Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

QUER FAZER MISSÕES?

QUER FAZER MISSÕES?
O Templo precisa ser concluído. Entre em contato com o Pastor daquela igreja e saiba como ajudar

26 de janeiro de 2016

JOVENS_Lição 5: A justificação pela fé



Lição 5: A justificação pela fé
Data: 31 de Janeiro de 2016

TEXTO DO DIA
[...] isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que creem; porque não há diferença(Rm 3.22). [Comentário: A justiça de Deus vem ao pecador pela fé. “Mas agora se manifestou sem a lei a justiça de Deus, tendo o testemunho da lei e dos profetas; Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que crêem; porque não há diferença” (Rm 3.21,22). “Porque o fim da lei é Cristo para justiça de todo aquele que crê” (Rm 10.4 21). “Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” (2Co 5.21).]

SÍNTESE
Abraão foi a figura didática adequada para a explicação paulina da justificação pela fé, pois foi justificado antes da circuncisão e da lei, sem obras meritórias, mas somente pela fé.

AGENDA DE LEITURA
SEGUNDA — Rm 3.21 - Somos justificados pela fé
TERÇA — Gl 1.6,9 - Alguns dos gálatas depois de justificados, foram tentados a retroceder
QUARTA — Rm 4.1-8 - A justificação de Abraão foi um presente de Deus
QUINTA — Rm 4.9-16 - Abraão foi justificado antes da circuncisão e da lei
SEXTA — Hb 11.18 - Abraão acreditava que Deus poderia ressuscitar Isaque
SÁBADO — Gn 12.1-9 - A justificação de Abraão foi um protótipo da fé cristã

OBJETIVOS
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
  • APRESENTAR a doutrina da justificação pela fé;
  • CONSCIENTIZAR da insuficiência da lei para a justificação;
  • EXPLICAR porquê Paulo utilizou a figura de Abraão para esclarecer a doutrina da justificação pela fé.

INTERAÇÃO
Chegamos ao ponto central da Epístola aos Romanos, o momento em que Paulo cuidadosamente preparou para apresentar a grande novidade, a revelação da verdadeira justiça de Deus, que se constitui na doutrina da justificação pela fé, já indicada em Romanos 1.17. Até este momento, Paulo teve o cuidado para demonstrar que o judeu e o gentio estavam em situação de igualdade, que todos pecaram e destituídos estavam da glória de Deus. Ele conscientizou seus destinatários da dependência de uma alternativa para salvação, de outra forma, estariam condenados. No auge da expectativa, apresenta a solução, a salvação somente é possível por meio do sacrifício de Cristo, pois os sacrifícios do Antigo Testamento foram transitórios e somente encobriam os pecados. Qual o preço então? Paulo afirma que o ser humano precisa apenas ter fé e aceitar o pagamento de sua dívida por Cristo. Para comprovar aos judeu-cristãos ou cristãos judaizantes, utiliza o maior argumento deles, a figura de Abraão. Ele era utilizado pelos judeus como modelo da justificação pelas obras, mas, com base em Gênesis 15.6, Paulo demonstra que Abraão não foi justificado pelas obras, mas pela fé, antes da circuncisão e da lei. Com isso, o apresenta como pai de todo aquele que crê como ele, no Deus do impossível e com poder para ressuscitar (Hb 11.18). O capítulo 4 é uma obra prima do apóstolo.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Sugerimos a simulação de um júri. Para isso, você precisará dedicar pelo menos uns 25 minutos de sua aula. Os alunos devem ler a parábola do fariseu e do publicano que se encontra em Lucas 18.9-14. Divida a turma em dois grupos, um grupo para defender os argumentos do fariseu e o outro para defender os argumentos do publicano. Dê uns 5 minutos para os grupos se organizarem e definirem um representante de cada grupo para defender (advogado) seu personagem escolhido (fariseu ou publicano) diante do juiz, que será você professor(a). Dê oportunidade para que cada um argumentar e depois contra-argumentar. No final, dê o veredito final, conforme registrado em Lucas 18.9-14. Aproveite para explorar os conceitos da doutrina da justificação pela fé.

