Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

QUER FAZER MISSÕES?

QUER FAZER MISSÕES?
O Templo precisa ser concluído. Entre em contato com o Pastor daquela igreja e saiba como ajudar

17 de fevereiro de 2016

Lição 8: A Grande Tribulação (1ª Parte)




Lição 8: A Grande Tribulação
Data: 21 de Fevereiro de 2016

TEXTO ÁUREO
Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra(Ap 3.10).

VERDADE PRÁTICA
Jesus Cristo tiverem sido arrebatados, a Grande Tribulação começará na Terra.

LEITURA DIÁRIA

Segunda — Mt 26.41 - O crente precisa estar sempre em constante oração e vigilância
Terça — Mt 24.21 - Haverá um tempo de muita aflição na Terra
Quarta — 1Ts 1.10 - A Igreja de Cristo não passará pela Grande Tribulação
Quinta — Ap 13.1 - A besta que subiu do mar será um dos cúmplices de Satanás
Sexta — Ap 13.11,18 - O número da besta é número de homem: 666
Sábado — Is 13.11 - Deus, o justo Juiz, visitará e julgará a maldade do mundo com poder e glória

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Mateus 24.21,22; Apocalipse 7.13,14.

Mateus 24
21 — porque haverá, então, grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco haverá jamais.
22 — E, se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria; mas, por causa dos escolhidos, serão abreviados aqueles dias.

Apocalipse 7
13 — E um dos anciãos me falou, dizendo: Estes que estão vestidos de vestes brancas, quem são e de onde vieram?
14 — E eu disse-lhe: Senhor, tu sabes. E ele disse-me: Estes são os que vieram de grande tribulação, lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro.

HINOS SUGERIDOS
70, 157 e 547 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL
Mostrar que depois do arrebatamento da Igreja terá início a Grande Tribulação.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

  • I. Saber o que será a Grande Tribulação;
  • II. Explicar a manifestação da trindade satânica na Grande Tribulação;
  • III. Compreender como será o juízo de Deus sobre o mundo.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Basta ler as manchetes dos jornais ou assistir aos noticiários para saber que as aflições deste mundo estão a cada dia pior. Temos visto o terror que os milhares de refugiados, vindo de diferentes nações, têm enfrentado para conseguir abrigo nos países europeus. Milhares de pessoas, inclusive crianças, morrem diariamente em busca de um lugar seguro e digno para viver. Todavia, nada se compara com a grande aflição que virá sobre a Terra durante a Grande Tribulação. Será um tempo de aflição e angústias incomuns. Porém aqueles que fazem parte da Igreja do Senhor não mais estarão neste mundo. A Grande Tribulação será o juízo de Deus sobre as nações ímpias que não se arrependeram de seus pecados. Este período de aflição vai durar sete anos e os que ficarem aqui na terra verão a manifestação do governo do Anticristo.
Que possamos viver em santidade, mantendo sempre as nossas vestes alvas, a fim de sermos arrebatados por Cristo.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Esta lição é uma advertência para todos aqueles que não querem ficar na Terra, quando a Igreja do Senhor for arrebatada. Veremos que depois do arrebatamento se dará a Grande Tribulação, o pior período da história da humanidade. Dos 22 capítulos do Apocalipse, 13 são dedicados a este acontecimento. Mais do que saber todos os detalhes deste período tenebroso, o cristão deve orar e vigiar (Mt 26.41), para não fazer parte dos que não subirão com a Igreja no arrebatamento. [Comentário: Caros leitores, este comentário é uma sugestão para sua aula, você pode não concordar com o que escrevo, mas peço que pense maduramente a fé cristã. Por quê? Note a introdução: “Esta lição é uma advertência para todos aqueles que não querem ficar na Terra, quando a Igreja do Senhor for arrebatada”. Não é necessário dizer que devemos buscar a santificação, sem a qual, ninguém verá o SENHOR, não pelo medo do que vai acontecer por aqui, como sugere este intróito, mas porque Aquele que nos chamou é Santo! Note, ainda, o fecho da introdução: “o cristão deve orar e vigiar (Mt 26.41), para não fazer parte dos que não subirão com a Igreja no arrebatamento” – ora, a ‘conditio sine qua non’ para sermos arrebatados, é crer no Senhor Jesus e confessá-Lo; será arrebatado todo aquele que nasceu de novo, esteja ele esperando o arrebatamento ou não. Cristo não vem buscar uma noiva manca, incompleta! Esta parte da introdução se parece muito com a “posição do arrebatamento parcial”, que diz que subirão apenas os santificados e que o restante da Igreja sofrerá o derramamento da ira de Deus. A Grande Tribulação é um período de tempo futuro quando o Senhor vai realizar pelo menos dois aspectos do Seu plano: 1) Ele vai completar a Sua disciplina da nação de Israel (Daniel 9.24), e 2) Ele derramará Sua ira sobre os habitantes irregenerados da terra (Apocalipse 6 - 18), portanto, aqueles que foram justificados pelo sangue de Jesus serão poupados da Ira futura - “Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra” (Ap 3.10). Enquanto a Igreja se regozija no céu, a terra é sacudida por grandes catástrofes, as quais resultam dos juízos de Deus. A Grande Tribulação iniciar-se-á tão logo ocorra o arrebatamento da igreja.] Let's think maturely Christian faith?

