Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

QUER FAZER MISSÕES?

QUER FAZER MISSÕES?
O Templo precisa ser concluído. Entre em contato com o Pastor daquela igreja e saiba como ajudar

27 de dezembro de 2016

Lição 1: As Obras da Carne e o Fruto do Espírito



LIÇÕES BÍBLICAS CPAD – ADULTOS - 1º Trimestre de 2017
Título: As Obras da Carne e o Fruto do Espírito
Como o crente pode vencer a verdadeira batalha espiritual travada diariamente
Comentarista: Osiel Gomes


 - Lição 1 -
1º de Janeiro de 2017

As Obras da Carne e o Fruto do Espírito

TEXTO ÁUREO

VERDADE PRÁTICA

“Digo, porém: Andai em Espírito4151 e não cumprireis a concupiscência da carne” (Gl 5.16).


Para vencer as obras da carne precisamos andar em Espírito.

LEITURA DIÁRIA
Segunda -  Rm 8.4
O crente não pode mais andar segundo a carne, mas segundo o Espírito
Terça - Ef 5.18
Para vencermos as obras da carne precisamos ser cheios do Espírito
Quarta - Rm 8.1,2
Não existe condenação para aqueles que estão em Cristo

Quinta - Gl 5.25
Precisamos andar e viver no Espírito
Sexta - Gl 5.21
Os que andam segundo a carne não herdarão o Reino de Deus
Sábado - Gl 5.24
Os que são de Cristo precisam crucificar a carne


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Gálatas 5.16-26.
16 Digo, porém: Andai em Espírito e não cumprireis a concupiscência da carne.
17 Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne; e estes opõem-se um ao outro; para que não façais o que quereis.
18 Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da lei.
19 Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia,
20 idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias,
21 invejas, homicídios, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas,

acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o Reino de Deus.
22 Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.
23 Contra essas coisas não há lei.
24 E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências.
25 Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito.
26 Não sejamos cobiçosos de vanglórias, irritando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros.

HINOS SUGERIDOS: 75, 354 e 440 da Harpa Cristã

OBJETIVO GERAL
Mostrar que as obras da carne só podem ser vencidas mediante o Espírito Santo.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

I.  Explicar o que é carne e espírito no contexto bíblico;
II. Saber que ou o crente vive de acordo com a carne, ou de acordo com o Espírito;
III. Entender que o verdadeiro cristão é reconhecido pelo seu caráter e suas ações.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Prezado professor, mais um ano se inicia para a glória do Senhor! Anelamos pelo glorioso dia em que O veremos face a face no seu Reino de Glória! Você está preparado? Sua classe está preparada? Enquanto vivemos neste mundo, devemos a cada dia aperfeiçoar as nossas vidas para estarmos mais perto do céu. Neste trimestre, teremos a oportunidade de nos aprofundar num assunto que nunca se esgota: obras da carne versus fruto do Espírito.
O comentarista do trimestre é o pastor Osiel Gomes — escritor, conferencista, bacharel em Teologia, Direito e graduado em Filosofia; líder da AD em Tirirical, São Luís — Maranhão.
As lições que serão estudadas servirão de despertamento para os crentes a fim de que possamos alimentar, em nossas vidas, o fruto do Espírito e não ceder às obras da carne.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Neste trimestre, estudaremos a respeito das obras da carne e o fruto do Espírito. Na Epístola aos Gálatas, o apóstolo Paulo, de maneira brilhante e contundente, trata do assunto, mostrando o embate existente entre a carne e o Espírito. Ele faz uma exposição da luta que se inicia, internamente, quando aceitamos Jesus como Salvador e procuramos viver segundo a sua vontade. Como poderemos vencer esse embate entre a carne e o Espírito? Veremos que não é possível vencer a natureza carnal mediante o autoflagelo. Para vencermos as obras da carne, precisamos, em primeiro lugar, deixar-nos dominar pelo Espírito Santo de Deus. É preciso ser cheio do Espírito Santo diariamente (Ef 5.18). Se o crente tiver uma vida controlada pelo Consolador, terá plena condição de resistir à sua natureza pecaminosa. Se permitirmos que o Espírito nos domine e nos guie vamos então produzir o fruto que nos leva a agir como discípulos de Cristo (Gl 5.16). [Comentário: Iniciamos 2017 com um excelente tema para estudarmos e aplicarmos em nossa vida: “As Obras da Carne e o Fruto do Espírito - Como o crente pode vencer a verdadeira batalha espiritual travada diariamente”. Santificação será o tema! É urgente, imperativo, intransferível, impostergável. Começando por Gálatas 5, onde encontramos o mais nítido contraste entre o modo de vida do crente cheio do Espírito e aquele controlado pela natureza humana pecaminosa (Gl 5.16-26). Paulo não somente examina a diferença geral do modo de vida desses dois tipos de crentes, ao enfatizar que o Espírito e a carne estão em conflito entre si, mas também inclui uma lista específica tanto das obras da carne, como do fruto do Espírito. Em contraste com as obras da carne, temos o modo de viver íntegro e honesto que a Bíblia chama “o fruto do Espírito”. Esta maneira de viver se realiza no crente à medida que ele permite que o Espírito dirija e influencie sua vida de tal maneira que ele (o crente) subjugue o poder do pecado, especialmente as obras da carne, e ande em comunhão com Deus (Rm 8.5-14; 8.14; 2Co 6.6; Ef 4.2,3; 5.9; Cl 3.12-15; 2Pe 1.4-9). O Espírito e a carne humana são duas forças conflitantes, são dois reinos opostos. E o crente se vê dividido entre essas duas tendências, visto que possui em si mesmo, as duas naturezas que correspondem a essa luta, ou seja o "velho homem" e o "novo homem". Os rabinos judeus pensavam que Deus teria dado a Adão dois desejos em conflito, requerendo dele que se apegasse a um e rejeitasse o outro. O trecho de Rm 7:15,25 descreve a agonia da luta entre esses dois elementos no homem crente. São opostos entre si - A dualidade do bem e do mal, nas regiões celestiais, no mundo, nas dimensões espirituais e até mesmo em cada ser humano é uma grande realidade. Para obtermos a vitória devemos estar em contato com o Espírito do Deus vivo, sendo esse o único meio de obter a santidade nessa luta. E devemos ainda lançar mão de vários outros meios como o: "Estudo das Escrituras, a oração e a meditação, mas tais coisas desacompanhadas do poder pessoal do Espírito Santo, nunca conseguirão propiciar-nos a vitória sobre o pecado".] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?
https://auxilioebd.blogspot.com/b/post-preview?token=NemdRFkBAAA.nBPcZjdbG3p8ttYCmsVZXQaeH35sJ73Uz5S14FDOD6hJgo_ng9-evKTpucM4CAZGlh8EGeXLH0UfJNDilu7iZg.dnyRWs9qQV3tLq3DKSElcg&postId=6955121683207100843&type=PAGE

18 de dezembro de 2016

Lição 13: A Fidelidade de Deus



A D U L T O S
- Lição 13 -
25 de Dezembro de 2016

A Fidelidade de Deus

TEXTO ÁUREO

VERDADE PRÁTICA

"Posso todas as coisas naquele que me fortalece." (Fp 4.13)


Em Jesus Cristo podemos superar todas as crises, e andar de triunfo em triunfo.

LEITURA DIÁRIA
Segunda -  Fp 4.11
Aprendendo a se contentar com o que tem
Terça - Fp 4.12
Aprendendo a ser bem-sucedido em todas as circunstâncias
Quarta - Fp 4.19
Aprendendo a esperar no Deus que supre as nossas necessidades

Quinta - Fp 1.21
Aprendendo que para o crente tudo é ganho
Sexta - 2 Co 1.3,4
Aprendendo com o Deus de misericórdia e de toda a consolação
Sábado - 2 Co 1.8-10
Aprendendo a confiar em Deus em tempos de crise


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Filipenses 4.10-20.
10 - Ora, muito me regozijei no Senhor por, finalmente, reviver a vossa lembrança de mim; pois já vos tínheis lembrado, mas não tínheis tido oportunidade.
11 - Não digo isto como por necessidade, porque já aprendi a contentar-me com o que tenho.
12 - Sei estar abatido e sei também ter abundância; em toda a maneira e em todas as coisas, estou instruído, tanto a ter fartura como a ter fome, tanto a ter abundância como a padecer necessidade.
13 - Posso todas as coisas naquele que me fortalece.
14 - Todavia, fizestes bem em tomar parte na minha aflição.
15 - E bem sabeis também vós, ó filipenses que, no princípio do evangelho, quando,

parti da Macedônia, nenhuma igreja comunicou comigo com respeito a dar e a receber, senão vós somente.
16 - Porque também, uma e outra vez, me mandastes o necessário a Tessalônica.
17 - Não que procure dádivas, mas procuro o fruto que aumente a vossa conta.
18 - Mas bastante tenho recebido e tenho abundância; cheio estou, depois que recebi de Epafrodito o que da vossa parte me foi enviado, como cheiro de suavidade e sacrifício agradável e aprazível a Deus.
19 - O meu Deus, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por Cristo Jesus.
20 - Ora, a nosso Deus e Pai seja dada glória para todo o sempre. Amém!

HINOS SUGERIDOS: 30, 305 e 396 da Harpa Cristã

OBJETIVO GERAL
Mostrar que Deus deseja nos ensinar a enfrentar as crises.


OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

I.      Ressaltar a fidelidade de Paulo em meio às crises;

II.     Mostrar  a abnegação de Paulo ante o sofrimento;

III.    Compreender como podemos vencer as crises.


INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Chegamos ao final de mais um trimestre. Com certeza, nossa fé no Deus de toda a provisão foi fortalecida mediante o estudo de cada lição. Aprendemos que embora sejamos filhos(as) de Deus estamos sujeitos a enfrentar algumas crises em nossa caminhada. Contudo, as crises não são para nos destruir, castigar, desanimar, mas o Pai as permite para que possamos confiar mais nEle, em sua fidelidade. Veja as crises como oportunidade de crescimento espiritual, de transformação. O Deus que sustentou o povo no deserto durante os anos, que sustentou Abraão e seus descendentes é o Deus que vai sustentá-lo e ajudá-lo a enfrentar as dificuldades da vida. Não importa se o Brasil e o mundo estão em crise; o céu não está. Deus está no controle. Confie na provisão do Pai para sua vida e seu ministério.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Na lição de hoje estudaremos a respeito das adversidades enfrentadas pelo apóstolo Paulo em seu ministério. Veremos que ele aprendeu, com a ajuda do Senhor, a lidar com cada uma e a vencê-las. Apesar das dificuldades Paulo pregou a Palavra de Deus, fundou igrejas e escreveu várias cartas. Algumas de suas epístolas foram escritas enquanto ele estava na prisão. A vida de Paulo é um exemplo de como podemos vencer as crises e permanecer fiéis ao Senhor. [Comentário: Concluindo o trimestre, entendemos com Paulo que a satisfação e a suficiência do crente vêm de Cristo e independem da abundância ou da escassez de bens materiais. O segredo do contentamento, da satisfação, é reconhecermos que Deus nos concede, em cada circunstância, tudo quanto necessitamos para uma vida vitoriosa em Cristo (1Co 15.57; 2Co 2.14; 1Jo 5.4). Nossa capacidade de viver vitoriosamente acima das situações instáveis da vida provém do poder de Cristo que flui em nós e através de nós (v. 13; ver 1Tm 6.8). Isso não ocorre de modo natural; precisamos aprender na dependência de Cristo. O poder e a graça de Cristo permanecem no crente para capacitá-lo a fazer tudo quanto Ele o mandou fazer. Nesta lição, a leitura bíblica em classe traz um trecho de Filipenses, onde Paulo agradece a ajuda recebida. A igreja filipense era uma igreja missionária, que supria as necessidades de Paulo durante suas viagens (1.4,5; 4.15-17). Sustentar os missionários no seu trabalho em prol do evangelho, é obra dignificante e aceita por Deus, "como cheiro de suavidade e sacrifício agradável e aprazível" a Ele (v. 18). Por isso, aquilo que damos para o sustento do missionário fiel, é considerado oferta apresentada a Deus. Tudo que é feito a um dos irmãos, por pequeno que seja, é feito como ao próprio Senhor (Mt 25.40).] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