TEXTO BÍBLICO
Romanos 3.21-31.
21 — Mas, agora, se manifestou, sem a lei, a justiça de Deus, tendo o testemunho da Lei e dos Profetas,
22 — isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que creem; porque não há diferença.
23 — Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus,
24 — sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus,
25 — ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus;
26 — para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus.
27 — Onde está, logo, a jactância? É excluída. Por qual lei? Das obras? Não! Mas pela lei da fé.
28 — Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé, sem as obras da lei.
29 — É, porventura, Deus somente dos judeus? E não o é também dos gentios? Também dos gentios, certamente.
30 — Se Deus é um só, que justifica, pela fé, a circuncisão e, por meio da fé, a incircuncisão,
31 — anulamos, pois, a lei pela fé? De maneira nenhuma! Antes, estabelecemos a lei.

COMENTÁRIO DA LIÇÃO
INTRODUÇÃO
Nesta lição, iremos estudar a doutrina da justificação pela fé, que foi o grande fundamento teológico utilizado por Lutero na Reforma Protestante. Paulo vai esclarecer o que ele já havia indicado no primeiro capítulo (Rm 1.17). [Comentário: É fato que hoje, esta doutrina é desconhecida ou mal-compreendida por muitos cristãos. Foi a questão central levantada pela Reforma Protestante do século 16, pelo Reformador Lutero. Assim como o “sola Scriptura” foi denominado o “princípio formal” da Reforma, porque a Bíblia é a fonte de onde procedem todas as autênticas doutrinas cristãs, a justificação mediante a fé é o seu “princípio material”, porque envolve a própria substância ou essência do que se deve crer para a salvação. No passado, a ausência e a incompreensão desta doutrina trouxeram muitos prejuízos como a escravidão da consciência, conceitos errados acerca de Deus e Sua justiça, comprometendo toda a Soteriologia, além de deturpar o Cristianismo. Isso mostra que ela é uma das colunas do Cristianismo. Sendo assim, compreender o verdadeiro significado dessa doutrina é algo indispensável a todo cristão.] Let's think maturely Christian faith?

25 de janeiro de 2016

Lição 5: O arrebatamento da Igreja



Lição 5: O arrebatamento da Igreja

Data: 31 de Janeiro de 2016

TEXTO ÁUREO
 “Depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens [...]” (1Ts 4.17). [Comentário: arrebatados, harpadzo; Strong 726: capturar, agarrar, apanhar, pegar à força. A palavra descreve a ação do Espírito Santo ao transferir Filipe de um lugar para outro (At 8.39) e de Paulo sendo arrebatado para o Paraíso (2Co 12.2,4). Sugere o exercício de uma força repentina]

VERDADE PRÁTICA
O arrebatamento da Igreja será a completude da salvação, quando todos os salvos serão glorificados.

LEITURA DIÁRIA
Segunda — Ap 2.10 - Os que permanecerem fiéis até à morte receberão a coroa da vida
Terça — Ap 20.5 - Aqueles que forem fiéis farão parte da primeira ressurreição
Quarta — Fp 3.21 - Nosso corpo abatido será transformado em um corpo glorioso
Quinta — 1Co 15.51 - Todos aqueles que permanecerem fiéis ao Senhor serão transformados
Sexta — 1Co 15.50 - A carne e o sangue não poderão herdar o Reino de Deus
Sábado — Ap 19.7 - Em breve iremos participar das Bodas do Cordeiro

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
1 Tessalonicenses 4.13-18.
13 — Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança.
14 — Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem Deus os tornará a trazer com ele.
15 — Dizemo-vos, pois, isto pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem.
16 — Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro;
17 — depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.
18 — Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras.