PONTO CENTRAL
Depois que a Igreja do Senhor subir aos céus para se encontrar com Ele, na Terra terá início a Grande Tribulação. . [Comentário: Lembro que a posição que defende esta opinião é a Pré-Tribulacionista, as outras (Meso-Tribulacionista e Pós-Tribulacionista ) não crêem assim]

I. A GRANDE TRIBULAÇÃO
1. O que é a Grande Tribulação? Segundo o Dicionário de Profecia Bíblica, a Grande Tribulação é um “período de aflição e angústias incomuns que terá início após o arrebatamento da Igreja. Deus, o justo Juiz, estará enviando sobre o mundo o seu juízo” (Is 13.11). Este período de aflição e angústias terá a duração de sete anos (Dn 9.27 a — “semana de anos”). Ela ocorrerá, entre o arrebatamento da Igreja e a vinda de Jesus em Glória (segunda fase, para reinar). Só os santos escaparão desse período tenebroso. Os avisos dos juízos de Deus são prova do seu amor, visando livrar da destruição aqueles que aceitam a Cristo e obedecem à sua Palavra. Será uma aflição “como nunca houve” na Terra (Mt 24.21; Ap 7.13,14). [Comentário: A duração da Tribulação é de sete anos. Isso é determinado por uma compreensão das setenta semanas de Daniel (Daniel 9.24-27). A Grande Tribulação, na verdade, acontece na segunda metade desse período, com uma duração de três e meio. Distingue-se do período da Tribulação porque a Besta, ou o Anticristo, será revelada e a ira de Deus vai intensificar enormemente durante este tempo. Assim, é importante neste momento enfatizar que a Tribulação e a Grande Tribulação não são termos sinônimos. Dentro da escatologia, a Tribulação se refere ao período completo de sete anos, enquanto que a "Grande Tribulação" refere-se à segunda metade da Tribulação. A terra entrará em pânico total com a desaparição dos filhos de Deus, e em meio a desordem surgirá um ser que aparentemente solucionará os problemas mundiais, trazendo uma falsa paz. Este período de Grande Tribulação é o cumprimento literal da última semana de Daniel. (70ª Semana - Daniel 9.24 – 27).]
2. A Igreja passará pela Grande Tribulação? É preciso ressaltar que a Igreja não é o prédio onde os crentes se reúnem, mas a comunidade de salvos em Jesus Cristo. A Palavra de Deus afirma que esta comunidade não passará pela Grande Tribulação: “[...] e esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dos mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura” (1Ts 1.10). João, no Apocalipse, registrou o livramento da igreja de Filadélfia, um exemplo de Igreja que será arrebatada: “Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra” (Ap 3.10; Is 57.1). Esta promessa é para todas as Igrejas do Senhor (Ap 3.13,22). [Comentário: Será o grande dia da ira de Deus (Ap 6.16 - 17, Sf 1.14 – 18. Tanto Jesus Cristo quanto o apóstolo Paulo (sob a inspiração do Espírito Santo) prometeram aos crentes que eles seriam salvos da “ira futura” (1Ts 1.10). “E esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dentre os mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura” (1Ts 1.10). E guardados da“...hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra” (Ap 3.10). Tal “tentação” ainda não aconteceu, e temos a promessa incondicional de Jesus de guardar os crentes desta tentação cf. (Ap 3.10). Paulo fez essa mesma promessa em (Rm 5.9; 1Ts1.10; 1Ts 5.9). Mais uma vez lembro que há quatro pontos de vista principais: a posição “pós-tribulacionista” afirma que a Igreja passará por toda a Tribulação. A posição “Meso-tribulacionista” diz que a Igreja passará pela primeira metade da Tribulação. A posição “pré-tribulacionista” afirma que a Igreja não passará por nenhum momento da Tribulação. E, finalmente, a “posição do arrebatamento parcial” crê que os santificados serão levados antes da Tribulação e que o restante da Igreja passará pelo julgamento. A própria natureza da Tribulação impede que a Igreja passe por qualquer fase dela. A tribulação é uma época de ira, julgamento, indignação, trevas, destruição e morte. Paulo escreve: “Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito” (Rm 8.1)]