PONTO CENTRAL
Deus deseja nos ensinar a enfrentar e vencer as crises da vida.

Lição 13: A Fidelidade de Deus (Prof Caramuru)

Lição 13: A Fidelidade de Deus (Pr Agnaldo Betti)

14 de dezembro de 2016

Lição 12: Sabedoria Divina para a Tomada de Decisões



A D U L T O S
- Lição 12 -
18 de Dezembro de 2016

Sabedoria Divina para
a tomada de decisões

TEXTO ÁUREO

VERDADE PRÁTICA

“Porque o SENHOR dá a sabedoria, e da sua boca vem o conhecimento e o entendimento” (Pv 2.6).


Deus nos concede sabedoria para vencermos as crises mais difíceis e inesperadas.

LEITURA DIÁRIA
Segunda -  1Rs 1.1,5
A velhice de Davi e a crise no reino com a sedição de Adonias
Terça - 1Rs 1.11,15-17
A ação de Bate-Seba em meio à crise
Quarta - 1Rs 1.39
Salomão é ungido rei em meio à crise

Quinta - 1Rs 2.1-4
Conselhos de um pai para evitar a crise no futuro
Sexta - 1Rs 3.9
O pedido de Salomão para evitar as crises
Sábado - 1Rs 3.28
A sabedoria de Deus para fazer justiça e evitar as crises


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
1 Reis 4.29-34.
29 — E deu Deus a Salomão sabedoria, e muitíssimo entendimento, e largueza de coração, como a areia que está na praia do mar.

30 — E era a sabedoria de Salomão maior do que a sabedoria de todos os do Oriente e do que toda a sabedoria dos egípcios.

31 — E era ele ainda mais sábio do que todos os homens, e do que Etã, ezraíta, e do que Hemã, e Calcol, e Darda, filhos de Maol; e correu o seu nome por todas as nações em redor.

32 — E disse três mil provérbios, e foram os seus cânticos mil e cinco.

33 — Também falou das árvores, desde o cedro que está no Líbano até ao hissopo que nasce na parede; também falou dos animais, e das aves, e dos répteis, e dos peixes.

34 — E vinham de todos os povos a ouvir a sabedoria de Salomão e de todos os reis da terra que tinham ouvido da sua sabedoria.

HINOS SUGERIDOS: 30, 305 e 396da Harpa Cristã

OBJETIVO GERAL
Mostrar que Deus nos concede sabedoria para vencermos as crises difíceis e inesperadas.


OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

    I. Apontar a crise familiar no reino davídico;
    II. Mostrar que Salomão buscou sabedoria para reinar;
    III. Ressaltar a sabedoria de Salomão empregada na construção do Templo.


INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Professor, Deus é a fonte de todo conhecimento e sabedoria. O saber do homem será sempre relativo. Por isso, Ele deseja nos dar sabedoria para vivermos de modo que o seu nome seja glorificado em nossas vidas e ministérios. Salomão, escolhido para suceder Davi, era um jovem inteligente, mas diante da responsabilidade de governar seu povo, ele pediu a Deus sabedoria. Salomão não solicitou a Deus bens materiais ou a morte de seus inimigos. Ele pediu bom senso para guiar o seu povo de modo justo e inteligente. Precisamos de sabedoria vinda do alto para realizarmos a obra do Senhor. Peça a Deus sabedoria para preparar suas aulas e para o seu ministério de ensino. Ele vai orientá-lo, concedendo-lhe uma metodologia adequada a cada tema e os melhores recursos didáticos.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Na lição de hoje estudaremos os últimos dias do reinado de Davi e a escolha de seu sucessor. Veremos que, embora houvesse uma crise familiar e política, Deus estava no controle daquele processo e não permitiria que um usurpador assumisse o reinado. Salomão ascendeu ao trono em um tempo de crise, mas Deus o abençoou, concedendo-lhe sabedoria para reinar com justiça e equidade. Seu reino foi um dos mais prósperos e abençoados de Israel. [Comentário: Os capítulos 13 a 19 de 2º Samuel registram problemas familiares que levaram a uma guerra civil em Israel. Os problemas começaram com os filhos de Davi. Amnon estuprou sua meia-irmã, e Absalão se vingou e matou Amnon. A vingança e violência por parte de Absalão levaram ao seu afastamento de Davi, e este filho rebelde chegou a se levantar contra o próprio pai, tentando tomar o reino de Davi. Depois de uma guerra fratricida, Absalão foi morto e Davi continuou seu reinado. O fato de Salomão haver sucedido a Davi mostra a soberania divina no curso da história - "Eis que o filho que te nascer será homem de repouso; porque repouso lhe hei de dar de todos os seus inimigos em redor; portanto, Salomão será o seu nome, e paz e descanso darei a Israel nos seus dias" (1Cr 22.9). Em 1Cr 28.8 é dito que a condição prévia, para que o reino de Salomão fosse estabelecido, era ele viver em obediência e fidelidade a Deus. Salomão, no início, seguiu os conselhos do seu pai, embora posteriormente tenha se afastado de Deus (1Rs 2.4; 11.1). O encargo que Davi deu a Salomão foi que conhecesse a Deus, servisse a Ele e o buscasse "com um coração perfeito e com uma alma voluntária".] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

PONTO CENTRAL
Deus nos concede sabedoria para vencermos as crises difíceis e inesperadas.

8 de dezembro de 2016

JOVENS - Lição 11: A Forma do Culto



J O V E N S
- LIÇÃO 11 –
11 de Dezembro de 2016

A Forma do Culto

TEXTO DO DIA

SÍNTESE

"Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus. que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional (Rm 12 1).

Deus criou todas as coisas ordenadamente. Nada veio do caos, tudo que existe tem uma razão de ser; assim também no culto ao Senhor necessitamos de princípios básicos de organização.

LEITURA DIÁRIA
Segunda - 1 Co 11.34
A necessidade de ordem no culto
Terça - 1 Tm 2.8
A oração e o culto a Deus
Quarta - Ef 5.19
O louvor como parte de nosso culto

Quinta - Cl 3.16
A pregação da palavra como um momento do culto
Sexta - 2 Co 9.13
A administração de ofertas no culto
Sábado - Cl 2.18
Cuidado com os falsos cultos

OBJETIVOS
DEFINIR e problematizar o conceito de liturgia.
ANALISAR o problema envolvendo a liturgia entre os coríntios.
APRESENTAR os desafios envolvendo a liturgia na Igreja atual.

INTERAÇÃO
Caro (a) educador (a) o tema da lição de hoje requer muita atenção devido algumas características especificas:
1) Cuidado para não transformar sua aula numa discussão muito técnica, desinteressante e longe da realidade de seus alunos:
2) Evite expor publicamente qualquer liderança de sua igreja local ressalte sempre aos educandos que os fundamentos de nossa discussão são gerais e impessoais;
3) Incentive a participação de seus alunos de modo positivo, solicitando-os a sugestão de ações que podem tomar a liturgia de sua igreja algo mais dinâmico e próximo à realidade da comunidade. As sugestões organizadas podem, por exemplo, ser implementadas inicialmente nos cultos ou atividades realizadas sobre a liderança dos jovens Que ao final de sua aula, os corações de seus educandos estejam voltados a desenvolver estratégias para abençoar efetivamente a igreja local superando todo tipo de exageros ou desregramentos.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Você vai precisar de um aparelho de reprodução de vídeos; seleção de vídeos. Apresente aos seus alunos fragmentos de vídeos nos quais ocorram procedimentos louváveis ou reprováveis para que depois eles possam apontar quais os erros e acertos de cada vídeo (diante da impossibilidade de apresentação dos vídeos, que em último caso podem ser apresentados no próprio celular do educador, crie algumas situações através das quais os alunos possam fazer a análise sugerida). Ao final da discussão, promova um momento de reflexão a respeito da necessidade de organização do culto a Deus para que se evite exageros ou distorções.


TEXTO BÍBLICO
1 Coríntios 14-26-33
26 Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação.
27 E, se alguém falar língua estranha, faça-se isso por dois ou. quando muito, três, e por sua vez, e haja intérprete.
28 Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja e fale consigo mesmo e com Deus.
29 E falem dois ou três profetas, e os outros julguem.

30 Mas, se a outro, que estiver assentado, for revelada alguma coisa, cale-se o primeiro.
31 Porque todos podereis profetizar, uns depois dos outros, para que todos aprendam e todos sejam consolados.
32 E os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas.
33 Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos.



COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Nesta lição, estudaremos questões como: existe uma liturgia ideal? Liturgia, formalismo e fanatismo; culto à forma X culto a Deus. Estudaremos a respeito da natureza, necessidade e lógica da liturgia, compreendida como conjunto de procedimentos públicos que orientam o culto a Deus. [Comentário: O culto cristão é um dos mais agradáveis e significativos momentos da vida da igreja. A adoração comunitária é de vital importância para a igreja é a sua alma ou seu pulmão. A música e o louvor, as orações de gratidão e súplica, a leitura e a exposição da Palavra, as ofertas e apelos, a ministração do Batismo e a celebração de Ceia, enfim, tudo o que acontece na reunião pública da igreja é determinante para todos os seus demais atos. “A palavra liturgia (λειτουργία, "serviço público" ou "serviço do culto") compreende uma celebração religiosa pré-definida, de acordo com as tradições de uma religião em particular; pode incluir ou referir-se a um ritual formal e elaborado. A liturgia é considerada por várias denominações cristãs como um ofício ou serviço indispensável e obrigatório. Isto porque estas Igrejas cristãs prestam essencialmente o seu culto de adoração a Deus (a teolatria) através da liturgia”.Extraído de https://pt.wikipedia.org/wiki/Liturgia. Para elas, a liturgia tornou-se, em suma, no seu culto oficial e público. Culto traduz uma palavra grega (latreia) que aparece cinco vezes no Novo Testamento (Jo 16.2; Rm 9.4 e 12.1; Hb 9.1 e 6); pode ser o serviço de obediência a Deus em geral, ou pode se referir, como nas duas citações em Hebreus 9, aos atos específicos de louvor dirigidos a Deus. Assim, a palavra culto, em nosso uso hoje, corretamente descreve o serviço dado ao Senhor quando cristãos o adoram. Mas, a mesma palavra pode abranger qualquer ato de obediência que honra o nome de Deus. João 2.17 assevera: “E os seus discípulos lembraram-se do que está escrito: O zelo da tua casa me devorará”. Ter o zelo equilibrado para tratar das coisas do Senhor sabendo que a tradição não poderá anular a palavra de Deus. A grande verdade é que o culto cristão celebra o glorioso nome do Senhor Jesus, anuncia o evangelho e preserva nos adoradores a unidade do Espírito pelo vínculo da paz; dá-se ainda, que o próprio Jesus se faz presente no meio da reunião! Somente isto já requer a indispensável liturgia.] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?