Classe Virtual:

Data/Hora Atualizada

28 de setembro de 2013

4º Trim 2013-Lição 1: O valor dos bons conselhos



Lições Bíblicas do 4º Trimestre de 2013 - CPAD - Jovens e Adultos
Título: Sabedoria de Deus para uma vida vitoriosa — A atualidade de Provérbios e Eclesiastes
Comentarista: José Gonçalves
Consultor Doutrinário e Teológico da CPAD: Pr. Antonio Gilberto
Elaboração e pesquisa para a Escola Dominical da Igreja de Cristo no Brasil, Campina Grande-PB;
Postagem no Blog AUXÍLIO AO MESTRE: Francisco A Barbosa.

Lição 1: O valor dos bons conselhos
6 de outubro de 2013
Trimestre comemorativo ao quarto ano do Blog Auxílio ao Mestre

TEXTO ÁUREO
O temor do Senhor é o princípio do conhecimento; mas os insensatos desprezam a sabedoria e a disciplina(Pv 1.7). [Comentário:  O versículo 7 de Provérbios define o tema do livro: o temor do Senhor, que é a maneira bíblica hebraica original de se referir à plena, alegre e amorosa submissão do ser humano ao seu criador e Pai - YAHWEH - a quem, como súditos celestes, devemos honra e cuja Palavra devemos obediência. Em contraposição, temos a figura do “insensato”, expressão cujo sentido mais amplo e dramático refere-se ao “louco”, não exatamente ao doente mental, mas especialmente ao “tolo”, aquele que diante da verdade e da vida prefere a mentira e a morte].

VERDADE PRÁTICA
Provérbios e Eclesiastes são verdadeiras pérolas da sabedoria divina para o nosso bom viver.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Provérbios 1.1-6.
1 - Provérbios de Salomão, filho de Davi, rei de Israel.
2 - Para se conhecer a sabedoria e a instrução; para se entenderem as palavras da prudência;
3 - para se receber a instrução do entendimento, a justiça, o juízo e a equidade;
4 - para dar aos simples prudência, e aos jovens conhecimento e bom siso;
5 - para o sábio ouvir e crescer em sabedoria, e o instruído adquirir sábios conselhos;
6 - para entender provérbios e sua interpretação, como também as palavras dos sábios e suas adivinhações.

OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
          Conhecer o conceito geral dos livros de Provérbios e Eclesiastes.
          Identificar as fontes da sabedoria dos sábios antigos.
          Compreender o propósito da sabedoria ensinada em Provérbios e Eclesiastes.

PALAVRA-CHAVE
Sabedoria: Grande instrução; ciência, erudição, saber. (em grego Σοφία, "sofía") é o que detém o "sábio" (em grego σοφός, "sofós"). Desta palavra derivam várias outras, como por exemplo, φιλοσοφία -"amor à sabedoria" (filos/sofia).
COMENTÁRIO

introdução
[Comentário:  Caro leitor, entramos na reta final de 2013, e não poderia ser melhor do que estudar, neste último trimestre, a sabedoria divina para nós! Temos pela frente uma excelente oportunidade para fazer uma autoanálise e verificarmos se estamos crescendo na graça e no conhecimento do Senhor Jesus Cristo. Travaremos contato com parte da literatura sapiencial judaica e veremos o quanto eles são atuais e relevantes em seus ensinamentos. O comentarista deste trimestre é o pastor José Gonçalves, professor de Teologia, filósofo, escritor e vice-presidente da Comissão de Apologética da CGADB]. Lembro-me dos ditados populares que ouvia dos meus pais: “Águas passadas não movem moinhos”; “Água mole em pedra dura tanto bate até que fura”; “Quem espera sempre alcança”, e muitos outros. Essas pequenas expressões contêm conselhos de uma cultura popular impregnada de valores éticos, morais e sociais, que acabam por dirigir as regras da vida em sociedade. Mais do que qualquer outra fonte, a Bíblia está recheada dessas pérolas. São bons conselhos que revelam a sabedoria divina. Tais máximas bíblicas são expressas em linguagem figurada, das mais variadas formas (parábolas, fábulas, enigmas e provérbios). Por isso, neste trimestre, conheceremos o que a Bíblia revela sobre os conselhos divinos contidos nos livros de Provérbios e Eclesiastes. Veremos ainda como esses conselhos se revelam na vida dos que temem ao Senhor. [Comentário:  São considerados livros da sabedoria três dos livros poéticos: Jó, Provérbios e Eclesiastes, embora Jó seja realmente um livro de espécie única. Essa classificação é baseada no fato de tratarem esses três livros dos problemas que mais interessam à humanidade. Jó trata do problema do sofrimento, Provérbios, do problema do dever moral, e Eclesiastes, do problema da felicidade. O livro de Provérbios não é apenas uma coleção de provérbios, mas uma coleção de coleções. Seu pensamento ou tema unificador é “O temor do Senhor é o princípio da sabedoria”(9.10), aparecendo de outra maneira como: “O temor do Senhor é o princípio (ou parte principal) da ciência”(1.7). Já o livro de Eclesiastes apresenta todos os indícios de ser um ensaio literário cuidadosamente composto que precisa ser compreendido em sua totalidade antes de poder ser entendido em parte. O sentido do livro é definido em 1.3 - “o que dá genuíno valor à existência? Tal fator pode ser encontrado na vida presente?” O pregador apresenta uma resposta esclarecedora e explica por que tudo é inútil: não há nenhum ganho, nenhum proveito, nenhum valor permanente para as pessoas a partir de seu trabalho nesta vida. Mergulhemos então nesta deliciosa jornada e vamos ouvir as palavras dos sábios!]. Tenhamos todos uma excelente e abençoada aula!

