenas lavarem as mãos e os pés, que mais certamente se teriam sujado de sangue e de poeira. Ademais, não poderiam adentrar o Lugar santo sem uma lavagem ritual e simbólica das mãos e dos pés (Jo 13.10). Santidade de conduta (pés) e santidade de ações (mãos) era algo simbolizado por essas lavagens rituais. “O altar falava da salvação por meio da oferta pelo pecado; e a bacia de bronze falava da santificação, que é algo progressivo e contínuo” (John D. Hannah, in Ioc.). Para que não morram (Êx 30.20); Essas palavras dão a entender que YAHWEH haveria de julgá-los com a pena de morte, se deixassem de obedecer às Suas ordens quanto a esse particular. Estavam ocupados em um serviço santo, servindo a YAHWEH e aproximando-se Dele. Não podiam estar sujos, nem física e nem espiritualmente. “Isso dá-nos conta da necessidade de termos corações puros e mãos limpas, para que nos aproximemos do altar de Deus, se quisermos participar da adoração pública, e, em particular, para orarmos com mãos limpas, erguidas para o alto (1Tm 2.8; Sl 26.6)” (John Gill, in Ioc.). Este texto deve ser comparado com Tito 3.5, que nos dá uma versão cristianizada dessa necessidade. CHAMPLIN, Russell Norman, Antigo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Hagnos. pag. 440-441. O material dessa bacia foi obtido do bronze dos espelhos das mulheres, e continuou a exercer o papel “de espelho” refletindo, através da água nela contida, a imagem daquele que se espelhasse na superfície da água nela contida.].
SINOPSE DO TÓPICO (II)
No pátio do Tabernáculo localizava-se o altar dos holocaustos e a pia de bronze.