SÍNTESE DO TÓPICO (I)

A Grande Tribulação será um tempo de angústia e aflição que virá sobre a Terra.

SUBSÍDIO ESCATOLÓGICO
“Grande Tribulação
Jesus alertou seus discípulos de que os últimos dias, aqueles imediatamente anteriores à sua segunda vinda, iriam compor o período de tempo mais tenebroso e traumático do que qualquer outro na história humana (Mt 24.21).
Os discípulos estavam familiarizados com o tempo de angústia descrito nesta profecia, pois muitos profetas já haviam alertado Israel sobre a vinda de um tal período de intenso sofrimento. Jeremias o chamara de ‘tempo de angústia para Jacó’ (Jr 30.7). O AT e o NT referem-se a ele por diversos nomes, como ‘Dia do Senhor’, ‘Septuagésima Semana’, ‘Dia da Desolação’, ‘Ira Vindoura’, ‘Hora do Julgamento’, ‘Tribulação’ e ‘Grande Tribulação’.
Tanto o profeta Daniel como o apóstolo João foram claros ao especificarem que esta fase durará sete anos. O perverso ‘príncipe que há de vir’ (o Anticristo, em Dn 9.26) firmará aliança com Israel, dando início a um tempo de sete anos. Ele então romperá esta aliança após três anos e meio, profanando o Templo reconstruído em Jerusalém. A Grande Tribulação será o mais terrível período de sofrimento e terror já experimentado pela humanidade. Apesar de perdurar por sete anos, a devastação neste tempo parecerá interminável para aqueles que perderam o arrebatamento e foram deixados na terra.
Diversas passagens bíblicas proféticas explicam que a Grande Tribulação incluirá:
1. Juízo sobre aqueles que rejeitaram o Salvador;
2. O fim da condescendência para com aqueles que se rebelam contra Deus;
3. Uma decisão para aqueles que devem escolher entre Cristo e o Anticristo;
4. Caos, a ponto de pôr em dúvida o ilusório sentimento de segurança do homem;
5. Um reavivamento sem precedentes e a maior colheita de almas na história humana” (LAHAYE, Tim. Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2008, p.247-48).