I. JOIAS DA LITERATURA SAPIENCIAL
1. O livro de Provérbios. A Bíblia diz que Salomão compôs “três mil provérbios, e foram os seus cânticos mil e cinco” (1Rs 4.32). O texto sagrado identifica Salomão como o principal autor do livro de Provérbios (Pv 1.1), mas não o único. O próprio Salomão exorta a que se ouça “as palavras dos sábios” (Pv 22.17), e declara fazer uso de alguns dos provérbios desses sábios anônimos (Pv 24.23) [Comentário:  aqui há uma outra coleção breve de provérbio dos sábios, similar em estilo aos grupos citados antes deste capítulo.]. O livro revela que havia alguns provérbios de Salomão que circulavam nos dias do rei Ezequias, e que posteriormente foram compilados pelos homens deste piedoso rei (Pv 25.1) [Comentário:  isso deve ter sido feito em cerca de 720 a.C., quando o escrito já tinha sobrevivido por mais de 200 anos, mas não há informações quanto à fonte ou história do documento a partir do qual esses escribas copiaram.]. Por último, o livro de Provérbios revela que Agur, filho de Jaque, de Massá, é o autor do capítulo 30 [Comentário:  A identidade de Agur é desconhecida, mas aparentemente, ele era um sábio bem conhecido; mas seu estilo, frequentemente diferente do restante do livro traz igualmente verdades com imagens fortes e vívidas.]. Já o capítulo 31 é atribuído ao rei Lemuel de Massá[Comentário:  A exemplo de Agur, não se conhece a identidade do rei Lemuel. Ele não aparece entre os reis de Judá e de Israel.]. O livro pertence ao gênero literário hebreu conhecido como sapiencial, isto é, literatura da sabedoria. [Comentário:  Provérbios, mashal; Strong 04912: Provérbio, parábola, aforismo, adágio; uma símile ou alegoria; uma lição com finalidade ou ilustração. Este substantivo vem do verbo mashal, “comparar, ser semelhante”. Com base no livro de Provérbios, Tem-se a impressão de que um provérbio é uma frase curta que contém uma verdade. Mas há evidencia no Antigo Testamento que mostram que o provérbio tem usos mais amplos. O longo discurso de Balaão recebe o nome de mashal (Nm 23.7-24.24). Em outras referencias, mashal indica um escárnio, um adágio, ou uma ilustração. E ainda em outras referencias indica uma pessoa ou uma nação da qual Deus faz um exemplo. Comparar 1Rs 9.7 com Sl 69.11. No primeiro versículo do livro há ma identificação imediata com o seu autor principal. No entanto, o significado não é que todos os provérbios são originalmente de Salomão (filho de David com Bate-Seba, que teria se tornado o terceiro rei de Israel, governando durante cerca de quarenta anos (segundo algumas cronologias bíblicas, de 1009 a 922 a.C.). Ele era, ao mesmo tempo, antologista e autor. Em 1Rs 4.32, lemos que ele “disse” três mil provérbios. Em Eclesiastes ele chama a si mesmo de “pregador” (Ec 1.1). Como tal, ele certamente colecionou e citou expressões úteis - assim como um pregador moderno poderia citar um poema ou usar uma metáfora. Os provérbios são de Salomão, não porque ele os colecionou e usou. Shlomô (em hebraico:שלמה), deriva da palavra Shalom, que significa "paz" e tem o significado de "Pacifico". Também chamado de Jedidias (em árabe سليمان Sulayman) pelo profeta Natã, nome que em hebraico significa "Amado de Jeová". (II Samuel 12:24, 25)].
2. O livro de Edesiastes. Eclesiastes, juntamente com Cantares, Jó, Salmos e Provérbios, também faz parte do gênero literário conhecido como “Literatura Sapiencial”. Sua autoria é atribuída a Salomão (Ec 1.1). Embora escrito pelo filho de Davi e pertença ao mesmo gênero literário, o livro de Eclesiastes possui um estilo diferente de Provérbios. Ele se apresenta como um discurso usado em assembleias ou templos. Alguns intérpretes acreditam que se trata de uma coletânea utilizada por Salomão em seus discursos. Ao contrário do que muitos pensam, o livro de Eclesiastes não expõe uma espécie de ceticismo ou desencanto existencial. Salomão faz um balanço da vida do ponto de vista de alguém que teve o privilégio de vivê-la com intensidade, mas que descobre ser ela totalmente vazia se não vivida em Deus. A própria sabedoria, tão celebrada nos Provérbios, quando posta a serviço de interesses pessoais e objetivos mesquinhos é tida como tola. [Comentário:  O nome Qohellet, ou Eclesiastes deriva do termo hebraico qahal, em grego ekklesia (assembleia) e significa “aquele que fala a uma assembleia”. O termo hebraico Qohellet, como aparece na Bíblia hebraica, que significa “o homem da assembleia” ou “aquele que convoca uma assembleia”, recebendo muitas vezes a tradução de “Professor” ou “Pregador” em outras versões da Bíblia, sugere que Cohellet possa ser uma pessoa ou um título; no caso, mestre ou orador (12.9-10). Creditado a Salomão (cerca de 971 a 931 a.C.), foi escrito em sua velhice - para muitos interpretes de Eclesiastes, a linhagem (1.1), o reinado em Jerusalém (1.12), a grande sabedoria (1.16) e a riqueza inigualável (2.4-9) do autor indicam que Eclesiastes foi escrito por Salomão, que se autodenominou o “Pregador”. Nesse livro, busca-se dar uma resposta à pergunta: que proveito tem o homem no trabalho e na sabedoria? Assim, o trabalho e a sabedoria constituem os dois temas principais. o início do livro enfatiza a função de Salomão como aquele que convoca a comunidade da aliança, a fim de testemunhar e de celebrar a glória do Rei dos céus, que enche seu templo terrestre (1Rs 8)].