HINOS SUGERIDOS
157, 286 e 547 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL
Ressaltar que o arrebatamento da Igreja será a completude da salvação.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

    I. Saber que todos os salvos serão arrebatados;
    II. Explicar como se dará o arrebatamento e a ressurreição dos mortos;
    III. Compreender o que acontecerá antes e depois do arrebatamento.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Professor, a lição de hoje trata a respeito da esperança de todo o crente — o arrebatamento da Igreja. Nossa esperança não é incerta, ela é segura, pois quem garante é o próprio Senhor Jesus Cristo. O mundo, que rejeita a Jesus e seu sacrifício, não tem esperança, porém aqueles que já entregaram suas vidas ao Salvador têm a certeza de que em breve iremos nos encontrar com Ele.
O arrebatamento da Igreja é ensinado de maneira bem clara em 1 Tessalonicenses 4.15-18. Leia com atenção estes versículos, pois este texto bíblico aumenta a nossa confiança de que um dia estaremos para sempre juntos com os entes queridos que já partiram e estão com o Senhor.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Na lição de hoje, estudaremos a respeito de um dos acontecimentos mais gloriosos e esperados desde que o Senhor Jesus foi assunto aos céus — o arrebatamento da Igreja. Esta lição é de máxima importância para os nossos dias, já que ultimamente se ensina tão pouco a respeito da volta de Jesus. [Comentário: Por toda a história da Igreja, cristãos piedosos creram na promessa que Jesus Cristo voltará à terra com poder e glória. Há uma poderosa promessa de Cristo que disse que voltaria por nós, e nos tomaria a Si mesmo, para que onde Ele esteja, estejamos nós para sempre com Ele (Jo 14.2-3). Este evento é conhecido como o arrebatamento da igreja. O Arrebatamento da igreja é o evento no qual Deus remove todos os crentes da terra para abrir caminho para que Seu justo julgamento seja derramado sobre a terra durante o período da Tribulação. Esta doutrina é descrita principalmente em 1Ts 4.13-18 e 1Co 15.50-54. Paulo quando escreve aos Coríntios focaliza na natureza instantânea do Arrebatamento e nos corpos glorificados que receberemos. “Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados; Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados” (1Co 15.51-52). Esta é a promessa gloriosa que devemos todos esperar ansiosamente. Finalmente ficaremos livres do pecado. Estaremos para sempre na presença de Deus. Há excessivo debate a respeito do significado e magnitude do Arrebatamento. Esta não é a intenção de Deus. Mas ao invés disso, no que diz respeito ao Arrebatamento, Deus quer que “encorajemos uns aos outros com estas palavras.”] Let's think maturely Christian faith?

Lição 5: O arrebatamento da Igreja (EBP em Foco)

19 de janeiro de 2016

Lição 4: Esteja alerta e vigilante, Jesus voltará

Lição 4: Esteja alerta e vigilante, Jesus voltará
Data: 24 de Janeiro de 2016
TEXTO ÁUREO
 “Porque, como o relâmpago ilumina desde uma extremidade inferior do céu até à outra extremidade, assim será também o Filho do Homem no seu dia” (Lc 17.24). [Comentário: A vinda de Cristo será evidente, sem ambiguidade e visível a todos (Mt 24.27). Este texto nos garante que os verdadeiros seguidores de Cristo não serão enganados, mas saberão aguardar a chegada do seu Senhor dos céus. Sua vinda será tão repentina, quanto visível.]

VERDADE PRÁTICA
A volta de Jesus será tão repentina que não haverá chance para arrependimento e preparo de última hora.
 LEITURA DIÁRIA
Segunda — Jo 14.3 - Jesus garantiu que voltará outra vez para nos buscar
Terça — Mt 24.24 - Um dos sinais da volta de Jesus é o surgimento de falsos cristos
Quarta — Pv 8.17 - Os que amam a vinda de Jesus buscam-no pelas madrugadas em oração
Quinta — 2Ts 1.8,9 - Os ímpios vão experimentar o juízo de Deus
Sexta — Lc 17.29 - Quando Ló saiu de Sodoma, choveu fogo do céu
Sábado — Lc 17.32 - Não se esqueça do exemplo da mulher de Ló que olhou para trás
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Lucas 17.24-30.
24 — porque, como o relâmpago ilumina desde uma extremidade inferior do céu até à outra extremidade, assim será também o Filho do Homem no seu dia.
25 — Mas primeiro convém que ele padeça muito e seja reprovado por esta geração.
26 — E, como aconteceu nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do Homem.
27 — Comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio e consumiu a todos.
28 — Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló: comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam.
29 — Mas, no dia em que Ló saiu de Sodoma, choveu do céu fogo e enxofre, consumindo a todos.
30 — Assim será no dia em que o Filho do Homem se há de manifestar.