II. A MANIFESTAÇÃO DA TRINDADE SATÂNICA NA GRANDE TRIBULAÇÃO
1. A manifestação do Anticristo. O Anticristo será aquele que se colocará no lugar de Cristo. Ele é a besta que João viu subindo “do mar” ou dos “povos” (Ap 13.1; Lc 21.25). O espírito dele já está no mundo (1Jo 2.18; 4.3). Com certeza, será um líder político e fará “grandes coisas” (Dn 7.8, 20,25). O Anticristo tem um “sinal”, um “nome” e um “número” (Ap 13.17). Seu número é 666 (Ap 13.18). Quem não tiver essa marca será morto (Ap 13.15) e não poderá comprar ou vender qualquer coisa durante o seu reinado (Ap 13.16,17). [Comentário: Ter-se-á uma trindade satânica: O Dragão ou Satanás (anti-Deus), a Besta (anti-Cristo), e o falso Profeta (anti-Espírito Santo), que tem batalhado contra Deus, e, em breve serão aniquilados com a segunda vinda de Cristo para reinar como "Rei dos Reis e Senhor dos Senhores" (Ap 19.15-16; 2Ts 2.8-9). O Anticristo será um líder que busca a paz e trava guerras. Na busca de paz ele será bem-sucedido e enganador; ao travar guerras ele será destemido e destrutivo. O Anticristo geralmente é descrito na Bíblia como um guerreiro. Suas atividades são resumidas em Daniel 9.27: "Ele fará firme aliança com muitos, por uma semana; na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; sobre a asa das abominações virá o assolador, até que a destruição, que está determinada, se derrame sobre ele." Em Apocalipse 6.2, João apresenta o Anticristo ao escrever: "Vi, então, e eis um cavalo branco e o seu cavaleiro com um arco; e foi-lhe dada uma coroa; e ele saiu vencendo e para vencer." Especula-se que ele virá de uma confederação de dez nações ou de um império Romano renascido (Dn 7.24-25; Ap 17.7). Outros o veem como um judeu, já que ele teria que ser um para poder clamar ser o Messias. Tudo é apenas especulação já que a Bíblia não diz especificamente de onde o anticristo vai surgir e qual a sua raça será. Um dia o anticristo será revelado. 2 Tessalonicenses 2:3-4 nos diz como iremos reconhecer o anticristo: "Ninguém, de nenhum modo, vos engane, porque isto não acontecerá sem que primeiro venha a apostasia e seja revelado o homem da iniquidade, o filho da perdição, qual se opõe e se levanta contra tudo que se chama Deus ou é objeto de culto, a ponto de assentar-se no santuário de Deus, ostentando-se como se fosse o próprio Deus".]
2. Um governo único. A tentativa de um governo único pode ser vista na criação da Comunidade Europeia que conta hoje com cerca de 28 estados-membros. Os 10 chifres da Besta de Apocalipse 13.1 e 17.3 indicam que haverá um conglomerado de nações que aceitarão a liderança do Anticristo. Será a “ponta pequena” que Daniel viu que dominará os povos com muita eloquência (Dn 7.8) e fará guerra aos santos (Dn 7.25). [Comentário: O mundo se organiza para estar sob um governo único já há tempo. Nosso mundo precisa desesperadamente de paz, pessoas sinceras de vários contextos de vida trabalham e oram diariamente por uma paz duradoura. Na verdade, como crentes, somos incentivados pela Bíblia a orar por paz. Ainda assim, a instabilidade política é profunda em muitas regiões do mundo. A busca de uma paz permanente no Oriente Médio exige muita atenção e produz muitas manchetes; muitas vidas e carreiras foram sacrificadas na tentativa de trazer paz à região. Em última análise, no entanto, não haverá paz duradoura no mundo enquanto ele não for governado por Jesus Cristo, o Príncipe da Paz. Quando o Anticristo emergir, será reconhecido e aceito por causa de sua habilidade como pacificador. Como líder da confederação multinacional, ele imporá paz a Israel e ao Oriente Médio, iniciando e formulando um tratado de paz para Israel ]
3. O falso profeta. Ele, juntamente com o Diabo e o Anticristo, vão formar a chamada trindade satânica, que dominará o mundo após o arrebatamento da Igreja do Senhor Jesus. O governo do Anticristo prevalecerá por três anos e meio (Dn 7.25-28), pois virá a vitória final de Cristo sobre todos os reinos, poderes humanos e malignos (Ap 12.10). [Comentário: O falso profeta do fim dos tempos é descrito em Apocalipse 13.11-15. Ele também é conhecido como a "segunda besta" (Apocalipse 16.13, 19.20, 20.10). O falso profeta é o terceiro na trindade profana, juntamente com o Anticristo e Satanás, o qual capacita os outros dois. Este será um líder religioso, representante do sistema religioso montado para a adoração de Satanás, que trabalha conjuntamente com o sistema do reino de Satanás, com apoio à primeira besta. Pode ser visto na segunda besta que sobe da terra (Ap 13.11-18), bem como na figura do projeto da “nova era”, detalhadamente explicado mais adiante. Distinto da mulher (BABILÔNIA) que é levada pela besta (Ap 17.6-7), que será combatida pelos 10 chifres (Ap 17.16-18), a qual não permanece até a Volta de Jesus (Ap 19.19,20).]
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário