Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

QUER FAZER MISSÕES?

QUER FAZER MISSÕES?
O Templo precisa ser concluído. Entre em contato com o Pastor daquela igreja e saiba como ajudar

8 de novembro de 2010

Lição 7 – A Oração da Igreja e o Trabalho do Espírito Santo

14 de novembro de 2010

TEXTO ÁUREO

“E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações” (At 2.42).

- Desejo de comunhão intima com Deus é o segredo para uma vida crista vitoriosa. A experiência da plenitude do Espírito está disponível, mas o Pentecoste sempre envolve a responsabilidade do crente. Quem almeja o derramamento do Espírito em sua vida, para ter poder para realizar a obra de Deus, deve colocar-se à disposição do Espírito Santo mediante sua submissão à vontade de Deus e à oração (At 2.38; 9.11-17; cf. Lc 11.5-13; 24.49; Is 40.29-31). Ouve-se muito acerca de Batalha espiritual, mas a guerra do crente contra as forças espirituais do mal exige dedicação a oração, ou seja, orando "no Espírito", "em todo tempo", "com toda oração e súplica", "por todos os santos", "com toda perseverança" (Ef 6.18). A oração não é apenas mais uma arma, mas é por ela que avançamos neste “teatro de operações”, ela é parte do conflito propriamente dito, onde a vitória é alcançada, mediante a cooperação com o próprio Deus. O crente que negligenciar todas as formas de oração, em todas as situações, já está vencido e preste a assinar a “carta de rendição” ao inimigo (Lc 18.1; Rm 12.12; Fp 4.6; Cl 4.2; 1 Ts 5.17).

VERDADE PRÁTICA

A expansão contínua do evangelho completo é um distintivo da igreja que não se descuida da oração.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Atos 1.12,14; 2.4,38,40,41; 4.32

OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

- Explicar como se deu o início da Igreja cristã.

- Compreender que a oração perseverante resultou na atuação poderosa do Espírito Santo.

- Conscientizar-se de que o Espírito Santo reveste a Igreja de poder para a disseminação do evangelho.

PALAVRA-CHAVE

Espírito Santo

[Do heb Ruah Kadosh; Gr Hagios Pneumathos].

Terceira pessoa da Santíssima Trindade.

COMENTÁRIO

(I. INTRODUÇÃO)

Uma vida de constante oração deve definir nossa vida publica e não o contrário disso. O objetivo da oração não é o aplauso ou o reconhecimento da multidão, mas a aprovação do nosso Pai celestial e o crescimento do Seu reino. Se não houver verdadeira obediência a Cristo, nem busca sincera da justiça do seu reino, é falsa a afirmação de quem diz ter a plenitude do Espírito Santo. O Pentecoste sem o senhorio de Cristo é impossível, porque o Espírito Santo é dado somente àqueles que vivem na obediência da fé (Rm 1.5). A inauguração da Igreja deu-se no dia de Pentecostes. Os crentes perseveraram unânimes em oração e súplicas (At 1.14). Após esse período de oração perseverante, todos foram cheios do Espírito Santo, e os crentes passaram a propagar poderosamente o evangelho (At 4.31). Nesta lição, enfatizaremos que da mesma forma, o Espírito Santo quer fazer nestes dias com a Igreja do Senhor que persevera em oração e jejum. Oremos, crendo que Deus ouvirá e atenderá as nossas súplicas. Boa Aula!

(II. DESENVOLVIMENTO)

I. O INÍCIO DA IGREJA CRISTÃ

1. Derramamento do Espírito. A finalidade do Espírito Santo encher a todos os que se encontravam unânimes orando no cenáculo, em Jerusalém, era enche-los de virtude para em seguida, propalar a mensagem do evangelho com o poder celestial no interior deles para testemunharem com grande eficácia. O termo original para virtude é dunamis, que significa poder real; poder em ação. Esse é o versículo-chave do livro de Atos e este é o propósito principal do batismo no Espírito Santo, o recebimento de poder divino para testemunhar de Cristo, para ganhar os perdidos para Ele, e ensinar-lhes a observar tudo quanto Cristo ordenou. Sua finalidade é que Cristo seja conhecido, amado, honrado, louvado e feito Senhor do povo de Deus (cf. Mt 28.18-20; Lc 24.49; Jo 5.23; 15.26,27). Dunamis significa mais do que força ou capacidade; designa principalmente o poder divino em operação, em ação. O derramamento do Espírito Santo trouxe o poder pessoal do Espírito Santo à vida daqueles crentes e continua disponível a Igreja hodierna.