HINOS SUGERIDOS
98, 300 e 323 da Harpa Cristã.
OBJETIVO GERAL
Mostrar que Jesus garantiu que voltará outra vez para nos buscar.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
I. Saber que a vinda de Jesus será repentina;
II. Explicar que semelhante aos dias de Noé será a vinda de Jesus;
III. Compreender que toda a Terra está corrompida pelo pecado;
IV. Fazer um paralelo entre os dias de Ló e os nossos dias.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
 Professor, o texto bíblico da Leitura Bíblica em Classe se encontra em Lucas 17. Neste capítulo o Senhor Jesus dá uma série de orientações aos seus discípulos. O Mestre ensina a respeito das preocupações que os discípulos precisam ter com as suas atitudes. Precisamos evitar tudo que leve os nossos irmãos a pecarem (Lc 17.1,2). Estamos sujeitos a errar, mas o Mestre mostra que na comunidade os pecados devem ser enfrentados (não acobertados), confessados e perdoados (vv.3-10). No decorrer da lição, procure dar ênfase a esta verdade, pois sabemos que a vinda de Jesus será repentina, não dando tempo para arrependimento e preparo de última hora. Que possamos viver uma vida íntegra, orando a Deus e vigiando para que não venhamos a ficar para trás no grande e glorioso Dia do Senhor.
COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
 Jesus alertou várias vezes para a natureza súbita de sua vinda. Mesmo assim, pode-se observar, sem muito esforço, que grande parte dos crentes está descuidada, envolvida com os afazeres da vida e não se prepara para aquele grande momento em que Jesus voltará. É o que veremos no estudo desta lição. Deus tem falado, não só pela sua Palavra, mas através dos sinais da vinda de Jesus, que está chegando a hora. Você está preparado? [Comentário: A presente era, em relação à verdadeira igreja, terminará com a translação da igreja à presença do Senhor. A doutrina da translação da igreja é uma das considerações mais importantes da escatologia do Novo Testamento. Este tema é uma das questões em que os estudiosos mais divergem atualmente. A escola pré-milenista está dividida em campos como o parcialista, que levanta a questão de quem participará do arrebatamento, e os pré-tribulacionistas, meso-tribulacionistas e pós-tribulacionistas, que levantam questões sobre em que ocasião se dará o arrebatamento em relação ao período tribulacional. O AuxílioaoMestre.com segue a linha pré-tribulacionista, como também o comentarista da revista e a CPAD. Os santos da igreja primitiva aguardavam a volta de Jesus ainda em seus dias; esta é a doutrina da iminência da volta de Cristo. É ensinada nas Escrituras em trechos como: Jo 14.2,3; 1Co 1.7; Fp 3.20, 21; 1Ts 1.9,10; 4.16,17; 5.5-9; Tt 2.13; Tg 5.8,9; Ap 3.10; 22.17-22. J. Dwight Pentecost citando Alexander Roberts e James Donaldson, em seu manual de Escatologia (Ed Vida), escreve: Clemente de Roma (companheiro e colaborador do apóstolo Paulo, Fp 4.3) escreveu na Primeira epístola aos coríntios: “Vocês vêem como em pouco tempo o fruto das árvores chega à maturidade. Verdadeiramente, logo e de repente Sua vontade será cumprida, assim como o testemunham as Escrituras, dizendo: ‘Certamente, venho sem demora e não tardarei’, e ‘...de repente virá ao Seu templo o Senhor, a quem vós buscais’. Ainda Clemente escreve: “Se fizermos o que é justo perante os olhos de Deus, entraremos no seu Reino e receberemos as promessas que olho algum jamais viu, ou ouvido ouviu, ou jamais entrou no coração do homem. Logo, esperamos a cada hora o reino de Deus em amor e em justiça, porque não sabemos o dia em que o Senhor aparecerá”. Manual de Escatologia, Uma análise detalhada dos eventos futuros. J. Dwight Pentecost, Ed Vida, 1998. Pág 194. Essa citações de Clemente de Roma evidenciam que a exortação à vigilancia dirijida à igreja era a esperança da igreja primitiva, aqueles crentes viveram na expectativa do retorno iminente de Cristo. Devemos seguir seu exemplo, e não como muitos, que de forma contraditória e incompreensível para nós, que oramos ‘Maranata!’, estão a procura de vida longa e abastada aqui. Estejamos prontos!] Let's think maturely Christian faith?