SINOPSE DO TÓPICO (I)
Provérbios e Eclesiastes são livros de sabedoria judaica que revelam os desígnios eternos para a vida.

II. A SABEDORIA DOS ANTIGOS
1. A inteligência dos sábios. Já observamos que pelo menos duas referências do livro de Provérbios fazem citação das “Palavras dos Sábios” (Pv 22.17; 24.23). Mas quem são esses sábios? O texto não os identifica. Todavia, o Primeiro Livro dos Reis fala acerca de outros sábios, igualmente famosos, e como Salomão os sobrepujou em sabedoria (1Rs 4.29-31). [Comentário:  Salomão não foi o único autor dos provérbios, embora ele tenha escrito uma grande parte (cf. 1.1; 10.1; 25.1). O próprio Salomão declara: “... também estes são provérbios dos sábios” (Pv 24.23). Provavelmente signifique um número de homens sábios cujos provérbios são citados, embora o uso da primeira pessoa (vs 19-21) dê um toque pessoal. A introdução em primeira pessoa pode ser do próprio Salomão ou de qualquer um dos sábios citados. Não podemos negar que Salomão foi um dos homens mais sábios do seu tempo e que proferiu 3 mil provérbios (1Rs 4.32), todavia há outros autores das citações, como Agur (Pv 30.1) e o rei Lemuel (Pv 31.1). É importante também observar que seus autores pertenceram a épocas distintas. Etã e Hemã eram músicos e, como sugerido nos títulos dos Salmos 88 e 89, cada um deles escreveu um Salmo.].
2. A sabedoria de Salomão. O escritor americano Eugene Peterson mostra a singularidade da sabedoria salomônica em diferentes áreas da vida. Mais especificamente nos Provérbios, há uma amostra de como honrar os pais, criar os filhos, lidar com o dinheiro, conduzir a sexualidade, trabalhar e exercitar liderança, usar bem as palavras, tratar os amigos com gentileza, comer e beber saudavelmente, bem como cultivar emoções e atitudes em relação aos outros de modo pacífico. Peterson ainda mostra que o princípio da sabedoria salomônica destaca que o nosso modo de pensar e corresponder-nos com Deus reflete a prática cotidiana de nossa existência. Isto significa que nada, em nossa vida, precede a Deus. Sem Ele nada podemos fazer. [Comentário:  Os provérbios têm a sua origem nos ditos populares. Todavia, os provérbios bíblicos são breves declarações que expressam os conselhos divinos para nós. Podemos afirmar que cada provérbio é uma parábola resumida e o livro todo é a Palavra de Deus. É Deus falando por intermédio das circunstâncias da vida. Expresso de várias maneiras, o temor do Senhor é o tema que se repete ao longo do livro como a chave, o meio, o segredo para se obter verdadeira sabedoria. Não é o terror diante de um tirano, mas o tipo de temor e respeito que levará à obediência a Ele, que é o mais sábio de todos. O propósito do livro é ensinar os leitores a viverem de forma justa, correta e ética. O objetivo é levar as pessoas a expressarem, no seu dia-a-dia, a sabedoria de Deus. Embora o livro também trate das questões corriqueiras da vida, ele é um convite à busca da sabedoria que vem do Alto, a sabedoria divina].

SINOPSE DO TÓPICO (II)
A sabedoria dos antigos, e particularmente a de Salomão, versava sobre diferentes áreas da vida humana.

III. AS FONTES DA SABEDORIA
1. A sabedoria popular. Os livros poéticos mostram, entre outras coisas como louvores e orações, muito da sabedoria do povo de Israel. Ciente dessa verdade, Salomão apresenta máximas populares para compor os seus Provérbios (Pv 22.17; 24.23). Podemos entender que Deus dá inteligência aos homens para que estes possam analisar as situações da vida e tirar delas conclusões que servirão para si mesmos e para outras pessoas, em forma de conselhos e advertências, como ocorre no livro de Provérbios. [Comentário:  Salomão apresenta uma seção com uma coletânea de ditos de sabedoria principalmente sob a forma de instruções (22.17-24.22). Há evidencias de que a primeira parte (22.17-23.11) aproveitou-se da sabedoria egípcia de Amenemope. Se este for o caso, esses discernimentos foram conscientemente apropriados como admoestações que ajudam a pessoa a sastifazer as obrigações da aliança de ter “confiança... no Senhor”(22.19). As tradições de sabedoria são compartilhadas por pessoas de diferentes culturas e religiões. Salomão discutia a sabedoria com pessoas provenientes de diversas nações (1Rs 4.29-34; 10.1-7), mostrando como certas características da sabedoria eram compartilhadas através de fronteiras nacionais e religiosas. O autor de Provérbios, tal como os historiadores da Bíblia, não foi impedido, em princípio, de usar os materiais existentes no processo de escrita daquilo que Deus inspirou].
2. A sabedoria divina. O texto bíblico destaca que Salomão “falou das árvores, desde o cedro que está no Líbano até ao hissopo que nasce na parede; também falou dos animais, e das aves, e dos répteis, e dos peixes. E vinham de todos os povos a ouvir a sabedoria de Salomão e de todos os reis da terra que tinham ouvido da sua sabedoria” (1Rs 4.33,34). De onde vinha tanta sabedoria? O texto bíblico revela que Salomão orou pedindo a Deus sabedoria (1Rs 3.9), e que o Senhor respondeu-lhe integralmente (1Rs 3.10-14). Esta é a fonte da sabedoria de Salomão e explica o porquê de ninguém conseguir superá-la. [Comentário:  O hebraico hokmah (sabedoria) é encontrada repetidamente no livro de Provérbios. No Antigo Testamento, ela era usada para descrever a habilidade de artesãos, artistas e conselheiros (Êx 28.3; 31.3,6; 35.26; 36.1). A sabedoria de Salomão não tem comparação na história de Israel, evidenciada na pitoresca narrativa de 1Rs 3.16-28, numa vívida demonstração do dom de sabedoria que Deus tinha dado a Salomão, em cumprimento ao seu pedido feito em oração (1Rs 3.9-12). Salomão era um amante e incentivador da literatura de sabedoria e foi, pessoalmente, um autor produtivo. Também manifestou um interesse especial pela natureza. Ao escrever seus provérbios, Salomão ordenou as relações sociais; ao listar as questões da fauna e da flora, pôs em boa ordem os elementos do seu reino. Sua reputação transbordou as fronteiras do seu reino. Monarcas de várias nações enviavam emissários para aprender a erudição de Salomão. Os textos de Ebla, de cerca de 2350 a.C., mencionam homens letrados provenientes de muitas nações a fazerem “preleções” em Ebla, mostrando como essas viagens eram possíveis desde os tempos antigos (Ebla, uma  antiga cidade localizada no norte da Síria, a cerca de 55 km, a sudoeste de Alepo. Foi uma importante cidade-estado em dois períodos: em inícios do 3º milênio a.C., e novamente entre 1 800 a.C. e 1 650 a.C.].