2. Preparação para o serviço do Reino. O batismo no Espírito Santo não somente outorga poder para pregar Jesus como Senhor e Salvador, mas também aumenta a eficácia desse testemunho, fortalecido e aprofundado pelo nosso relacionamento com o Pai, o Filho e o Espírito Santo por termos sido cheios do Espírito (cf. Jo 14.26; 15.26,27). O Espírito Santo revela e torna mais real para nós a presença pessoal de Jesus (Jo 14.16-18). Uma comunhão íntima com o próprio Jesus Cristo resultará num desejo cada vez maior da nossa parte de amar, honrar e agradar nosso Salvador. Note que o Espírito Santo dá testemunho da justiça (Jo 16.8,10) e da verdade (Jo 16.13), as quais glorificam a Cristo (Jo 16.14), não somente com palavras, mas também no modo de viver e no agir. Daí, quem tem o testemunho do Espírito Santo a respeito da obra redentora de Jesus Cristo, manifestará com certeza, à semelhança de Cristo, o amor, a verdade e a justiça em sua vida e estará equipado para o serviço do Reino de Deus.

3. Evidências da ação do Espírito Santo. A festa de Pentecostes era a segunda grande festa sagrada do calendário religioso judaico que acontecia cinqüenta dias após a primeira grande festa, a Páscoa. Do grego penteekostos (qüinquagésimo) era também chamada Festas das Colheitas, porque nela as primícias da sega de grãos eram oferecidas a Deus (cf. Lv 23.17). Da mesma forma, o dia de Pentecoste simboliza, para a igreja, o início da colheita de almas para Deus neste mundo. As manifestações externas de um som como de um vento poderoso e das línguas de fogo quando do derramamento do Espírito Santo demonstram que Deus estava ali presente e ativo, de modo poderoso (cf. Êx 3.1-6; 1Rs 18.38,39). O fogo talvez simbolize a consagração e a separação dos crentes para Deus, visando a obra de glorificar a Cristo (Jo 16.13,14) e de testemunhar dEle. Estas duas manifestações antecederam o batismo no Espírito Santo, e não foram repetidas noutros relatos similares do livro de Atos. Joel, cujo nome significa “O Senhor é Deus”, profeta sacerdotal em Judá e Jerusalém (cf. Jr 28.1.5), prediz um dia em que Deus derramaria o seu Espírito sobre todo aquele que "invocar o nome do Senhor". Este derramamento resultaria num fluir sobrenatural do Espírito Santo entre o povo de Deus. Esta profecia de Joel foi citada por Pedro no dia de Pentecoste, e explicou que o derramamento do Espírito Santo, naquele dia, era o começo do cumprimento dessa profecia (At 2.14-21). Note que nós pentecostais afirmamos que esta profecia é uma promessa perpétua para todos quantos aceitem a Cristo como Senhor, pois todos os crentes podem e devem receber a plenitude do Espírito Santo conforme bem explicita as perícopes de At 2.38,39; 10.44-48 e 11.15-18. O poder interior do Espírito e a realidade da presença de Deus que vêm da plenitude do Espírito libertam o crente do medo doutras pessoas e aumenta grandemente a sua coragem e motivação para falar de Deus com intrepidez. Além disso, o grande poder do Espírito Santo operando nos crentes efetua grande convicção nos ouvintes do evangelho quanto ao pecado de cada um, a justiça de Cristo e o juízo divino (Confira Jo 16.8). Hoje, o mesmo acontecerá em nossas igrejas se o Espírito Santo receber a primazia.

“Somente pela oração que podemos buscar primeiro o Reino de Deus e a sua justiça.”Robert L Brant e Zenas J Bicket.

SINÓPSE DO TÓPICO (1)

O início da igreja cristã foi marcado pelo derramamento do Espírito Santo.