III. O LUGAR DA HABITAÇÃO DE DEUS
1. O castiçal de ouro (Êx 25.31-40). Não havia janelas no Lugar Santo e a iluminação vinha de um castiçal de ouro puro e batido. Esta peça também apontava para Jesus Cristo, luz do mundo, e a quem seguindo, não andaremos em trevas, mas teremos a luz da vida (Jo 8.12). O castiçal, em Apocalipse, simboliza a Igreja (Ap 1.12,13,20). As lâmpadas do castiçal ardiam continuamente e eram abastecidas diariamente de azeite puro de oliveira (Êx 27.20,21) a fim de que iluminassem todo o Lugar Santo. O azeite é um símbolo do Espírito Santo. Se quisermos emanar a luz de Cristo para este mundo que se encontra em trevas, precisamos ser cheios, constantemente, do Espírito Santo de Deus. “Enchei-vos do Espírito” (Ef 5.18) é a recomendação bíblica. [Comentário: O castiçal de ouro puro vem a seguir: ao entrar-se no Santuário, à esquerda, um candelabro aceso, emitindo luz e iluminando todo o ambiente do Santuário (Local Santo). Construído de ouro puro e maciço, trabalhado numa só peça, sem emenda e sem solda, constituindo-se numa obra de arte finíssima e de extrema habilidade por parte do artista. Possuía sete hastes, cada haste com uma lâmpada, e era aceso continuamente. Havia uma haste central ladeada de três hastes laterais de cada lado - "Ali estava a luz verdadeira, que ilumina a todo o homem que vem ao mundo" (João 1:9). Em Apocalipse, capítulo 3, Cristo é apresentado à igreja de Sardes como Aquele que tem "os sete espíritos". Quando o Senhor Jesus foi exaltado à destra de Deus, então derramou o Espírito Santo sobre a Sua Igreja, a fim de que ela pudesse brilhar segundo o poder e a perfeição da sua posição no lugar santo, a sua própria esfera de ser, de ação e de culto. O trecho de Apocalipse 1.12-20 exibe uma aplicação direta, ao chamar as sete igrejas de sete candeeiros. Naturalmente, em sentido primário, Cristo é o candeeiro, pois ele é a luz do mundo. E o número sete indica a perfeição de seu oficio de iluminador (Jo 1.9). O material de que o candeeiro foi feito, o ouro, representa a preciosidade da estrutura da Igreja, bem como a divindade de Cristo. O azeite, que queimava no candeeiro, representa o Espírito Santo e seu ministério iluminador. E o Espírito Santo que nos conduz a toda a verdade (Jo 16.13).].
2. Os pães da proposição e o altar do incenso (Êx 25.30). Havia uma mesa com doze pães e, todos os sábados, esses eram trocados. Estes pães apontavam para Jesus, o Pão da vida (Jo 6.35). Precisamos nos alimentar diariamente de Cristo, e não apenas no domingo. Tem você se alimentado diariamente na mesa do Senhor Jesus? Além dos pães, próximo ao Santo dos Santos ficava o altar do incenso, um lugar destinado à oração e ao louvor a Deus. Precisamos nos achegar ao Senhor diariamente com a nossa adoração e nossas orações: “Suba a minha oração perante a tua face como incenso, e seja o levantar das minhas mãos como o sacrifício da tarde” (Sl 141.2). [Comentário: Os doze pães simbolizavam as tribos de Israel, que se beneficiariam do resultado do ritual. Também simbolizavam fortalecimento para Israel, fortalecimento para a liderança e fortalecimento para o cristão. Durante sete dias os doze pães de "flor de farinha com incenso" estavam dispostos na presença do Senhor, depois do que, sendo substituídos por outros, eram o alimento dos sacerdotes, que comiam deles no lugar santo (Lv 24.5-9) - "Eu sou o pão da vida; aquele que vem a Mim não terá fome" (Jo 6.35). A "fiorde farinha" da qual eram compostos, mostra a perfeita humanidade de Jesus, enquanto que "o incenso" indica a inteira consagração dessa humanidade a Deus. Se Deus tem os Seus sacerdotes ministrando no lugar santo, terá certamente uma mesa para eles, e uma mesa bem fornecida também. Cristo é a mesa e o pão sobre ela. A mesa pura e os doze pães mostram Cristo, presente incessantemente diante de Deus em toda a excelência da Sua imaculada humanidade e como alimento para a família sacerdotal. Os "sete dias" mostram a perfeição do gozo divino em Cristo; e os "doze pães" exprimem este gozo no homem e pelo homem. É possível que exista também a ideia de ligação de Cristo com as doze tribos de Israel e os doze apóstolos do Cordeiro. O incenso deveria ser queimado diariamente (Ex 30.7). Deus costumava se manifestar àqueles que lhe ofereciam incenso nesse altar de ouro, como aconteceu com Zacarias, pai de João Batista, que recebeu do anjo Gabriel, mensageiro de Deus manifestado diante desse altar, o anúncio divino da concepção do seu filho João no ventre de Isabel, sua esposa, e da importantíssima missão que seu filho teria (Lc 1.8-17). O incenso simboliza a adoração, o louvor e a oração, como podemos ver claramente em Salmos 141.2 e Apocalipse 5.8 e 8.3,4. COELHO, Alexandre; DANIEL, Silas. Uma Jornada de Fé. Moisés, o Êxodo e o Caminho a Terra Prometida. Editora CPAD. pag. 96-98.].
3. O Santo dos Santos e a arca da aliança (Êx 25.10-22). O Santo dos Santos era um local restrito, onde somente o sumo sacerdote poderia entrar uma única vez ao ano. A arca da aliança era a única peça deste compartimento sagrado. Era uma caixa de madeira forrada de ouro. Durante a peregrinação pelo deserto os sacerdotes carregavam-na sobre os ombros. A arca simbolizava a presença de Deus no meio do seu povo. Erroneamente os israelitas a utilizaram como uma espécie de amuleto.
Em Hebreus 10.19,20, vemos a gloriosa revelação profética entre o Santo dos Santos, o Senhor Jesus e o povo salvo da atualidade. O termo “santuário”, no versículo 19, é literalmente, no original, “santo dos santos”. [Comentário: A arca do concerto ocupa o primeiro lugar nas comunicações divinas feitas a Moisés. A sua posição no tabernáculo era, também, notável. Encerrada dentro do véu, no lugar santíssimo, formava a base do trono de Jeová. O seu próprio nome apresentava à alma a sua importância. Uma arca, tanto quanto podemos compreender o significado da palavra, é destinada a guardar intacto o que é posto dentro dela. Foi numa arca que Noé e sua família, com todas as espécies de animais da criação, foram transportados com segurança sobre as ondas do juízo que cobriu a terra. Uma arca, como lemos no princípio deste livro, foi o vaso da fé para preservar um menino formoso das águas da morte. Quando, portanto, lemos da "arca do concerto" somos levados a crer que era destinada por Deus a guardar intacto o Seu concerto, no meio de um povo dado ao erro. Nesta arca, como sabemos, foram depositadas as segundas tábuas da lei. Quanto às primeiras foram quebradas ao pé do monte, mostrando que o concerto do homem era de todo abolido—que o seu trabalho nunca poderia, de qualquer modo, formar a base do trono de governo de Jeová. "A justiça e o juízo são a habitação desse trono", quer seja no seu aspecto terrestre, quer no celestial. A arca não podia conter as tábuas quebradas dentro do seu interior sagrado. O homem podia falhar no cumprimento dos votos que havia feito voluntariamente; porém a lei de Deus tem de ser conservada em toda a sua integridade divina e perfeição. Se Deus estabelecia o Seu trono no meio do Seu povo, só o podia fazer de uma maneira digna de Si. O princípio do Seu juízo e governo deve ser perfeito. "E farás varas de madeira de cetim, e as cobrirás com ouro. E meterás as varas nas argolas, aos lados da arca, para se levar com elas a arca" (versículos 13e 14). A arca do concerto devia acompanhar o povo em todas as suas peregrinações. Nunca se deteve enquanto eles se mantiveram como um exército em viagem ou no conflito: foi adiante deles até ao meio do Jordão; foi o seu ponto de reunião em todas as guerras de Canaã; era a garantia segura e certa do poder para onde quer que ia. Nenhum poder do inimigo podia subsistir diante daquilo que era a expressão bem conhecida da presença e poder de Deus. A arca devia ser a companheira inseparável de Israel no deserto; e as "varas" e as "argolas" eram a expressão exata do seu caráter ambulante. C. H. MACKINTOSH. Estudos Sobre O Livro De Êxodo. Editora Associação Religiosa Imprensa da Fé.].
SINOPSE DO TÓPICO (III)
No interior do Tabernáculo ficava o castiçal de ouro, os pães da proposição, o altar do incenso, o Santo dos santos e a arca da aliança.