SINOPSE DO TÓPICO (III)
A fonte de toda sabedoria do rei Salomão era o Senhor nosso Deus.

IV. O PROPÓSITO DA SABEDORIA
1. Valores éticos e morais. Na introdução do livro de Provérbios, encontramos um conjunto de valores éticos e morais que revelam o propósito desses conselhos. Ali, consta todo o objetivo proposto pelo livro: (1) Conhecer a sabedoria e a instrução; (2) entender as palavras da prudência; (3) receber a instrução do entendimento, a justiça, o juízo e a equidade; (4) dar aos simples prudência e aos jovens conhecimento e sensatez; (5) ouvir e crescer em sabedoria; (6) adquirir sábios conselhos; (7) compreender provérbios e sua interpretação, bem como também as palavras dos sábios e suas metáforas (Pv 1.1-6). [Comentário:  O propósito do livro de Provérbios é guiar o leitor à sabedoria, vocábulo com muitas nuances. Está relacionado com o intelecto e com o controle do comportamento humano. É uma maneira de pensar sobre a realidade que capacita alguém a seguir o que é bom na vida. Através da sabedoria, Deus revela quais são os valores da vida e como podem ser alcançados.].
2. Valores espirituais. Além de apontar valores éticos e morais, ao afirmar que o “temor do Senhor é o princípio da ciência; [e que somente] os loucos desprezam a sabedoria e a instrução” (Pv 1.7), o cronista sacro abaliza os valores espirituais que sobressaem nas palavras de Provérbios. Da mesma forma, o livro de Eclesiastes aponta para Deus como a razão de toda a existência humana. Fora dele não há base segura para uma moral social. Os livros de Provérbios e Eclesiastes formam uma tessitura milenar no contexto religioso judaico que, adaptado à nossa realidade, apresentam conselhos práticos para a vida cotidiana de todos os homens. [Comentário:  O princípio controlador de Provérbios está afirmado no versículo 7: “O temor do Senhor”, e é uma antiga e decisiva contribuição israelita para a inquirição humana pelo conhecimento e pelo entendimento. O temor do Senhor é a única base do verdadeiro conhecimento. Esse temor não consiste num terror desconfiado de Deus, mas, antes, é a admiração reverente e a resposta em adoração da fé ao Deus que se revela como criador, Salvador e Juiz. Significa o ponto de partida do conhecimento com o seu princípio básico e normativo. Enquanto que na sua graça comum, Deus capacita os incrédulos a saberem muito sobre o mundo, somente o temor do Senhor capacita o homem a saber o que alguma coisa significa em última análise. Dependendo desse entendimento, a sabedoria persegue a tarefa de refletir sobre a experiência humana.].

SINOPSE DO TÓPICO (IV)
O propósito da sabedoria nos livros de Provérbios e Eclesiastes é constituir um conjunto de valores éticos, morais e espirituais para a vida.