Lição 4: Esteja alerta e vigilante, Jesus voltará (Prof Caramuru)

lição 4: Esteja Alerta e Vigilante, Jesus Voltará (EBP em Foco)

lição 4: Esteja Alerta e Vigilante, Jesus Voltará (Ev Fábio Segantin)

13 de janeiro de 2016

Jovens_Lição 3: A necessidade espiritual dos judeus



Lição 3: A necessidade espiritual dos judeus
Data: 17 de Janeiro de 2016

TEXTO DO DIA
Mas é judeu o que o é no interior, e circuncisão, a que é do coração, no espírito, não na letra, cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus(Rm 2.29). [Comentário: Inspirado pelo Espírito Santo, Paulo nos ensina que o simbolizado é sempre mais importante do que o seu símbolo material. Um dos seus exemplos é a instituição da circuncisão. A coisa chegou a um ponto que os judeus deixaram de se preocupar em viver na comunhão com o Senhor – para eles o traço físico de circuncisão lhes garantia as bênçãos divinas. Nos dias de hoje encontramos práticas parecidas. Não faltam crentes que menosprezem uma vida de ética bíblica: para que, se eles já foram batizados, assistem os cultos e dizimam regularmente? Para Paulo, um símbolo religioso somente tem valor quando ele acontece “no coração, no espírito, não na letra”. Até Antioquia, os crentes eram conhecidos como os seguidores “do caminho”. A medida que o povo constatou que os “seguidores” de fato seguiam a Cristo, ao ponto viver igual a Ele, surgiu o apelido “cristão”. Como acontece com a circuncisão espiritual, nosso pacto com Cristo não deve ficar na “letra”, mas dinamizar nosso coração. Extraído de http://devocionais.amoremcristo.com/artigo/924/circuncis%C3%A3o-do-cora%C3%A7%C3%A3o/]

SÍNTESE
Os judeu-cristãos por terem recebido a revelação direta de Deus e se dizerem cumpridores da Lei desprezavam os gentios, mas Paulo demonstra que a Lei e a circuncisão não justificam o ser humano.

AGENDA DE LEITURA
SEGUNDA — Rm 2.1 - Quem julga e faz o mesmo condena a si mesmo
TERÇA — Rm 2.11 - Deus não faz acepção de pessoas
QUARTA — Jr 31.33 - Deus tem aliança com quem tem a Lei escrita no coração
QUINTA — Rm 2.28 - O ritualismo não justifica ninguém
SEXTA — Gn 12.1-3 - A promessa da bênção a Abraão
SÁBADO — Rm 2.21-24 - Quem ensina a Palavra e não prática desonra o nome de Deus

OBJETIVOS
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
  • DEFENDER a afirmação de que a Lei não foi suficiente para a justificação do ser humano;
  • MOSTRAR que quem ensina e não pratica o que ensina é um hipócrita e está debaixo da ira de Deus;
  • DEMONSTRAR que o ritual serve apenas como um sinal externo, como exemplo da circuncisão, e não justifica o ser humano diante de Deus.