II. A DISSEMINAÇÃO DA PALAVRA

1. O Espírito Santo prepara pregadores. O batismo no Espírito Santo outorga ao crente ousadia e poder celestial para realizar grandes obras em nome de Cristo e ter eficácia no seu testemunho e pregação (At 1.8; 2.14-41; 4.31; 6.8; Rm 15.18,19; 1Co 2.4). Esse poder não se trata de uma força impessoal, mas de uma manifestação do Espírito Santo, na qual a presença, a glória e a operação de Jesus estão presentes com seu povo (Jo 14.16-18; 16.14; 1Co 12.7). O batismo no Espírito Santo também outorga ao crente a proficiência em mensagens proféticas e louvores (At 2.4, 17; 10.46; 1Co 14.2,15); maior sensibilidade contra o pecado que entristece o Espírito Santo, uma maior busca da retidão e uma percepção mais profunda do juízo divino contra a impiedade (Jo 16.8; At 1.8); uma vida que glorifica a Jesus Cristo (Jo 16.13,14; At 4.33); visões da parte do Espírito (At 2.17); manifestação dos vários dons do Espírito Santo (1Co 12.4-10); maior desejo de orar e interceder (At 2.41,42; 3.1; 4.23-31; 6.4; 10.9; Rm 8.26); maior amor à Palavra de Deus e melhor compreensão dela (Jo 16.13; At 2.42) e uma convicção cada vez maior de Deus como nosso Pai (At 1.4; Rm 8.15; Gl 4.6).

2. O Espírito concede intrepidez. O batismo no Espírito Santo não somente outorga poder para pregar Jesus como Senhor e Salvador, como também aumenta a eficácia desse testemunho, fortalecido e aprofundado pelo nosso relacionamento com o Pai, o Filho e o Espírito Santo por termos sido cheios do Espírito (cf. Jo 14.26; 15.26,27). O Espírito Santo revela e torna mais real para nós a presença pessoal de Jesus (Jo 14.16-18) e nos transforma em testemunhas de Cristo. Testemunha (gr. martus) é alguém que testifica, por atos ou palavras, da verdade. Testemunhas cristãs são as que confirmam e atestam a obra salvífica de Jesus Cristo através das suas palavras, ações e vida e, se necessário, através da sua própria morte. Dar testemunho de Cristo é a obrigação de todos os crentes (At 1.8; Mt 4.19; 28.19,20). Note que o crente como testemunha de Cristo possui uma mentalidade missionária, visando alcançar todas as nações, e levar a salvação divina até aos confins da terra (At 11.18; 13.2-4; 26.16-18; Mt 28.19,20; Lc 24.47). O crente revestido dessa Dunamis fala principalmente a respeito da vida de Cristo, da sua morte, ressurreição, poder salvífico e da promessa do Espírito Santo (At 2.32,38,39; 3.15; 10.39-41,43; 18.5; 26.16; 1 Co 15.1-8).

3. Escolhendo e enviando homens para a obra missionária (At 13.1-5). A obra missionária teve seu início em Jerusalém por ocasião da descida do Espírito Santo, mas foi a Igreja de Antioquia da Síria a primeira a enviar missionários - Paulo e Barnabé, chamados à obra missionária e enviados por aquela igreja. As características dessa obra estão descritas em At 9.15; 13.5; 22.14,15,21 e 26.16-18. Note que o chamado de Paulo e Barnabé para pregar o evangelho e conduzir homens e mulheres à salvação em Cristo foi efetuado pelo Espírito Santo. A atividade missionária é originada pelo Espírito Santo, através de líderes espirituais que estão profundamente dedicados ao Senhor e ao seu reino, buscando-o com oração e jejum (At 13.2). A igreja deve estar atenta ao ministério e atividade proféticos do Espírito Santo e sua orientação. As Escrituras não indicam em lugar nenhum que os missionários do NT foram enviados aos campos para realizarem trabalhos sociais ou políticos, isto é, propagar o evangelho e fundar igrejas mediante o exercício de todos os tipos de atividades sociais ou políticas para o bem da população do Império Romano. O alvo dos missionários era conduzir pessoas a Cristo (At 16.31; 20.21), livrá-las do poder de Satanás, levá-las a receber o Espírito Santo e organizá-las em igrejas. Nesses novos cristãos, o Espírito Santo veio habitar e manifestar-se através do amor; Ele deu dons espirituais (1 Co 12-14) e transformou esses fiéis de tal maneira que suas vidas glorificavam ao seu Salvador. Os missionários do evangelho de hoje devem ter a mesma atividade prioritária: ser ministros e testemunhas do evangelho, que levem outros a Cristo, livrando-os do domínio de Satanás (At 26.18), fazendo-os discípulos, motivando-os a receber o Espírito Santo e os seus dons (At 2.38; 8.17) e ensinando-os a observar tudo quanto Cristo ordenou (Mt 28.19,20). Isto deve ser acompanhado de sinais e prodígios, cura de enfermos e libertação de oprimidos pelos demônios (At 2.43; 4.30; 8.7; 10.38; Mc 16.17,18). Esta tarefa suprema de pregar o evangelho, no entanto, deve também incluir atos pessoais de amor, de misericórdia e de bondade para com os necessitados (cf. Gl 2.10). Deste modo, todos que são chamados a dar testemunho do evangelho servirão na causa divina segundo o modelo de Jesus (cf. Lc 9.2). “Aprender a receber e a seguir a orientação do Espírito Santo na seleção e envio de obreiros é essencial a um ministério missionário eficaz. O Espírito Santo é a fonte da orientação divina, independente dos meios que Ele venha a empregar” Robert L Brant e Zenas J Bicket.