CONCLUSÃO
Os israelitas, mediante o Tabernáculo, podiam aprender corretamente como achegar-se a Deus, adorá-lo, servi-lo e viver para Ele em santidade. Assim deve fazer a igreja, conforme Hebreus 10.21-23. O Senhor é Santo e sem santidade nosso louvor e adoração não poderão agradá-lo. [Comentário: A influência egípcia na cultura judaica foi algo inevitável, logo vemos o povo esculpindo uma imagem, o bezerro de ouro, para cultuarem ao Senhor, como apregoou Arão: “amanhã será festa ao Senhor” (Êx 32.5). Neste mesmo sentido, o Bezerro de Ouro construído no Monte Sinai e a posterior adoração do bezerro de Jeroboão I, indica que adoração sem a orientação divina para sua ministração, suscita a ira de Deus. Por isso mesmo, Deus revelou diretamente a Moisés um modelo para a construção do Tabernáculo. Ele deixou claro que a sua habitação devia ser única, sem a mistura com o paganismo do Egito. Em Romanos 15.4, lemos: “Pois tudo quanto outrora foi escrito, para o nosso ensino foi escrito, a fim de que, pela paciência, e pela consolação das escrituras, tenhamos esperança”. Por esse motivo Deus tem um profundo ensino para nós nesse Tabernáculo erigido no deserto sob a exigência de Deus. Para cultuarmos ao Senhor, não podemos fazê-lo de qualquer jeito, como imaginamos que seja o correto, que agrada a Deus. Temos que adorá-Lo como Ele exige, como Sua Palavra determina; Jesus ensinou à samaritana que quem conhece Deus de fato, só pode adorá-lO em espírito e em verdade! "Irmãos santos, participantes da vocação celestial, considerai o Sumo Sacerdote, Jesus" (Hb 3.1) "Visto que temos um grande sumo sacerdote, Jesus, o Filho de Deus, um Sumo Sacerdote que pode se compadecer de nossas fraquezas (sendo como nós, em tudo tentado, mas sem pecado), cheguemo-nos, pois, com confiança ao trono da graça, a fim de sermos socorridos em tempo oportuno" (Hb 4.14-16).].
“NaquEle que me garante: "Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Ef 2.8)”,

Graça e Paz a todos que estão em Cristo!

Francisco Barbosa
Cor mio tibi offero,
Domine,
prompte et sincere!

Recife-PE
fevereiro de 2014.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

GOWER, R. Novo Manual dos Usos & Costumes dos Tempos Bíblicos. 2 ed., RJ: CPAD, 2012.
MERRIL, E. H. História de Israel no Antigo Testamento: O reino de sacerdotes que Deus colocou entre as nações. 6 ed., RJ: CPAD, 2007.

EXERCÍCIOS

1. Qual era o objetivo de Deus com a construção do Tabernáculo?
R. O objetivo divino era aumentar e fortalecer os laços de comunhão com o seu povo Israel.
2. O Tabernáculo foi construído com quais recursos?
R. Com os recursos que receberam pela providência divina ao saírem do Egito.
3. Faça um pequeno resumo a respeito do pátio do Tabernáculo.
R. O pátio tinha o formato retangular, e indicava que, na adoração a Deus, deve haver separação, santidade.
4. No Apocalipse o que o castiçal simboliza?
R. A Igreja.
5. Faça um pequeno resumo a respeito do Santo dos Santos.
R. O Santo dos Santos era um local restrito, onde somente o sumo sacerdote poderia entrar uma única vez ao ano. A arca da aliança era a única peça deste compartimento sagrado.

NOTAS BIBLIOGRÁFICAS
-. Lições Bíblicas do 1º Trimestre de 2014 - CPAD - Jovens e Adultos;
-. Bíblia de Estudo Pentecostal – BEP (Digital);
-. Bíblia de Estudo Plenitude, Barueri, SP; SBB 2001;
-. Bíblia de Estudo Defesa da Fé: Questões reais; Respostas precisas; Fé Solidificada. 1 ed., RJ: CPAD, 2010.



Autorizo a todos que quiserem fazer uso dos subsídios colocados neste Blog. Solicito, tão somente, que indiquem a fonte e não modifiquem o seu conteúdo. Agradeceria, igualmente, a gentileza de um e-mail indicando qual o texto

Nenhum comentário:

Postar um comentário