INTERAÇÃO
Caro(a) professor(a), um tema que precisa de uma atenção especial é a hipocrisia. Não é possível, como diz um ditado popular, “tapar o sol com a peneira”. Infelizmente, existem, no meio cristão evangélico, pessoas com atitudes semelhantes as dos judeus citados por Paulo. Elas querem impor sobre as demais normas e regras que a Bíblia não exige, um jugo pesado e impraticável. Pessoas boas de discurso, que falam de forma bonita sobre o Evangelho, mas que não se comportam adequadamente na igreja, no lar, trabalho, escola e na sociedade em geral. Crentes que têm envergonhado o Evangelho e a Igreja. Um debate bem conduzido sobre o assunto poderá contribuir para uma sensibilização, para a necessidade de se viver uma vida íntegra e coerente diante das pessoas e de Deus.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Sugerimos que você faça uma atividade em grupo para exemplificar o ensino do tópico II desta lição. Para isso, solicite dois voluntários ou duas voluntárias. Enquanto as demais pessoas assistem, coloque uma venda nos olhos de um(a) voluntário(a) e peça para o(a) outro(a) voluntário(a) para guiá-lo(a) numa caminhada pela sala ou pátio, não permitindo que retire a venda, como se fosse uma pessoa cega. Na sequência, coloque a venda nos olhos do(a) outro(a) voluntário(a) e peça para um guiar o outro, alternadamente. Após a atividade, peça para cada voluntário(a) expressar qual o sentimento que teve nas duas funções exercidas, bem como a opinião do público que presenciou a atividade. Depois de ouvir a todas as pessoas, explique que os judeu-cristãos se achavam perfeitos e queriam guiar os gentios por acharem que eram cegos, mas que Paulo esclarece que os judeus também eram cegos. Na realidade era um cego tentando guiar outro cego. Os judeus se achavam superiores, porém diante de Deus estavam condenados como os gentios que não reconheciam a Deus. Tanto judeus como gentios precisavam da misericórdia e graça de Deus para se justificarem diante dEle.

TEXTO BÍBLICO
Romanos 2.1-11.
1 — Portanto, és inescusável quando julgas, ó homem, quem quer que sejas, porque te condenas a ti mesmo naquilo em que julgas a outro; pois tu, que julgas, fazes o mesmo.
2 — E bem sabemos que o juízo de Deus é segundo a verdade sobre os que tais coisas fazem.
3 — E tu, ó homem, que julgas os que fazem tais coisas, cuidas que, fazendo-as tu, escaparás ao juízo de Deus?
4 — Ou desprezas tu as riquezas da sua benignidade, e paciência, e longanimidade, ignorando que a benignidade de Deus te leva ao arrependimento?
5 — Mas, segundo a tua dureza e teu coração impenitente, entesouras ira para ti no dia da ira e da manifestação do juízo de Deus,
6 — o qual recompensará cada um segundo as suas obras,
7 — a saber: a vida eterna aos que, com perseverança em fazer bem, procuram glória, e honra, e incorrupção;
8 — mas indignação e ira aos que são contenciosos e desobedientes à verdade e obedientes à iniquidade;
9 — tribulação e angústia sobre toda alma do homem que faz o mal, primeiramente do judeu e também do grego;
10 — glória, porém, e honra e paz a qualquer que faz o bem, primeiramente ao judeu e também ao grego;
11 — porque, para com Deus, não há acepção de pessoas.

COMENTÁRIO DA LIÇÃO
INTRODUÇÃO
Paulo se dirige aos judeu-cristãos de Roma, judeus que haviam se convertido ao cristianismo, mas que ainda estavam marcados pelo poder da Lei e não se sentiam à vontade (devido a opressão do jugo da Lei por longa data) com a mensagem da justificação por meio da fé. O comportamento dos judeu-cristãos colocava-os, da mesma forma que os gentios citados na lição passada, debaixo da ira divina, pois também desprezavam a salvação gratuita ofertada por Deus em Cristo. [Comentário: Deus não faz acepção de pessoas, todos, judeus ou não, são culpados e merecem a justa ira de Deus. É nesse contexto que Paulo fala que Deus não faz acepção de pessoas. Pois: “Todos aqueles que pecam sem conhecer a lei de Deus se perderão sem essa lei; mas todos aqueles que pecam conhecendo a lei serão julgados por ela” (Rm 2.12). É muito fácil enxergar as falhas alheias e condená-las. O homem que confia na sua própria justiça não reconhece a sua própria necessidade da graça de Deus (1-4). Durante o seu ministério na terra, Jesus batalhava contra a arrogância e auto-justiça de seitas como os fariseus (Mt 23.27-28). Paulo, um ex-fariseu, agora luta contra o mesmo orgulho religioso de seus compatriotas. Os judeus confiavam na lei Mosaica; por terem recebido essa revelação especial, tinham-se como objeto especial de Deus e superiores aos gentios. Paulo afirma que este fato não é suficiente para salvá-los. Ser ouvinte da lei não salva. Para serem justificados, teriam de obedecer à lei. Paulo ainda mostrará que nenhum judeu obedeceu a lei perfeitamente. O homem que confia em sua própria justiça não será salvo. A pessoa que se acha segura por fazer parte do povo “escolhido” sofrerá uma grande decepção. Cada um será julgado – não por ser judeu ou gentio – mas de acordo com seu procedimento. O julgamento será feito por um Deus onisciente, usando como base o mesmo evangelho pregado por Paulo (2.16; Jo 12.47,48). O segundo capítulo contém o juízo de Deus pronunciado contra o moralista. O judeu, com sua lei moral, só sabia desprezar o gentio que estava sem lei semelhante. Com Deus, não há acepção de pessoas. Pedro entendeu esse fato quando pregou, pela primeira vez, aos gentios (At 10.34). Aqui, Paulo reafirmou a mesma verdade quando falou da necessidade universal do evangelho (2.11). Deus é um juiz justo. Cabe ao homem se conformar com a vontade do Senhor.] Let's think maturely Christian faith?