SINÓPSE DO TÓPICO (2)

O Espírito Santo prepara pregadores, concede intrepidez, escolhe e envia homens para a disseminação da Palavra de Deus no mundo.

III. O ESPÍRITO E O CRESCIMENTO DA IGREJA

1. A igreja cresce (At 2.41,47). A palavra grega ekklesia (igreja), literalmente, refere-se à reunião de um povo, por convocação (gr. ekkaleo). No NT, o termo designa principalmente o conjunto do povo de Deus em Cristo, que se reúne como cidadãos do reino de Deus (Ef 2.19), com o propósito de adorar a Deus. (Estudo Doutrinário A Igreja, BEP). Através do livro de Atos, bem como outros trechos do NT, tomamos conhecimento das normas ou dos padrões estabelecidos para uma igreja neotestamentária. Antes de mais nada, a igreja é o agrupamento de pessoas em congregações locais e unidas pelo Espírito Santo, que diligentemente buscam um relacionamento pessoal, fiel e leal com Deus e com Jesus Cristo (At 13.2; 16.5; 20.7; Rm 16.3,4; 1 Co 16.19; 2 Co 11.28; Hb 11.6). É mediante o poderoso testemunho da igreja que os pecadores são alcançados com a salvação gratuita de Deus, são regenerados, batizados nas águas e acrescentados à igreja; participam da Ceia do Senhor e esperam a volta de Cristo (At 2.41,42; 4.33; 5.14; 11.24; 1 Co 11.26). O apóstolo Paulo deixa transparecer sua imensa confiança em que Deus operava em sua vida, abrindo e fechando portas, a fim de orientar seu ministério. A frutificação tanto da nossa caminhada na fé como do nosso testemunho de Cristo depende tanto da Sua providência quanto da sua intervenção direta. Devemos orar, pedindo a Deus que nos abra portas e indique onde devemos trabalhar (cf. At 16.6-10).

2. Crescimento x Perseguição. As perseguições sofridas pelos cristãos, ordenadas por imperadores como Nero, Domiciano, Trajano, Marco Aurélio e Septímio Severo, tiveram um caráter mais político do que propriamente religioso. Primeiro, os cristãos recusavam-se a cultuar a deusa Roma, símbolo da unidade imperial, e a aceitar a divinização dos imperadores. E, segundo, graças a sua mensagem redentora, o Cristianismo obteve enorme sucesso entre os excluídos da sociedade romana - mulheres, pobres e, especialmente, escravos -, atestando o caráter socialmente perigoso da nova crença. As perseguições acabaram por fortalecer a seita do Caminho. Os novos crentes impetuosos, aceitaram o martírio sem hesitação, na certeza de ter lucro com a morte (Fp 1.21). O verdadeiro crente, vivendo no centro da vontade de Deus, não precisa ter medo da morte. Ele sabe que Deus tem um propósito para o seu viver, e que a morte, quando ela vier, é simplesmente o fim da sua missão terrestre e o início de uma vida mais gloriosa com Cristo. Esta abnegada convicção fez novos e numerosos adeptos, especialmente em uma época de crise e de falência dos poderes públicos. Mais do que isso, o Cristianismo era a única opção de consolo espiritual para a grande massa de miseráveis que o Império produzia. Da mesma forma, a mensagem de igualdade e pacifismo - negando o caráter divino do Império -, e a própria escravidão contribuíram para a desagregação das bases sociais e políticas em que se assentava o Império.