CONCLUSÃO

A literatura sapiencial, representada neste trimestre pelos livros de Provérbios e Eclesiastes, revela que o temor do Senhor é o fundamento de todo o saber. Ninguém pode ser considerado sábio se os seus conselhos não revelarem princípios do saber divino. Segundo a Bíblia, um sábio não se caracteriza apenas por ter muita informação ou inteligência, mas é alguém que aprendeu o temor do Senhor como a base de toda sua vida e, por isso, sabe viver e conviver (Tg 3.13-18). [Comentário:  No mundo existem muitas pessoas inteligentes, há muitas mentes criativas que ajudam a melhorar nossa vida aqui. Os incrementos tecnológicos que nos permitem tantas facilidades são um exemplo disso; no entanto, considerando a sabedoria defendida pelas Escrituras, estas pessoas não podem ser consideradas sábias, se a base de seu pensamento não for o “temor do Senhor”. Esse fato fica evidenciado na leitura de Eclesiastes quando nos deparamos com o relato triste de um homem que, embora sábio, viveu parte da sua vida longe de Deus. O propósito é mostrar, e em especial aos jovens, que o sentido da vida não está nos bens materiais, no conhecimento, no prazer, na fama. O verdadeiro sentido da vida está em Deus, o Criador! Não que devamos negligenciar a sabedoria e conhecimento seculares, não devemos nos esquecer que nem tudo que o homem produz é totalmente mau e dissociado do Criador, porquanto Sua graça comum capacita o homem a adquirir e produzir conhecimento e sabedoria. Contudo, para nós que alcançamos uma tão grande salvação, só podemos considerar verdadeiramente sábio, alguém que aprendeu o temor do Senhor como a base de toda sua vida e, por isso, sabe viver e conviver (Tg 3.13-18)].
NaquEle que me garante: "Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Ef 2.8),

Graça e Paz a todos que estão em Cristo!

Francisco de Assis Barbosa
Cor mio tibi offero, Domine, prompte et sincere
Meu coração te ofereço, Senhor, pronto e sincero (Calvino)

Campina Grande-PB
Outubro de 2013.


VOCABULÁRIO
Desencanto Existencial: Desgosto ou decepção com a realidade vivida, isto é, com a vida.
Tessitura: Modo como estão interligadas as partes de um todo; organização, contextura.
Sétuplo: Numeral que vale sete vezes o outro.
Epítome: A síntese, o resumo.

EXERCÍCIOS
1. O que o livro de Provérbios revela acerca de Salomão?
R. O livro revela que havia alguns provérbios de Salomão que circulavam nos dias do rei Ezequias. Posteriormente, eles foram compilados pelos homens desse rei (Pv 25.1).
2. Embora pertença ao mesmo gênero literário de sabedoria judaica, qual a diferença entre Eclesiastes e Provérbios?
R. Diferentemente de Provérbios, Eclesiastes apresenta-se como um discurso usado em assembleias ou templos.
3. Além de louvores e orações, o que os livros poéticos mostram?
R. Muito da sabedoria do povo de Israel.
4. Cite pelo menos três objetivos propostos na introdução do livro de Provérbios.
R. Conhecer a sabedoria, a instrução; entender as palavras da prudência; adquirir sábios conselhos.
5. Os livros de Provérbios e Eclesiastes formam uma tessitura milenar no contexto religioso judaico. Para nós, o que eles falam hoje?
R. Adaptados a nossa realidade, eles apresentam conselhos práticos para a vida cotidiana.

NOTAS BIBLIOGRÁFICAS
OBRAS CONSULTADAS:
-. Lições Bíblicas do 3º Trimestre de 2013 - CPAD - Jovens e Adultos; Comentarista: Pr. Elienai Cabral; CPAD;
-. Bíblia de Estudo Pentecostal – BEP (Digital);
-. Bíblia de Estudo Plenitude, Barueri, SP; SBB 2001, Dinâmica do Reino – Confissão de Fé; p. 1239;
 -. Bíblia de Estudo Defesa da Fé: Questões reais; Respostas precisas; Fé Solidificada. 1 ed., RJ: CPAD, 2010.
-. MELO, J. L. Eclesiastes versículo por versículo. RJ: CPAD, 1999, p.12;
-. Dicionário Bíblico Wycliffe. 1 ed., RJ: CPAD, 2009, p.1712.
-. http://pt.wikipedia.org/wiki/Sabedoria

Autorizo a todos que quiserem fazer uso dos subsídios colocados neste Blog. Solicito, tão somente, que indiquem a fonte e não modifiquem o seu conteúdo. Agradeceria, igualmente, a gentileza de um e-mail indicando qual o texto