12 de janeiro de 2016

Lição 3: Esperando a volta de Jesus



Lição 3: Esperando a volta de Jesus
Data: 17 de Janeiro de 2016

TEXTO ÁUREO
E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo(1Ts 5.23). ). [Comentário: A correção plena de todas as imperfeições humanas não só é possível como certa, Deus é fiel e a completará (v 24). Deve-se considerar o elemento tempo. A perfeição final incluirá um corpo glorificado e será alcançada na segunda vinda de Jesus Cristo (Fp 1.6). A Bíblia de Estudo Plenitude (SBB) traz a seguinte nota a este versículo: “A oração final de Paulo é de que seus convertidos possam ser inteiramente santificados, isto é, que todo o seu ser – corpo, alma e espírito – possa ser apresentado à vontade de Deus. O poder para esse acontecimento deve vir do Deus de paz. ‘Paz’ significa prosperidade espiritual no sentido mais amplo.” Bíblia de Estudo Plenitude-SBB, pág. 1255. Note o leitor que o agente da santificação é Deus mesmo - E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo. O Dicionário Strong assim define o termo santidade: “hagiosune; Strong 42: O processo, qualidade e condição de uma disposição sagrada e a qualidade da santidade na conduta pessoal. É o princípio que separa o crente do mundo. Hagiosune nos consagra ao ministério de Deus no corpo e na alma, encontrando realização em dedicação moral a uma vida comprometida à pureza. Ela faz com que cada componente de nosso caráter seja submetido à inspeção divina e receba sua aprovação”.]


VERDADE PRÁTICA
Com relação à volta de Jesus, só há dois tipos de crentes: os que serão arrebatados e os que ficarão.

LEITURA DIÁRIA
Segunda — Jo 14.3 - Jesus prometeu voltar para buscar todos aqueles que são seus
Terça — Mt 24.43,44 - A volta de Jesus será uma surpresa para muitos
Quarta — 1Pe 3.15 - Saber testemunhar a respeito da nossa esperança
Quinta — Jo 13.34,35 - Amor ao próximo é o que identifica os discípulos de Jesus
Sexta — 2Pe 3.3,4 - A falta de esperança na vinda do Senhor gera incredulidade
Sábado — Mt 24.12 - O esfriamento do amor é um dos sinais da segunda vinda de Jesus

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Mateus 24.42-46.
42 — Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor.
43 — Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria que fosse arrombada a sua casa.
44 — Por isso, estai vós apercebidos também, porque o Filho do Homem há de vir à hora em que não penseis.
45 — Quem é, pois, o servo fiel e prudente, que o Senhor constituiu sobre a sua casa, para dar o sustento a seu tempo?
46 — Bem-aventurado aquele servo que o Senhor, quando vier, achar servindo assim.