3. A integridade da igreja. A experiência do Pentecoste sempre envolve a responsabilidade humana. Aqueles que desejam o derramamento do Espírito em sua vida, para terem poder para realizar a obra de Deus, devem colocar-se à disposição do Espírito Santo mediante sua submissão à vontade de Deus e à oração. Naquele ambiente dominado pela comunhão entre os crentes, a fim de obterem prestígio e reconhecimento, Ananias e Safira mentiram diante da igreja a respeito das suas contribuições. Deus considerou um delito grave essas mentiras contra o Espírito Santo. O castigo que recaiu sobre Ananias e Safira ficou como exemplo perpétuo da atitude de Deus para com qualquer coração enganoso entre aqueles que professam ser crentes. Fica evidente nesta perícope que mentir ao Espírito Santo é a mesma coisa que mentir a Deus, logo, o Espírito Santo também é Deus (At 5.3 e 4; veja também Ap 22.15). A raiz do pecado de Ananias e de Safira era seu amor ao dinheiro e elogio dos outros. Isto os fez tentar o Espírito Santo. Quando o amor ao dinheiro e o aplauso dos homens tomam posse de uma pessoa, seu espírito fica vulnerável a todos os tipos de males satânicos (1 Tm 6.10). Ninguém pode estar cheio de amor ao dinheiro e, ao mesmo tempo, amar e servir a Deus (Mt 6.24; Jo 5.41-44). Talvez alguém indague porque Deus usou de tanta ‘severidade’ neste caso; O juízo de Deus sobre Ananias e Safira serviu para que se manifestasse sua aversão a todo engano, mentira e desonestidade no reino de Deus. Um dos pecados mais abomináveis na igreja é enganar o povo de Deus no tocante ao nosso relacionamento com Cristo, trabalho para Ele, e a dimensão do nosso ministério. Entregar-se a esse tipo de hipocrisia significa usar o sangue derramado de Cristo para exaltar e glorificar o próprio eu diante dos outros. Esse pecado desconsidera o propósito dos sofrimentos e da morte de Cristo (Ef 1.4; Hb 13.12), e revela ausência de temor do Senhor e de respeito e honra ao Espírito Santo, e merece o justo juízo de Deus. Por meio do dom de discernimento do Espírito, Pedro percebeu toda a mentira deles e veio um repentino juízo divino sobre o casal. Quando a igreja está orando (At 4.31), Deus aniquila os problemas que podem enfraquecê-la.

SINÓPSE DO TÓPICO (3)

Não é a capacidade humana que faz a Igreja do Senhor crescer, mas é a ação e o poder do Espírito Santo.

(III. CONCLUSÃO)

Se não houver verdadeira obediência a Cristo (At 5.32), nem busca sincera da justiça do seu reino (Mt 6.33; Rm 14.17), é falsa a afirmação de quem diz ter a plenitude do Espírito Santo. O Pentecoste sem o senhorio de Cristo é impossível (At 2.38-42), porque o Espírito Santo é dado somente àqueles que vivem na obediência da fé (Rm 1.5).