HINOS SUGERIDOS
157, 206 e 623 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL
Compreender que a volta de Jesus é iminente.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
  • I. Mostrar que precisamos aguardar a volta do Senhor com fé e perseverança;
  • II. Explicar algumas atitudes errôneas diante da vinda de Jesus;
  • III. Compreender as atitudes do servo fi el ante a volta do Senhor.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Você crê na vinda iminente de Jesus? Então, não terá dificuldades em ensinar a lição de hoje. Infelizmente, muitos crentes já não creem mais na segunda vinda de Jesus. Porém, a certeza da vinda de Cristo é a nossa real esperança. Ele virá e nos levará para o céu. Você almeja o céu? Definitivamente, este mundo tenebroso não é para nós. No céu não haverá mais dor, perda, sofrimento, morte, etc. As intempéries da vida vão ficar para trás.
É importante ressaltar, no decorrer da lição, que temos de esperar o Salvador em santidade. Enquanto ainda estivermos neste mundo temos de ter uma vida irrepreensível, corpo, alma e espírito. Também não podemos deixar de produzir frutos, trabalhando na seara do Mestre. Ainda temos muito trabalho a fazer. Existem muitos povos, tribos e nações que não conhecem nada ou quase nada a respeito da Palavra de Deus. Como estes ouvirão e poderão aguardar a vinda de Jesus com alegria se não há quem pregue?

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO

Ninguém sabe o dia e a hora em que Jesus voltará. A Palavra de Deus não nos revela quando se dará esse grandioso acontecimento. Logo, é indispensável estarmos preparados para aquele dia que tanto ansiamos. Precisamos viver em santidade, pois Jesus poderá voltar nesse minuto em que você está lendo esta lição. Você está preparado?
Infelizmente, há muitos cristãos que não estão preparados para subir ao encontro do Salvador. Estes estão descuidados, adormecidos, assim como as “virgens loucas” da parábola de Mateus 25. Muitos estão sem o azeite, que representa o Espírito Santo. Outros negligenciam o testemunho cristão e acabam por escandalizar o Evangelho. No entanto, a volta de Jesus será repentina. A surpresa é o fator preponderante. Por isso, a santificação é o requisito fundamental para o encontro com o Senhor nos ares, em sua volta (1Ts 5.23). [Comentário: Nosso tempo é marcado por muitas pessoas - dentro e fora da Igreja – que não conseguem discernir a urgência destes dias, conseguindo apenas olhar, enquanto que a necessidade é de ver aquilo que de fato está acontecendo, percebe-se o distanciamento do culto, da oração e da própria pregação do significado urgente do arrebatamento da Igreja, em um momento onde as pedras começam a clamar, os sinais começam a se avolumar, e o cenário apocalíptico começa a se formar; os sinais se intensificam. Na verdade, não existe vida cristã sem santidade! Então, quando se afirma que há dois tipos de crente, na verdade esta afirmativa é um sofisma, já que o que caracteriza um crente genuíno é a santidade - ela faz com que cada componente de nosso caráter seja submetido à inspeção divina e receba sua aprovação – se não há aprovação divina, não é um crente genuíno – e este não subirá ante o ressoar da última trombeta! Pelo texto áureo sabemos que a santificação tem como agente o próprio Deus. Nesta introdução, há uma afirmativa do comentarista que me chamou a atenção: “Muitos estão sem o azeite, que representa o Espírito Santo”. Fica claro que este não é crente, não nasceu de novo, não se tornou morada, templo do Espírito Santo. Agora resta uma pergunta: Quem será arrebatado? A bíblica é enfática ao afirmar que a Igreja toda, não apenas os que estiverem vivos, mas também os que já dormem (1Co 15.52; 1Ts 4.16). Em nenhum lugar a Bíblia ensina que um verdadeiro filho de Deus poderá ser deixado para trás. O Espírito Santo nos diz, através de Paulo: “todos seremos transformados.” (1Co 15.51). Você crê nisto? Não podemos pensar que o Senhor Jesus viria buscar uma Noiva incompleta, imperfeita — todos os salvos fazem parte da Igreja do Senhor, da Sua Noiva, e todos serão levados. É claro que “nem todo o que me diz 'Senhor, Senhor' entrará no reino dos céus” (Mt 7.21); há muitos que dizem ser cristãos, mas não o são. Todo verdadeiro filho de Deus, porém, que já é nascido de novo, será arrebatado; ninguém será deixado, embora alguns irão ter que se envergonhar naquele dia (1Jo 2.28).] Let's think maturely Christian faith?