APLICAÇÃO PESSOAL

Paulo, escrevendo sua epístola aos Romanos, define a fé em termos de "obediência". No dizer de Paulo, a natureza da fé salvífica deve ser determinada por seu propósito inicial, a saber: unir nossa vida com Deus, através de Jesus Cristo, em amor, devoção, gratidão e obediência (veja Tg 2.17; Jo 15.10,14; Hb 5.8,9). A idéia básica e inerente na palavra "santo" é "separado para o evangelho de Deus", todos os crentes sinceros são separados do pecado e do mundo, aproximados de Deus e consagrados para servi-lo (cf. Êx 19.6; Lv 11.44). Através da oração, o Espírito renova o caráter do crente na verdadeira santidade (At 9.13; Ef 4.23,24). Para um relacionamento desse nível com Deus, o crente deve viver sempre pela fé, e, assim fazendo, continua a viver uma vida, espiritualmente cada vez mais rica (Hb 10.38), "De fé em fé" - literalmente "fé do começo ao fim" (Rm 1.17). Note que a fé inclui sincera dedicação pessoal e fidelidade a Jesus Cristo, que se expressam na confiança, amor, gratidão e lealdade para com Ele. A fé, no seu sentido mais elevado, não se diferencia muito do amor. É uma atividade pessoal de sacrifício e de abnegação para com Cristo (Mt 22.37; Jo 21.15-17; At 8.37; Rm 6.17; Gl 2.20; Ef 6.6; 1Pe 1.8). Dedique um tempo para conversar com o Pai, deseje estar a sós com Ele. "Um relacionamento com Deus fundamentalmente acontece pelo Espírito, através da Palavra." John Owen. “O que um relacionamento com Deus significa é que nós recebemos comunicações de Deus sobre Ele tanto através da Sua Palavra como através da história. Ele vem até nós em Jesus Cristo, no Seu ensino, na Sua cruz, nos Seus apóstolos, através da Sua Palavra, e Ele está falando conosco. E o Seu falar é tornado vital para nós pela presente presença do Espírito Santo que habita dentro de nós. Isso é a metade do relacionamento. Ele toma a iniciativa. "Um relacionamento com Deus fundamentalmente acontece pelo Espírito, através da Palavra. "Nós recebemos as comunicações dEle e, pelo Espírito, somos tornados vivos para elas. Nós as vemos chegando - suas comunicações de Si mesmo, Seu caráter e a Sua obra em nosso favor – e então somos despertados para elas. Nós passamos a admirá-las, a deleitarmo-nos com elas, e ficamos contentes, esperançosos e encorajados. Então nós devolvemos a Ele - também por meio da Palavra, pelo Espírito, e pelo nome de Jesus Cristo - orações, ações de graças, resoluções de lutar a batalha da fé e atos de obediência. O resultado é que nossas vidas caminham em direção a Deus enquanto a Sua vida para nós caminha em direção ao homem. Esse é o relacionamento.” John Piper

Crendo N’Aquele que é galardoador dos que o buscam (Hb 11.6),

Francisco A Barbosa

auxilioaomestre@bol.com.br

EXERCÍCIOS

1. Quando a Igreja foi instituída?

R. No dia de Pentecoste.

2. Qual fator impulsionou o início da Igreja?

R. A descida do Espírito Santo no dia de Pentecoste.

3. Quem prepara e capacita os obreiros para a obra do Senhor?

R. O Espírito Santo

4. Como a igreja pode se tornar poderosa em suas ações?

R. Mediante a oração com propósito unânime.

5. O que leva o crente a ser generoso e solidário?

R. O predomínio do Espírito Santo.

Boa aula!

BIBLIOGRAFIA PESQUISADA

- Lições Bíblicas 4º Trim. Livro do Mestre CPAD (http://www.cpad.com.br);

- Max Lucado, "A Grande Casa de Deus" – Rio de Janeiro: CPAD, 2001;

- A Oração de Jesus, Hank Hanegraaff, 1ª edição - 2002, Rio de Janeiro, CPAD;

- Stamps, Donald. Bíblia de Estudo Pentecostal, CPAD;

- Bíblia de Estudo Genebra. São Pulo e Barueri, Cultura Cristã e SBB, 1999;

- (HORTON, Stanley M (ed). Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal. Rio de Janeiro. 12.ed. CPAD, 2009, pp. 600-1).

- Hybels, Bill. Ocupado Demais para Deixar de Orar / Bill Hybels; Tradução Magaly Fraga Moreira. Campinas, SP: Editora United Press, 1999.

- Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. 1.ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2004.

Autorizo a todos que quiserem fazer uso dos subsídios colocados neste Blog. Solicito, tão somente, que indiquem a fonte e não modifiquem o seu conteúdo. Agradeceria, igualmente, a gentileza de um e-mail indicando qual o texto que está utilizando e com que finalidade (estudo pessoal, na igreja, postagem em outro site, impressão, etc.).

auxilioaomestre@bol.com.br

Um comentário:

  1. Gostei da lição.
    Muito interessante..
    temos que esta sempre atento, pois nao sabemos nem o dia e nem a hora, em que o filho de Deus a de vir!
    Oração e jejum.
    Amem

    Sandro.

    ResponderExcluir